Destaque, Geral

SEM TEMPO PARA ESPERAR

ate-quando-CopiaA proposta do Sindifiscal, deliberado em assembleia para o Redaf é coerente, precisamos adaptá-la para a nossa realidade atual. Vejamos:

….

  • 10º) FRACIONA O RECEBIMENTO DE 50% a 100% DO VALOR DO REDAF

                   QUANDO SOFRER VARIAÇÃO NO INTERVALO DE 95% a 105% DA META

                   DE ARRECADAÇÃO,

  • 11º) CONCEDE TRATAMENTO IGUALITÁRIO NO REDAF AO POSTO

                   FISCAL DO ESTREITO E TALISMÃ;

Precisamos agora, colocar também, a proposta de 30% sobre o fixo, além de estabelecer data máxima para pagamento e  flexibilizar suas regras. É justo e já tem precedente quanto ao valor. Não somos melhores que demais servidores, também, não há qualquer indício ou motivo, para que os Auditores sejam  tratados inferiormente. Não se quer tratamento privilegiado ou prioritário, desde que se está na ponta da atividade fim, mas roga-se, pelo menos, por tratamento justo, equilibrado, isonômico  e igualitário. Não há qualquer motivo para que sejamos tratados de forma inferior.

A grandeza de um governante se mede pela régua da justiça que distribui.

Os chamados ‘administrativos’ merecem, sem qualquer sombra de dúvida, o Redaf que tem. Nós, não! Não  merecemos essa situação imposta. Estamos subavaliados no processo! E o motivo disso tudo  é a histórica omissão de nossos dirigentes sindicais. . Por não termos uma representação à altura, fomos relegados a segundo plano nas carreiras funcionais do  Estado.

Não se pode viver eternamente à mercê de casuísmos e conveniências. Essa mobilização (pelo Redaf) atende a todos Afres, e não se trata, absolutamente, de qualquer tipo de manobra sindical.

Será por isso, que foi esquecido?

Não iremos deixar essa movimentação para última hora ou para  ano que vem, como querem alguns. Pois certamente, irão querer parcelar e dividir e 12 ou 24 meses futuros, como só vem acontecendo, e quando (se) recebermos, já não faria diferença alguma. Como disse Vandré:  … quem sabe faz hora, não espera acontecer.”

Temos que voltar a andar na frente, e não SEMPRE  correndo atrás do prejuízo. Se corriqueiramente,  a categoria tem que estar à frente, fazendo  número e puxando o movimento,  Afinal, qual a função e para que serviria mesmo, diretoria sindical?

Desculpem-nos, mas em  circunstância assim,  a categoria não teria qualquer necessidade dela,  uma despesa flagrantemente  desnecessária. Desperdício de tempo, recursos e oportunidade. Não precisa ser gênio para se perceber isso.

Reafirma-se: O tempo não volta mais!

Não se pode ser leniente com esse modo de agir.

Ainda dá tempo, a  Diretoria do Sindifiscal pode e deve mudar o jogo. Vamos colocar o time em campo. Que a Comissão Técnica mude o centroavante e artilheiro. Jogue a zaga para frente. A categoria toda ficará no gol.

Tudo isso, não modificará o passado, mas nos reservará um futuro melhor.

ENTÃO, VAMOS GANHAR A COPA DO REDAF?

 

5 Opiniões

  1. Grande
    Rander:

    Não posso dizer que você está errado.
    Mas não seria melhor agirmos? Não perderemos nada em agir. Como disse Bertold Brecht “O preço da Liberdade é a eterna vigilância.” No caso, teremos de trocar “liberdade” por “recebimento”.
    A bem da verdade, a hora é propícia, pois pode-se fazer uma lei agora e pagar em janeiro, acertando-se o cálculo da meta e a data de pagamento primeiro. Não seria solução, mas sim, uma alternativa!
    A inércia do Sindifiscal, além de crônica, insanável – é irrecuperável, pois é proposital, intencional e objetivada! Existem diversos motivos para que assim procedam. Você imagina quais sejam? Não precisa descrevê-los , pois dá processo!

    Abs,

    Caio França.

  2. RANDER OLIVEIRA

    Nobre amigo Caio, infelizmente sabemos qual será o resultado desta fadada copa!!!

  3. RANDER OLIVEIRA

    Nobre colega e amigo Wanderley como você mesmo disse “rogo para que a diretoria do Sindifiscal atente para a continuidade da mobilização “, esse é um terrível paradoxo, pois temos uma categoria totalmente desinteressada, desmotivada e desmobilizada, vejo algumas pequenas preocupações, tipo, “já saiu o REDAF” (me pergunto, para onde), “será que haverá reajuste, o sindicato esta olhando isto”. Até o momento tenho a infeliz certeza que estamos muito distante, e que poucos de nos estão realmente preocupados e se necessário for estão prontos para participar de qualquer movimento.
    Ficarei muito surpreso se houver reajuste, fixação de índice, data de pagamento, até o final deste ano.
    É lamentável a inercia do sindicato e da maioria de nossos colegas no intuito de qualquer melhoria!!@!

  4. Caros colegas,muito justa a reivindicação a ser pleiteada pela ASFETO,já que estamos defasados em tudo,estamos sendo relegados a segundo plano, nós que arrecadamos para os cofres do Estado.no mínimo deveríamos estar em paridade com os administrativos que percebem 13 com base na média. Vamos lutar com afinco e disposição que os órgãos que nos representam apressem esse item da nossa categoria. Pois senão abrirmos os olhos ficaremos a “ver navios” como sempre.
    É imprescindível que seja divulgado aos nosso colegas para que estejamos sempre de olho nesta situação. rogamos a todos que fiquem ‘ligados’ no que acontece,pois muitos de nós não estão informados do que acontece com nossa categoria,vamos á luta, e com certeza conseguiremos chegar lá.

  5. Caros colegas, rogo para que a diretoria do Sindifiscal atente para a continuidade da mobilização e, que neste momento é a vez do REDAF.

    Reitero que tomei conhecimento da lei do REDAF dos administrativos(Lei 2327 e decreto 4030 todos de 2010), e diga-se de passagem são merecedores, ela é bem mais flexível do que a nossa não só em termos de valores que em certos cargos percebem valores bem maiores que o dos auditores (tem casos de até 4.000,00) porque o percentual é de 30% do subsidio, ou seja, garantem o aumento do mesmo quando há correções salariais, mas também sobre as regras para recebimento e, ainda, o pagamento de 13º REDAF com base nos últimos 12 meses como forma de aumentar o incentivo.
    Por isso, é mais que urgente fazermos essa reivindicação, é mais que justa, é um direito e temos que exigir no mínimo o mesmo tratamento que nossos colegas Administrativos, visto que somos os agentes do lançamento do credito tributário, do julgamento e da exigência do tributo e controle das mercadorias em trânsito.

    Faço referência aqui ao colega Claudio Murilo que nos advertiu de tamanha injustiça e ao colega Caio pela matéria.

    Portanto, ISONOMIA E FLEXIBILIZAÇÃO do REDAF JÁ!! VAMOS À LUTA!!
    Grande abraço a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *