OPINE AQUI

É livre o direito de Opinião, que não exprime necessariamente o ponto de vista da Asfeto,
sendo o emitente responsável pelo seu inteiro teor e conteúdo.
Antes de enviar veja as opiniões que já foram publicadas.

Role a página até o final e opine a vontade.
Participe! Sua opinião é importante para toda a categoria.

Clique aqui para ir direto ao formulário de envio de opinião

986 Opiniões

  1. Caro
    Wanderley:

    Suas reclamações, considerações e colocações são pertinentes. Faltou dizer que além de autoritário é golpista (o presidente), haja vista a tentativa de aumentar o mandato e impedir a a oposição de participar do pleito passado através de assembleia sem discutir com a categoria e, agora, recentemente, a tentativa de golpe em dobrar a mensalidade, criando ainda caixa de 1.200.000,00 para despesas “jurídicas”. Sem falar do dinheiro que pegaram emprestado para a categoria pagar. Se isso não for golpe, o que será?
    Sobre o cerceamento de filiações a categoria já não tem mais qualquer dúvida sobre sua motivação: as contas tenebrosas e talvez, até caixa 2, que jamais passariam com esse simulacro de prestação de conta, se lá tivesse oposição séria. O regime democrático só pode ser balanceado com oposição, e se assim não o for, é ditadura de minoria. Em outras palavras, a oposição é a garantia da realização correta da democracia.
    O processo de substituição de direção sindical não deixa de herança somente as benesses, deixa o herdeiro, também, com obrigação de encobrir as impropriedades e roubalheira de seu antecessor. Para o bem da categoria fiscal tocantinense, precisa-se encerrar essa dinastia perniciosa e prejudicial. Quase dez anos de desmandos, para se dizer o mínimo!
    A caixa preta do departamento jurídico precisa ser aberta. Muitos colegas poderão ficar boquiabertos ao constatar como funciona essa engrenagem.

    Abs,

    Caio.

  2. Balanço da AGE de 24 de outubro – SINDIFISCAL

    A histórica assembleia requerida pela categoria sob pena de perda de mandato da diretoria do Sindifiscal com certeza marcou o fisco Estadual. Abaixo algumas considerações:
    1 – A categoria está de parabéns, em destaque os lideres de todo o Estado, pela mobilização que desta vez foi contra uma assembleia que aprovou sem critérios e discussões deliberações que extrapolavam todos os limites de aceitação. Esperamos que de agora em diante estejamos cada vez mais participativos, atentos e que a categoria não permita mais abusos, manipulação e desmandos. O grande exercício da democracia praticado pela ponta inversa da lança: a categoria. A maturidade adquirida e ausência de grandes polêmicas advindo da fragilidade em que se encontrava a diretoria diante da convocação da assembleia com base no Estatuto do sindicato;
    2 – Esta foi a única vez que se viu o presidente do Sindifiscal correr o Estado preocupado com o aumento da perda de credibilidade e buscar adesões para seu projeto que caiu por terra na assembleia que cancelou última do dia 27 de setembro numa brava e numérica votação com apresentação de muitas propostas que culminaram na deliberação da mais mediana, equilibrada e consensual;
    3 – Houve a nítida demonstração que a diretoria do Sindifiscal não é e nunca foi democrática, sempre autoritária e ditatorial (como Fidel em Cuba). Tão democrática que impede colegas de filiar por medo de questionamentos e cobrança de esclarecimentos de diversas irregularidades praticadas. Paga e disponibiliza advogados para impedir essas filiações enquanto fala em falência financeira e contrata advogados com honorários a causar inveja na tabela da OAB para defender causas que não há necessidade de contratação como é o caso da LOAT que foi oferecida pelo Sindicato do Pará (a lei orgânica deles é um grande exemplo – tornou o fisco paraense respeitado e valorizado) sem nenhum custo todo apoio jurídico;
    4 – Foi louvável e digno de respeito a indagação de um colega na assembleia sobre o fato de disponibilizar as contas do sindicato (tem que esclarecer as contas de forma analítica para todos os filiados) antes da aprovação porque são colocadas de forma sintéticas e sem notas explicativas, sendo justificadas apenas verbalmente.
    Esse é uma simples explanação para refletirmos e não tem o intuito de esgotamento do assunto, resguardando o melhor juízo.
    Grande abraço a todos!!

  3. Caro colega Sérgio,
    Bom dia.
    É com muita satisfação que recebemos e publicamos todos os seus posts registrados em nosso site.
    Peço desculpas pela falha de ter autorizado as mensagens de forma reunida em um só post. Aproveito para informar-lhe que já foi corrigida e desmembradas no espaço “OPINE AQUI”.
    Oportunamente convido-o a comentar também nas matérias de capa, não deixando, claro de postar no “OPINE AQUI” (espaço mais visitado de nosso site com mais de 5.000 visualizações registradas somente nesse espaço e com mais de 8.000 visualizações de páginas em todo o site mensalmente).
    Solicito ainda que ao opinar e para melhor visualizações dos leitores reúna o texto de suas postagens em números menores de posts ok?
    A Asfeto agradece imensamente sua participação e entende que assuntos que você tratou precisam mesmo de providências com urgência e nossa entidade fará novamente uma viagem em todas as regionais como foi feito em fevereiro de 2014 para o mapeamento das condições de trabalho e iremos levantar e fazer um diagnóstico de todas as dificuldades e falta de estrutura colocadas por você e por diversos colegas de todo o Estado.
    Grande abraço e reitero agradecimentos!!
    Wanderley Noleto – Diretor Social e de Comunicação (estou à disposição nos telefones 63 3215 5619 / 63 9249 8293, também nos emails: contato@asfeto.com.br / nunesnoleto@gmail.com)

  4. SERGIO ROCHA LIMA

    Vixeeee……esqueci de dizer que fazem quase cem anos que ganhamos em última instância a causa das horas extras e até agora eu não vi um centavinhooooo!

  5. SERGIO ROCHA LIMA

    Agradeço,aos nobres colegas pela oportunidade e solicito que vcs venham comprovar “in loco” a falta de estrutura a que o fisco aqui em Araguatins está(ou sempre esteve) reduzido. Desde Araguatins até São Miguel(fronteira com o Maranhão) não dispomos de um depósito para cargas secas. Estamos em uma zona de forte produção de laticíneos e carne e pasmem os senhores,não dispomos de uma câmara fria(e nem quente também rs). Quero saber….no momento em que alguém souber dessa nossa deficiência,não vai querer utilizá-la contra nós? Há de se ressaltar o enorme esforço de nossa delegada Zuldilene que com o apoio nosso(auditores e outros servidores) que mês após mês,quebramos recordes de produtividade e arrecadação,chegando mesmo a passarmos de “patinho feio” das regionais para o maior crescimento em termos proporcionais de todas as regionais(sem desmerecer as outras) ! Imaginem se tivéssemos o mínimo desejado….obrigado pela atenção

  6. SERGIO ROCHA LIMA

    O que dizer de eu e meu colega em um comando volante,termos que solicitar que um caminhoneiro rode 50 quilômetros para fazer uma ação fiscal em um posto,pelos simples motivos de não termos um dare avulso e nem um sistema embarcado de emissão de documento fiscal e não termos o que fazer no local? E se o caminhoneiro se recusasse a dirigir 40 quilômetros e não se furtasse a pagar? Vamos obrigá-lo a nos seguir por 50 ou 100 kms pelo simples fato de não termos um dare avulso? Vamos nos sujeitar a levar um processo do ministério público por abuso de autoridade ou condução coercitiva? Pisamos em ovos,pois,se deixarmos de fazer com essa alegação(nunca deixei de fazer uma ação fiscal) certamente seremos processados pelo Estado e talvez acusados de sermos desonestos! Ou seja comprovando,pelo menos nesse caso em pauta,a corda arrebenta para o lado mais fraco e sabedor disso,aviso de antemão aos meus queridos e amados superiores hierárquicos que nem pensem em encher meu saco(desculpem o termo),pois,sei dos meus direitos e se falo isso é com conhecimento de causa e disponho de gravadores em forma de muitos apetrechos e sei muito bem o endereço do ministério público e sei o que é assédio moral! Sem falar de que autoridade que sabe e não resolve durante muitos anos,ou é vítima da liseira(falta de grana) ou tem outras prioridades ou é omissa!!! Passar bem!

  7. Muito bem,
    Colega Cláudio,

    É assim mesmo que se faz – Reclamar e sugerir solução! A Asfeto somos todos nós, a vanguarda, não por discurso, mas pela atitude frente aos nossos problemas. Estamos a postos, nobre amigo. Falaremos por telefone sobre esse assunto.

    Abs.

  8. Caro
    Pierre:

    Os malabarismos financeiros como os que você citou aqui, certamente é para encobrir algo de podre dessa administração(?). Ouvi dizer que há lá uma verdadeira farra de combustível – tanto que daria para dar a volta em torno da terra – rodar 40 mil km. Como será que conseguem gastar tanto dinheiro com combustível sem arredar o pé de Palmas?
    Outro assunto que precisa se dar mais atenção é sobre gastos com setor jurídico. A farra dos pareceres. Tem (também) alguma coisa muito estranha aí. Somos uma categoria de auditores, seremos extorquidos, sem manifestar nossa revolta?
    Aos que comandam esses desmandos relembro o aviso de Sócrates: “Se o desonesto soubesse a vantagens de ser honesto, ele seria honestos, ao menos por desonestidade.” Grande Sócrates!

    Atenção Sérgio: muito boa aquela da mulher de César!

    Abs,

    Caio.

  9. Nobre
    Colega
    Sérgio:

    Vez por outra o trabalho nos assoberba aqui, e não damos conta de manter o ritmo das manifestações atualizadas, mas quem faz a moderação/atualização e manutenção de nosso site é o colega Wanderley, que o tem feito com muita competência.
    Ainda assim, peço desculpas por não ter atendido seus post ao tempo que gostaria.
    De maneira alguma foi intencional, asseguro-lhe. A sua participação é muito importante para nós.

    Abs,

    Caio França.

  10. claudio murilo

    Eu ouvi falar, volto a repetir ouvi falar, não estou afirmando positivamente que reflete a realidade, porém ouvi falar que o juridico da SEFAZ deu positivo para o pagamento aos supervisores, porém até agora não foi efetuado o pagamento e nem pronunciado nada a respeito, nem por quem deveria estar envolvido para solucionar o impasse(entidade-mor) a asfeto como associação ao menos poderia saber a respeito e nos colocar a par do assunto, pois do outro lado tá dificil sair alguma noticia concreta.

  11. claudio murilo

    Peço a asfeto que encampe a luta dos supervisores fiscais para que sejam pagos o adicional noturno, pois é devido, mais ficamos de fora apesar do presidente da entidade-mor ter estado no Talismã e dito claramente que todos receberiam, inclusive a “supervisão” e agora não temos nenhuma noticia sobre o assunto, por mais que todos os supervisores do estado recorram a qualquer “pessoa” ou “entidade” nada de concreto é dito ou feito, acho que os detentores do titulo de representantes da categoria é que deveriam se esforçar mais para que isso se solucionasse de forma definitiva e rapida, porém não vejo nenhum ensejo nessa resolução, digo isso pois não há pronunciamento nenhum sobre o caso, peço ao colega Caio e a asfeto dentro do possivel interceder ou ao menos tentar descobrir em que pé está esse embroglio, justiça seja feita, conclamo a todos supervisores que cobrem da “entidade-mor” e da SEFAZ essa resolução.

  12. SERGIO ROCHA LIMA
  13. Robispierre Xavier

    Contraíram empréstimo de R$ 500.000,00. A dívida é muito maior que isso, em razão dos encargos financeiros. Desse empréstimo, pegaram R$ 50.000,00 e fizeram uma aplicação financeira (inexplicável) e a prestação é de R$ 15.000,00. Não comprovaram o gasto dos 450 mil, apenas disseram “está enfiado na obra lá” e ficou por isso mesmo.
    Tem mais: existe, além da despesa com a assessoria jurídica, esse ano já teve pagamento de R$ 40.000,00 à uma advogada constitucionalista, para elaborar a LOAT. Existem também, pagamento de R$ 64.000,00 a um perito contábil.
    Dizem também, que já gastaram mais de R$ 1.000.000,00 na obra faraônica da sede do sindicato. Convido os nobres colegas a visitarem a obra e ver de perto essa mentira descabida.
    Chamo a atenção para a nebulosidade com pancadas de chuva, nessa relação Sindifiscal/Sicredi.

  14. SERGIO ROCHA LIMA

    “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e ter vergonha de ser honesto.”
    ― Rui Barbosa.

  15. SERGIO ROCHA LIMA

    Caro colega Antônio Luis Cavalcante Alves,o sindifiscal tem que explicar se realmente procede existindo “grana” em conta,ele foi contrair empréstimo só um pouco maior do que tinha depositado. Ah,essa sua tirada que ainda existe “tang’ foi sensacional! Kkkkkk.
    Valendo-me ao episódio,em que talvez Pompéia(esposa de César) não teve culpa,eu trago uma analogia,que cabe muito bem neste caso: “À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta.”

  16. SERGIO ROCHA LIMA

    Nobre Caio,longe de mim pautar o que o colega deve ou não publicar,mas,se é por receio que eu me prejudique nos meus 4 últimos comentários(ainda não divulgado) quero tranquilizar o nobre combatente que eu estou totalmente ciente de alguma consequência para minha pessoa.Mas,estou em meu direito e não me abalo,pois,o Senhor Deus do exército sabe que meus própositos são construtivos e sei que não há nenhum argumento legal na lei dos homens que justifiquem e legalizem alguma reataliação contra minha pessoa. Muito obrigado meu caro colega! Mando um abração para meus colegas,em particular(pois somos amigos e trabalhamos anooos juntos) aos meus colegas Armando,Jatobá,Renatão,Paulo Piauí,Pedro Henrique,Luciano,Paulo Romero e muitos mais!

  17. SERGIO ROCHA LIMA

    Doutrinação bolivariana no Brasil é fantasia? Grupo enviado por Maduro ao Brasil dá aulas de socialismo ao MST: foram primeiro a SP e PR !!!!! https://br.noticias.yahoo.com/blogs/claudio-tognolli/grupo-enviado-por-maduro-ao-brasil-da-aulas-de-163149226.html

  18. ANTONIO LUIS CAVALCANTE ALVES

    Fiquei sabendo a vários dias que o SINDIFISCAL contraiu uma dívida de R$ 500.000,00 de um banco em Palmas. Ao mesmo tempo me disseram que o mesmo tem aplicação em um banco de quase este valor. É um pouco estranho ter dinheiro aplicado e contrair divida com juros mais elevados. Não poderia um sindicato fazer dívidas para nós pagarmos. Tal empréstimo foi para dar prosseguimento na obra do sindicato. Ora, se não tem dinheiro faça uma obra mais barata, corta os gastos com tanta farra, com jantares caríssimos, lanches a base de frutas e sucos vale, com gasolina, óleo diesel, que pelo que eu sei o sindicato não tem veículo movido a diesel. Já pagamos o REDAF para alguns sem trabalhar. Vamos economizar. Ainda existe o pão francês e o tang.

  19. Sérgio

    Cabe um processo de impeachment da Dilma,por ter defendido o estado terrorista islâmico em público e envergonhar o Brasil a nível mundial? Isso não é apologia ao terrorismo e falta de decoro no cargo?

  20. Sérgio
  21. Sérgio

    PSDB pede anulação das eleições 2014,por governo ter usado os correios(existem provas gravadas no vídeo abaixo): https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20141029050320AAJpC9t&act=aq

  22. Sérgio

    A cpi mista da petrobrás deve ser transmitida pela tv câmara ou tv senado hoje à partir das 14 horas!

  23. Colega
    Sérgio:

    Aguardei um pouco para lhe responder, somente para ver, o quanto que a nossa categoria se preocupa com esse gravíssimo assunto. Você viu que estrondoso silêncio? Parece que a nossa categoria não se importa com as aposentadorias. Mas peço: não desanime caro colega. A vanguarda, em qualquer segmento social estará isolada na frente e, é por isso mesmo que se chama “vanguarda”. A Asfeto precisa contar com pessoas de sua estirpe, portanto, parabéns por estar atento aos problemas maiores de nossa classe!
    Abs,

    Caio.

    EM TEMPO: seria ótimo que pelo menos uma duzia desses que desviaram esse dinheiro fosse para a cadeia, mas aqui no Tocantins, não temos um Joaquim Barbosa. Pelo menos até agora, temos sempre que acreditar que vai melhorar, pois se não, a vida se tornaria um fardo difícil de levar, pois enquanto trabalhamos, milhares de pilantras, picaretas e ladrões safados, nos tiram o dinheiro e o direito de viver com um mínimo de dignidade.

  24. Sérgio Rocha Lima

    Igeprev: rombo de milhõoooooooooooooeeeeeee$$$$$$$ !

  25. Sérgio Rocha Lima

    Vejam só,em uma matéria só,um crime(desvio do igeprev para cubrir plansaúde) e uma relação suspeita com a máfia do doleiro Youssef,vejam: http://t1noticias.com.br/politica/aragao-pressiona-mascarenhas-e-quer-contadora-de-doleiro-na-cpi-do-igeprev/62171/

  26. Sérgio Rocha Lima

    Vi recentemente a tv senado e lá,a secretária do doleiro Youssef,dizia que o nosso Igeprev,foi utilizado em operações do bando. Ao acessar um site local(Tocantins) vejo a seguinte notícia: http://t1noticias.com.br/politica/aragao-pressiona-mascarenhas-e-quer-contadora-de-doleiro-na-cpi-do-igeprev/62171/

  27. O Eremildo de óculos ficou irritado por que o golpe da a$$embléia não funcionou. Não é assim que deve agir quem se propõe a liderar uma categoria. Já dissemos aqui, nesse mesmo espaço, que diretor de sindicato não general de exercito. .
    Ora, se nem mesmo o Poder Máximo da República impõe contribuição goela abaixo, sem discutir exaustivamente com a sociedade, um diretor o poderia? Falta bom senso e ponderação, é certo. Talvez, possa também, faltar, equilíbrio que a ponderação e um raciocínio de melhor qualidade traz. Poderá também, um ego inflamado, egocêntrico, autoritário, ditatorial, que não aceita ser contrariado, ser o causador desses males.
    Poderá, mas esse não é o perfil de um homem público, social, cordato e transigente, e máxime, representante de alguém. O homem errado no lugar errado!
    Simples assim.

  28. Caros colegas, a Asfeto tem cumprido sua missão de empurrar, exigir e forçar a diretoria do SINDIFISCAL, que sempre inerte deixou grandes causas passar despercebido e nunca defendeu com firmeza e mobilização nos últimos mandatos assuntos como a LOAT, aumento do Redaf, teto salarial, e em destaque a aposentadoria especial, defendida e levantada a bandeira pela nossa associação, isso é fato!!
    Agora, depois de muito tempo viajando para praias do Brasil inteiro com gastos exorbitantes envolvidos em projetos pessoais, como o politico partidário e benefícios para um pequeno grupo que os acompanham não sobrava tempo para tratar de interesses da categoria. Justificavam que defendia os projetos da Fenafisco, que sabemos são de âmbito nacional e as demandas são mais acirradas e requerem uma discussão, mobilização e habilidade politica sindical muito grande. A Federação tem cumprido o seu papel, mas todos os sindicatos perceberam, menos o Sindifiscal (como já disse acima não tinha tempo para isso) que sempre precisou da assessoria indireta da Asfeto, para informá-los que a luta têm uma dimensão muito maior e enquanto a Fenafisco defende os projetos para todos, deve cada categoria fiscal ir atrás do prejuízo e mobilizar no seu Estado, sua categoria, parlamentares, Sefaz, governo e sociedade para antecipação de todas essas conquistas como já fizeram Estados como PA, SP, RS, GO, PE, CE, dentre outros, acumulando vitórias mesmo em períodos eleitorais, que não é e nunca foi o nosso caso, porque sempre temos que negociar para frente e não para trás e para hoje e ainda ter que pagar parte desses ganhos para campanhas políticas e sabem lá quem mais.
    Vale lembrar aos diretores do sindicato que para a aposentadoria especial, que o processo de defesa já está bastante avançado pela ASFETO, não há necessidade de cobrança milionária para advogados (se precisarem de nossa assessoria estamos à disposição).
    Portanto, continuaremos nossa luta incessante de fiscalização e cobrança do cumprimento das obrigações do sindicato, fazendo também referência à histórica assembléia do dia 24 de outubro (obrigado nossa senhora auxiliadora por esse dia),- da qual não participei por ter sido excluído e não ter sido reintegrado até o momento, mas que aguardo que justiça seja feita no mandado de segurança impetrado no tribunal de Tocantins,- por mobilização e requerimento de lideranças de todo o Estado (parabéns a todos) obrigando o sindicato a convocar nova assembleia sob pena de perda de mandato com resultado totalmente diferente da assembleia manipulada e previamente acertada do dia 27 de setembro.
    Grande abraço e fica aqui a mensagem para reflexão de todos.

  29. Robispierre Melo Xavier

    Diversos trabalhos idealizados e iniciados pela Asfeto, são alvos da diretoria do Sindifiscal, ou melhor, querem tomar as rédeas sorrateiramente. Não têm iniciativa, não mobilizam, não estão atentos ao mundo girando sob seus pés, a não ser que o “trabalho” seja de interesse pessoal.
    A LOAT é iniciativa da Asfeto, isso é fato. Não fosse isso, a trupe não estaria querendo ofuscar o trabalho que já foi feito. Já teve até Seminário em Palmas, o qual o Sindifiscal sequer compareceu. Fizeram foi outro evento no mesmo dia, na tentativa de esvaziar e tumultuar o Seminário que contou com a presença de colegas diretamente envolvidos na conquista da LOAT em seus Estados. Agora, o Sindifiscal abraça essa causa com unhas e dentes? Dizem por aí que até que já tem a LOAT pronta. Discutiram com quem? A categoria foi chamada a participar? Quem referendou esse Projeto?
    Ressalta-se que não é de todo ruim, pois temos a consciência da importância da Asfeto nesse processo, qual seja o de ao menos fazer os pangarés saírem do lugar. Desde a criação da Asfeto, muita coisa ainda foi feita, justamente pelas críticas contundentes e a exposição de fatos que mostraram claramente a inércia da diretoria do Sindifiscal. Creio que faz muito tempo que não “trabalham” tanto.
    Já falam também em lutar por aposentadoria especial? Falam também em lutar por adicional de insalubridade? Falam resolver de fato a situação dos aposentados e pensionistas? Quero ver acontecer!

  30. O presidente do Sindifiscal já visitou algumas regionais e me parece que nesse exato momento, ruma para o norte do Estado, para visitar as regionais (coisa que só se tem feito a cada dois anos), muito provavelmente em busca de apoio (votos), para reaprovar a proposta malogra da diretoria, que está sendo repelida pela categoria. Nosenses!!
    O que precisamos, de fato, é comparecermos TODOS (filiados ou não) à essa Assembleia.
    Esses caras precisam entender de uma vez por todas que o Sindicato não é propriedade privada.

  31. Caro
    Colega
    Cláudio:

    Quando elogiamos pensávamos que a iniciativa de rever essa malfadada assembléia seria pela convergência de alguns colegas da categoria com a diretoria do sindifiscal. Posteriormente vimos a saber que essa está sendo compelida via requerimento convocatória na forma estatutaria SOB PENA DE PERDA DE MANDATO. Aí, esvaem-se todos os méritos. A diretoria do Sindifiscal não tem qualquer mérito nisso, hoje sabemos. Como nunca tínhamos visto algo de bom emanado desses diretores, tão inusitado fato, mereceria aplauso de todos. Mas era muito bom para ser verdade. Pau que nasce torto, até a cinza é torta. Pedra sabão não vira diamante.
    Não está descartada a hipótese que eles deem golpe também, nesses colegas que estão querendo outra assembléia. Seria bom acontecer para eles saberem com quem estão lidando.

    Abs,

    Caio.

  32. Diretores da Asfeto, aqui em nosso site já havia advertido de possíveis golpes nessa última assembléia.

    Abr.

  33. claudio murilo

    Em meio a elogios quanto a conduta do sindifiscal em convocar nova assembleia para discutir o aumento da mensalidade, gostaria de sugerir que fosse discutido também e cobrado do secretario o redaf cheio de setembro, pois ficamos a menos de 0.5(meio ponto percentual) para alcançar redaf cheio, com toda essa falta de estrutura fisica e de informatica com novamente varias quedas do siat e sistema de registros, a entidade-mor deve conversar e exigir redaf cheio também em setembro com pagamento para novembro, e tambem cobrar a promessa de aumento do redaf que o governador empenhou antes das eleições.

  34. Excelente,
    Colega
    Marisvalto:

    Nossos parabéns por estar antenado e atento aos problemas maiores de nosso estado. Essa área anteriormente em litígio, apresenta extrema dificuldade de fiscalização, seja pela dimensão territorial, seja pela dificuldade de acesso. Não raro, o contribuinte abordado alegava a questão territorial para não pagar tributos. Ficando claro a linha da divisa, facilitará o nosso trabalho.
    Esperamos que o estado do Tocantins intervenha com os recursos necessários (e imprescindíveis) para o desenvolvimento de nosso trabalho, vez que esse aparelhamento foi (e ainda está sendo) demasiadamente negligenciado pelo executivo.
    Agradecemos sua contribuição.
    Abs,

    Caio.

  35. MARISVALTO LOPES DE MIRANDA

    Supremo aprova alteração nas divisas entre BA, GO, TO e PI
    Ministros decidiram que laudo do Exército sobre divisas era mais moderno.
    Área afetada pela decisão dos magistrados compreende 15,4 mil km².
    Nathalia PassarinhoDo G1, em Brasília
    O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (8) fazer alterações nas divisas entre os estados da Bahia, Goiás, Tocantins e Piauí. Atualmente, a divisa entre as unidades da federação é definida com base em demarcações feitas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, o relator do processo na Suprema Corte, ministro Luiz Fux, entendeu que a delimitação deve ser feita com base em estudo feito, em 2006, pelo Exército, que utilizou, segundo ele, metodologia e equipamentos “mais modernos” para identificar geograficamente a divisão entre os estados.
    A decisão de Fux, acompanhada por todos os ministros do STF, afeta uma área de 15,4 mil km². O efeito dessa alteração e definição de quem ganhou ou perdeu área territorial não foram detalhados no relatório e na sentença do ministro.
    A decisão pelo laudo do Exército nada revoluciona em relação às divisas, na medida em que as alterações territoriais dele decorrentes não são tão expressivas”
    Luiz Fux, ministro do STF e relator do processo que redefiniu as divisas de quatro estados
    A disputa entre os estados por terras nas áreas de divisas remonta de 1919. Após o julgamento, Fux afirmou que as alterações territoriais “não são tão expressivas” e não afetarão propriedades que tiveram títulos concedidos pelos governos locais antes da definição do Supremo.
    “A decisão pelo laudo do Exército nada revoluciona em relação às divisas, na medida em que as alterações territoriais dele decorrentes não são tão expressivas, e não implicarão a desconstituição de títulos de propriedade e de posse já outorgados. A animosidade na região, que já originou mortes e violência, deixará de existir, mercê da definição, pelo STF, das corretas divisas entre os Estados”, disse.
    No entanto, parecer enviado ao Supremo pela procuradoria da Bahia diz que, se fosse validado o laudo do Exército, o estado perderia parte do Chapadão Ocidental, uma área de relevo nas proximidades do Rio São Francisco onde se localizam algumas cidades, entre elas Barreiras.
    O plenário do Supremo também decidiu que devem ser preservados os títulos de posse e de propriedade referentes à região dos estados que tiveram as divisas alteradas. Eventuais disputas de posse e de propriedade relativas às áreas delimitadas não serão decididas pelo STF, mas em ação própria no juízo competente.
    Além disso, as ações judiciais referentes às áreas abrangidas por estas ações ainda não sentenciadas deverão ser redistribuídas ao juízo competente. Os ministros estabeleceram ainda que, quando dois estados tiverem emitido um título de posse ou de propriedade em relação a uma mesma área abrangida pelas ações, prevalecerá o título concedido judicialmente. Se os dois títulos tiverem sido concedidos judicialmente, valerá o que já transitou em julgado.

  36. Em nossos postos fiscais foram executadas avaliações dos fatores químicos, físicos e biológicos de cada unidade selecionada por regional, diagnosticando o nível de insalubridade, destacando em especial, a falta de conformidade com a legislação trabalhista, ressaltando a ineficiência ergométrica de postura corporal dos auditores devido falta de mobiliário novos, o calor, a radiação não ionizante, a iluminância e os níveis de ruídos.
    No mês de março a Asfeto entregou ao Secretário da Fazenda, Marcelo Olimpio, o documentário das condições de trabalho de todas as unidades fixas de fiscalização do Estado. Neste documento está explicitado o sucateamento, a periculosidade, a insalubridade (comprovada logo após a realização do documentário através de laudo técnico e que aguarda resposta da Secad) e risco das atividades do fisco tocantinense.
    A INSALUBRIDADE nos postos fiscais foi comprovada e a nossa entidade entrou com requerimento para o recebimento do adicional.
    Interessante informar que os diretores do Sindifiscal tentaram mais uma vez pegar carona no trabalho da Asfeto, mas não conseguiram. E só para registrar, nossa entidade visitou todos os postos fiscais, sem exceção,dialogando com todos os colegas e mapeando as dificuldades enfrentadas no dia-a-dia de trabalho. É lamentável que o sindicato nestes dois últimos mandatos nunca visitaram essas unidades, quando muito vão em período eleitoral em algumas estratégicas delegacias pedir dinheiro para campanha politica partidária, nomeando representantes para correr a sacolinha!!
    Abraço a todos!!

  37. Robispierre Xavier

    O que mais me chamou a atenção na matéria do site foi: “O aumento vai gerar um incremento no caixa do SINDIFISCAL, será primordial para que o sindicato realize investimentos que trarão ainda mais conquistas aos auditores fiscais, tendo em vista que as receitas estão praticamente equiparadas às despesas mensais.”

    Parem o bonde sem freio!!! Receitas praticamente equiparadas às despesas? Qualquer idiota, sem colocar as mãos nos balancetes do Sindicato (e que são aprovados com vistas grossas pelo conselho fiscal), fará simples detecção, de que essa conta não fecha, não bate, não cola. Fazendo contas aproximadas: se forem 500 filiados, dá um total de R$ 85.000,00 de receita bruta, todo mês. Sem falar da bolada anual da contribuição sindical. Estou falando de uma cifra anual, em torno de R$ 1.500.000,00. E não está dando? Com a palavra, Freud.

    Aumentaram a contribuição dos da ativa e instituíram valor para aposentados e pensionistas. E querem constituir outro fundo financeiro com dotação na casa de R$ 1.000.000,00? Agora o cofre vai andar lotado.

    Outro ponto interessante: “Precisaremos constituir equipes de advogados para as causas que estão chegando aos tribunais superiores em Brasília (STF e STJ), como as que tratam da reposição de perdas referentes à conversão do Plano Cruzeiro Real para o Plano Real (URV), bem como as ações que referem ao pagamento da segunda ação de horas extras.” Equipes de advogados? Segunda ação de horas extras? Piada viu… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Bom.. não vou perder tempo tentando entender esse emaranhado de entrelinhas.
    Deixo assim ficar subentendido.

  38. Amigos, como não posso participar das assembleias por que não autorizaram minha filiação, fiquei sabendo das últimas propostas da direção do Sindicato quanto ao aumento de repasses dos auditores para o caixa da entidade e atividades politicas e fiquei perplexo e indignado, por isso relato abaixo minha indignação.
    Segundo o que fui informado, colegas de todas as regionais foram convocados para contribuírem em duas parcelas de R$ 1.000,00 reais, totalizando r$2.000,00 em doações para apoiar 3 deputados, devido a compromissos na aprovação da promoção dos AFRES III para IV. Corrijam-me se eu estiver errado! Não é a primeira vez que isso acontece por que nas eleições de 2010, fomos surpreendidos com contribuições também para serem debitadas no pagamento do REDAF para campanha partidária.
    Bom, gostaria de saber o seguinte: essas contribuições estão sendo feitas em troca de nossos direitos? Foi institucionalizado que para conquistar nossos direitos precisaremos pagar por isso? Isso é um absurdo!! Criminoso e antisindical!! Se essas informações que me foram repassadas forem verdadeiras, esta é a maior banalização sindical que já vi em toda a história de lutas de classes.
    Estão propondo, ou melhor, deliberando aumento de percentual da mensalidade, doações para campanha partidária e ainda, criação de fundo especial? Meu Deus, onde vamos parar com tantos desmandos? Se somarmos a contribuição anual, mais a mensalidade com aumento, mais doações para campanhas e agora fundo especial, alguém já somou e sabe quanto isso vai dar? Onde estão sendo, e onde serão aplicados esses recursos? E a sede que mais parece obra faraônica de governo que só anda em período de campanhas eleitorais e partidárias e nunca termina sua construção?
    Se algum colega conseguir responder essas perguntas vou começar acreditar que eu devo estar ficando demente, aí vou procurar um tratamento médico, porque uma coisa eu tenho certeza cristalina minha memória não está curta e acho que essas deliberações são as mais danosas depois da lista de maldades que tentaram aplicar na categoria com as alterações estatutárias com intuito de manutenção no poder em uma assembleia num passado recente promovidas por diretores que hoje ainda estão no comando do sindicato. Colegas vamos refletir e impedir que esses desmandos aconteçam!!
    Grande abraço a todos!!

  39. em setembro 30, 2014 às 3:38 PM
    $INDIFI$CAL QUER + DINHEIRO ?????

    Fui informado que na assembleia do dia 27 (deve ser daquelas manipuladas) que o $indifi$cal quer mais dinheiro, justificando que vai fazer mobilização, pagar advogados, investimento para “mais conquistas…”???? mais? Não entendi.
    Ué, caras-pálidas onde está indo parar a mensalidade de quase quinhentos associados mais a contribuição sindical de 600 auditores? Tem um funil na sede?
    Informaram-me que alegaram que precisam de dinheiro pela promoção da carreira e a “futura” reestruturação do Redaf…
    Ué, isso é pago? Alguém poderia calcular o valor liquido dessa promoção?
    A “Reestruturação” do Redaf além de ser paga tem que ser adiantado?
    Estão fazendo uma Loat deles, escondidinhos na toca?
    Esses advogados “renomados” … Será que é para se fazer aqueles recibos de 300mil o parecer?
    Esse assunto é muito sério para ficar dependendo de quem não tem credibilidade alguma.
    Dinheiro não é capim, nós ganhamos ele com muito suor e sacrifício e já vimos como esse pessoal tratou os recursos entidade nesses anos que passaram.
    PROPONHO A CRIAÇÃO DE UMA COMISSÃO ELEITA COM UM OU DOIS DE CADA REGIONAL PARA SE CUIDAR DOS ASSUNTOS JURÍDICOS DA CATEGORIA.
    Se a intenção é realmente ser honesto e resolver os problemas da categoria, creio, não haverá óbice algum quanto a isso.
    Se houver, claro estará, que nada mais ou nada menos é, que outra tramoia com objetivos de fazer nosso dinheiro virar sorvete. Alguém duvida disso?
    Está muito bem explicado por que não nos querem no $indicato. Ou não?
    É Isso.
    Abs,

    Caio

  40. UM ALERTA À CATEGORIA

    A Asfeto está providenciando um estudo, que está em fase final, em que relata os casos de agressões, desacatos, insultos e assaltos nas diversas unidades de fiscalização da secretaria da fazenda do Estado do Tocantins.
    O reconhecimento da atividade de risco é mais que um direito para todos os auditores fiscais, e, inegavelmente, para os auditores do mais novo Estado brasileiro.
    Estados como PE, RS, RJ, CE, BA e também nosso co-irmão Estado de Goiás já estão em estado avançadíssimo na defesa da atividade de risco da categoria fiscal.
    O Tocantins, carente de representação neste sentido, ficou aquém no requisito aposentadoria especial, visto que nossa dita representante entidade sindical tinha outras prioridades, se não a defesa de interesses meramente pessoais.
    Para satisfazer a politica predatória intrinsecamente dissimulada, promovida a fórceps por conta do trabalho da Asfeto, o Sindifiscal convocou assembleia geral para o dia 27.09.14, conforme o edital convoca todos os filiados, como não é de seu interesse não chama todos os auditores como fez com a mobilização para promoção na assembleia, porque existe aqueles que os empurram morro acima (tarefa que não tem sido fácil e parece que vai ficar mais difícil ainda), mas não podem ser considerados pois atrapalha seus planos.
    Há de se fazer um alerta a todos os colegas auditores para que ao participarem da assembléia reflitam sobre a responsabilidade e a vontade politica em que deverá ser pregada de forma retórica na plenária da mesma, para que não se possa ensejar em duplo, ou falso objetivo de nossa entidade.
    Grande abraço a todos.

  41. Robispierre Xavier

    Pela pauta da Assembleia de conveniência, é válido ressaltar nas entrelinhas a corrida atrás de $$$$$$$$, com “atualização” da contribuição dos filiados, bem como adoção de valor da contribuição de aposentados e pensionistas. Nisso eles são craques!!
    E o estado de greve que continua em aberto? E a glosa ridícula do último Redaf? E o pagamento dos 3 meses de adicional noturno que já está em atraso? Pagarão o adicional noturno esse mês? Por fim, e a resposta sobre meu pedido de filiação, por que esse silêncio e omissão? A secretária me disse que a diretoria não deu resposta e já se vão 4 meses.

  42. Frase dos “300 picaretas” foi dita em 93

    A frase sobre os “300 picaretas” do Congresso Nacional foi dita por Lula em setembro de 1993. Na época, ele era presidente nacional do PT e estava percorrendo Estados da Amazônia em campanha para a eleição presidencial de 1994.
    Em Ariquemes, Lula disse que havia no Congresso “uma minoria de parlamentares que se preocupa e trabalha pelo país, mas há uma maioria de uns 300 picaretas que defende apenas seus próprios interesses”.
    Não duvidamos disso, mas e no Sindifiscal? Quantos?
    Sobre o episódio em tela, arguido sobre quem seriam, Lula disse:” Basta acompanhar as votações no Congresso, como aquela que prorrogou o mandato do Sarney para saber quem são”.
    No nosso caso, também, a clareza é meridiana – basta saber quem tem o poder de mando no sindicato e trabalha mentindo e enganando a nossa categoria, em acordos espúrios e promíscuos com o governo!
    É isso.

    Abs,

    Caio França.

  43. O Sindifiscal vem fazendo esses shows de fotografias com o Secretário há muito tempo e fazendo lindas matérias a respeito de demandas importantes que não são atendidas como:

    Adicional noturno - Lei aprovada pelo próprio governo sem o esforço e trabalho do sindicato, que posteriormente ao SISEPE entrar com o mandado de segurança, exigindo a regulamentação e o devido pagamento, o acompanhou e pleiteou também o direito já concedido, mas não conseguem fazer a Sefaz e governo cumprir nem mesmo com decisão judicial(até o momento ninguém recebeu);

    Redaf - Demanda esta que a Asfeto vem cobrando desde o ano de 2012 e que o sindicato não mobiliza com firmeza para as devidas alterações e reajuste, não conseguiu, ainda, nem o pagamento integral para os meses de agosto a dezembro, sendo que o do mês passado já recebemos com corte.

    Minha indignação é a seguinte: Se estamos em “estado de greve” porque não fazemos uma nova assembléia incluindo na pauta o adicional noturno e não definimos paralisações, manifestações, operações padrões com data marcada, caso, o governo não cumpra o prometido, como no caso do REDAF, e como no caso do adicional noturno que já tem até decisão judicial?
    Será que o sindicato vai continuar sendo agente da SEFAZ, funcionando apenas de entidade para publicidade, agindo para amenizar inercia das ações do governo, servindo mais ao governo que à categoria?
    Dirigentes sindicais não devem sujeitar ao papel de representantes do governo esperando o momento apropriado ou determinado por eles. E quanto à categoria, vamos continuar calados?
    Conquistas são conquistas, independentemente de governo, se tivermos só 3 meses desse governo, para nós não importa vamos exigir ao máximo os nossos direitos agora e no novo governo também seja quem for o próximo governador e Secretário, vamos continuar, programática e permanentemente, nosso “estado de greve” (sem essa de lutar de 4 em 4 anos, a categoria não pode esperar, estamos com 60% dos colegas, aproximadamente, prontos para aposentar daqui há 5 anos) porque temos muitas demandas e o verdadeiro espirito de luta de um sindicato é : “conquistar sempre”(conquistas sobre conquistas nada de conta-gotas para favorecer campanhas sindicais onde toda eleição do sindicato são as mesmas propostas e os mesmos comandantes). E não vamos esquecer, perdemos tempo demais e o sindicato demorou 8 anos para começar a agir, mas apenas levantou o pé do chão, precisa caminhar.
    Abraço a todos.

  44. Caros
    Colegas,

    Parodiando, o que perfeitamente, poderia ter dito De Gaulle, poderíamos dizer: O Sindifiscal não é uma entidade séria! Presidida por um ridículo fantoche manipulado por sanguessuga que fingiu sair do palco para agir no breu de sua toca, (a escuridão) graças a um inquérito instaurado no MP estadual, agora, na Deic que teima em não evoluir, devido a influencias da entidade em todas as etapas por qual passou a denuncia de falsidade ideológica e a possível improbidade administrativa.
    Pobre sindicato, pobre diretoria e pobre de nós, submetidos ao ridículo, de um teatro mangolão, que chateia e oprime, ao invés de nos divertir. Por que ao menos não mudam o roteiro, a peça e os atores? Se é somente faz-de-conta, que procurem fazer melhor.
    Por que a diretoria do Sindifiscal anda desaparecida? Será por que está agindo às escondidas, procurando manipular a eleição partidária, como sempre fez, no intuito de conseguir cargos e posições na Sefaz para oprimir, sufocar e vilipendiar quem não não concorda com o seu modus operandi e com a privatização do sindicato?
    Seus apoiadores (na nossa categoria) dividem-se em inocentes-úteis e astutos aspirantes a pelegos, que não tem pejo ao menos, para ensaiar um discursos ideológico, que justifique suas posições contra a categoria, galgando degrau na medida e proporção que manifestam suas submissões ao capo, personagem maior, responsável por esse estado de desmoralização a que vai nossa entidade.
    Certamente, estarão, como soi ser, tentando agradar o Governador Sandoval com mentiras e falsidades através de seus apaniguados, enquanto usa de suas influencias (e provavelmente, os recursos da entidade) na base a trabalhar para o candidato Marcelo Miranda, fazendo reuniões e coletando recursos, no intuito de tirarem proveito pessoal posterior. Pelo menos essa é a tradição, manifestada em todas as oportunidades possíveis.
    Seria verdade, tudo isso?
    A nossa categoria saberá, se sim, se não!

    Abs,

    Caio França.

  45. Grande Isaque!! Que bom tê-lo por aqui!! Sua participação só enriquece o debate. Quando exprimi minha opinião em texto aqui na capa do site queria dar referência às discussões que formaram amplo debate na PSV 45 (Proposta de Sumula Vinculante) do STF. Em minha opinião extraída do rico arcabouço de explanações por renomados advogados e representantes sindicais que participaram dessa proposta , defenderam com muito afinco o fato da formada Sumula vinculante 33 não ter tido sua abrangência mais corajosa definindo situações importantíssimas da aposentadoria especial dos servidores públicos que ainda carecerá de muita discussão, vejamos:
    POSICIONAMENTO CONSTRUÍDO COM BASE NA DISCUSSÃO DA PSV 45:
    SÚMULA VINCULANTE 33-STF:
    “Aplicam-se ao servidor público, no que couber, as regras do Regime Geral de Previdência Social sobre aposentadoria especial de que trata o artigo 40, parágrafo 4º, inciso III, da Constituição Federal, até edição de lei complementar específica”.
    Aposentadoria especial é aquela cujos requisitos e critérios exigidos do beneficiário são mais favoráveis que os estabelecidos normalmente para as demais pessoas.
    Bem, a CF exige que seja editada uma lei complementar que como muitos casos em que não há regulamentação a quem o deveria fazê-lo nunca cumpre ou o regulamenta, obrigando àqueles que se sintam prejudicados recorrerem aos mandados de injunções . A Lei deverá, inclusive, elencar as carreiras que se encontram em situação de risco ou cujas atividades prejudiquem a saúde ou integridade física. O STF reconheceu que o Presidente da República está em “mora legislativa” por ainda não ter enviado ao Congresso Nacional o projeto de lei para regulamentar o art. 40, § 4º, III da CF/88. A sumula determina que, enquanto não for editada a LC regulamentando o art. 40, § 4º, III, da CF/88, deverão ser aplicadas, aos servidores públicos, as regras de aposentadoria especial dos trabalhadores em geral (regras do Regime Geral de Previdência Social – RGPS), previstas no art. 57 da Lei nº 8.213/91.
    Assim, se o servidor público exerce suas atividades em condições insalubres, poderá requerer aposentadoria especial e a Administração Pública devendo analisar o requerimento com base nos requisitos do RGPS trazidos pelo art. 57 da Lei n. 8.213/91. Veja o que diz a referida Lei, já estampada em seu comentário:
    Art. 57. A aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta Lei, ao segurado que tiver trabalhado sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme dispuser a lei.
    § 1º A aposentadoria especial, observado o disposto no art. 33 desta Lei, consistirá numa renda mensal equivalente a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício.
    Logo, os servidores públicos que exerçam atividades sob condições especiais que prejudiquem a sua saúde ou integridade física (art. 40, § 4º, III da CF/88) terão direito de se aposentar com menos tempo de contribuição que os demais agentes públicos.
    Situações importantíssimas e cruciais desse tipo de aposentadoria poderiam ter sido definidas, mas deixaram de ser contempladas, senão vejamos:

    A conversão do tempo especial em comum que é concedida no RGPS não se aplica ao servidor público (se é aposentadoria especial tem que ter benefícios iguais e não diferenciados enalteça-se o principio da isonomia. Trata-se esse benefício como dos mais importantes para a concessão da aposentadoria especial, diga-se, segundo foi noticiado por sindicalistas na defesa oral da discussão da Súmula, os casos de aposentadorias especiais de servidores ´só se tem noticia de registros do uso da conversão do tempo de serviço). Portanto é o principal beneficio deste tipo de aposentadoria. Atente-se que A lei prevê a aposentadoria especial para aqueles que trabalharam durante 25 anos em condições insalubres.

    - Paridade e integralidade não adquiridas;

    Em outras palavras, para o STF, o art. 40, § 4º, III não garante necessariamente aos servidores este direito à conversão com contagem diferenciada de tempo especial em tempo comum. O que este dispositivo garante é apenas o direito à “aposentadoria especial” (com requisitos e critérios diferenciados).
    Dessa feita, não se pode aplicar as regras de conversão do tempo especial em tempo comum, previstas para os trabalhadores em geral (RGPS), para os servidores públicos, considerando que a lei que vier a ser editada regulamentando o art. 40, § 4º, III da CF/88 não estará obrigada a conceder este fator de conversão aos servidores. Foi assim que decidiu o STF. Confira:
    (…) A concessão do mandado de injunção, na hipótese do art. 40, § 4º, da Lei Fundamental, reclama a demonstração pelo Impetrante do preenchimento dos requisitos para a aposentadoria especial e a impossibilidade in concrecto de usufruí-la ante a ausência da norma regulamentadora.
    2. O alcance da decisão proferida por esta Corte, quando da integração legislativa do art. 40, § 4º, inciso III, da CRFB/88, não tutela o direito à contagem diferenciada do tempo de serviço prestado em condições prejudiciais à saúde e à integridade física.
    3. Não tem procedência injuncional o reconhecimento da contagem diferenciada e da averbação do tempo de serviço prestado pelo Impetrante em condições insalubres por exorbitar da expressa disposição constitucional. Precedentes. (…)
    STF. Plenário. MI 3788 AgR, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 24/10/2013.

    Daí, o enunciado da SV 33 dizer, corretamente, que aplicam-se ao servidor público, no que couber, as regras do RGPS.
    O objetivo da norma que trata da aposentadoria especial é proteger o trabalhador que, durante sua jornada laboral, é submetido a condições prejudiciais à saúde e à integridade física e que, justamente por esse motivo, ficam autorizados a se aposentar de forma mais célere, uma vez que, caso fosse exigido o tempo idêntico aos demais servidores, ou seja, 35 anos se homem e 30 anos se mulher, esses servidores possivelmente não chegariam, ao tempo da aposentadoria, com saúde plena para gozar do tão almejado benefício.

    Tem-se, portanto, a aplicação do princípio da isonomia em seu aspecto material, justificando-se esse privilégio outorgado aos servidores submetidos aos agentes prejudiciais à saúde justamente pelo risco de degradação da sua integridade física, de modo que sua aposentação em um tempo menor de contribuição, bem como a possibilidade de conversão do período especial em comum, visam combater a desigualdade existente entre esses servidores e aqueles que não trabalham sob condições nocivas à saúde.
    Cabe ressaltar que a vedação de conversão instituída pelo Supremo Tribunal Federal, ao argumento de que se incidiria na proibição de contagem de tempo de contribuição fictício, não se aplica as hipóteses de conversão de tempo especial em comum, uma vez que o tempo de serviço em questão foi devidamente prestado, em condições especiais, sendo certo que é justamente essa condição especial que autoriza a conversão dos períodos especiais em comuns, sob pena de, frise-se, ignorar-se a natureza do instituto.
    Por fim, merece especial ressalva o fato de que, no Regime Geral de Previdência, as empresas que desenvolvem atividades de risco contribuem com uma alíquota extra de 1% (risco leve), 2% (risco médio) ou 3% (risco grave), Art. 22, inciso II, alíneas a, b e c da lei 8.212/918, justamente para financiar os benefícios de aposentadoria especial, sendo certo que a criação de uma contribuição nos mesmos moldes, a ser paga pelos órgãos que desenvolvem atividade de risco, enceraria a discussão acerca da contagem de tempo de contribuição fictício, na medida em que a contribuição “extra” serviria justamente para possibilitar a conversão do tempo de serviço especial em comum.

    Afinal, não quis aqui esgotar o assunto porque seria despretensioso, mas concordo em parte com você que houve um pequeno avanço, mas ficou aquém do esperado e que respeito sua opinião, que é valiosa para nós. Também não estou querendo abster do debate enquanto que estou ainda na fase de estudo e aprendizado dessa tão polêmica e complexa matéria. Uma coisa está cristalina em nosso trabalho: a busca incansável da defesa desse tema e que acreditamos, terá lucros e bons resultados para a categoria.
    Muito obrigado pela sua contribuição.
    Grande abraço,
    Noleto

  46. Isaque Cairo

    Noleto.
    Permita-me discordar de você em relação aos efeitos da Súmula 33 do STF. Na verdade ela estabelece que não há empecilho para que o servidor público sujeito a condições de trabalho que prejudiquem sua saúde ou integridade física possam na ausência de legislação estadual específica ( via LC ) valer-se da norma contida no art. 57 da Lei 8.123 – Regime Geral de Previdência Social, a saber:

    Art. 57. A aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta Lei, ao segurado que tiver trabalhado sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme dispuser a lei. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

    § 1º A aposentadoria especial, observado o disposto no art. 33 desta Lei, consistirá numa renda mensal equivalente a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

    § 2º A data de início do benefício será fixada da mesma forma que a da aposentadoria por idade, conforme o disposto no art. 49.

    § 3º O tempo de serviço exercido alternadamente em atividade comum e em atividade profissional sob condições especiais que sejam ou venham a ser consideradas prejudiciais à saúde ou à integridade física será somado, após a respectiva conversão, segundo critérios de equivalência estabelecidos pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social, para efeito de qualquer benefício.
    § 4º O período em que o trabalhador integrante de categoria profissional enquadrada neste artigo permanecer licenciado do emprego, para exercer cargo de administração ou de representação sindical, será contado para aposentadoria especial.

    § 3º A concessão da aposentadoria especial dependerá de comprovação pelo segurado, perante o Instituto Nacional do Seguro Social–INSS, do tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante o período mínimo fixado. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

    § 4º O segurado deverá comprovar, além do tempo de trabalho, exposição aos agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, pelo período equivalente ao exigido para a concessão do benefício. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995)

    § 5º O tempo de trabalho exercido sob condições especiais que sejam ou venham a ser consideradas prejudiciais à saúde ou à integridade física será somado, após a respectiva conversão ao tempo de trabalho exercido em atividade comum, segundo critérios estabelecidos pelo Ministério da Previdência e Assistência Social, para efeito de concessão de qualquer benefício. (Incluído pela Lei nº 9.032, de 1995)

    § 6º É vedado ao segurado aposentado, nos termos deste artigo, continuar no exercício de atividade ou operações que o sujeitem aos agentes nocivos constantes da relação referida no art. 58 desta lei. (Incluído pela Lei nº 9.032, de 1995)

    § 6º O benefício previsto neste artigo será financiado com os recursos provenientes da contribuição de que trata o inciso II do art. 22 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, cujas alíquotas serão acrescidas de doze, nove ou seis pontos percentuais, conforme a atividade exercida pelo segurado a serviço da empresa permita a concessão de aposentadoria especial após quinze, vinte ou vinte e cinco anos de contribuição, respectivamente. (Redação dada pela Lei nº 9.732, de 11.12.98) (Vide Lei nº 9.732, de 11.12.98)

    § 7º O acréscimo de que trata o parágrafo anterior incide exclusivamente sobre a remuneração do segurado sujeito às condições especiais referidas no caput. (Incluído pela Lei nº 9.732, de 11.12.98)

    § 8º Aplica-se o disposto no art. 46 ao segurado aposentado nos termos deste artigo que continuar no exercício de atividade ou operação que o sujeite aos agentes nocivos constantes da relação referida no art. 58 desta Lei. (Incluído pela Lei nº 9.732, de 11.12.98)

    Logo, aplica-se o que já está determinado pela legislação genérica enquanto não se estabelecer a legislação específica , vide ainda o entendimento do Min. Dias Toffoli no MI 5762;

    “Assim, embora subsista a omissão legislativa (uma vez que não foi editada a lei complementar correspondente), o vácuo normativo não mais representa inviabilidade do gozo do direito à aposentadoria em regime especial pelos servidores públicos cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que prejudiquem a sua saúde ou a sua integridade física. Nessa conformidade, entendo que a edição da Súmula Vinculante nº 33 esvaziou o objeto da presente ação injuncional, porquanto tornou insubsistente o obstáculo ao exercício pelo servidor do direito de aposentar-se nos termos do art. 57 da Lei nº 8.213/91.” MI 5.762, Relator Ministro Dias Toffoli, Decisão Monocrática, julgamento em 23.5.2014, DJe de 28.5.2014.
    No mesmo sentido: MI 5.870, Relator Ministro Ricardo Lewandowski, Decisão Monocrática, julgamento em 3.6.2014, DJe de 6.6.2014.

    Logo, observa-se , sim que houve avanço significativo na edição da referida Súmula 33 – STF, colacionada abaixo:

    Aplicam-se ao servidor público, no que couber, as regras do regime geral da previdência social sobre aposentadoria especial de que trata o artigo 40, § 4º, inciso III da Constituição Federal, até a edição de lei complementar específica.

    Verifica-se ainda que a recusa por parte da Administração Pública nas esferas, Federal, Estadual e Municipal em aplicar no que couber a regra geram do RGPS insculpido no art. 57 enseja a possibilidade de impetração de RECLAMAÇÃO ao STF, conforme excerto infra :

    ● Ausência de interesse processual para impetrar mandado de injunção
    “4. No que diz respeito à aposentadoria especial de servidores públicos que exerçam atividades sob condições prejudiciais à saúde ou à integridade física (CRFB/1988, art. 40, § 4º, III), a matéria já está pacificada por este Tribunal, tendo ficado caracterizada a omissão inconstitucional na hipótese. Nesse sentido, em 09.04.2014, o Plenário deste Tribunal aprovou a Súmula Vinculante 33, com o seguinte teor: (…) 5. Nos termos do art. 103-A da Constituição, a referida súmula tem efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à Administração Pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal. Eventual contrariedade à súmula enseja a propositura de reclamação perante o STF (CRFB/1988, art. 103-A, § 3º). 6. Assim, a parte autora não possui interesse processual para impetrar mandado de injunção, já que a autoridade administrativa não poderá alegar a ausência de lei específica para indeferir pedidos relativos à aposentadoria especial de servidores públicos que alegam exercer atividades sob condições prejudiciais à saúde ou à integridade física.” MI 6.323, Relator Ministro Roberto Barroso, Decisão Monocrática, julgamento em 2.5.2014, DJe de 12.5.2014.

    Logo, depreende-se que para a devida colheita do direito, necessário se faz proceder conforme prevê o art. 58 da lei 8.123 – RGPS, para de posse dos laudos necessários se peticione à administração o direito alegado, onde em caso de mora ou recusa ensejará a possibilidade de impetração de RECLAMAÇÃO direta ao STF.

    Grande abraço !

  47. Acho interessante a carona que o Sindifiscal pega nas ações da Asfeto com essas reuniões e fotografias com o Secretário da Fazenda, principalmente, quanto as alterações do REDAF, defesas das escalas de serviços e fechamento de postos fiscais, dentre vários outros assuntos, e agora as condições de trabalho. Ora, é sabido por todos que nesses casos e, em especial, sobre a defesa de nossos locais de trabalho, o sindicato já vem comendo poeira há muito tempo.
    Os postos fiscais estão sem investimentos em infraestrutura que resolvam definitivamente a sua precariedade há mais de 20 anos, nem no PNAF (financiamento para modernização fiscal que, salvo engano foi em 1995) que foi um programa de investimentos na administração e modernidade fiscal houve reengenharia da parte física e investimentos para nossas unidades, ocorrendo apenas com recursos próprios do Estado a construção do novo posto fiscal de Talismã entrada e saída, que por falta de manutenção, já carece de reformas. Quanto ao pátio dos principais postos fiscais: Estreito e Talismã é uma vergonha esse tapa-buracos que fazem de vez em quando, sendo que a solução seria a reconstrução do asfalto e não essa operação paliativa que em questão de dias já se encontram novamente em estado de calamidade.
    Vale lembrar que esses investimentos em postos fiscais são anunciados e nunca são realizados, só para se ter uma ideia ocorreu novamente a desvalorização de nossas unidades no PROFISCO (programa atual de investimento na modernidade fiscal) não prevendo soluções definitiva de infraestrutura para os postos fiscais e nem sequer de mobiliário novos, que no levantamento feito pela SEFAZ( que foi originado pelo documentário realizado pela Asfeto e entregue ao Secretário da Fazenda) e publicado pelo Sindifiscal não consta esse item, privilegiando outros setores com volumosas verbas para “soluções” de TI (Tecnologia da Informação), já evidenciado aqui em nosso site pelo nosso colega Cláudio Loredo, no item do menu “informática no fisco”, absorvendo grande parte do recurso disponível.
    Agora, para finalizar, também é muito interessante o fato de que o sindicato nunca tratou dessa questão e se quiser mesmo pegar carona de verdade, ou mesmo, deixar de comer poeira deverão tratar o assunto de forma consistente, com seriedade, responsabilidade e comprometimento, reconhecendo assim o grande trabalho que a Asfeto vem fazendo, seria verdadeiramente o mínimo a se fazer.
    Vejam algumas matérias importantes com autoria do líder e integrante do PROFISCO, Cláudio Loredo, a respeito dos investimentos feito em TI com recurso do Profisco:

    https://asfeto.com.br/info/software-auditor-eletronico-de-mg/

    https://asfeto.com.br/info/profisco-e-alvo-de-investigacao-do-mpe/

    https://asfeto.com.br/info/trabalhando-para-outros-ficarem-milionarios/

    https://asfeto.com.br/info/criticas-a-ferramenta-genexus/

    Grande abraço a todos. Vamos a luta!!

  48. Caro
    Pierre:

    Estamos acordes em gênero, numero e grau. É isso mesmo!

    Abs.

    Caio.

  49. Robispierre Xavier

    Sim, Claudio Murilo e Caio, eu também tenho enorme respeito por alguns membros da diretoria, assim como tenho gigantesca ojeriza aos demais.
    Difícil me referir ao sindicato e citar todos os nomes a quem me refiro, de quem eu realmente gosto e respeito. Desta forma, acaba “respingando” nos do bem. Lamento, mas receber críticas é inerente ao ofício a que se propuseram.
    A verdadeira mudança tem que acontecer de dentro pra fora. Primeiro lapida-se o coração da entidade, para depois irradiar o bem. Estes, podem e devem iniciar esse processo, lá dentro. Não é implodir, é participar, opinar objetivamente, cobrar decência, moralidade e colocar o pé no pedal do desenfreio que o Sindifiscal está há quase nove anos.
    Só assim ainda dará tempo de recuperar muito tempo perdido e muita demanda que está sendo “empurrada com a barriga”, não se sabe a que custo.

  50. Caro
    Murilo:

    Seus amigos devem ser pessoas de bem. Na nossa categoria tem muitas pessoas que enquadram nesse perfil. Com certeza também não participaram de tramoias e jogatinas pretéritas. Por isso, certamente, estarão excluídos dessa administração hodierna. Foram pegos como marionetes que se recusaram a exercer papel indigno contra a categoria. Nossos respeitos a eles. Devem ser pessoas de bem. Se não contam com o respeito deles, merecem todo o nosso respeito!
    Seus amigos, são nossos amigos!

    Abs,

    Caio.

  51. claudio murilo

    Tenho 3 grandes amigos dentro da entidade-mor, tudo que desabafo por aqui não encaixa no perfil deles, pena os mesmos não terem o poder de decisão, senão com certeza nossa realidade era outra.

  52. claudio murilo

    Caro Paulo Jose, belo texto e com certeza sua ideia merece aplauso, porém depois de vc expô-la aqui com certeza quem teria que defender nossa categoria contra tais abusos jamais usarão, pois para eles só valem ideias saidas do ventre da entidade, alias há tempos não sai uma ideia que nos contemple de fato, um falou o outro mandou oficio e o secretario não nos atendeu, redaf minimo, é isso que nós merecemos, quem manda não termos uma entidade realmente representativa, vejam as demandas que eles repetem como mantra e elas nunca são atendidas, adicional-noturno cadê?, redaf de 5 mil cadê?, melhora na estrutura dos postos cadê?, tá parecendo que estamos no bloco da nêga maluca no carnaval, todo mês nos dançamos em algum valor, redaf cortado, adicional não pago, e todo mês reunião pra cobrar demandas, até quando seremos cegos a ponto de não enxergar a verdade dos fatos, vejam no you tube a musica de Luis Ayrão “eleição na floresta”, retrata nosso realidade politica nacional e encaixa na nossa atual representatividade. Já dizia a banda Plebe Rude em uma de suas musicas “até quando esperar, a plebe ajoelhar, esperando a ajuda de Deus”, quando acordarmos desse pesadelo, espero que não seja tarde demais.

  53. Caro
    Paulo José,

    Belo e fundado texto. Além de contemplar quase todas as nuances a que involuntariamente estamos sujeitos com relação ao Redaf, ainda aponta uma possível saída qual, obrigatoriamente, teremos que meditar sobre ela. Uma coisa é certa: a criação do Redaf, através da superação de metas, serviu, e muito bem, para pagar outras categorias. Deveríamos receber mais atenção das autoridades constituídas. Continue participando. Abraço,

    Caio França.

  54. “Os ideais que iluminaram meu caminho, e que, de tempos em tempos me dão nova coragem para enfrentar a vida com alegria são a bondade, a beleza e a verdade”..
    Albert Einstein
    E por falar em verdade, queria saber de onde vem essa metas de arrecadação feitas pela Secretaria da Fazenda para que possamos atingir e com isso tenhamos o direito em receber o mal-fadado Redaf integralmente.
    Acredito que seja feita pela capacidade contributiva dos contribuintes tocantinenses, não das mercadorias em trânsito pelo estado, isto é, tudo que entra e sai do tocantins e até mesmo as operações internas são peças primordiais para que possamos conseguir êxito, ou seja , receber redaf integral.
    Então vamos a verdade: a Substituição Tributária de junho foi feita conforme as declarações dos substitutos tributários, senão , não temos culpa de alguém não pagar o que é devido. O Combustível foi retido normalmente, acredito que sim, pois é feito pelo Petrobrás, a Energia foi feita recolhida normalmente, essas é a que dar mais dor de cabeça, desde os tempos remotos; a Telecomunicação não está em dia , façamos uma nova CPI , e desta vez no que tange a Arrecadação. E por último vamos falar a verdade, só faltou o IMPOSTO NORMAL (CÓDIGOS 110, 150, 170, …), esses sim, são os verdadeiros motivos para que as metas não sejam atingidas, pois muitos declaram e não recolhem, podem ser porque estejam apertados, ou não, podem ser que não queiram pagar realmente, somente emitem documentos e não recolhem nunca, muitas vezes porque não tenham a capacidade contributiva e a legalidade de se cadastrar foi uma saída para que o fisco não fiquem em seu pé, mas a maioria das vezes são pessoas com intuito de não pagar tributos, fazem o cadastramento para ter o livre trânsito e não recolhem os tributos , mas esquecem que muitas vezes ficam transferindo créditos tributários para outros estados, e como ficam esses créditos, se não pagou o imposto para o Tocantins, como pode o destinatário aproveitar destes créditos. E não vamos esquecer dos incentivos fiscais, onde muitas vezes chegam até 100% do imposto devido. Vamos então fazer uma Operação Giam e verificar o quanto se deixou de arrecadar em junho para que a Meta não fosse atingida.
    Senhores do Conselho, é notório o esforço dos agentes do Fisco para atingir todas as metas que lhe são feitas; fizemos nossa parte, e porque muitos declararam e não recolheram ficamos no prejuízo, e quem mais gostou disso foram os bancos que irão receber juros dos pagamentos feitos em atraso ou a menor de nossas contas.
    Assim como o Estado fazemos nossos orçamentos, e a maioria de nós do fisco esse valor do Redaf já faz parte dos mesmos.
    Chegou a hora então de rever essas Metas: que seja pela Declaração e não pela Arrecadação; ou então o estado que é capaz de dispensar 100% do ICMS para muitos Contribuintes que tem a Capacidade Contributiva Plena, pague nossos ressarcimentos pelo esforços de nossos trabalhos para que a Arrecadação sempre aumente, e não esqueçamos da defasagem e do Adicional Noturno para quem trabalha de escala.
    Fica aqui uma dica: Em vez de avaliar a Arrecadação mês a mês, que possamos equipará seu aumento no final do ano, será que a meta orçamentária anual vai deixar de ser cumprida por causa do mês de junho, acredito que não…
    Isto tudo é para sabermos que somos peças fundamentais no corpo do Fisco Tocantinense.
    Devemos ser mais respeitados, e não venham com essas metas que não se pode atingir, a não seja que diminuam esses incentivos fiscais, ou vamos atrás dessas Pessoas Jurídicas Fictícias, pessoas essas que somem de um dia para outro quando são intimados para regularizar suas pendências com o Fisco. então fica aqui outra dica, que possamos saber quem realmente é capaz de contribuir e recolher os Tributos (ICMS e outros ) e só então possamos autorizar que essas empresas funcionem, EXISTAM DE FATO E DE DIREITO.
    PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA – AFRE III – MATRÍCULA 692476-0.

  55. Grande
    Pierre:

    Se for piada é piada de mau gosto. Somente quero fazer uma correção: não não são covardes, são pilantras fazendo seu jogo sujo contra a categoria! Tirando proveito pessoal através de um teatrinho imbecil que somente quem é mancomunado não percebe. Tem muitos lobos por aí tirando proveito dessa situação disfarçados de ovelhas.

    Abs,

    Caio..

  56. Robispierre Xavier

    Pronto! Eis mais uma facada do desgoverno do Tocantins, no nosso bolso: Redaf pela metade e o sindicato continua omisso, caladinho, fazendo as honras da “casa”. Pelegos, covardes, irresponsáveis!!!
    Eu ainda chamei a atenção para o teatrinho da reunião para “cobrar solução de demandas”.
    É uma piada esse sindicato viu!!!

  57. claudio murilo

    Reunião e mais reunião, adicional noturno fica sempre no bla bla bla, pagamento redaf cheio já foi feito outra ou outras vezes, hoje só bla bla bla, conversa de “melhor momento pra reinvindicar” ficou só no bla, bla, bla, AFRE IV com salario de AFRE III, só pode ser bla,bla,bla, não nesse caso é a pura verdade, pedir doação é bla, bla, bla, não nesse caso é a pura verdade também, nunca termos recebidos nenhum processo dentre vários que temos é bla, bla, bla, não nesse caso também é a pura verdade, parece que nossos problemas se resumiam em ser AFRE IV, pra mim é tudo bla, bla, bla. Quando será que alguém vai levar a serio nosso futuro, até agora só vi vender ilusões.

  58. Robispierre Xavier

    Quando vejo essas fotos de reunião em que o presidente-fantoche diz que foi lá, com cara de bravo, gesticulando, de papel e caneta em mãos, cobrar providências do secretário… e vejo o secretário fuzilando ele com os olhos, dou muita risada.
    Primeiro, porque tenho a nítida impressão de que o secretário, no íntimo, pensa “Ôh sujeito chato!! Termina de falar logo e vaza!!”.
    Segundo, porque chego a imaginar que isso é tudo teatrinho ensaiado.
    Não tenho bola-de-cristal.

  59. claudio murilo

    ACHADOS E PERDIDOS: Foi perdido a “esperança” de receber REDAF cheio referente ao não atingimento de metas no mês de junho de 2014 juntamente com o “direito” de receber o adicional noturno, quem encontrar favor entregar no endereço Rua da desolação nº 171 Setor Nova desesperança, municipio de Desrespeitopolis, quem encontrar “não” será muito bem gratificado, pois um é direito e o outro pela desafasagem nem deveriam cogitar redaf minimo e ainda mais como utilizaram a frase “esse é o momento certo” referindo a eleição e nem isso consegue, não haverá gratificação pois é um dever procurar esses “desaparecidos”, e ainda falam em doação, Deus nos ajude.

  60. Caro
    Colega Pierre:

    Com certeza Deus está vendo. Mas, e o Sandoval, será que esta vendo? Será que ele sabe que tem até assessor dele acendendo duas velas? Quem conhece esses falsos representantes (e seus aliados) sabe muito bem do que eles são capazes.
    Abs,

    Caio.

  61. Robispierre Xavier

    Pegaram a bandeira do Sindifiscal e foram hipotecar apoio ao governador Sandoval, mas agora estão fincados nos comitês de campanha do Marcelo Miranda.
    Deus tá vendo, hein!

  62. Caro
    Colega
    Cláudio:

    O que se vê por aí é colega reclamar do valor e da data imprevisível de pagamento do Redaf. Interessante notar é que alguns pensam que uma entidade poderosa, ou mesmo Deus, irá baixar dos céus e determinar um valor justo e estabelecer data fixa para seu pagamento. Esquecem-se sobretudo, que existe uma camarilha de farsantes que recebem e não prestam serviços nem para o Estado e muito menos para a categoria. ficam à disposição para fazerem festas e turismos com o dinheiro da categoria. Pode? Não pode. O brio, pudor, o carater, e principalmente a honestidade, deveriam os fazerem refletir sobre isso. Mas será que tem? Não creio. Se tivessem não procederiam assim. Esse é o real motivo de impedirem (ilegalidade é a praia deles) alguns membros da categoria em se filiarem ao sindicato
    E ainda vem pedindo dinheiro para políticos? Eles é que deveriam indenizar a categoria por suas omissões e ociosidades. Existem os sem-tetos, os sem-terras, no nossos caso, somos os sem-representantes!
    Esses pseudos-diretores, entre outros, cometem dois crimes: não fazem sua obrigações e não deixam outros fazerem, por ocupar o lugar de quem o poderia. E como já disse anteriormente o tempo não volta atrás. Quem nos indenizará o tempo perdido?
    Tenho pena pena de quem possa ter dado dinheiro para eles: Com certeza é desfavorecido mentalmente. Na eleição estadual próxima passada pegaram dinheiro, não prestaram contas, (e não prestarão jamais), isso é conversa para boi dormir. Querem dar dinheiro (dos outros ou do sindicato, não o dinheiro deles) para políticos para empregarem seus familiares, tirarem proveito pessoal, acesso para fazerem suas tramoias e influencias juntos aos poderes constituído. Falando francamente, favorecimento, leniência, tráfico de influencia, corrupção ativa em seus continuísmos infindo na diretoria do sindicato.
    É para isso que querem ser influentes. Se tem alguém acreditando que essa arrecadação é para beneficiar a categoria, esse alguem tem que rezar muito, pedindo a Deus, mais razão, sabedoria, para saber distinguir, o joio do trigo. É só isso. Abs,

    Caio França.

  63. Robispierre Xavier

    Rolou boato, divulgado pelo presidente fantoche, em tom de pulso firme, de que foram à Sefaz arrochar, cobrar uma série de providências junto ao secretário. Tudo teatrinho, como de costume. O lance funciona assim: eu faço de conta que te bato e você finge que levou o tapa, como acontece nos filmes de Hollywood. Lembra da reunião recente com o governador? Pois é.. teatro, teatro, teatro e mais teatro, e com péssimos atores, por sinal. Ligam a câmera, fazem pose, sorrisos largos, tapinhas nas costas, um carinhoso aperto de mão e pronto: está tudo combinado. Só idiota acredita e aplaude esse folhetim ridículo!!!
    Que fique bem claro uma coisa: o abaixo-assinado que foi criado, realmente não é obra de nenhuma instituição. Aliás, o presidente fantoche e cia, andaram fazendo campanha contra, por que isso poderia “estragar o acordo que fizeram com o governador”.
    Na verdade, meus caros, o que acontece hoje em dia, no meu entender, é reflexo do caos para o qual o Tocantins está sendo conduzido, irresponsavelmente. A CPI do Igeprev está no forno, com sabor de calabresa acebolada e os membros dos dois conselhos que assinaram embaixo desse rombo, estão caladinhos, blindados pelo sistema em voga. A saúde no Estado encontra-se em estado de calamidade; Fornecedores sem receber faz bom tempo; Adapec fazendo paralisação; Falta medicamentos básicos nos hospitais; Falta merenda até no maior colégio de Palmas (Colégio Militar).. enfim, para onde correr? Entenderam? E qual a máquina de fazer dinheiro? Resposta: NOSSA CATEGORIA. Ainda assim, muitos hibernam, se omitem, se acovardam e se submetem a esse rolo compressor que anda em nossa direção, diuturnamente.
    Ouvi de um colega recentemente: “Pierre, deixa o pau comer pra lá. A Justiça Divina tarda, mas não falha.”
    Espero que ela não demore muito.

    PS-1: Usaram a bandeira do NOSSO SINDICATO mais uma vez e hipotecaram apoio ao governo. Estão fazendo “vaquinha” nas regionais, para arrecadar muita grana, para três candidatos a reeleição na AL/TO e isso nos coloca numa frigideira em fogo ardente.
    PS-2: Hoje foi deferida a candidatura do Marcelo Miranda. E agora, caras pálidas? Vão pegar a bandeira do Sindicato e correr para onde? Estou sentado aqui no camarote, para assistir o circo.

  64. claudio murilo

    Engraçado nada de aumento do redaf, nem sequer pagar cheio o que não foi alcançado, nada de adicional noturno, mesmo em mandado judicial, e ainda falam em arrecadar dinheiro, é brincadeira uma coisa dessas. Tenham dó.

  65. Robispierre Xavier

    Primeiramente, se numa reunião foi definido todo dia 20, como a ADAPEC afirma que tem até dia 30? Isso é exemplo da falta de compromisso e de respeito dos gestores para com a categoria. Me solidarizo com os colegas da Adapec. Pelo menos eles têm um grupo coeso e que luta pela defesa dos seus interesses.
    Muito ao contrário da diretoria do Sindifiscal, que faz acordos às escuras, vende apoio político em detrimento dos interesses da nossa categoria. A Sefaz também não cumpre o acordo de se pagar nosso REDAF todo dia 20. Aliás, não existe uma data definida. Me parece que fica à mercê do nível de humor do gestor ou sei lá o que.
    A diretoria do Sindifiscal foi àquela reuniãozinha fajuta com o governador e apresentou uma proposta de alteração, também fajuta. O objetivo ali era hipotecar apoio político ao governo, tanto que abaixou a crista e aceitou sorrindo a proposta de aguardar até depois das eleições.
    Proposta decente, objetiva e que realmente traz vantagens para nós, está no abaixo-assinado que rolou em algumas regionais, mas que a diretoria do Sindifiscal andou telefonando e visitando algumas regionais, fazendo campanha contra a iniciativa que partiu do seio da categoria, desvinculada de qualquer entidade representativa. Pregaram o discursinho malogro de que o abaixo-assinado vai atrapalhar o acordo que fizeram com o governador. É pra dar risada de uma coisa dessa!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…
    Essas pessoas não têm compromisso com a categoria. O compromisso deles é em arrecadar milhares de reais para financiar campanha de três deputados estaduais, todos da base governista. Entenderam?
    O que me deixa perplexo é a conivência de colegas com esse ardil. É comum ouvir chororô de colegas, reclamando do valor do Redaf atual, que não recebe no dia certo, etc… Mas quando é hora de fazer algo, se esquivam, não mostram a cara, se acovardam e se juntam às ideias dessa turminha. Concluo que são merecedores do tratamento que recebem, mas eu não aceito esse tratamento e acho que temos muito poder nas mãos para peitar essa bandalheira toda aí.
    Só para relembrar: estamos em estado de greve e acho que essa mobilização da ADAPEC é uma ótima carona para paralisarmos também, em nome do respeito que todo servidor público, que carrega esse Estado nas costas, é merecedor.
    Alô diretoria do Sindifiscal, movam-se, meus filhos! Não têm vergonha dessa postura covarde? Dissimular fatos só convence os burros!

  66. Grande
    Pierre:

    É assim mesmo. Quando não existe gato, os rato andam em cima da mesa. Por qual motivo eles não querem vc e outros por lá? Será simplesmente por que não vão com sua cara? Quem quiser acreditar assim que o façam, mas por mim, eles tem motivos bem mais sérios e consistentes para assim agir. Mas diga-me: Quem age assim é por que tem vocação e viverão disso, não posso ao menos recriminá-los, mas alguns seus apoiadores, que porventura possam ter, o problema seria de raciocínio, de caráter (falta) ou de simplesmente de conivência? Racionalmente a posição desses é indefensável, então em qual plano se poderia defendê-los? Do pejo, do pudor, da ética e da moralidade, do idealismo, do classismo, do sindicalismo, do companheirismo, certamente, não é.
    Vamos aguardar. Não creio que todos no sindicato sejam a mesma coisa. Certamente algo de bom terá por lá. Quem sabe, um dia, alguem não se rebele contra toda essa indignidade e coloque toda a casa abaixo, com verdades que irão chocar a categoria?
    O tempo é o senhor da razão e como disse Vieira, não só corre, mas, anda e voa!

    abs,

    Caio.

  67. Robispierre Xavier

    E a farra continua com dinheiro dos filiados…
    Comida e mais comida, muita comida: suco del valle, refrigerantes, muitas frutas, tortas, salgados, leite, biscoitos, café, açúcar, bolos, etc.
    Não bastasse a farra com gasolina (assustador), agora a diretoria arrumou um carro a diesel. Tem um carro movido a diesel rodando por conta do SINDIFISCAL, gastando algo em torno de 300 litros de diesel por mês. E tem mais, só abastece com diesel S10, o mais caro.
    Pelo que me informaram, os carros do SINDICATO são: 01 Uno (que a mecânica foi toda reformada poucos meses atrás) e 01 Hyundai Tucson. Se eu estiver errado, me corrijam.
    Eleição esta aí… estou de olho!!!

    PS: ainda estou aguardando a resposta sobre o meu pedido de filiação, faz mais de 60 (sessenta) dias. O tempo está esgotando.

  68. Pedindo dinheiro na categoria para campanha partidária? Tem muito cara de pau por ai! E, dentre nós, será que terá algum desfavorecido mentalmente que dará? Na verdade, eles é que teriam de dar dinheiro para a categoria para compensar a instrumentalização de nosso sindicato, a embromação, as mordomias as nossas custas e ainda as conquistas que perdemos para sempre. O que conseguirmos para frente será outra oportunidade e não aquelas que perdemos. Toda categoria tem parasitas e sanguessuga, mas na nossa, parece que supera qualquer outra. E se virem alguém reclamando desse post é por que é um deles, a carapuça serviu. Quem conseguir tirar um real de mim para esses pilantras, vai direto para o céu, via Embratel.

    Abs,

    Caio França.

  69. Robispierre Xavier

    Claudio Murilo, não precisava de confirmação desses caras. Nenhum governo cede se não for com pressão e briga.
    Quer dizer então que já tem cabo eleitoral rodando pra arrecadar grana pra candidatura de algum colega? Novidade nenhuma! Quem é o candidato dessa vez? Fiquei sabendo que numa regional, um soldadinho dessa turma é agente encarregado de arrecadar doações, mas que dessa vez é para outro candidato e não revela o nome do santo.
    A cara de pau destes não racha, não empalidece.
    Dinheiro meu, essa turminha da pesada não vê! E ainda vou fiscalizar a prestação de contas de quem for o candidato. E também vou fiscalizar, de longe, os gastos do Sindifiscal nessa campanha.
    No mais, vamos cobrar a convocação dessa Assembleia que está em aberto.
    Enquanto isso.. o presidente fantoche está participando de reunião de distribuição dos carros para as regionais. É cada uma de lascar!

  70. claudio murilo

    Em um dos meus posts perguntei se alguém escutou sobre a pressão da adapec para aumento do redad deles, agora é oficial, confirmado pela entidade-mor numa visita ao Talismã, só conseguiram por pressão mesmo, e nosso estado de greve que não foi revogado pois temos em aberto essa questão do redaf decidida na assembleia de janeiro, mais pressão nunca é o forte de nossa categoria, submissão que é o forte, sempre com prazos, prazos esses não submetidos a aprovação em assembleia, e ainda mais, tem uma tal “participação politica” que envolve doação, antes mesmo de usufruir de alguma coisa já querem que desembolsemos, se ao menos o redaf de 5 mil estivesse garantido e recebendo nos próximos meses, ai sim poderia haver desembolso, caso contrario fica difícil, converse com os receptores das doações a convencer o governo a aprovar nosso redaf, ai podem tocar no assunto.

  71. claudio murilo

    Com certeza depois de mais essa o mal estar entre a categoria aumentou, qualquer funcionário publico tem seu valor e merece ganhar mais seja administrativo, colegas da adapec etc, mais o que fizeram com o fisco é discriminação. REDAF já.

  72. claudio murilo

    Lei 2890 de 07.07.2014 que dispõe sobre PCCR do quadro auxiliar fazendário, com cargos de nível superior, médio e fundamental, como não sabemos a atual tabela dos que foram enquadrados, mais é só procurar no diario oficial para comparar com a que entrará em validade com esse enquadramento, deve ter tido aumento nos valores, e nosso famigerado REDAF cadê, outubro, será, não podia politicamente, mais fazer esses enquadramentos foi possível, estou falando estamos sendo tratados como moleques, agora perdendo até pra administrativos, claro que eles tem seu valor, mais estao chegando agora, e nós já estamos aqui há 20 anos.

  73. claudio murilo

    A asfeto deveria enviar um oficio ao secretario pedindo para que a meta de junho fosse revista, pois em 2013 houve um recebimento extra ou atrasado no quesito “comunicação” o que fez aumentar a meta desse ano, como a lei do redaf trata de sazonalidades, essa com certeza foi uma, já que não conseguimos atualizar o redaf, também não podemos aceitar receber o mínimo, pois o valor cheio já é “o mínimo” que deveríamos receber, já houve um ou dois casos que a meta foi revista, então por que não tentar, já que o governador empurrou tudo pra frente, ele mesmo não haveria de colocar empecilho nesse caso, menos ainda o secretario, esse deveria ser o papel da entidade-mor, como até agora não houve nada a esse respeito, um empurrãozinho seria bem vindo, empurrão esse seria oficializar o secretario sobre essa sazonalidade. Eu já perguntei por aqui, alguém sabe o que a adapec tem que cumprir para receber o redad, tem alguma meta ou não. Ouvi por ai que o fato da adapec ter recebido, alias feito o decreto e publicado para valer em janeiro, sobre o redad , seria por motivo de pressão, se não saísse haveria mobilização, alguém também escutou isso por ai, ou estou escutando muito.

  74. Jose da Silva Santos

    Quando leio essas denuncias, fico triste e desmotivado. Esses diretores de nosso sindicato já foram chamados de espantalhos, fantoches, pelegos, marionetes e outros que nem me lembro mais. Será que eles não têm vergonha disso? Deveriam trabalhar verdadeiramente pela categoria ou saírem de lá! O que será que tem de tão bom nesse sindicato, para não largarem o osso? Deve ser algo muito bom mesmo. Será o assunto das horas-extras ou é mesmo as contas do sindicato? Eu me envergonho por eles.

  75. Colegas Cláudio e
    Pierre:

    Tudo o que vocês disseram é verdade e é de domínio publico. A omissão de nossa categoria no que diz respeito ao sindicato tem alto custo, refletirá em nosso futuro, na nossa aposentadoria e educação de nossos filhos, que nada tem a ver com essas indignidades.
    Destarte, o pior de tudo isso, é ver que alguns desqualificados personagens (falsos colegas) fazem ouvido de mouco, cegos, surdos e mudos em perceber tudo o que se está passando. São piores que os urubus sindicais, quando os apoiam. O que ganhariam em prejudicar seus colegas? É uma pergunta interessante. Será que os querem substituir na pilantragem e extorsão da categoria em benefício pessoal? Na natureza não existe ação gratuita, o que me leva a pensar, algo estarão ganhando ou penam por ganhar no futuro.
    Quando se tenta agir, lá vem alguns diretores do sindifiscal com extensas e vergonhosa mentiras tentando desqualificar quem age em benefício da categoria. Calúnias, difamações contra quem trabalha. A atitude pretérita desses diretores já demonstrou sobejamente, desvio de caráter, falta de pudor e escrúpulo em quem deveria DEFENDER a categoria. Diretoria com alguns ‘elementos’ podres e inimigos da classe.

    Abs,

    Caio França.

  76. Robispierre Xavier

    Claudio Murilo, o seu sentimento é o meu também e acho que de uns poucos colegas, afinal fica claro a síndrome de vira-lata.
    É revoltante, repugnante a postura do presidente do Sindifiscal. Um cara sem moral, sem atitude, mesquinho, fraco, servil, pelego. Para ocupar um cargo de tamanha envergadura, prescinde de força, tem que ter peito, ousar, combater com veemência, sem conversinha mole.
    Estava na cara que o governador ia negar o pedido, com aval do secretário (que sabe muito bem da nossa situação), então por que diabos já não foram pra essa reunião “armados” pro combate? Dali já era pra sair uma posição sobre como a categoria iria se comportar perante à negativa do pedido. Já era pra informar aos dois, que isso ia refletir negativamente em meio à categoria. Mas foram lá distribuir sorrisos largos, tapinhas nas costas, tirar fotos, foram bajular e muito provavelmente hipotecar apoio à candidatura do governador, usando a bandeira do sindicato e o nome da categoria, uma verdadeira palhaçada! Tremeram, amarelaram, fizeram cocô nas calças, turminha fraca e sem moral.
    Depois publicam no site o resultado da reunião em tom de vitória, de grande avanço e se omitem de convocar assembleia para apresentar e deliberar o assunto, por medo, covardia. Traidores duma figa, palhaços!!!
    Alô vocês, caros colegas que são filiados ao Sindifiscal, mexam-se, cobrem dessa turminha, atitude, cobrem assembleia para deliberarmos esse assunto, cobrem respeito e mais transparência com a categoria, decência acima de tudo.
    Caso contrário, ficaremos mais um ano sob esse manto da omissão e da falta de atitude perante nossos problemas. Por isso não aceitam nossas filiações, pois sabem que, com a gente lá dentro, seria diferente, afinal estamos vigilantes e ativos para combater essa bagaça que eles fazem descaradamente.

  77. claudio murilo

    Vejam o que as outras categorias receberam desde abril, os delegados, os policiais civis, etc etc, façam um levantamento e apresentem ao governo, os índices utilizados, pois o que conseguimos e a promoção na qual o aumento salarial é menor que 1 mil reais, o que mais ganhamos, nada, fico enojado de sabermos que já temos 20 anos de serviços prestados, risco de vida, insalubridade, estruturas físicas precárias etc, e ainda temos que esmolar junto ao governo, e o pior nossa esmola fica somente prometida, nessa hora passo a sentir que nossa categoria não tem força nenhum, não tem valor, pois somos os primeiros a serem cobrados e os últimos a serem atendidos, quando seremos respeitados pelo nosso valor, pela nossa importância, fico revoltado com uma coisa dessas e depois dizem por ai que somos rebeldes, pudera não vejo falar em reunião das outras categorias com governo e sempre sai alguma coisa pra eles e nós reunimos, respeitamos, conversamos e nada, por que a entidade-mor não ficou sabendo do redad da adapec e foi “exigir” o mesmo pro nosso redaf antes de virar lei e sair no diário oficial, não para atrapalhar os deles, pois eles merecem, mais para não haver discriminação, discriminação é crime, fica dificil acreditar que algum dia teremos valorização e respeito por parte dos governantes, em 20 anos não conseguimos, teremos que esperar 40 anos, sempre somos os últimos, nunca valerá o ditado “os últimos serão os primeiros”, precisamos saber impor respeito, e senhores diretores da asfeto, não mandem oficio para o secretario, ele já não pode fazer mais nada, o governador barrou, mande direto pro governo dizendo do mal estar causado pela discriminação do redad adapec pro redaf fisco, é somos os bobos da corte mesmo né, que pena, em todos os estados o fisco é temido e respeitado, no Tocantins é tratado como moleques. Desabafei.

  78. claudio murilo

    ” Agora a categoria tem um acordo com o governador para a implementação da reestruturação após as eleições, no nosso ponto de vista foi um grande avanço”, palavras da entidade-mor que esteve na reunião com o governador, engraçado que há 4 dias atrás o redad da adapec foi reajustado em lei, e agora não é momento politico somente pro nosso, e falam em acordo verbal, deveriam ter questionado é por que dessa discriminação, vamos perder esse “momento oportuno” como ele mesmos disseram, muito estranho, deixam pra ultima hora dá nisso, desculpa pra não fazer, ao mesmo tempo faz pra outra categoria, e a quem possa me esclarecer, o redad da adapec tem alguma meta a cumprir ou não, pois em junho até o dia que vi a arrecadação estava longe da superação, quer dizer. além de defasado ainda recebemos o redaf mínimo, houve uma sazonalidade em junho de 2013, receberam valores atrasados em comunicação e isso fez a meta aumentar e muito, tá na hora da entidade-mor conversar com o secretario e reverter essa situação, agora essa de redaf em outubro ninguém engole, como está na pauta da assembleia de janeiro, deveria ser feita outra assembleia para ver se aprovam esperar até outubro, já vimos esse filme em 2006 alias vemos todos os dias, só conseguimos aumentar nossas perdas, nunca receber para amenizar tantas perdas incalculáveis. A entidade-mor deveria ter dito ao governador que essa discriminação traria mal estar a categoria, saber que há 4 dias atrás editaram lei e agora dizem não poder.

  79. claudio murilo

    Engraçado é que no diário oficial do dia 30 de junho, o redad da adapec está sendo atualizado, mesmo valendo para janeiro de 2015 já foi feita a lei, escalonada até janeiro de 2018, e depois será reajustada por um índice, para nós teremos que esperar até outubro que conversa estranha é essa, dois pesos e duas medidas, todos merecem, mais não podemos aceitar essa discriminação, que seja pra janeiro de 2015 mais que a lei seja editada agora, novamente volto a sentir fraqueza na nossa categoria, volto a reafirmar, antecipa pra uns e nos coloca na parede pra depois das eleições, por que sempre somos os últimos a obter qualquer beneficio, o que está acontecendo e até quando aceitaremos, o governador não pode abrir concessões a algumas categorias e barrar outras, ainda mais da importância do fisco.

  80. Só não entendo, Srº Governador, diretores do Sindifiscal, Secretário Marcelo Olimpio, porque adiar essa injusta situação em que se encontra nosso REDAF?
    Vejam:
    1 – Esse ressarcimento não faz parte do orçamento do Estado e sim de despesas do excesso da receita;
    2 – Está desatualizado há vários anos;
    3 – Tratar do assunto somente depois das eleições cheira muito mal e parece promessa de campanha;
    4 – A Asfeto fez com muito critério o mapeamento das condições de trabalho nos postos fiscais e os investimentos já deveriam há muito terem sido planejados, tendo em vista que o documentário foi entregue em março para o Secretário;

    Diante disso, fico a pensar, será que viveremos sempre tendo que aguardar resultados politicos?

    Vamos continuar nossa mobilização, afinal, estamos em “estado de greve”!!!! A LUTA CONTINUA!!!

    Grande abraço a todos!!

  81. TEATRO SINDICAL
    Forçados pela Asfeto ( como sempre) o sindifiscal providenciou logo uma reunião (e abundantes fotografias, é claro) para falar do Redaf e outros assuntos que vimos de público reclamando.
    É assim mesmo que deve agir dirigente sindical: quando todos estiverem gritando por ação, fazem uma reuniãozinha, tiram fotografias e mandam para a plebe ignara!
    É de se perguntar:
    E a Assembléia Geral anterior em que “bravos dirigentes” propagaram que seria “estado de greve” ? Qual era pauta? Estava na pauta perguntar se o governo queria pagar? Ou era uma assembléia de “mentirinha” ? Mentiras em Assembléia Geral? Que audácia!
    Perguntar ao governo se quer pagar? Estão de brincadeira! Só fazem alguma coisa empurrados pela Asfeto, mas precisam fazer melhor, essa farsa aí não convence mais ninguém.
    Que tal agir dentro da lei, mandar ofício dando prazo e aguardar a resposta e depois convocar assembléia geral como é de praxe? Ou não é o “momento certo”, “momento oportuno”? Esse momento será daqui a quatro anos? Se isso não for farsa, certamente, será brincadeira de mau gosto.

    Caio França.

  82. Robispierre Xavier

    Governador recebeu a diretoria do Sindifiscal, deu negativa sobre o Redaf e “marcou” pra depois de outubro?
    Peraí… daqui até final de outubro são 90 dias. Se não pode agora, não poderá depois. Correto? E o cara pálida ainda fala em avanço????? Putz… é de lascar!!!
    Governador passou melzinho na boca do povo. Mas como bem lembrado aqui nesse mural, o estado de greve deliberado em Assembleia ainda está valendo.
    E aí? Vamos abaixar a cabeça e engolir essa ladainha ou vamos pra cima do “governo amigo”?

  83. Robispierre Xavier

    Amigos, alguém mais notou algo de estranho no contra-cheque desse mês?
    No meu, além do subdsídio, foi creditado uma DIFERENÇA DE SUBSÍSIDIO, mas logo estornaram no campo “descontos” o mesmo valor, dividindo o valor em DEVOLUÇÃO DE VENCIMENTO e DEVOLUÇÃO DE PRODUTIVIDADE FISCAL. Ou seja, creditou e depois estornou.
    No mais, observei que, com relação ao mês passado, o desconto do IRPF foi também maior.

  84. Agora foi a vez de nossos colegas da Adapec saírem na frente e conquistarem o reajuste de seu REDAD (Ressarcimento de Despesas da Atividade de Defesa Agropecuária), vejam no diário de hoje, 30 de junho:
    file:///C:/Users/wanderley/Downloads/4158-30062014%20(1).pdf
    Vamos mobilizar a categoria e exigir nossas alterações em caráter de urgência!!
    O PDAF de nossos colegas administrativos da SEFAZ tem regulamentação que garante 30 % do ressarcimento e também 13º prêmio, e agora nossos colegas da Adapec foram contemplados (diga-se merecidas categorias).
    Resta a categoria dos auditores fiscais da receita estadual os devidos ajustes na lei do REDAF.
    VAMOS À LUTA!! TODA FORMA DE MOBILIZAÇÃO É VÁLIDA COMO MANIFESTAÇÕES, ABAIXO-ASSINADOS, PARALISAÇÕES, OPERAÇÕES PADRÕES,ETC., o que não podemos, dado à importância do fisco estadual, é ter tratamento diferenciado e viver com um prêmio de produtividade por metas de arrecadação totalmente defasado.

    Grande abraço a todos.

  85. Robispierre Xavier

    Para refletir:

    Uma águia pousada num penhasco olhava com muita atenção para todos os lados procurando uma presa. Um caçador, escondido numa fenda da montanha e em busca de caça, viu a águia lá em cima e lançou uma flecha. A haste da flecha penetrou no peito da águia e atravessou seu coração. Pouco antes de morrer, a águia fixou os olhos na seta:

    – Ah, sorte ingrata! – exclamou. – Morrer desse jeito… Mas o mais triste é ver que a seta que me mata tem penas de águia!

    Moral: As desgraças para as quais nós mesmos contribuímos, são duplamente amargas.

  86. Ao invés do SINDIFISCAL ficar prestando serviço de comunicação para a SEFAZ informando o dia que deverá ser creditado (com muito atraso) o REDAF deveria comunicar a Secretaria da Fazenda que a categoria está em estado de greve para não só definir a data do pagamento como também o índice de correção anual (nossa proposta é que seja atrelada ao salário, ou seja, 30 % do subsidio), garantir o pagamento quando alcançar 95 %, recebimento compensado com o saldo do conta-corrente para os casos de afastamento por motivo de licença para tratar da saúde, 13º REDAF para aumentar a credibilidade e o incentivo dos auditores na sua contribuição individual no cumprimento das metas, apesar de seus esforços ter demonstrado índices de superação todos os meses na arrecadação.
    Para tanto, o SINDIFISCAL tem que dar prazo para o governo e SEFAZ e, se for o caso, partir para a manifestação, paralisação ou operação padrão. Afinal a assembleia geral votou e deliberadamente acatou o REDAF como pauta para o estado de greve e tem o mesmo valor para efeito de mobilização como foi o caso da promoção.
    VAMOS TODOS REFLETIR NESSA COPA E EXIGIR DO SINDICATO UMA NOVA POSTURA FRENTE AO REDAF!!!
    AH !! SE ABRIREM AS PORTAS PARA MINHA FILIAÇÃO (POIS OS DIRETORES SÃO OS DONOS DO SINDICATO), COMO FIZERAM PARA VÁRIOS OUTROS COLEGAS AUDITORES VOU FAZER ISSO PUBLICAMENTE DENTRO DAS ASSEMBLEIAS E DO SINDICATO.
    A seleção brasileira ganhando ou perdendo minha posição é a mesma.
    Grande abraço a todos e boa copa.

  87. Grande
    Pierre:

    Quem não nos quer ver no sindifiscal tem muito rabo para ser puxado. Tem medo de muita coisa vir à tona. Na verdade, essas pessoas foram da gestão anterior que ficaram para tapar o buraco e alguns espertalhões caíram fora mais cedo. Querem dar tempo para que a categoria esqueça nossas denuncias pretéritas. Em toda atividade tem uns mais esperto que outros. O navio começou a fazer água … , quem corre e sai primeiro?
    Não ficarão lá eternamente, um dia terão de sair.
    Sobre o Redaf estão enrolando simplesmente por que não trata de briga por poder sindical e aí não tem interesse para eles. Não tem que viajar para postos, não gastam dinheiro com viagens. Para que Redaf, se viajam com recursos pago pelo sindicato? Por que não falam em greve pelo Redaf?
    Uma coisa , caro colega, a experiência já nos ensinou: quando somem estão tramando mais um golpe. Nada como o passado para analisar o presente e o futuro.

    Abs,

    Caio França.

  88. Robispierre Xavier

    Fico aqui a imaginar se não fossem nossas críticas, nossas cobranças, nossos cutucões aqui nesse mural, se a gente não estivesse denunciando, mostrando os erros pra todo mundo, como o NOSSO SINDICATO estaria nesse momento.
    Desde que iniciamos esse embate crítico-oposicionista, de vez em quando eles se mexem, mas ainda assim deixam muito a desejar. Se o problema é dar tempo, o tempo está passando… estão tendo todo tempo para trabalhar dia e noite pelos nossos interesses.
    Só para não passar em branco, continuo esperando e não recebi até hoje (já se vão quase 60 dias) a resposta sobre meu pedido de filiação protocolado na sede do Sindifiscal. Só mais 30 dias e entro com ação judicial, aí terão que me engolir de qualquer jeito, certo?
    Sobre o projeto de alteração da lei do REDAF, achei algumas alterações interessantes, outras nem tanto. Por exemplo: Cadê a definição da data para pagamento do mesmo? Cadê a instituição do 13º REDAF, calculado pela média do ano, a ser pago em dezembro? Temos que parar de pensar como pequeneninos. Temos que pensar grande! Não engulo e não entendo essas cabecinhas fraquinhas. Vai entender…

  89. Robispierre Xavier

    Sabedor que sou do quanto esse portal é acessado por muitos colegas, gostaria de fazer um chamado: para nos mobilizarmos em prol da negociação da revisão imediata do nosso REDAF.
    O foco não é só revisão do valor, como também que se defina uma data específica para o pagamento. Além do valor pífio em razão da corrosão inflacionária, não temos uma data certa para recebê-lo.
    Nesse aspecto, está bem claro para todo mundo que a diretoria da entidade que diz nos representar, está ocupada com assuntos menos nobres e em silêncio ensurdecedor. Sinceramente, não dá para ficar com a mão no queixo e esperando esses senhores decidirem quando querem e se querem correr atrás dos nossos interesses. Isso é omissão, passível inclusive de destituição de toda a diretoria, por prevaricação.
    A minha sugestão, portanto, é nós nos mexermos. Penso na composição de uma comissão democrática, com representantes dos quatro cantos do estado, para assumir a linha de frente dessa reivindicação.
    Falo de um movimento legitimado pela base da própria categoria, sem qualquer alusão a essa ou àquela entidade. Sei que temos como fazer isso e me coloco desde já a disposição para encarar essa luta. Resistência é inevitável, mas temos que encará-la até a última instância. Só temos que dedicar um pouco do nosso tempo à causa.
    Ou vamos ficar o resto desse ano a ver navios, sendo achincalhados, oprimidos e abandonados, à margem do respeito que merecemos? Reafirmo: vamos constituir essa comissão sem pretensões individuais, sem manto de qualquer instituição. Desta forma estaremos fazendo um trabalho apolítico, sem ingerências.
    Os interessados que quiserem debater o assunto, meu fone (63) 9220-0081. Meu e-mail: pierremx@gmail.com

    Abraço a todos!

  90. claudio murilo

    Esperamos 4 anos por “esse momento exato de reinvindicarmos, pois é ano eleitoral” assim foi dito por quem tem a atribuição de zelar por nossos direitos e interesses, volto a dizer se é “momento exato” vamos ao REDAF já.

  91. Kérito Thiago Assunção Soares

    Boa noite companheiros. Fraternos cumprimentos ao nobre companheiro Caio França (só pra constar o Toninho ainda está em baixa nas pesquisas), Professor Noleto (de línguas ocultas após as 0:00 horas), Fernandes (o cafezinho já tá passado), Silverinha (vamos comer uma franga nos azuis, digo frango?) e demais amigos da SEFAZ.

    Hoje venho fazer um convite à reflexão: Quer tiver um tempinho assistam ao filme O PONTO DE MUTAÇÃO (Baseado na obra de Fritjof Capra) ——–www.youtube.com/watch?v=7tVsIZSpOdI——–

    O filme aborda um dialogo de três pessoas que embora tenham estilos de vida e pensamentos diferentes, são abertas a novas idéias. O dialogo dos personagens acontece em um castelo medieval na França.

    Essas pessoas são americanas e fazem partes de núcleos sociais diferentes. O primeiro ator é um senador e ex-candidato a presidência da republica (político). Ele se sente desmotivado com a política, argumentado não ter discurso próprio, tendo que repetir os discursos que seus assessores escrevem ou dizer o que as pessoas querem ouvir. O segundo ator é um professor de literatura e escritor (poeta) que se sente na crise de meia idade. Ele veio para a França para fugir da competitividade das grandes cidades. A terceira é uma cientista especialista em Física que vive uma crise existencial ao ver a intenção do uso militar em sua pesquisa.

    O político frustrado com a visão de política dos EUA, liga para o amigo (poeta) que mora na França e seu amigo acaba oferecendo uma estadia para ele, a fim de fazê-lo esquecer um pouco da sua rotina. Ao chegar à França os dois amigos vão visitar um castelo medieval. Lá eles encontram a cientista em uma sala onde se encontra um imenso relógio antigo, que se torna o ponto inicial de toda discussão.

    A cientista é convidada a entrar na conversa que o poeta e o político estão tendo sobre o relógio. Logo que ela entra na conversa ela faz uma dura critica sobre a maneira cartesiana em que os políticos de modo geral veem a natureza. Ela afirma que os políticos descrevem a natureza assim como Descartes descrevia, como um relógio onde é possível reduzir ao monte de peças onde analisado cada parte é possível entender o todo. Ela crítica dizendo que essa ideia é antiga e ultrapassada e que devemos mudar essa visão de mundo. O mundo tem que ser visto como um todo através das relações existentes entre cada objeto que compõem a natureza e que fazemos parte dessas relações. A cientista afirma que se devem abrir os horizontes para modelos sistêmicos, escapando do conforto dos processos, onde temos o controle, mas muitas vezes não a compreensão. Não se pode olhar separado os problemas globais tentando entendê-los e resolve-los separadamente. Devem-se entender as conexões para depois resolver os problemas. Com isso se consegue pensar em um mundo com crescimento sustentável com melhores condições para todos. O político discute e até aceita algumas ideias da cientista, mas a grande questão que ele aponta é: como concretizar essas ideias na política, como fazer com que as pessoas (os eleitores) consigam entender. A resposta da cientista é simples: Mudando nossa maneira de ver o mundo.

    Se alguém quiser debater sobre a trama, vamos ao discurso!
    Grande abraço

  92. Claudio Murilo

    Um dia ouvimos a seguinte declaração de quem deve tratar desse assunto,”esse é o momento para reinvindicar, é ano eleitoral “, então vamos aproveitar esse momento e tratar do aumento do REDAF.

  93. Por que será que tá um silencio danado no Sindifiscal? Ou será que estão comemorando a copa e por isso deixaram até o site fora do ar desde anteontem ou, ainda, será que estão com medo de ter que manifestar sobre alguma novidade na Sefaz?
    Vamos continuar a mobilização, afinal estamos em estado de greve ou não ? Mobilização e luta tem que ser permanente (esse é o estilo dos principais sindicatos de auditores fiscais de todo o Brasil), se precisar fazer greve vamos a ela, tem muita coisa para conquistarmos e, repito, a categoria está ficando idosa com uma boa parte para aposentar e será que vamos para a inatividade e continuarmos com esse tipo de agenda sindical (mobilização somente de 4 em 4 anos)?
    Temos que discutir e aprovar nossa LOAT, aumento e alterações no REDAF, teto salarial, aposentadoria especial, adicional de insalubridade, regulamentação do adicional noturno – a ação era muito mais do que obrigação do Sindifiscal que nunca exigiu do governo a regulamentação, apenas promoveu a ação judicial em 2011, ou seja, há 3 anos atrás, policiamento nos postos fiscais, investimento nos postos fiscais, condições de trabalho, etc.

    Grande abraço.

  94. claudio murilo

    Em tempo, um delegado de policia em inicio de carreira terá um subsidio praticamente igual ao nosso AFRE IV – A, com 20 anos de carreira, e eles terão aumentos progressivos mais data-base até 2018, até lá eles estarão ganhando no mínimo 25% a mais que nós, reitero, eles em inicio de carreira. E tem gente com medo de negociar redaf.

  95. claudio murilo

    O redaf dos administrativos são 30% do valor da remuneração deles, e por que o nosso tem que ser fixo, alias fixo e sem correção há 5 anos, então vamos passar para percentual também, assim ele não se defasa tanto, ouvi de um diretor que 4 mil já estava garantido, e tinha outros colegas que ouviram o mesmo, e ai cadê a garantia então, esperar ano que vem nada, com certeza eles empurrariam o pagamento pro ano que vem, mais o decreto tem que sair rápido, e constava da assembleia de janeiro de 2014 a luta por essa alteração, será que em breve os administrativos nos alcançam.

  96. José Itaraci Guimarães

    Por falar em informatizar, por que será que o nosso Contencioso não se informatiza, não entra na era digital?
    Até hoje somos obrigados a juntar cópias em papel, de todos os documentos que constituem a prova material da autuação (Livros, DANFE´s, etc.), gerando um volume enorme, resmas e mais resmas de papel que dificulta até a manipulação do processo.
    Se pelo menos o nosso Contencioso aceitasse os DANFE´s em XML gravado em CD-ROM, já ajudava muito a nós que estamos trabalhando em Auditoria.

  97. Robispierre Xavier

    Já ouvi que “Não adianta. Que agora não dá pra mexer em REDAF. Só ano que vem, talvez.”.
    Ora, ora, meus amigos. Quem acaba de fazer essa festança de aumentos, quadruplicação de salários, postergaram nossa promoção para janeiro de 2015, etc… não vai ter como melhorar nossa premiação por superação de metas de arrecadação e ressarcimento de despesas? Claro que tem, por se tratar de verba que independente. Queremos sentar e debater, negociar novo valor do nosso REDAF.
    Toda essa carga de aumento de salários, recaem onde? Nas nossas costas. Nós é que temos que nos virar para dar conta de “fazer dinheiro”, certo?
    Sem nhem nhem nhem, sem blá blá blá, vamos cobrar isso já! Estou a disposição para composição dessa comissão. Vamos atrás do que merecemos, de fato. Conclamamos os colegas que compartilhem dessa ideia, para fazer coro e unirmos forças para essa negociação.
    Entrem em contato com a ASFETO.
    Abraço!

  98. NOVAMENTE, O REDAF

    Como já dissemos anteriormente, não é possível de se viver somente de títulos ou esperanças. É extremamente necessário que façamos uma movimentação no sentido de atualizarmos o Redaf.
    Mais de cinco anos sem atualização, acabou com seu poder de compra. Ora, como todos sabemos, o Redaf tem o título de ressarcimento de despesas, e essas, aumentaram muito em todos esses anos que passaram.
    Diretores de sindicato não fazem escala, e quando viajam (turismo) é com suas despesas pagas, por isso mesmo, estão pouco ligando para o valor do Redaf. Nós estamos vendo os gastos com viagem duplicarem e quadruplicarem. Os lordes de lá só pensam em títulos pois ganham seus salários na moleza, sem fazer nada e sem plantão. Também não adianta apertá-los pois são parafusos sem rosca, não dão mais aperto. O negócio deles é darem desculpas e justificações, quando precisamos é de ação!
    Reivindicação só se conseguirem tirar proveito político! Essa tática está muito manjada!
    Sugiro formar uma comissão e irmos ao Secretário da Fazenda e após, ao Governador ainda esse mês.

    Abs,

    Caio França.

  99. Robispierre Xavier

    Claudio Murilo, meu nobre colega, essa historinha de fechar delegacias espero realmente que seja mero buchicho de corredor.
    Seria inacreditável e surreal, que ficassem só três super-delegacias (Araguaína/Norte, Palmas/Centro e Gurupi/Sul), com mais uma meia dúzia de comando volante subordinados diretamente à “super-mesa” dentro da Sefaz. Eu não acredito que isso aconteça, sinceramente.
    Mas do jeito que muitas coisas estão sendo centralizadas lá, deixa uma ponta de dúvida e talvez esse plano megalomaníaco esteja em andamento. Vai saber…
    Retrocesso? Essa palavra soa como um grito rouco diante da prepotência e do devaneio que rola nessas “cabecinhas pensantes”. Fechar postos fiscais, acabar com comando volante, fechar delegacias é institucionalizar o crime contra a ordem tributária do Estado do Tocantins; é agendar sonegação de imposto; é flagrante irresponsabilidade e talvez até improbidade.
    E mais, se eu fosse delegado hoje em dia, já teria entregue o cargo, sem cerimônia. Por isso não me engolem! É uma verdadeira falta de respeito, um atropelo, uma vergonha, o que estão fazendo com os nobres colegas delegados, que carregam essa duríssima missão nas regionais. Delegado se transformou em mero cumpridor de determinações propositada e maldosamente verticalizadas. Tudo isso, sem falar na gratificação medíocre que recebem. Vergonhoso!
    Criou-se um bolha de burocracia, em que TUDO tem que ter a mão mágica do centralizador. Por que não se pronuncia sobre a atuação dentro do Conselho Fiscal do IGEPREV (e saiu de fininho em meio ao escândalo)? Não sabe de nada, inocente? Seria mais bonito, digno e respeitoso para com sua categoria, dar nota de satisfação às mais de 500 famílias que estão sendo vítimas desse rombo milionário, que fulmina nossa aposentadoria.
    Em suma, tudo está fora do lugar. Quem poderá fazer esse trem desgovernado parar?
    Eu sei a resposta: em time que não ganha, tem que mexer. Ra, re, ri, ro, rua!

  100. claudio murilo

    Caro Noleto, se houver fechamento de delegacias e postos fiscais, infelizmente estaremos fadados ao retrocesso na Sefaz, aumento de arrecadação é com investimentos e não contenção de gastos e centralização, não haverá como voltar atrás, seria vergonhoso para quem fizer admitir o fracasso e dispendioso financeiramente para o estado, o que aprendi no curso de administração não se aplica dessa forma, seria ao contrario, não precisaria ampliar muito menos diminuir o que temos hoje, na iniciativa privada todos empresas querem abrir filiais para crescerem e descentralizarem, pois cada filial tem sua autonomia via gerente(que seriam os delegados), e quem disse que não se aplica a mesma formula nas publicas de estado, administrar não é ter poder e sim delegar poderes, e quem duvidar que leiam a respeito, tem muitos livros a respeito, hoje sem abrir a porteira está passando uma boiada em sonegação, imagina com as porteiras abertas.

  101. Há, quem dera amigo Murilo!

    Você se enganou também? A entidade mor-ta? só com mutuca de ferrão!
    Tem muita gente que eles não enganam mais. Eu sou um deles.
    Você já ouviu dizer que uma laranja podre, apodrece uma caixa toda?
    É o tal caso. Mais de uma, pode apodrecer um caminhão!
    Em todo caso, alguém precisa falar, reclamar. E nisso rendo minha homenagens você!
    Parabéns.

    Abs,
    Caio.

  102. claudio murilo

    Estou voltando a ficar descrente, depois da mobilização parece que houve um esfriamento, cadê o redaf atualizado, não se fala mais, será que teremos que ficar esperando mais 5 anos, uma defasagem de 10 anos leva ele a zero, acordem, isso estava na assembleia de janeiro de 2014, corram atrás entidade-mor.

  103. É de causar inveja no “the flash” a rapidez da decisão da ação sobre a cobrança do imposto de renda no 1/3 de férias promovido pelo Sindifiscal em 2011. Publicamos a matéria em que pleiteamos a dispensa do pagamento do imposto de renda e também da previdência (já existem entendimento no STJ e STF para esses dois casos) na terça-feira, 27, e houve julgamento da ação judicial do sindicato na quarta-feira, 28, resta ver a conclusão e analise desse processo para verificar se não tem falhas, como a retroatividade, suspensão imediata, prazos prescricionais, e outras questões (vamos pedir vistas desse processo lá no forúm).
    Além disso, é importante ressalvar que não informaram, ou pelo que parece, não deram continuidade, ou mesmo não acompanharam a evolução jurisprudencial de demais verbas que já estão tendo ganhos de causa, como é o caso da previdência sobre o 1/3 de férias e outras que estaremos dando entrada a qualquer momento.
    Grande abraço a todos.

  104. claudio murilo

    Respondendo ao colega Severino sobre as delegacias, as já existentes acredito serem o bastante, o que não pode é deixa-las caindo os pedaços, assim como os postos fiscais de sua jurisdição, temos sim que fortalece-las assim como os gestores delas, dando mais poderes de decisão e fundos para custear as mesmas, o poder deve ser descentralizado, pois assim não o sendo estaríamos entrando numa ditadura, centralizar poder sem saber das peculiaridades de cada uma, não tem como decidir algo que vc está muito longe, e não tendo o devido conhecimento desses fatos, seria retrocesso dentro de uma instituição, de uma secretaria centralizar poderes, e como disse o colega Pierre, que acredita haver alguma coisa nesse sentido, só tenho algo a dizer, se isso acontecesse deveria ser dado a essa pessoa ou pessoas o troféu de “asno do ano” pois estaria nadando contra a maré, hoje o futuro é delegar poderes e condições de desenvolver talentos e eficiência na maquina administrativa e no nosso caso fiscalizatória, exemplo de empresas assim e que cresce a cada ano acima de todas as outras é o google, não há centralização, cada um sabe sua tarefa e desenvolve com maior eficiência, apresenta aos gestores locais e não a matriz. O nosso secretario com toda sua experiencia nessa área, com toda certeza não acataria tal descalabro, caso houvesse tal iniciativa, e também não acredito que nossos gestores-diretores tenham essa ideia, pois eles mais que ninguém conhecem a realidade vivida em cada regional e que sem elas(as regionais e os postos fiscais) teria um descontrole pleno na SEFAZ.

  105. Sim
    Colegas,

    Nada mais legítimo que uma enquete sobre os assuntos que devem ser debatidos. Entendo perfeitamente o modo de pensar do Pierre assim como o do Severino. O debate franco e aberto (sem idéias pré-concebidas) é o mais dileto filho da democracia.

    Querem ver como é possível que os dois tenham razão?

    É bem verdade que existe um trabalho sorrateiro e não muito bem intencionado em solapar a autoridade dos delegados e centralizar draconianamente as decisões em uma só pessoa.
    Por outro lado existe mesmo alguns postos fiscais dispensáveis, falando tecnicamente.
    Como se resolve isso? Com o debate sincero, objetivando a solução. A solução virá de todos nós, ao colocarmos o assunto na mesa!

    Vamos mostrar nossas posições.Na verdade não se trata de QUEM está certo ou errado, MAS SIM DO QUE ESTÁ CERTO E DO QUE ESTA ERRADO!.
    Simples assim!

    Abs.

    Abs,

  106. SUBSÍDIO E O FIM DA PRODUTIVIDADE.

    Complementando o que disse antes, vejamos o que diz o novo § 2º do Art. 4º da Lei 1609 de 2005 (PCCS do Fisco) alterada pela Lei 2864 de 2014 (SUBSÍDIO INTEGRAL):
    “Art.1º A Lei 1.609, de 23 de setembro de 2005, passa a vigorar com as seguintes
    alterações:

    Art. 4º ……………………………………………………………………………………………………………….
    §2º Somente poderá fruir de folga e receber o correspondente subsídio o Auditor
    Fiscal da Receita Estadual que efetivamente cumprir com suas atribuições nas respectivas
    escalas. (NR) ”

    Se eu cumprir todas as atribuições que dita as escalas de serviço, terei o direito a receber o devido Subsídio Integral; senão , o que irei receber?
    Poderiam dizer também Ordem de Serviço em vez de Escala. Pois quem efetiva trabalhos em Auditorias de empresas não cumpre escala de serviço e sim Ordem de Serviço.
    Contudo o mais importante é que podemos receber agora nossos salários na forma de Subsídio, e além de tudo com o aumento da Data-Base.

  107. severino costa

    Essa forma arcaica de medir o trabalho acabou. Nada será cobrado além da presença para receber o subsidio. Essas atividades fazem parte de um conjunto de ações que possibilitam o controle, a fiscalização e a arrecadação. Ninguém deixará de cobrar substituição tributária ou registrar um documento por conta da produtividade, pois todos os atos são vinculados e obrigatórios. Já em relação ao REDAF, continua a regra atual.

  108. severino costa

    Caro Colega.

    Só estou sugerindo uma enquete. Eu não tenho ideia fechada sobre o número ideal de delegacias, diferente da questão do REDAF – que, na minha opinião, já deveria ter sido incorporado faz tempo. Por isso, coloco essa questão. E não vou ficar surpreso se a enquete descobrir que na opinião dos colegas o número de delegacias deveria aumentar! ou esse não é um resultado possível?. É sugestão para saber o que pensam os colegas e só isso. Acredito que é bom ouvir, mesmo que por enquete, a opinião dos colegas sobre o assunto, afinal, é só uma enquete. Por outro lado, não acredito que a administração tributária tenha força para aumentar ou diminuir o número de delegacias. Acho que isso é mais uma questão política do que técnica, mas é bom que a parte técnica tenha uma opinião bem discutida sobre o assunto. Quanto a questão de fortalecer as delegacias sou plenamente favorável, e não é só isso. Acho que além das questões já colocadas, os Auditores deveriam ocupar os postos nas delegacias, na Sefaz etc. A verdade é que muitos não querem e os delegados ficam sozinhos. Quando falamos em fortalecer temos que pensar nisso também, ou não? Por outro lado, todos nós conhecemos a realidade das regionais e por isso mesmo devemos discutir essa realidade e apresentar opiniões e sugestões, caso contrário, permitiremos que outros fiquem pensando e decidindo por nós. Assim, gostaria de saber a opinião do maior número de colegas sobre o assunto. Nós temos os instrumentos e a ASFETO pode fazer essa enquete, então, vamos aproveitar a oportunidade. Veja esse trabalho sobre a situação das delegacias. Uma ótima iniciativa da ASFETO e acho que é uma questão relevante e que deve ser discutida. Essas questões são importantes e podemos apresentar isso pra debate com o governo e cobrar dos responsáveis. Com relação ao porte de armas, não sei se é a melhor solução, mas sou favorável, pois embora existam alguns que não querem uma arma, tem quem quer e que se sentiria melhor com uma. Então, acho que é importante levantar essa discussão. Por fim, a ideia de apresentar os temas para enquete objetiva dar colaborar com o sitio da ASFETO. A Associação presta um bom trabalho e quanto mais as pessoas apresentam suas opiniões mais o debate cresce. Agora, se os senhores não acham conveniente ou interessante o assunto, lamento, mas respeito esse posicionamento. Se for o caso, podemos discutir outros assuntos nas enquetes, por exemplo: Os colegas acham que o sistema SIAT está atendendo as necessidades da fiscalização, principalmente em relação a velocidade, segurança e qualidade das informações e pesquisas geradas? Acho que o Cláudio poderia dar uma ideia melhor quanto a formulação de algumas questões sobre essa importante ferramenta. Por outro lado, se for o assunto é tão delicado assim, podemos discutir sobre o nada ou sobre o silêncio. Um abraço!

  109. SUBSÍDIO E O FIM DA PRODUTIVIDADE.

    Companheiros, agora que conseguimos lograr êxito dando fim a produtividade fiscal com a aprovação da lei do Subsídio conforme Art. 2º da Lei 2864 de 2 de maio de 2014, a pergunta é o seguinte:
    Como serão nossas avaliações junto ao CPA para que possamos receber o Subsídio Integral? Ou será que passaremos a recebe-lo integralmente independente da avaliação de nossos relatórios mensais?
    Hoje em dia só tem direito quem trabalha com portaria ou em alguns Postos Fiscais como o Talismã.
    Pra que servirá ou como serão contados os pontos agora extintos pelo fim da Lei da Produtividade Fiscal?
    Hoje emitimos documentos, recolhemos notas fiscais do produtor, lançamos danfes no sistema siat on-line, lançamos danfes nas planilhas off-line. E tudo isso são atribuídos pontos pra que possamos ter o direito de receber o salário integral (vencimento + produtividade 100%).
    E agora José, será que teremos avaliações nesses serviços, ou tão somente serão avaliadas as arrecadações ou autuações dos créditos tributários para recebermos o REDAF.
    Precisamos saber pra que servirá todos os procedimentos fiscais antes necessários para o recebimento da Produtividade integralmente. Pela Lei supracitada, não preciso mais emitir documentos, receber documentos, lançar danfes no sistema on-line ou off-line; sem tudo isso , ainda recebei meu Subsídio Integral. Somente devemos ficar preocupados com a arrecadação e o seu aumento, para que possamos atingir as metas do Redaf, pois não existe mais metas para a FEC (produtividade fiscal).
    Em tempo, acredito que esqueceram de revogar a Lei e o Decreto da FEC.

  110. Robispierre Xavier

    Vou me ater somente à primeira opção das sugestões de enquete, qual seja a da possível extinção de algumas delegacias.
    Conforme relatei dias atrás aqui nesse mural, contata-se claramente que está em andamento um plano, elaborado com maestria, com muito “carinho”, sob muitas noites insones, com participação eminente de quem conhece muito bem de perseguir colegas, mas que ostenta pose de menino bonzinho, de sorriso fácil e que encontrou soldados fiéis aos seus mandos; é um mocinho muito inteligente, aplicado, com QI acima da média, que trabalha até nos finais de semana, a abelha rainha da colmeia.

    Não é preciso ser vidente para enxergar a movimentação de algumas pedras por trás dessa cortina de fumaça. Olhando de cá, através dessa vitrine, soa como um grande truque de mágica, digno dos melhores ilusionistas do mundo. Mas saibam que, enquanto se movimentam achando que ninguém os vê, estamos de olho nos rastros deixados, pois são rastros muito conhecidos de todos nós.

    Sei que está perto. O tapete está estendido por quem deveria incinerá-lo. Cabeças vão rolar, cadeiras vão dançar, cargos serão entregues às peças que se movimentam no tabuleiro do projeto de poder que se arrasta há anos dentro da Sefaz, e nesse contexto, há que se falar exatamente da ideia sinistra de extinguir delegacias fiscais. A palavra de ordem é extinção, seja de postos fiscais, seja de delegacias. Ôh tara louca por extinção, hein!!!

    O foco é centralizar tomada de decisões (que já acontece hoje em dia), acorrentar três delegacias ao pé de duas mesas fundamentais para a saúde institucional da Sefaz. Os nomes já estão certos, ainda mais com a sanção da MP14, que dá uma injeção de adrenalina nesse “projeto de poder”. Outros detalhes ficam para uma próxima postagem, que em breve estarei mostrando aqui e dando nome aos bois. Quem viver verá!

    A propósito, meu voto na enquete é pela permanência de todas as delegacias e pela EXTINÇÃO dessa idéia maluca de extingui-las. O que é preciso? Dar autonomia aos delegados fiscais, como tinham no passado. Dar condições logísticas, suporte tecnológico, financeiro e funcional, para que as delegacias cumpram a sua missão com eficiência e eficácia. Estou junto com todos os delegados!

  111. Prezado
    Colega
    Severino:

    Ok. Não vejo qlq dúvida ou incompatibilidade quanto ao modo de pensar.

    Veja o Redaf desempenhou um papel importante em nosso passado recente. Agora, defasado, e em outra época de nossa vida, (vislumbrando à aposentadoria) já não tem a mesma importância de antes. Contudo, não se vá dizer (não é vc quem diz) que não tem (ou teve) importância financeira alguma. Por outro lado, Tivemos diversas ligações de colegas que pagam pensão familiar proporcional ao recebimento de salário, esses, colocam-se em posição diametralmente oposta à incorporação do Redaf.
    Ok,Ok! Certamente vc dirá que é a maioria quem decide. Certamente, mas não poderemos simplesmente desconhecer todas as nuances do processo. Temos de ouvi-los também.

    Assim, também eu, sou plenamente (e indiscutivelmente) favorável a incorporação do Redaf, pois poderia incidir em nossa base de cálculo salarial (para todos os efeitos), se o tivéssemos feito antes. Poderíamos ter Redaf acrescido de 150% no cálculo da produtividade. É isso mesmo?
    Goiás quem primeiro instituiu o famoso PPR-Premio Por Produção (eu estava à disposição lá nessa época), posteriormente copiado e piorado aqui, com o nome de Redaf, já o incorporou há tempo, por qual motivo o Estado do Tocantins, que copia tudo de lá, não copiou isso também? Cada idéia tem a sua época e creio que essas da produtividade e Redaf já estão por demais ultrapassadas.

    Contudo nossos pseudo-representantes nada fizeram (propositalmente) quanto a essa demanda no passado e de uma vez, acredita-se portanto que não conseguiremos resolver tudo em uma tacada só, pois são demais as demandas represadas.

    Não se conseguindo (talvez o sindifiscal consiga) incorporar o Redaf JÁ, sou pela imediata recomposição (correção) deu seu poder de compra para que assim possamos se minimizar o prejuízo que estamos tendo com o ultra e hiper-ultrapassado valor de 2008 quando o preço da gasolina era 0,98 centavos o litro. Não tenho muita certeza quanto a essa data e valor. Se alguém souber corretamente me avise .por favor.

    A sua sugestão de enquete é interessante e não vejo problema algum em realizá-la.

    Demais a mais, um abraço,

  112. severino costa

    Caro amigo Caio – O França. Não concordo com o REDAF e continuo defendendo a incorporação do mesmo. Querem que ele aumente? Se ele aumentar só beneficiará quem é da ativa e o problema nunca acabará. É como essa história das constantes mudanças da tabela salarial, Pensionistas e aposentados estão sendo prejudicados e isso é justo? Parece que enquanto a maioria do quadro não passar pra inatividade essa preocupação será largada em segundo plano. Temos que lembrar que todos nós, se tivermos sorte e saúde, iremos se aposentar um dia. E que, a qualquer momento, podemos ser vítimas de uma acidente. Assim, essa história de que “se incorporar não vai ser bom, pois iremos ultrapassar o limite” não é bem assim. Vamos, primeiro, chegar ao limite, e depois discutir outras questões. Por enquanto, estamos longe. Ou não? Gostaria de aproveitar e sugerir algumas novas enquetes. 1) Na sua opinião, o número de delegacias regionais deve aumentar, diminuir ou as que temos são suficientes 2) Você acredita que com o porte de arma sua segurança nos postos fiscais vai melhorar?

  113. Cláudio Murilo é uma enciclopédia em termos de reivindicações! Quiçá, tivéssemos uma dúzia desses. Com certeza nossa situação seria muito diferente. Muito bem, colega Cláudio, continue assim!

    Porem não podemos nos iludir quanto a militância de nossos colegas que assumiram recentemente a diretoria Sindifiscal. Não que não tenham vontade de fazer, realizar, conseguir, mas, sobretudo pelo fato, que estão garroteados, manietados e subjugados em uma estrutura carcomida estabelecida pela diretoria anterior, em presidencialismo roto, torto e direcionado, que trabalha em objetivo exclusivamente pessoal. Tenho conversado com alguns deles 9novos diretores) e é possível ver as decepções estampadas em seus rostos. Estão tendo a oportunidade de comprovar pessoalmente o que sempre denunciamos. Isso não quer dizer que darão mãos à palmatória facilmente. Deverão tentar até o fim em provar que pode ser diferente, e nisso, lhes dou plena razão! É melhor tentar do que deitar e esperar acontecer.
    Valoroso Pierre: Se a diretoria do Sindifiscal não conseguir revogar a Constituição Federal e a CLT creio que conseguiremos nos filiar. Eu nunca estive enganado com aquela estória (com ‘e’ mesmo!) que “as portas estão abertas como sempre estiveram”. Quem conhece a história (essa sim, com h) de artifícios, joguetes, malabarismo e pilantragem desses (os que assim procedem são velhos conhecidos) não cai mais nessas conversas fiadas! Fui afastado do Sindifiscal por volta de 2004. Nesse período, só viram dinheiro meu, através da malfadada “contribuição” sindical que é uma aberração e forte motivação para se manter pelegos em extorquir trabalhadores no Brasil, pelo visto, para fazer festas e turismos, entre outros.
    Porem estou convencido, no momento, que para acabar com essa estrutura nefanda, há que ser de dentro para fora. É muito triste ter que perder tempo, gastar dinheiro para exercer um do mais legítimo direito constitucional. Vamos fazer o possível para que essa arbitrariedade não fique muito barato para eles, pois a impunidade incentiva os que procedem à margem da lei.
    Afastando-se de lá as possíveis ervas daninhas, o Sindifiscal poderá desempenhar um papel glorioso no futuro da categoria fiscal tocantinense. Até lá!
    Curiosidade:
    Mais uma vez, os aposentados e pensionistas tiveram seus pleitos postergados e preteridos, o que se constitui flagrante e renomada injustiça, pois logo eles, que são usados, indistintamente, em números de afiliações inverídicas, assembleias manipuladas e eleições ilegítimas, não deveriam receber em contrapartida esse tratamento, pela mínima lei da reciprocidade. Severino, o Costa, tem razão!

    Um forte abraço a todos!

  114. Robispierre Xavier

    Companheiro Antônio Luiz, saudações meu prezado. Quanto tempo hein!
    Bom demais você aparecer aqui nesse mural, pois sei que tens bons posicionamentos, com clareza e lealdade.
    Concordo com o que disse e faço adendo: as diretorias do Sindifiscal que já deixaram os seus bons ou péssimos legados, sempre usaram os inativos como plano de fundo, ludibriando-os, manipulando-os e colocando a causa como esteira de campanha política de um interessado em se eleger deputado estadual. Tudo corria para esse rumo.
    Sobre incorporação do REDAF não ser aceito pelos da ativa, eu discordo. Se fizermos uma pesquisa em meio à nossa categoria, tenho absoluta certeza de que a maioria votaria pelo SIM. O detalhe é que membros das diretorias passadas, e desta, que não concordam justamente pelo que você expôs, fazem política interna para que esse assunto não seja colocado em pauta. Se a incorporação atinge o teto, e daí? Constrói-se mais degraus e vamos subindo. Essa é a regra! Mas as cabecinhas limitadas, acham que temos que nos contentar com migalhas. É tão certo isso, que vejo vários colegas cobrando esse incorporação e eles nem dão moral.
    É dever da diretoria colocar esse tema em deliberação. Ou estou enganado?
    A exemplo: alçar a AFRE IV, nível 1, nos proporcionando R$ 700,00 de aumento a partir de janeiro de 2015 e acham que isso foi uma glória para fazer festa e soltar foguete. Falo de oito anos de inércia e depois ter só isso? Ora, eu não quero título, quero salário digno, quero excelente condições de trabalho, quero respeito (que não temos), quero valorização da nossa função. Não que eu não seja a favor dessa ascensão. Sim, sou a favor. Mas temos tantas demandas represadas, que serão mais quatro anos ou mais, para conseguirmos alcançá-las (eles sabem disso e vão usar isso mais adiante). Isso é legal? É justo? É digno de uma instituição que existe unicamente para representar nossos interesses? Indiscutivelmente o Sindifiscal ficou oito anos amarrado ao pé da mesa. Como sempre digo: depois é fácil apontar o dedo para mim e me tachar de falastrão. Mas o que falta de fato?
    Resta-me observar a postura prática da atual diretoria e ver no que dá.

    A propósito, rolou enorme boato, recebi telefonemas e recados de que as filiações estariam abertas. Protocolei faz uns 20 (vinte) dias, o requerimento de filiação e ainda não recebi qualquer manifestação da diretoria do Sindifiscal. A pergunta é: esse oba-oba de abertura de filiações (que é direito constitucional), será que não foi só pelo período em que precisaram de apoio na mobilização na AL/TO, e queriam convencer os cegos de que iniciariam de fato, uma abertura em prol da união da categoria? Falo isso, visto que naquele instante, não fosse: combustível, alimentação e hospedagem que ofereceram, não teria aquele quorum. Estamos dispersos, ausentes, evasivos, inativos, alheios… e isso é faca e queijo nas mãos deles, pois daí fazem o que querem. Temos que participar. Eu quero participar! Continuo aguardando minha filiação. Se demorar, terei que procurar “remédios” judiciais, mas que eu me filiarei de qualquer jeito.

  115. Acho muito engraçado o sindifiscal e o sindare dizer constantemente preocupados com os aposentados. Será que faz sentido esta preocupação? Não os vejo preocupados. Se tivessem estariam trabalhando para incorporação do REDAF. Incorporar porque, se todos da ativa vai perder dinheiro. Copiem Goiás. Trabalhem pela incorporação do REDAF com honestidade. O sindare é o que mais se preocupa de mentira com os aposentados. Se incorporar o REDAF, os da ativa não aceitam, pois seus sálarios já estão quase no teto.

  116. claudio murilo

    Parabéns a todos pela aprovação da promoção, foi uma mobilização em cima da hora mais surtiu efeito, então sei parabenizar quando há conquista, parabéns sindifiscal e a asfeto que cutucou através de nós filiados para que houvesse alguma mobilização, para ver como funciona quando mobilizamos, agora temos que cobrar aumento no redaf e forma de pagamento, acho uma injustiça você adoecer, ter comprovante da doença(atestado medico) e cortarem o redaf, devemos lutar para que isso seja mudado na lei, pelo menos que seja incluído 3 a 6 meses de licença-medica recebendo normalmente, a lei orgânica do fisco, o teto do desembargador, o que não falta ainda são conquistas, melhoria na tabela atual de subsidio e por ai vamos, não vamos mais dormir de toca, vamos aproveitar o embalo e lutar por essas melhorias, redaf esse deve ser de imediato, não há como não atualizar depois de 5 anos defasado, novamente parabéns a todos e as nossas entidades que participaram. Um dia eu disse que com a mudança da diretoria da entidade-mor poderia haver esperança de alguma movimentação, então senhores novos diretores não percam o pique.

  117. Falar em Redaf, além de estar super desatualizado não é creditado na data certa e sim a bel prazer da SEFAZ e governo!!
    Esse é nosso próximo passo sim. Vamos lutar em prol do aumento do REDAF e suas alterações!!
    Alô sindifiscal, Alô SEFAZ, e ALÔ governo e parlamentares!!
    Grande abraço,

  118. Sim,
    Colega
    Severino:

    Do Redaf …É muito sensato isso. Vamos aproveitar esse ano! Daí, só daqui a 4 anos!
    Então vamos aproveitar esse ano todo. Muito bem pensado!

    Abs,

  119. Robispierre Xavier

    Há meses atrás eu chamei atenção aqui nesse mural, sobre a responsabilidade das pessoas envolvidas nesse rombo.

    Estava observando, hoje, a composição dos conselhos administrativo e fiscal. Notei que teve gente que vazou fora, desde a última vez em que eu olhei no site do Igeprev.
    Vazar fora NÃO O EXIME da culpabilidade (ou dolo), sobre tudo que foi feito enquanto esteve no conselho fiscal. Outros, passaram a integrar esse bonde sem freio. Muita gente não tem a iniciativa de ir ao site do Igeprev pra ver a composição do organograma.

    O fato é que, os colegas diretamente envolvidos nesse caso deveriam dar satisfações à categoria. Cumpram o dever de fiscalizar esse dinheiro. Façam valer o cargo de auditores fiscais da receita estadual que ocupam. Casa de ferreiro e espeto de pau?

    Os nomes estão lá. Tem gente que ocupa alto cargo dentro da Sefaz e pediu pra sair, depois que foi divulgado o rombo, mas a categoria precisa saber quem é essa pessoa.
    Queremos saber suas ações lá dentro do conselho fiscal, como votou, o que viu, o que anuiu, o que falou amém e por quê o fez. Não esqueça que o senhor fez parte desse processo que culminou num rombo de meio bilhão de reais.

    Os servidores públicos como um todo, merecem e esperam um posicionamento firme, uma satisfação, em nome da moralidade, honestidade e probidade. Mostre a sua cara, senhor!
    Em outra oportunidade, pra quem não foi lá no site http://www.igeprev.to.gov.br/fiscal/ vou citar nomes aqui.

  120. severino costa

    Parabéns a todos os auditores que participaram da luta para a aprovação da Lei nº 2.864/2014. Parabéns ainda, a diretoria do Sindifiscal pela mobilização que provocou a aprovação desta lei. Muita coisa precisa ser feita, como a questão dos aposentados e pensionistas, das horas extras, da tabela salarial, da aposentadoria especial etc, mas foi uma vitória importante para toda categoria. Espera-se, daqui para frente, que os colegas IV do Ex-Sindare ajudem em novas vitórias.

  121. Robispierre Xavier

    Sim, como os nobres colegas disseram, eu quero entrar para o quadro de filiados do Sindifiscal, pela porta da frente, sem apadrinhamento, sem concessões, sem ter que estender a mão e pedir benção a ninguém. Nesta seara, faço valer a liberdade de escolha, a plena consciência e o poder de decidir entre o certo e o errado – direito inarredável.

    Nesse embate que perdura há algum tempo, os vértices, as forças se encontram em som estrondoso. Vaidade, orgulho, arrogância, egoísmo… Essa tem sido a tônica, quando se fala do conflito entre Sindifiscal e Sindare. E nós, os que dependem de ações legítimas e focadas nos nossos interesses, como ficamos? “Ninguém aqui é anjo ou demônio, nem sabe a receita de viver feliz…”.

    Em se tratando da possível pacificação, há que se delimitar a inconfundível noção, de que não há como abaixar armas num campo onde não se vê esse gesto de outrem. Ou seja, nenhum idiota abaixa a cabeça para que o outro pise no seu pescoço. Isso é, no mínimo, burrice! E não é isso que esperamos também. Impossível ser excluído, discriminado e alvejado, sem reagir. Se há de fato a VERDADEIRA vontade de sentar, apaziguar, selar a paz, estreitar ideias e ações, que se manifeste. Use a mesma coragem que tem para subjugar filiados e canalize-a para o bem maior. Sair do anonimato, se desvencilhar dos soldados que propagam e formam esse escudo medieval; se despir dessa armadura e sentar à mesa, com hombridade, é o que esperamos. Estamos prontos para deliberar, debater, participar, mas à luz do sol e aos olhos de todos. “Olho por olho, e o mundo acabará cego.” (Mahatma Gandhi).

    A bem da verdade, a responsabilidade de abaixar as armas em prol da unidade, não é só minha e dos demais colegas que também foram alvos dessa truculência. Está de ambos os lados. Não adianta vestir o terno da arrogância e subir num pedestal, olhar para baixo e esperar reverências, aplausos e parabéns. Vamos calçar as sandálias da humildade, todos. Não quero e não vou ficar filtrado esse fogo cruzado de Sindare e Sindifiscal, pois sabemos muito bem quem é quem e o que cada diretoria tem feito de errado durante esses 20 anos de estrada. Ninguém é santinho.

    De cá, com a possível sanção da MP, a plataforma passará a ser a mesma. Nesse diapasão, observo que estamos mais próximos da verdadeira unificação, como nunca estivemos antes. Bastam dois movimentos certos no tabuleiro. “Árvore que não dá frutos, vira lenha”.

  122. Nobre

    Isaque,

    Na coluna de opinião, faço como todo associado: exponho opinião. Voilá!

    É democrático debater, não sendo muito justo e leal, levar discussão classista, ideológica, para o campo pessoal, das vontades, orgulhos ou vaidades. A boa discussão é a racional, fundada e estribada na razão! Na verdade, a razão pessoal, poderá ser nossa bússola e régua em medir a razão geral. Por creditar que a discussão que propõe está circunscrita nessa dimensão, vamos lá:

    A Asfeto deverá cumprir o papel qual se propôs e do qual você é conhecedor (pois já foi parte), que é o de estabelecer o direito de livre expressão em nosso meio, desde que sejamos bem intencionados: a luz do debate alumiará a escuridão das articulações subterrâneas e mal intencionadas. Temos convicção fundada sobre isso e não mudaremos de opinião por um arremedo de mobilização.

    Permita-me nobre amigo, a discordar do termo “orbitar” o Sindare. Essa expressão (ou termo) não faz Justiça à nossa ação e atuação. Até certo ponto, considerei maliciosa e desamparada de fundamentação. A verdade é que temos tido ação isenta e não-parcial em briga de entidade Sindical. Você pessoalmente, gostaria que atacássemos o Sindare? Tem o fórum aqui para fazê-lo. Já que não podemos discutir isso em um grande fórum presencialmente, que o façamos virtualmente!
    Como Entidade, não se pretende engrossar fileira dessa discórdia sem sentido (dos contra ou favor), porem, isso não impede que possamos externar o modo de pensamento daqueles que ousam, sem medo, apresentá-lo. Que todos participem e falem o que sentem. É assim que funciona.

    Sempre concordamos com o Sindare naquilo que propuseram que beneficiasse a todos. Não participamos e não participaremos jamais em ombrear propósitos que possam prejudicar, nem III e nem IV, mesmo por que nossa Associação nasceu da vontade de fazer, construir e edificar, além de que, o ofício de “representar” diz tudo semanticamente, quando se entende por isso, explicitar a vontade dos representados e jamais a do administrador ou representante. Ainda que a categoria esteja errada, o seu “representante” teria que “representar” o erro, daí é que vem a legitimidade. Temos a mais absoluta compreensão e clareza disso!

    Seria subestimar nossa capacidade racional achar que uma mobilização instrumentalizada faria algum efeito em nossa entidade. Cantamos essa pedra há muito tempo! Incentivamos quem quisesse participar, mas somente isso, pois fomos arbitrariamente excluídos do sindicato como bem sabe!
    A arte política trata-se de puxar e não de empurrar. Quem pensou que seríamos induzidos por esse oba-oba, tem algum defeito de raciocínio ou não compreendeu o processo todo. O desrespeito e a exclusão de alguns membros da categoria a atinge toda, concorda? Mostra-se o respeito pela categoria quando esse é extensivo a todos seus membros, sem preferidos ou perseguidos.

    Daí, deriva: a questão de método!

    Mais uma briga de pessoa jurídica em nosso meio? Pelos Céus, não! Esse caminho infindo não dará em nada. Tem 10 anos que está nesse pé e nada se resolveu, pelo contrário, piorou muito. Não viemos ser mais um, mas sim, fazer diferente!

    LEMBRA-SE DE SUA PROPOSTA para um encontro estadual do fisco? Quem não quis colocá-la em prática? Foi o Sindifiscal ou o Sindare? Permita-me informar-lhe amigo, o Sindare se dispôs na hora em fazê-lo. Verdade seja dita: eles não tem medo do debate! E quem o tem? O Sindifiscal, poderoso amigo! Daí, dizer que o Sindare é que está com a razão, tem km e meio! Isso, somente vai se aclarar quando fizermos o dito encontro. Quem não deve, não teme. Nós, da Asfeto, estaremos na primeira fileira! O problema maior é que não temos recursos ou meio para realizar esse encontro, e se tivéssemos, poderíamos ser boicotados, por que não somos parte nessa divergência entre essas entidades. Querem discutir idéias? É conosco e aqui mesmo!

    Estou apresentando fatos concretos e gostaria que a procura de soluções assim o fosse. Fatos concretos, e não suposições, antipatias, idiossincrasias, ódios e rancores de antigos dirigentes transferidos por osmose,sucção ou indução para a nossa categoria. Aparadas as arestas iremos investir na implementação das soluções quais acordamos. É assim.

    O restante dessa posição estará em matéria de capa brevemente.

    Estimo muito sua participação e o amálgama de nossa posição se fará com a contribuição de todos. Seja bem vindo seu retorno à arena! .

    Abraço fraternal e classista .

  123. Isaque Cairo

    Prezados Caio e Severino !
    Não creio na publicação deste post, mas vejamos a quantas anda a democracia !
    Sinceramente não compreendo a postura da ASFETO em orbitar o sindare, primeiro por ser notória a má vontade, deslealdade e má-fé daquela entidade para com os AFRE III, segundo por não terem direitos legais de representar a classe do FISCO, embora represente , reconheça-se , muito bem os AFRE IV.
    Interessante que na última “assembléia” do sindare excluíram do direito de voto qualquer outro membro do fisco que não os antigos ARE do concurso de 1994, qualquer outro membro será mero ouvinte, naturalmente alguns ainda se permitirão participar desta farsa mesmo sob humilhação e desprestígio. A natureza humana possui insondáveis mistérios.
    Quanto a promoção recente, fruto de mobilização intensa e notável de nossa classe, não creio que caiba ressalvas de qualquer tipo, lembremos que a assembléia geral que decidiu os rumos foi aberta inclusive a não filiados e como bem disse o nobre Caio, ” ninguém sabe o que mudo quer ” em outros termos a época para questionamentos já se findou e qualquer discussão neste momento fará um grande favor ao sindare.
    A respeito deste tema , lembrei-me de uma frase do Nelson Rodrigues que amolda-se perfeitamente a questão , ei-la ” o brasileiro é o abutre de si mesmo”.
    Em síntese, em qualquer marcha para o futuro, encontraremos os coveiros acercados de carpideiras regiamente remuneradas para semear a dúvida e plantar a desgraça. Sigamos adiante mesmo assim, nos aguarda o futuro.
    Para por a prova a frase do Nelson Rodrigues muito pouco basta a qualquer um, necessário apenas abrir um grande jornal, uma revista semanal ou fazer um exercício de masoquismo extremo ao assistir a um “grande” telejornal diário, parece que o mundo acabará amanhã.
    Voltando a nossa realidade de AFRE III, tenho certeza que a esperança vencerá o medo ! Mas bem que podíamos mudar a denominação do cargo para AFR – Agente Fiscal de Rendas, muita gente cortaria os pulsos, mas resolveria muitas questões inclusive de cunho jurídico.
    Fraterno abraço.

  124. Colega Cláudio, gostei muito da sua lembrança muito oportuna para a ocasião. Lembrar dos tempos sofridos do inicio de nossa labuta no fisco tocantinense com certeza é de brilhar os olhos.
    Vejo que temos amarras que muito nos impede de crescermos muito mais e que enquanto não nos livrarmos delas estaremos fadados à “sindrome do caranguejo”. Vi em um artigo na internet: “Dizia o intelectual Josué de Castro, que mapeou o drama da fome no Brasil e no mundo “… Caranguejo é o que sois!”, quando fazia analogia ao “Homem sempre na Lama”
    Uma das características mais conhecidas dos Caranguejos é o “andar para trás” e esse curioso hábito do crustáceo, alguns humanos estão conseguindo imitar. Pode até ser no sentido de metáfora da palavra, pode até ser numa perspectiva da expressão, mas com certeza isso se aplica ao dia a dia na nossa convivência como animais “racionais” que somos ou que deveríamos agir como.
    A famosa frase popular “Quem anda para trás é Caranguejo!” é muito verdadeira e aplicada quando alguém quer alertar o outro sobre uma ação de retrocesso. Mas nem sempre pode ser aplicada, quando se pretende reverter alguma coisa ou dar alguns passos para trás para conseguir voltar a seguir em frente. E é isso que é difícil de diferenciar, compreender, aceitar e entender!
    Em Alagoas, tem uma piada muito conhecida que conta que um Cesto com Caranguejos Alagoanos pode ficar sempre aberto, porque nenhum Caranguejo vai fugir, pois, quando um dos caranguejos tenta subir o outro o puxa para baixo. “Onde você pensa que vai? Volte para baixo que aqui é o teu lugar, eu tenho que ir primeiro, se eu não vou, você também não vai” e assim quando um caranguejo tenta fugir, aparece sempre outro puxando para baixo.
    O coitado do Caranguejo que quer sair do cesto, além de tentar subir andando pra trás, ainda é puxado por outro Caranguejo invejoso e vaidoso, pois Caranguejo é o que sois, no sentido de que, se não for eu, que estejamos todos no buraco ou na lama juntos.
    A Asfeto vem já algum tempo trabalhando para que essa realidade seja mudada e enquanto isso não acontece estaremos sempre vendo de camarote: A SINDROME DO CARANGUEJO EM AÇÃO.
    Abraço a todos!!!

  125. Caro
    Colega Severino:

    O debate é ótimo!
    Como disse anteriormente, a crítica, desde que construtiva e bem intencionada, é excelente para aclarar idéias, não é mesmo? Agradeço penhoradamente sua contribuição!
    Mas vamos lá:
    Quando digo, Sindare ou Audifisco, tanto faz, estou ancorado na Constituição Federal, Art. 5º, XXI, vejamos: “as entidades associativas, quando expressamente autorizadas, têm legitimidade para representar seus filiados judicial ou extrajudicialmente;”. Claro está que não conseguiremos, simplesmente, alijá-los do processo, impedirmos de se manifestarem, isso, se conseguíssemos, seria a mais refinada ditadura. Que exponham suas razões, nós as nossas. Quinhentos auditores não podem temer cem, não é verdade?
    Como diz, o melhor seria tentar uma ação unificadora (“para não perder mais tempo e energia”). Perfeito. Concordamos com essa posição. Mas veja:
    A Asfeto poderia interferir em tentar promover acordo entre as entidades sindicais, entretanto, sejamos razoáveis:
    Como motivar os auditores IV a participarem de um sindicato (na verdade, uma diretoria) que manipula suas eleições, impede filiações, manipula assembléias e ações judiciais, dilapida irresponsavelmente seus recursos econômicos, promove ações partidárias temerárias, não defende seus representados ao longo do mandato, só o fazendo casuisticamente, falsifica documentos, promove caos, o terrorismo e a desunião na categoria, e só pensam em se manter em seus cargos?
    O problema maior é que tudo isso é público e notório, presumindo logicamente, que todos os colegas IV, também o saibam. E aí, como se vai induzi-los em se filiarem? A lógica diz que o farão somente se forem motivados para se fazer embates na Assembléia Geral do Sindifiscal. E se não precisarem usar desse artifício? O que mais os mobilizariam?
    Os auditores IV também têm seus problemas? Claro e certamente. Entretanto (ainda) não vimos esse tipo de denuncia por lá. O que pude percebe é que nessa última eleição deles, ninguém estava querendo assumir cargo em sua direção. Seria a motivação financeira para que lá ninguém queira assumir, e no nosso ninguém queira sair? A questão é financeira? Então, está fácil! Por qual motivo não fazemos uma filiação em massa lá de auditores III para se tentar substituir sua diretoria? O que vale para Alfredo também vale para Tancredo!
    Poderia se dizer: eles não aceitariam as filiações? Ora, mas não é isso mesmo que faz o Sindifiscal? E adiantou alguma coisa? Além de não ganhar nada com isso, poderão, provavelmente, perder, e muito! Só eles é que sabem a extensão do que falamos aqui.
    Por outro lado, sei que o sindifiscal aprovou tudo exatamente como quis. O fato que seja “contra nós”, como diz, parece-nos que foi irrelevante no processo ou nenhum efeito teve.
    Sim. Seria digno de admiração, também realmente muito estranho (e notável) que ‘meia dúzia” como dizem por aí, tivesse poder político, capacidade de articulação, influencia, prestígio superior a 500 auditores III, por sinal, com diretoria envolvida em política partidária, hoje indiretamente, mas antes diretamente e por meio da entidade, que diga-se de passagem não é órgão legítimo para dela participar. A discussão maior, pelo que nos parece, trava-se no requisito que se tenha ou não tenha processo seletivo, seja curso ou qualquer outro expediente. Ora, será que percebe-se que isso é pura luta por representação sindical? É possível que haja mais vagas do que auditores desejosos de assumirem função, pois muitos se interessam pelo salários e não pela trabalho! A verdadeira luta, cremos, seria por salário e não por título. Através do título, conseguiremos maior salário? Quem garante? E por qual motivo enviesar, se podemos diretamente, ir ao assunto?
    De qualquer forma é extremamente necessário explicitar quem queira cargo ou título, tem TODO O DIREITO de querê-lo, seja por que tenha maior facilidade e comodidade, seja por vocação, ou seja, simplesmente por que o quer, todo o nosso louvor a eles! Poderão, e muito, colaborar com o Estado, a categoria, e terem maior satisfação pessoal. Sim, nós temos profissionais, experientes, competentes e qualificados para isso. Esses colegas distinguem nossa classe.
    Por outro lado, quem não o queira, poderíamos obrigá-los? É público e notório que os temos. Ficariam satisfeito em fazer suas escalas com salário digno, pois na verdade, o trabalho em posto é muito mais penoso fisicamente que o de auditoria. Nas condições atuais o Estado, poderia prescindir de seus serviços como vigilantes da fronteira? Não, não poderia prescindir do trabalho na fronteira! Se tão úteis no momento atual, Por que não remunerá-los decentemente ou condignamente?
    Estou tentando me fazer compreender, que a mudança de atitude dessa diretoria (sindifiscal) não é gratuita ou graciosa. Tem longo e extenso trabalho para que isso se desse, pois você é um antigo opositor e sabe bem como foi essa rota de colisão. Não é verdade? Queremos fatos verdadeiros, convincentes, que mudarão mesmo o seu modo de proceder.
    Combativo Severino: tentei ser sintético, mas o assunto é por demais complexo, para que possamos externá-lo em pouca linhas. Convencido racionalmente de equívoco quanto a forma de conduzir, mudarei diametralmente o modo de pensar, como disse alguém, “não tenho compromisso com o erro.”
    Não deixe de escrever, valorizo sua atitude de procurar encontrar saída. Ninguém sabe o que o calado quer. É a convergência da tentativa da busca de solução, dentro de nossa diversidade de pensamento. A isso se chama ‘Democracia’!

    Abs,

    Caio.

  126. Concordo com vc Claudio. Acho que tem um gravíssimo erro com direcionamentos para aquisições de produtos de tecnologia, porque é inadmissível que produtos com baixo custo não tenha preferência nesses investimentos, como vc já disse aqui em nosso site: ” … Para um programa ser implantado na SEFAZ/TO é necessário que ele custe pelo menos um milhão de dólares, senão ele não presta…”
    A SEFAZ/TO precisa cair na real e deixar de terceirizar a TI (Tecnologia da Informática) apenas para fazer volume financeiro de investimentos e investir no quadro de profissionais utilizando tecnologias livres e investir esse dinheiro em demandas mais prementes, como é o caso dos postos fiscais que estão em estado de calamidade e socorro.
    Grande abraço.

  127. severino Costa

    Caio, não vejo o Sindifiscal como o sindicato dos auditores III e o Ex-Sindare dos auditores IV. O Sindifiscal é, e sempre deverá ser o sindicato de todos os auditores! É verdade que os auditores III são maioria, mas também existem auditores IV filiados e mesmo que não existissem, deveria a entidade lutar pelo interesses de todos. Quando pergunto se ….”Não será a hora da nossa associação cobrar, reclamar e apresentar propostas aos colegas do Ex-Sindare?……” procuro demonstrar a minha preocupação com algumas atitudes dos representantes dessa entidade. Não é questão de “…..quem nos representa……”, penso que se fosse essa não precisaríamos discutir o assunto, pois se em algum momento criou-se uma associação foi pelo fato que não sentíamos representados por ninguém, não é verdade? Assim, por muito tempo não vi representantes dos meus pensamentos nem em uma nem em outra entidade. No entanto, como disse no outro texto, vejo mudanças na conduta dos atuais representantes do Sindifiscal e escrevi que deveríamos mudar…..“ouvindo e apresentando nossas opiniões e abrindo um diálogo maior com a própria direção da entidade, que vem demonstrando, NESSE MOMENTO, um comportamento diferente do que foi no passado recente …..” Veja, isso é minha opinião, e respeito a sua. Quanto a questão de questionar os diretores do Ex-Sindare qual é o problema? Estamos aqui para questionarmos quem quer que seja, seja do Sindifiscal, do Sindare, do Sisepe, do Governo, da oposição ou de qualquer outra entidade E discordo de você pois acho que as atitudes dos Diretores do Ex Sindare são problema nosso na medida que são contra nós, ou não?????. Desta forma, os Diretores do Ex-Sindare devem ser questionados sim. Já disse que respeito o direito constitucional deles em questionar judicialmente a carreira única, mas não consigo entender a luta politica que fazem contra a carreira única, ou melhor, contra os Afres III. Isso não faz sentido, pois perdemos uma enorme energia nisso. Observei que fui convidado a filiar, pois é a primeira vez, em muitos anos que isso ocorreu, ou seja, isso nunca tinha acontecido antes, mas anotei também que “…..Da mesma forma, estou aguardando o resultado da solicitação da filiação dos três colegas da Asfeto. Acho que o Sindifiscal deve dar uma resposta, e positiva, o quanto antes….”” E não poderia ser diferente, pois não vejo como possa existir filiados de 1ª e de 2ª classe, bem como não pode existir filiáveis e não filiáveis, ou, como disse o Pierre ano passado, “Ninguém precisa de padrinho pra se filiar ao sindicato” ou algo assim. A Asfeto pode e deve questionar os representantes do Ex Sindare e Audifisco, pois, a Asfeto representa os auditores e quando falo isso, falo com tranquilidade de quem já conversou bastante com colegas de ambas as entidades ao longo desses anos. Duas propostas já coloquei, outras podem aparecer. Espero que a minha crítica seja entendida pelo melhor sentido desta palavra. Abraço.

  128. Muito bem,

    Colega Severino.

    A tempo e a hora!

    Vamos lá:

    Ok. Faz tempo tempo que cobramos ação do Sindifiscal.

    Mas iríamos cobrar do Sindare? Afinal quem representa os Afres III? Não seria o Sindifiscal?
    Esse, é problema nosso!

    O Sindare (ou Audifisco, tanto faz) não seria representante dos Auditores IV? Quem tem que cobrar de sua diretoria não seria eles?
    Creio que se eles não estiverem satisfeito com sua representação que tomem providências, não nós.

    Você foi convidado a se filiar no sindifiscal?

    Não vemos novidade alguma nisso, afinal de contas não há “eleições” à vista, qual a segurança deles não corra perigo. Será que o real motivo para esse “convite” não seja por que essa diretoria esteja em perigo? Saberia dizer-nos?

    Creia nobre amigo, só nos filiarão à fórceps. Saiba que a tática deles (pensam que nós não sabemos) é filiarem todos, menos o Wanderley, eu e o Pierre, para poderem nos isolar. Pensam que são os reis da articulação e nós, pobres criancinhas!

    Saibamos, só haverá diálogo quando cumprirem a lei, não queremos favor de qualquer “diretor” em nos filiar. Não estamos mendigando, implorando filiações, pelo contrário, estamos EXIGINDO que cumpram A Constituição Federal e demais legislação sobre o assunto. Não farão favor algum em assim o proceder, concorda? Entraremos no Sindifiscal como disse o Pierre: pela porta da frente, com toda a dignidade.cabeça erguida, de peito aberto, com o sentimento daqueles que enfrentaram a injustiça, a discriminação e conseguiu ultrapassar tudo isso.

    Ao contrário, continuaremos sem nos filiar. Com a tendência de se aumentar as críticas, é claro! Existe muita lenha para queimar.

    Por outro lado vejo muita seriedade em suas ponderações sobre a possibilidade dos Afres IV filiarem-se no Sindifical. Acho oportuna a idéia para que possamos debater o assunto em toda a sua magnitude. Deveriam se filiar em massa para anteporem razões!

    Eu, por exemplo, gostei de sua crítica.Dá-nos oportunidade para esclarecer posições. Os elogios podem fazer muito pouco por nós, quando muito, nos afaga o ego, porem a questão é classista, e é diferente (ou pelo menos, deveria ser) da pessoal, pois não pode haver possibilidade de que alguém se magoe ou ofenda com demonstrações explícita de posição tática. Concordamos?

    A UNIDADE se fará quando ninguém estiver excluído. Não existe nada mais claro e obvio do que isso. A simples exclusão de filiados é fator causador de desunião, ou não?

    Na verdade estou é aguardando um CONVITE oficial (com todas as pompas) para que nos filiem, reparando assim grave ilegalidade em curso, erro histórico, tático, além de explícita má-fé para conosco.

    Sobre perda de tempo, uma coisa que não queremos é ser parte em briga sindical, entre entidades. Queremos e somos parte em briga sobre idéias, ideais, mobilização, pauta reivindicação, anseios, problemas comuns de nossa categoria.

    Como diz o nobre amigo,

    Por Enquanto é Isso!
    (Mas temos muito mais para dialogar e esclarecer, não é mesmo?)

    Abs,

  129. severino Costa

    Faz tempo que a associação cobra, reclama, e apresenta propostas, mas como principal destinatário o Sindifiscal. Não será a hora da nossa associação cobrar, reclamar e apresentar propostas aos colegas do Ex-Sindare? Não estou afirmando que a conduta ou condução das ações pelo Sindifiscal estão todas corretas e que são inquestionáveis, mas ocorreu ou não uma mudança no discurso e na ação? Na minha opinião sim. Esta mudança, mesma que na fase inicial, pode levar a novas, e o mais importante, a construção de uma nova unidade que é o que todos queremos. (unidade na ação e coisas assim). Desta forma, devemos apresentar nossa mudança em relação ao Sindifiscal ouvindo e apresentando nossas opiniões e abrindo um diálogo maior com a própria direção da entidade, que vem demonstrando, nesse momento, um comportamento diferente do que foi no passado recente, e isso vem ocorrendo desde a última eleição. Só para exemplificar, já fui convidado a retornar ao Sindifiscal por três diretores diferentes, e confesso que estou refletindo bastante sobre isso. Da mesma forma, estou aguardando o resultado da solicitação da filiação dos três colegas da Asfeto. Acho que o Sindifiscal deve dar uma resposta, e positiva, o quanto antes. Por outro lado, embora os colegas do Ex-Sindare levantem questões importantes no seu discurso, parece que, ao mesmo tempo, uma nociva lógica tomou conta de alguns dirigentes. O direito de buscar o judiciário é legítimo, mas fazer “ação política” contra os Afres III não será tolice ou pelo menos contraproducente? Entre as “novas posturas” para os colegas daquela Ex-entidade, defendo que procurem se filiar ao Sindifiscal e participar das assembleias para serem ouvidos, já que, da forma atual, ninguém consegue ouvi-los, seja por conta de uma mensagem dúbia, seja por conta da criação de um preconceito em virtude das ações e posições do passado. Vejam, acho que algumas das alegações feitas por eles são oportunas e justas, como as questões dos aposentados e do aumento diferenciado, outras, são incompreensíveis, mas isso faz parte do debate. Hoje, o Ex-Sindare, enquanto entidade sindical, tem, juridicamente, pouca ou nenhuma força ou representatividade. Estão sem recursos da contribuição sindical e sem recursos financeiros já que a quantidade de filiados é pequena, além do que, podem manter a sua associação, como já fazem, para contrabalancear quaisquer questões que julguem prejudiciais aos seus direitos. Por outro lado, participando do Sindifiscal terão direito a voz e a voto e poderão explicar e até contar com o apoio de outros tantos em suas reivindicações e melhorar o debate, principalmente pelo fato de ficar claro e por quais motivos defendem isso ou não concordam com aquilo. Outra questão que podemos sugerir aos colegas do Ex-Sindare é a questão da renovação. Faz anos que não existe uma renovação naquela entidade e isso não é bom, nem para os colegas que atualmente a dirigem, que ficaram estigmatizados como “do contra” ou como “inimigos”, nem para a entidade, nem para a categoria que precisa de um debate entre TODOS os auditores, sejam eles originários do Ex-Sindare, sejam eles do Sindifiscal. Assim, a renovação poderia tirar esse peso e abrir a porta do diálogo. Assim, espero que a Asfeto, embora continue mostrando os erros e apresentando alternativas, tenha uma nova atitude, com uma tentativa maior de diálogo em relação ao Sindifiscal, e principalmente, com uma postura mais ativa em relação as ações equivocadas da Audifisco e do Ex-Sindare. Espero que o debate e a construção de novos caminhos aumente, e finalmente, se construa a união, pois só assim, seremos fortes para os desafios do futuro. Vamos buscar a unidade sindical já! Já perdemos muito tempo com essa brigas. Por enquanto, é isso!

  130. E VEIO, NOVAMENTE,
    O GOLPE!
    Estava demorando.
    Sem tardança, insidioso, se insinua, sorrateiro, manhoso, ardiloso, matreiro, amorfo, caviloso, velhaco, ardiloso, O GOLPE!
    São doutores nisso.
    “Ninguém está vendo, é agora!”
    Se você relaxar por um momento que seja, lá vem o golpe! Mais um. Em forma de convocação da categoria, para em proveito deles, imiscuir política sindical na política partidária, eleição do governador dia 4 de maio (domingo passado). Para isso usam sem pejo ou pudor, a força que categoria demonstrou recentemente e que poderia ser usada com mais sobriedade e razão, em mote próprio, em suas mobilizações extremamente retardadas. Sem tirarem proveito pessoal jamais fariam qualquer mobilização.
    Era esse mesmo o objetivo: Promoverem seus nomes à custa do sacrifício da classe. “Estão vendo todos esses auditores aqui? Fui eu quem trouxe. Mereço ser candidato” . Para aguardar o momento certo para eles, a categoria sofreu prejuízo impagável.
    Pela maneira rota que procederam anteriormente, iriam romper a tradição de golpes ao longo de intermináveis oitos anos?
    Qual é a motivação em postergar nossa mobilização e reivindicação para o “momento oportuno”? Só cego, surdo, doido, ou quem não quer ver, para deixar de perceber a evidência e a clareza disso tudo.

  131. É indignante ver o desmantelamento de nossas unidades. Tive a oportunidade de ser supervisor fiscal durante 3 anos do posto fiscal Couto Magalhães, no período de 1997 a 2000 há exatamente 17 anos, vejo com muita tristeza a calamitosa situação em que se encontra essa unidade.
    Na verdade houve uma omissão muito grande por parte da Administração Tributária (Sefaz), Sindicato e também de nós auditores, porque não podemos responsabilizar apenas essas instituições devido a sofrermos calados durante todo esse tempo.
    Por tudo isso e muito mais é que CONCLAMO todos os colegas para somarmos e fazermos uma grande corrente de luta contra o sucateamento, precarização e abandono de nossos postos fiscais e comandos volantes e,vamos exigir melhores condições de trabalho, policiamento, e adicional noturno e de periculosidade até que sejam resolvida essas questões e, que sejam os temas de nossa próxima MOBILIZAÇÃO!!
    Alô, Alô categoria fiscal!! Vamos embarcar nessa luta!!
    Grande abraço

  132. Nobre
    Pierre:

    O representante Regional do Executivo, delegados, precisam de autorização para se fazer uma simples escala? O representante Regional do Executivo Estadual?
    E a ridícula gratificação por função suas e de seus auxiliares?
    Na verdade creio que isso faz parte de um da filosofia de desmantelo da estrutura da Sefaz, em que infelizmente, faz parte alguns falsos colegas nossos. Uns deliberadamente (por que assim desejam), outros por equívoco e, ainda outros, por inocência.
    Se o Delegado (função delegada) não tem qualquer respeito em sua regional, aquele que é representado, o Secretário da Fazenda, o teria? Na verdade, há muito tempo, a Secretaria da Fazenda, perdeu em qualidade, autoridade, autonomia, e hoje, parece ser, a pior, entre as piores, graças a essa filosofia, insidiosamente perpetrada e articulada em nosso meio.
    Até mesmo a nomenclatura dos cargos foi mudada para que se reduzisse a importância dos cargos de confiança. É bem provável que dentre pouco tempo os delegados sejam denominados “líderes regionais”, em franca comparação com presidentes de associação de bairros.
    Ah, e tenham que pagar mais, para exercerem a função, por que hoje já pagam, tiram de seus salários para pagarem suas estadas na regionais, vale dizer, pagam mais para trabalhar jornada trabalho superior a todos os demais. Para se trabalhar em tão adversas condições, há que se ter muito amor ao trabalho e a função.
    Nossos respeito a todos que ocupam cargos de confiança nas regionais. São heróis desconhecidos.
    Os delegados, que coordenam a arrecadação, deveriam fazer gestão em conjunto para valorizarem suas importantes atribuições e função, imprescindível para um bom desempenho da arrecadação, qual o Estado não sobreviveria sem. Devem, iminentemente, terem reconhecido suas importância no contexto estadual.

  133. “O que pleiteamos é que as vagas do cargo de AFRE IV, essenciais para o bom desempenho das atividades do Fisco tocantinense, sejam ocupadas por profissionais capacitados, providos por meio de concurso público como prevê a Constituição Federal e ainda mediante curso de formação e avaliação ao seu final, como prevê a própria Lei da Carreira Única”, afirma Couto.”
    Com poucas palavras as pessoas descrevem toda sua vida pregressa.
    Ficam aqui as últimas palavras do diretor do Sindare e Audifisco em relação às promoções, enfim, eles não as querem de forma alguma, e até quando suas vontades vão prevalecer?
    Não busquemos nas pessoas o que não é possível de se obter.
    Agora caiu por terra nossas dúvidas quanto ao e-mail recebido pelo companheiro Renato Américo, tudo é verídico,eu acreditei desde o início, não tenhamos mais dúvida quanto às intenções de quem sempre procurou nos prejudicar.
    Lutar por seus direitos é válido. Mas por que interesse, eles Afres IV, não querem essas promoções? Por capacidade técnica, com certeza não é, pois no quadro dos Afre’S III tem muita gente capaz de alavancar a arrecadação do Estado do Tocantins.
    Não pensamos nestas desculpas de concurso público, eles querem mesmo é ficarem, como mesmo disseram anteriormente, Auditores Plenos, sem terem a capacidade quantitativa para evitar a evasão de receitas do Estado.
    E que não fiquemos duvidosos , é bom mesmo verificarmos essas acusações, feito por eles, quanto a intimidações recebidas por parte de membros do Sindifiscal.
    Tenhamos um pouco de sobriedade em nossas derrotas, vamos aceitar que todos fazemos parte da Sefaz. Ninguém aqui é dono da verdade, nem tão mesmo satisfeitos com esse separatismo existente, digno de ser visto como se fosse um apartheid funcional.
    Imaginemos essas pessoas sendo conselheiros da Princesa Isabel?
    E que de uma vez por todas, que seja logo julgado essa malfadada ADI, para que possamos saber e sentir o que realmente, nós Afre’S III, a que classe fazemos parte no corpo da Secretaria da Fazenda do Estado do Tocantins; pois com palavras já acabou todas as alternativas de conciliação entre todos, a não ser que eu esteja em um pesadelo constante desde a criação da Lei 1609/2005 (Carreira Única).
    Pelo jeito ainda virão vários combates nessa luta, combates estes desde que seja de forma ordeira; não precisamos entrar para as páginas policiais, judiciais e até mesmo administrativo, deixemos o Governador fora desta briga, ele tem mais coisas importantes para se ocupar…

  134. Robispierre Xavier

    Faz alguns anos que tenho observado o processo lento, silencioso e devastador, na retirada da autonomia das delegacias fiscais. Transformaram os nobres delegados em meros cumpridores de ordens (marionetes), ou seja, implantou-se propositalmente a verticalização de procedimentos importantíssimos para a autonomia das delegacias.Nada se faz sem um “alô” para Palmas. Estão atropelando o organograma da Sefaz, fato!

    Para exemplificar: hoje em dia, nem uma escala de serviço o delegado pode mais divulgar sem a anuência da Sefaz. Isso me lembra muito a época em que fomos pisoteados por um tal de “Pretinho”, que hoje é secretário na Prefeitura de Palmas, com o apoio de alguns colegas nossos, que hoje amargam o ostracismo e o desprezo de todos.

    Pois bem, quero nesse instante levantar essa bandeira, pela autonomia das delegacias fiscais, por uma delegacia livre de manipulações e livre de burocracias propositais. Os nobres colegas que assumiram essa missão, merecem o devido respeito. Estou com vocês!!

  135. Robispierre Xavier

    Me orgulho de ser um filiado da Asfeto, justamente por essa postura objetiva e inteligente.
    Essa deve ser a tônica, quando o foco for nossos interesses classistas. Estamos amargando um descaso imensurável. Merecemos o devido respeito e precisamos mostrar isso, dia a após dia!!
    Estamos carentes desse tipo de ação no plano sindical, mas a Asfeto está aí, segurando esse estandarte e acenando para a construção (ainda que tardia) de um futuro digno para nossos colegas. Por outro lado, entendo que nossas críticas acabaram fazendo com que os diretores do Sindifiscal acordassem e fossem de fato para trincheira, lutar por aquilo que nos é fundamental.
    Torço, sinceramente, para que possamos comemorar muitos frutos desse árduo trabalho, muito em breve, afinal esse é o melhor ambiente para se viver.
    Avante!!!

  136. Robispierre Xavier

    Severino, meu prezado, brilhante e pontual a sua análise acerca das consequências da “auto-medicação”.
    Eu diria mais: “o mesmo risco que corre o pau, corre machado”.
    Abraço, companheiro!

  137. severino Costa

    Os Perigos da Automedicação – Texto Adaptado

    Quem nunca tomou um remédio sem prescrição após uma dor de cabeça ou febre? Ou pediu opinião a um amigo sobre qual medicamento ingerir em determinadas ocasiões? A automedicação, muitas vezes vista como uma solução para o alívio imediato de alguns sintomas, pode trazer consequências mais graves do que se imagina.
    (…)
    A medicação por conta própria é um dos exemplos de uso indevido de remédios, considerado um problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Segundo dados do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINTOX), em 2003, os medicamentos foram responsáveis por 28% de todas as notificações de intoxicação.
    (…)
    O uso de medicamentos de forma incorreta (ou de soluções) pode acarretar o agravamento de uma doença, uma vez que a utilização inadequada pode esconder (ou mascarar) determinados sintomas. Se o remédio for antibiótico, a atenção deve ser sempre redobrada. O uso abusivo destes produtos pode facilitar o aumento da resistência de microorganismos, o que compromete a eficácia dos tratamentos.
    (…)
    O uso de remédios de maneira incorreta ou irracional pode trazer, ainda, consequências como: reações alérgicas, dependência e até a morte, ( ou mesmo perda das funções e condições atuais).

    Original em http://www.endocrino.org.br/os-perigos-da-automedicacao/

    Uma decisão ou uma ação judicial equivocada é tão perigosa quanto a automedicação. Num caso como no outro, o indivíduo pode não esperar determinada reação ou consequência, mas quando ela chegar, pode ser tarde demais.

  138. Grande

    Severino:

    “arditô quaitru” eu já conhecia, mas essa, da “equi palação”, não. Achei demais!

    Realmente, quem pensa dessa maneira, deve falar desse jeito mesmo. A ditadura tupiniquim caiu, não somente pelos herois que resistiram, mas principalmente, pela verve e ironia de nossos artistas e intelectuais. o Agildo Ribeiro e o Jô Soares desancava os milicos todos os dias. Lembra-se daquela do Agildo, em que namorava em um carro, quando um policial o abordou dizendo: “polícia!” e o Agildo olhou para ele: “Bem feito! quem mandou você não estudar?”

    Vamos levando.

    Abs,

    Caio

  139. Severino Costa Jr

    A agora entendo, fiquei esperando um “armento” no “salaro” e nada, mesmo assim, vou fazer festa! Afinal, serei “arditô Quaitru”….. Em tempo: “Daqui arguns anus perdiremo a equi palação” e siremu tudo a merma cosa”…

  140. Muito bem,
    Amiga

    Joelma:

    Há muito tempo nós denunciamos essa situação aqui: “A Fábula do Governo Amigo”.

    Nesse texto dizemos: Não existe governo amigo, tampouco inimigo. Governo é governo, nós, simples assalariados! Se o governo é amigo, nós não podemos demandar contra ele. Se o governo é inimigo, não conseguimos negociar com ele. Portanto essa pseudo-relação afetiva é um truque, ou melhor, um golpe. (Na melhor das hipóteses, uma falácia ou um factoide.)

    O que importa dizer é que o fisco tocantinense, viveu, e ainda vive, de mentiras, falsidades e tapeações. Há oito anos, penamos pelas mesmas falhas. As outras categorias, (que não tem o mesmo problemas nosso), nos alcançaram há tempo e agora nos ultrapassam com larga vantagem.
    Não sou profeta e nem adivinho, mas vaticino: Deixaram o tempo correr (talvez intencionalmente) para não conseguirmos as nossas conquistas, depois não dando certo (por que demoraram demais), vão procurar pessoas e entidades para culpar. O beltrano, o sicrano, ou a entidade tal é que deverão ser os culpados. E tem gente que ainda cai, nessa velha tramoia! Não pode?
    Quem viver verá!
    Observem o que se dirá depois da Medida Provisória:
    Se der certo, acharão que são super-heróis por terem (ainda que tardiamente) cumprido uma pequena parcela de suas obrigações, se não der, a culpa será de outros, é claro!

    E assim, aos trancos e barrancos, vamos vivendo nossa tragédia diária.

    “um dia havermos de ter um fisco unido em torno dos mesmos objetivos, qual não seja, fazer promoção pessoal, de qualquer dirigente sindical”!

    Então, estamos dito.

    Abs,

    Caio França.

  141. A bomba explodiu! todos nós saímos prejudicado. Vivemos de migalhas, esperando data base, promoções, mas aumento salarial que é bom nada. Precisamos unir forças em prol do coletivo. Não sou contra as conquistas de outras categorias, pois elas correram atrás disto, mas, e nossa categoria? Onde estão nossos representantes? Não quero título, quero salário digno, compatível com o cargo que ocupo.

  142. claudio murilo

    Assim como disse o colega Severino, meus parabéns ficarão em aberto, retirados até que se resolva o problema da redação e como multa pela tentativa de burlar o projeto por quem aprovou deveríamos exigir de imediato o redaf de 5 mil, eu já vinha há tempos falando que deveríamos ter nos posicionado para mudar o nome de ressarcimento para outro que não fosse com intuito de ressarcir o que gastamos em atividade, mais não queremos nem saber muitas categorias teve ganhos e nós não podemos ficar pra trás, nem se acovardar, já que o aumento do redaf foi aprovado em assembleia da entidade-mor, então deverá ser tratado como prioridade também. Ea data-base tá chegando e ai cadê todas as categorias já se mobilizando para tal.

  143. Por falar em oportunidade, quero dizer que o sol já vem raiando, a até agora, não temos nenhum estudo de como será a nossa data-base. Creio que já passou da hora de sabermos o quanto é que iremos ter de reajuste em nossas tabelas atuais, sem levar em conta a esta Medida Provisória.
    E não venha nos dizer que não é a hora, pois a data base do legislativo já foi aprovada de acordo com a Lei 2845/2014 de 31 de março de 2014. Enquanto fazemos ilações sobre nosso futuro, ficamos a ver navio como o nosso presente. Por que não foram aprovadas a data-base também do executivo, pois o Legislativo já foi garantido para maio próximo. Depois vão dizer que a Lei de Responsabilidade Fiscal não autoriza estes aumentos.
    Quanto ao Redaf, para não dizerem no futuro, que temos que provar as nossas despesas (imagem temos que fazer igual a alguns funcionários da iniciativa privada, em mostrar Notas Fiscais para ressarcir tais despesas, já vi alguns pedindo ao caixa de restaurantes e lanchonetes para aumentar tais recibos, não venham com essas desculpas sem lógica; basta levarmos em conta o quanto é que o Estado do Tocantins lucra, ou seja, aumenta suas Receitas Correntes com essa metodologia do Redaf, senão vejamos: Meta – R$ 120.000.000,00; 5% da Meta – R$ 6.000.000,00; Pagamento do Redaf Integral – 585 x 2.700,00 = 1.579.500,00. Olhem o quanto é sobra para o Governo gastar com os outros setores, as outras classes; (R$ 6.000.000,00 – R$ 1.579.500,00 = R$ 4.420.000,00).
    Para que não tenhamos que provar nossas despesas, é só incorporar o Redaf em nossos Subsídios nesta nova tabela da Medida Provisória que se encontra para aprovação na Assembléia Legislativa. E, caso não queiram, nada do normal aumentarem os valores do Redaf proporcional aos nossos Subsídios (20%, 25%,30% , 35%,40%,…), vamos fazer um estudo e veremos qual percentual, pois algumas áreas que percebem valores a título de ressarcimento como a forma de percentuais e não de valores reais e congelados a muito tempo.
    O quanto é necessário para defender o Governo quando se quer dar a cara a tapa, não quer ir a luta de verdade, somente querer receber benefícios sentados e/ou na conversa as vezes não trazem bons frutos.
    Parafraseando nosso COMPANHEIRO Robinho, para mim tanto faz minha função, eu quero mesmo é ser valorizado pelo Governo e por seus Assessores, vejam só o que eles são capaz em mudarem as redações de Projetos que nos beneficiam. Não é omissão é maquiavelismo mesmo, essas pessoas querem nos testar o quanto somos capaz de suportar tais desfeitos.
    VAMOS À LUTA , E QUE CONSIGAMOS UM MELHOR FUTURO PARA TODOS NÓS DO FISCO TOCANTINENSE!!!!!!!!!

  144. Severino Costa Jr

    Fui enganado! Mentiram! Falaram que era uma coisa e a “redação” era outra? retiro os meus parabéns.

  145. Essa questão do Redaf tem que ser colocada em pauta e tratada com respeito. Não tem que negociar mais, o assunto agora é EXIGIR porque esse ressarcimento está desatualizado, precisando de ajustes imediato, em caráter emergencial, principalmente quanto à inclusão do índice de aumento. Está desvalorizado e não está cumprindo com o objetivo para o qual foi criado e é bom ressaltar que só está atendendo ao Estado pois a receita aumenta mês a mês e tem índices superiores aos das metas que nunca deixaram também de aumentar mês a mês desde que foi criado, mas a parte dos auditores não está sendo cumprida a rigor e está sem reajuste desde 2007. Já está mais do que na hora de expor essa situação ao governo e Sefaz, independentemente das atrapalhadas de forma maldosa, por erro ou qualquer que seja o motivo na publicação da Medida provisória 14, divulgando uma tabela que não era a negociada com os sindicatos e nem com as alterações que esperávamos(afinal conquista é conquista e tem que ser corrigida) e que precisa ser melhor explicada e a Asfeto está trabalhando nisso, temos que exigir o recebimento justo dessa produtividade.
    Queremos e exigimos justiça e respeito para com a categoria nessa e, nas demandas já aprovadas!!! Que sejam implementadas as mudanças do Redaf e a correção da tabela financeira da Medida provisória 14.
    Grande abraço a todos!!

  146. claudio murilo

    É vi que as opiniões se proliferam com respeito a ganho salarial, não tivemos nenhum realmente, redaf até agora nada, tabela afre III nada mudou, as outras categorias ganharam, mesmo em janeiro terão aumentos na tabela, nós somente a promoção que não sabemos como será regulamentada, já que o governo mudou a tabela de outras categorias, deveríamos ter apresentado a nossa com alterações também, ficaram com medo de falar em aumento na folha de pagamento, mais deveriam ter procurado saber o que seria feito para outras categorias e apresentado tabela com elevação nos valores, salario significa sobrevivência, e temos que sobreviver com dignidade, se tem pra outras categorias, tem que ter pra nós, somos os que suprem o erário publico para pagar salarios melhores para outras categorias, todas categorias merecem, não estou contra nenhuma, estou contra ficarmos parados na tabela , engessados salarialmente, avançamos em tese, mais salarialmente só os afre IV, redaf para 5 mil já. E mudança de valores na tabela com urgência.

  147. Pelo visto, fomos frustados pelas comemorações feitas pela aprovação do Projeto de Lei 72, com substitutivo feito pelo Deputado Estadual José Bonifácio no dia 04 do corrente mês. Como posso soltar foguetes, sem saber realmente o que estar sendo comemorado?
    Aonde estava os entendidos do Setor Jurídico do Sindicato (dos Sindicatos) , pelo que foram postados , creio que somente os do Sindare sabiam o que realmente foi aprovado.
    Engraçado é o que disseram sobre duas progressões: uma para Afre IV , PARA O PADRÃO X, e outra para Afre III, TAMBÉM PARA O PADRÃO X , SÓ QUE COM A PERMANÊNCIA NO NÍVEL III, os ganhos seriam conforme tabela feita pelo Sindifiscal em seu substitutivo feito na Assembléia de janeiro próximo; pelo jeito alguém soube dar um pulo do gato, DESSA NOTÍCIA BOA EU NÃO GOSTEI … Notícia anunciada pelo então ex-Governador, em suma passaram anos e não aprendemos a vir o que é realmente BOM para nós do Fisco Tocantinense.
    É só verificarem nos Diários Oficiais do Estado do Tocantins, com uma busca no google (pesquisa avançada com o nome Auditores Fiscais), onde os dois Sindicatos reclamam para si as Contribuições Sindicais conforme Constituição. Enquanto houver esse empecilho,,por parte dos dois, não chegaremos a lugar algum, ficaremos a ver navio, senão é só perguntarmos Quantos Sindicatos tem as outras Classes que tanto almejamos chegar a seu Padrão (Isonomia Salarial)?
    Na minha humilde opinião, o Governo achou um modo de nos deixar em uma Sinuca de Bico, é só verificar o quanto ganha o final de Carreira de um Afre III, veremos que no início de um Afre IV será percebido muito menos. Quem foram os mágicos que organizaram essa tabela. E quanto ao Afre I com início de carreira hoje, veremos que o mesmo passará 24 anos para cumprir os doze padrões dessa nova tabela, e com isso passará ao nível de Afre II, e para que ele possa chegar no final de Carreira do Afre IV , tem que trabalhar nada menos que 96 anos, de acordo com a Lei 1609/2005, Lei questionada e bastante lembrada em todas as aparições do Presidente do Sindare, conforme pude perceber em duas entrevistas feitas ao Portal Cleber Toledo e ao Jornal de Concursos Folha Dirigida, tudo isso com uma simples pesquisa no GOOGLE.
    Então caro COMPANHEIRO Severino, se não for o Sindare que enviou e-mail ao COMPANHEIRO Renato Américo, houve uma mudança radical nas mentes da Diretoria do Sindare.
    MEUS DIREITOS TERMINAM QUANDO O DO OUTRO COMEÇA. Então perguntamos a nós mesmos, Quais os DIREITOS dos membros do SINDARE que tanto são afetados por nós outros? Acho que a razão é muito maior que uma Simples Contribuição Sindical? Não sei se nossas PROMOÇÕES dos Afre III afetaria a VIDA INTIMA e FUNCIONAL dos Afres IV?
    Precisamos dar um BASTA com urgência nisso tudo.
    Não creio em outras vidas, preciso viver em PAZ neste resto de tempo que passarei neste mundo.
    O lema fundamental de uma classe quando se organiza para defender seus Direitos é: A UNIÃO FAZ A FORÇA.
    IMAGINEMOS ENTÃO, O QUE PASSA PELA CABEÇA DOS ADMINISTRADORES DO ESTADO DO TOCANTINS, NOSSA FONTE PAGADORA, DE QUEM SOMOS SERVIDORES, SABENDO QUE SOMOS DESUNIDOS.
    Eles fazem o que querem, e não podemos fazer nada.
    Em tempo, precisamos verificar quem estar por trás dessas mudanças de redação feitas nestes projetos, é só irem a fundo e verão quem são as pessoas que dão as Ordens para que tudo isto seja feito, não pode ser um digitador, é alguém mais alto da cúpula que organiza esses projetos antes de serem divulgados.

  148. Severino Costa Jr

    Talvez eu participe daquele grupo do “gato escaldado”, mas não vejo na medida provisória publicada no DOE garantia que vai existir curso de formação para todos e que em 2 de janeiro de 2015 exista algum benefício para o grupo 3.

  149. Severino Costa Jr

    Caro Amigo Renato. Saudações! Gostei muito do seu comentário. Gostaria de uma cópia deste e-mail, você pode enviar?. Desde já, agradeço – email: severinocostajr@hotmail.com.

  150. claudio murilo

    Foi uma vitória realmente esse aumento de vagas para nível 4, parabéns a todos que participaram dessa aprovação, porém vamos observar alguns pontos que poderá ocorrer nessa promoção, a regulamentação será feita, devemos observar bem, pois na verdade os atuais afres 4 saírão ganhando, pois sem precisar de prova ou nada assim já em janeiro serão alçados a nível X, salario mais de 22 mil, os que passarem na prova e forem para afre 4 salario de mais de 18 mil, os que não fizerem, não quiserem ou não puderem fazer a prova, digo não puderem pois deveremos aguardar a regulamentação, esses continuarão com salario de mais de 17 mil, haverá um desajuste salarial que antes era de 2 diferenças, e poderá ser de 3 no futuro, outra coisa que ficou esquisito na tabela é que se eu continuasse afre 3 e fosse alçado ao nível X ganharia mais de 20 mil, o final da tabela de afre 3 está muito maior que o inicial de afre 4. mais para não dizerem que somente são criticas que fazemos vamos agora tentar acertar essas arrestas salariais e não esquecermos do redaf defasado há mais de 6 anos, vamos correr atrás com urgência, novamente foi uma conquista até esse momento, esperemos que na regulamentação continue como conquista e não se torne um desafio, parabéns ao sindifiscal, asfeto, sindare(subsidio) e todos colegas que fizeram parte dessa nova etapa, que não nos demos por satisfeitos só com isso, pois como disse um colega o inicial de um delegado será maior que o nosso com 20 anos de serviço, assim como são maiores os de defensores, procuradores, promotores, juízes entre outros, e outra coisa importantíssima a data base que se aproxima, tentar ganho real no índice, parabéns novamente e continuemos na luta.

  151. Caio França de Oliveira

    Grande
    Renato Américo:

    “O Filósofo do fisco tocantinense.”

    Sim, nobre e excelso amigo. A oportunidade é para todos nós. Vamos acompanhar agora a regulamentação, que é gargalo e o funil do texto legal. No devido estabelecimento dos pré-requisitos é que vamos definitivamente entender e viabilizar o processo. O que salta aos olhos é a democratização da oportunidade, que é para todos, pelo menos, à primeira vista.
    A ADI citada é uma lâmina apontada para a nossa garganta, ou melhor, é um suplício de tântalo.
    Nós podemos, sem qualquer sombra de dúvida, propor substitutivo da lei questionada, e assim, tirar o objeto da ação de inconstitucionalidade, cessando sua motivação.
    Parece-nos muito simples a resolução de tudo isso. De uma só vez. Que tal mobilizarmos com esse objetivo? Creio que se houver boa vontade, a hora poderá ser oportuna. Nessa briga, todos perdem. Não ha vencedores, só vencidos.
    A nossa categoria merece e precisa de um pouco de paz. A nossa função per si, já é demasiadamente estressante, não precisamos mais, vivemos no limite.
    Devo informar que fui procurado pelo presidente do Sindare, no ano passado para participarmos pela aprovação da lei Subsídio Integral. Apoiamos de pronto, desde que não somos portadores de mágoas, rancores antigos e resquícios de outras Eras e tempos pretéritos de antagonismos classistas. Benefícios são benefícios e sempre haveremos de apoiar tudo o que for bom para a categoria. O contrário é especialmente verdadeiro.
    A mesma teoria e prática se aplicará com relação ao Sindifiscal. Desprezaremos a prática ridícula do personalismo e outros “ismos” por aí. A perguntinha mágica é: É bom para a categoria?
    Sempre haveremos priorizar a independência de nossos associados que é razão de ser e existir da nossa associação, que surgiu exatamente para opor opinião e defender pontos de vistas, que não serão feitos por osmose, sucção ou indução. Qualquer coisa, além disso, será pura ilação. O associado da Asfeto é livre e soberano e será partícipe do processo futuro.
    Quebraremos lanças em favor da verdade e do pragmatismo!
    Precisamos fomentar a realização de um Fórum estadual da categoria fiscal para debatermos e solucionar todas as nossas dificuldades. A solução de nossos impasses depende da participação de todos nós.
    Vejo com bons olhos sua volta à arena, brandindo o gládio da argumentação. Seja bem vindo!
    Abs,
    Caio França.

  152. Renato Americo

    Marcos 9
    38 “Mestre”, disse João, “vimos um homem expulsando demônios em teu nome e procuramos impedi-lo, porque ele não era um dos nossos.”
    39 “Não o impeçam”, disse Jesus. “Ninguém que faça um milagre em meu nome, pode falar mal de mim logo em seguida,
    40 pois quem não é contra nós está a nosso favor.

    Refletindo:
    A tempos os nobres colegas me pede para que escreva algo na página dessa digna associação da qual faço parte. Parodiando e associando-me a fala do Eduardo Siqueira campos, quando lá na Assembleia, disse: não padeço mais do mal da pouca idade – como não padeço deste mal – Eu aprendi:
    A mensurar o tempo de falar e de calar – o tempo de escrever e não escrever;
    O tempo de discernir quem é o amigo ou de quem não é amigo.
    Sei que: – Aquele que não vibra com o meu sucesso, meu ganho financeiro, melhoria da qualidade de vida que o dinheiro pode dar a minha prole, a minha estabilidade, aquele que sente prazer em guerrear contra tudo que é de bom e de benéfico alocado para minha pessoa e categoria e classe: este que não sente o prazer da alegria do sucesso: este é o meu verdadeiro inimigo – ele não é por nos, é contra nós.
    Leia o que o Sindareto postou nos e-mail. Veja que esta organização diz:

    Promoção de Auditores Fiscais pode ser considerada inconstitucional

    O Governo do Estado, sob ameaça de greve de parte da categoria dos Auditores Fiscais, se comprometeu em avaliar a possibilidade de promover 508 Auditores nível III para nível IV. A ação, se for concretizada, trará mais um problema para o governo estadual já que a promoção pode ser considerada inconstitucional. Tal medida onerará a folha de pagamentos do Estado em mais de R$ 3 milhões.

    A ilegalidade começou no governo passado com a aprovação da Lei estadual nº 1.609/2005, que transferiu os servidores dos cargos de agente de fiscalização e arrecadação e de auditor de rendas, que exigem nível médio, para a carreira de auditor fiscal da receita, de nível superior. A medida infringe o artigo 37, inciso II, da Constituição Federal, que determina a realização de concurso para a investidura em cargo público. Na época, o então procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, ajuizou ação direta de inconstitucionalidade (ADI 4214), com pedido de liminar, no Supremo Tribunal Federal (STF), contra a Lei nº 1.609/2005, do Tocantins.

    “Ocorreu uma prática proibida pela Constituição Federal: a transposição (ou provimento derivado) de cargos públicos, que consiste em dar a cargos ocupados por servidores de nível médio a mesma denominação, atribuições e remuneração devido a ocupantes de cargo pré-existente privativo de nível superior”, disse o procurador.

    O impasse tramita no Supremo Tribunal Federal e para piorar ainda mais a situação de inconstitucionalidade, o Governo do Estado está na iminência de promover esta categoria em vez de realizar concurso público. E o que é pior, criando mais cargos, além dos previstos na questionada lei.

    Se a ADI 4214/2009 for julgada procedente, tanto a transferência quanto a promoção será considerada ilegal e os autos de infração não terão valor. A Justiça deverá julgar a ADI e só então é possível a realização de concurso público para provimento de cargos de auditores fiscais ou então a promoção no limite das vagas existentes ou até ampliá-las.

    Subsídio Integral

    Tramita na Assembleia Legislativa do Tocantins, com vistas, a aprovação do Projeto de Lei que prevê a transformação da forma de remuneração do Fisco Estadual, passando de Vencimento para Subsídio. O projeto prevê, também, a incorporação da produtividade fiscal, que atualmente representa 150% do vencimento, ao Subsídio. O projeto traz benefícios a todos os Auditores Fiscais, em especial e, mais imediatamente, aos Auditores Fiscais aposentados, pensionistas e aos que estão iminência de se aposentarem, sem ônus para o Estado.
    O que me diz companheiro: quem são este: estão por nos, o são contra a nós?
    – A resposta e clara e evidente. Logo digo não é sindareto (note que no singular, escrevi para dar a dimensão do seu tamanho e importância), o amigo, o companheiro de andanças.
    Eu convido a você a reflexão.: a quem devemos prestar solidariedade? Apoio e nome para que as nossas matérias, pensamentos, apoio, apareçam juntas? – O nome desta digna associão não pode, de hoje em diante, estar ligado, associado ao nome do seu e meu inimigo. Volte ao Redil, é o meu desejo e a minha prece.
    Vou publicar isso no chute o balde do Sindifiscal. Vou pedir que seja providenciado um local na sede do Sindifiscal para a nossa associação.
    Forte abraço de quem: Vibra com você e por você, Noleto, Caio, pelas nossas conquistas, nunca esqueçam que: – somos pássaros de mesmo cântico e de mesma plumagem. Somos, todos com orgulho: ex-AFRE III e atualmente AFRE IV. Sem demandas, sem questionamentos e dizendo
    – Se D_us é por nós, quem será contra nós? Bem vindo companheiro ao nosso novo cargo – Você e eu somos um.
    Renato Américo.

  153. claudio murilo

    No site da Roberta Tum diz que João Oliveira e Siqueira Campos apresentam renuncia hoje dia 04.04.2014, e cadê reunião, ficou só na conversa mais uma vez, agora assume Sandoval Cardoso e terá que começar tudo de novo é, demonstração de maturidade deixar tudo pra ultima hora, mesmo sabendo que era quase inevitável a saída de Siqueira.
    Li em sites que foram aprovadas algumas matérias para procuradores e MPE na 3ª feira e nós como sempre ……… 45 minutos do segundo tempo do jogo, perdendo de goleada.

  154. Parabéns aos nossos colegas do fisco de Goiás. A falta de reestruturação no plano de carreira dos auditores de Goiás no passado (atual gestão sindical está lutando por esta conquista), que na minha opinião tem que ter caráter programático, ou seja, deve ser atualizado e revisado todos os anos, senão de 6 em 6 meses o plano de carreira.
    Registre-se, que esses colegas tiveram que sofrer várias décadas com salários de aposentadorias inferiores devido a ter ficado estagnados na mesma classe sem promoções quando estavam na ativa.
    As promoções devem, obrigatoriamente, ocorrer sem a necessidade de número de vagas. Quando os auditores atenderem os requisitos fixados na Lei do Plano de Carreira e completado o interstício legal automaticamente seria promovidos.Precisamos, urgentemente, solicitar essa alteração dentro da politica de valorização dos auditores fiscais. Essa alteração faz se premente para não precisarmos de ficar de pires nas mãos atrás de promoções e dedicarmos nosso tempo de mobilização em outras causas.
    Falando em politica de valorização, já está passando da hora de fazermos campanhas e reuniões para esclarecer e divulgar a importância e o papel dos auditores fiscais que atuam no trânsito de mercadorias (postos fiscais) e diretamente nos trabalhos de auditoria (nos últimos anos aumentaram e muito o número de colegas AFRE’S que estão dando sua contribuição fazendo auditoria de empresas de médio e grande porte, e, também no trabalho de auditoria do Simples nacional). Essas campanhas de valorização fará com que o governo, a sociedade e os diversos segmentos sociais entendam o valor que tem o auditor fiscal no aumento da arrecadação do Estado e, que esses recursos são para o Estado investir mais em construção de hospitais, escolas, transporte público, etc. Esses auditores que passaram a fazer auditoria e o honroso trabalho de fiscalização nas divisas (comandos volantes) do Estado e Postos fiscais que ultimamente tem sido intensificadas colaboraram com o aumento gradativo da arrecadação que tem alcançado índices superiores a muitos Estados do país.
    Temos que ficar atentos para não acontecer conosco o que aconteceu com os auditores de Goiás que aposentaram com salários congelados e estagnados numa mesma classe, sem promoções.
    Mais uma vez parabéns aos nossos primos-irmãos de Goiás!!!
    POLITICA DE VALORIZAÇÃO JÁ AOS AUDITORES DO FISCO TOCANTINENSE!!
    Grande abraço a todos.

  155. Kérito Thiago Assunção Soares

    Foi publicado ontem no DOE 4.099 de 02/04/14 a Lei nº 2.845 que dispõe sobre a revisão geral anual da Tabela de Vencimentos dos Servidores efetivos da Assembleia Legislativa no percentual de 5,6798% a partir de 1º de maio de 2014 sem retroativos. Uma observação de suma importância foi a redação do Art. 2º da referida legislação: ” a produtividade de que trata o Art. 3º da Lei 2.585, de 28 de maio de 2012, é incorporada à tabela de vencimentos dos servidores efetivos da Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins”. Analisando o anexo único da nova lei observei a total falta de “ISONOMIA” prevista na Constituição Brasileira. O menor vencimento da casa de leis é R$ 1.685,23 para o cargo de auxiliar de serviços gerais, podendo chegar a R$ 7.703,25 no final de carreira. Um assistente administrativo, remuneração inicial em R$ 4.321,11. Acho justo. Parabéns a esta valorosa e tão importante categoria. Já diziam os mais velhos: quem chega na frente bebe água limpa! Enquanto isso na BATCAVERNA…

  156. Alguém poderia mim informar quando foi decidido os pagamentos dos Retroativos das progressões de agosto/2013 até dezembro/2013, inclusive 13º. Pelo que percebi em meu contra-cheque apenas o mês de dezembro/2013 e 13º salário foi quitado, ainda faltam os recebimentos restantes (08/2013 até 11/2013).
    Como num passe de mágica arrumaram um jeito de nós pagarmos a Contribuição Sindical este ano, ou seja, o Retroativo recebido compensou este desconto, e ainda sobrou uns trocados, descontando a Previdência Oficial, mas não vamos esquecer que não fizeram a retenção do IR devido; ano que vem vamos pagar por isso.
    E por que não divulgaram também o resultado da reunião marcada para ontem (31/03/2014) com o Governador, gostaria de saber qual notícia boa eles tem para nos dar?
    E para aqueles que dizem que o Sindifiscal não é nosso (os não-filiados) somente uma resposta:
    Eu sou PAULO JOSE LIMA DA SILVA, AUDITOR FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS (AFRE III-IV) , ou seja , AFRE III na coluna Vertical, e IV, na Horizontal; é só procurarem na TRANSPARÊNCIA TOCANTINS, e conforme Constituição Federal sou OBRIGADO a pagar a Contribuição Sindical.

  157. Nobre

    Kérito:

    Impressionante lucidez!

    A Medicina da Doença! Não só impressionante, mas profundamente verdadeiro. No Ocidente trata-se da doença, enquanto que no Oriente trata-se do doente.
    Ao se procurar conversar com um médico especialista (Gastro, Neuro, Derma, oftalmo) tem-se a impressão que qlq hora você vai encontrar um estômago em um poste, um pênis no asfalto ou uns olhos sobre as arvores. Pensam o corpo fracionadamente. De cara, eu que nada conheço de medicina,e sou completamente leigo no assunto, posso perceber: Todos esses órgão trabalham em conjunto, formam uma unidade indivisível! O maior picareta do planeta foi quem inventou a ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA. E um outro grandessíssimo, inventou o amálgama desses com a Indústria Farmacêutica! E os Laboratório de Análises Clínicas? Tem a missão de justificar suas doenças. Assim, os três trabalham conjuntamente para que você não morra, tampouco sare de vez, para que continuem indefinidamente, usufruindo financeiramente, de seus sofrimentos!
    Já presenciei representante de um conhecido laboratório farmacêutico oferecer uma viagem de navio, juntamente com a esposa, para um renomado psiquiatra em Goiânia, para o mesmo prescrever seu medicamento aos seus pacientes (aqueles que padecem) pacientes (aqueles que tem de ter paciência em longas esperas no consultório médico). Assim, somos na verdades, fregueses e vítimas,da maior máfia já surgida no planeta.
    Como já disse antes, A Generalização não é Inteligente. Entre esses, há aqueles que exercem a profissão como sacerdócio e abnegação, e a essa almas bondosas e benfazeja, os nosso mais elevados reconhecimentos. Infelizmente, são honrosas exceções, e não a regra.

    Mas o mais interessante de tudo isso é que a nossa medicina DESCONHECE completamente a origem da depressão! Como se vai prescrever um medicamento para uma doença que não se conhece a causa? Por que dizem ANTIDEPRESSIVO se não sabem o que é a depressão? Para os Psiquiatras, é um distúrbio das emoções e por isso a chamam Distúrbios Emocionais, prescrevem terapias de análises. Para os Neurologistas, é um distúrbio químico, prescrevem antidepressivos. Para pesquisadores de ponta em França e nos EUA, é um distúrbio hormonal, e, por isso mesmo, dizem ser distúrbio intestinal, hoje, considerado a maior glândula do corpo humano pois produz mais de 180 hormônios diferentes, a maioria ainda desconhecida da ciências. Acho simpática essa última teoria, mesmo por que, as outras duas anteriores não deram certo para uma flagrante maioria dos pacientes pacientes.
    Então o negócio é, para o bem de sua saúde e de seu bolso, fique, o tanto quanto possa, bem longe dos médicos e seus remédios alopáticos.
    Tente tomar de 15 a 20 min de sol por dia. Tome cloreto de magnésio diariamente. Tome, em jejum, quando acordar o caldo de 2 ou 3 limões por dia. (atenção o Taiti é lima e não, limão). Para esse caso use o galego ou china. Fique longe de processados, conservantes e embutidos. Evite o quanto possa, gordura de qualquer tipo. Faça alongamentos para a circulação sanguínea.

    Essas simples providência, ao alcance de quase todos, poderá otimizar nossa saúde, e não passar tanta raiva com médico e doenças, pois raiva também, nos adoece!
    Quanto a você, caro Thiago,que ainda é novo, aproveite seus conhecimentos em medicina, faça a graduação e pós em uma Universidade, pois quando não podemos com um inimigo, o mais certo é aliar-se a ele. Se não quiser ser médico, seja farmacêutico, seus admiráveis conhecimentos sobre remédios e medicamentos, já fazem você, de antemão, um vencedor na área.

    Abraço,

    Caio França.

  158. Kérito Thiago

    COMO A MEDICINA DA DOENÇA FUNCIONA

    Aos 30 anos, você tem uma depressãozinha, uma tristeza meio persistente: prescreve-se FLUOXETINA.
    A Fluoxetina dificulta seu sono. Então, prescreve-se CLONAZEPAM, o Rivotril da vida. O Clonazepam o deixa meio bobo ao acordar e reduz sua memória. Volta ao doutor.
    Ele nota que você aumentou de peso. Aí, prescreve SIBUTRAMINA.
    A Sibutramina o faz perder uns quilinhos, mas lhe dá uma taquicardia incômoda. Novo retorno ao doutor. Além da taquicardia, ele nota que você, além da “batedeira” no coração, também está com a pressão alta. Então, prescreve-lhe LOSARTANA e ATENOLOL, este último para reduzir sua taquicardia.
    Você já está com 35 anos e toma: Fluoxetina, Clonazepam, Sibutramina, Losartana e Atenolol. E, aparentemente adequado, um “polivitamínicos” é prescrito. Como o doutor não entende nada de vitaminas e minerais, manda que você compre um “Polivitamínico de A a Z” da vida, que pra muito pouca coisa serve. Mas, na mídia, Luciano Huck disse que esse é ótimo. Você acreditou, e comprou. Lamento!
    Já se vão R$ 350,00 por mês. Pode pesar no orçamento. O dinheiro a ser gasto em investimentos e lazer, escorre para o ralo da indústria farmacêutica. Você começa a ficar nervoso, preocupado e ansioso (apesar da Fluoxetina e do Clonazepam), pois as contas não batem no fim do mês. Começa a sentir dor de estômago e azia. Seu intestino fica “preso”. Vai a outro doutor. Prescrição: OMEPRAZOL + DOMPERIDONA + LAXANTE “NATURAL”.
    Os sintomas somem, mas só os sintomas, apesar da “escangalhação” que virou sua flora intestinal. Outras queixas aparecem. Dentre elas, uma é particularmente perturbadora: aos 37 anos, apenas, você não tem mais potência sexual. Além de estar “brochando” com frequência, tem pouquíssimo esperma e a libido está embaixo dos pés.
    Para o doutor da medicina da doença, isso não é problema. Até manda você escolher o remédio: SILDANAFIL, TADALAFIL, LODENAFIL ou VARDENAFIL, escolha por pim-pam-pum. Sua potência melhora, mas, como consequência, esses remédios dão uma tremenda dor de cabeça, palpitação, vermelhidão e coriza. Não há problema, o doutor aumenta a dose do ATENOLOL e passa uma NEOSALDINA para você tomar antes do sexo. Se precisar, instila um “remedinho” para seu corrimento nasal, que sobrecarrega seu coração.
    Quando tudo parecia solucionado, aos 40 anos, você percebe que seus dentes estão apodrecendo e caindo. (entre nós, é o antidepressivo). Tome grana pra gastar com o dentista. Nessa mesma época, outra constatação: sua memória está falhando bem mais que o habitual. Mais uma vez, para seu doutor, isso não é problema: GINKGO BILOBA é prescrito.
    Nos exames de rotina, sua glicose está em 110 e seu colesterol em 220. Nas costas da folha de receituário, o doutor prescreve METFORMINA + SINVASTATINA. “É para evitar Diabetes e Infarto”, diz o cuidador de sua saúde(?!).
    Aos 40 e poucos anos, você já toma: FLUOXETINA, CLONAZEPAM, LOSARTANA, ATENOLOL, POLIVITAMÍNICO de A a Z, OMEPRAZOL, DOMPERIDONA, LAXANTE “NATURAL”, SILDENAFIL, VARDENAFIL, LODENAFIL ou TADALAFIL, NEOSALDINA (ou “Neusa”, como chamam), GINKGO BILOBA, METFORMINA e SINVASTATINA (convenhamos, isso está muito longe de ser saudável!). Mil reais por mês! E sem saúde!!!
    Entretanto, você ainda continua deprimido, cansado e engordando. O doutor, de novo. Troca a Fluoxetina por DULOXETINA, um antidepressivo “mais moderno”. Após dois meses você se sente melhor (ou um pouco “menos ruim”). Porém, outro contratempo surge: o novo antidepressivo o faz urinar demoradamente e com jato fraco. Passa a ser necessário levantar duas vezes à noite para mijar. Lá se foi seu sono, seu descanso extremamente necessário para sua saúde. Mas isso é fácil para seu doutor: ele prescreve TANSULOSINA, para ajudar na micção, o ato de urinar. Você melhora, realmente, contudo… não ejacula mais. Não sai nada!

  159. Pois é,
    Caro
    Paulo José:

    A inversão de Valores!
    Ao invés de trabalhar PARA a categoria, trabalhar contra a categoria! Dois desses suspeitos, que movem ações contra mim (quatro ações, mas dizem que pode chegar a vinte) estão com pedido de inquérito na Delegacia de Infrações Criminais em Palmas (quem quiser pode ir lá verificar), para apuração de falsidade ideológica, adulteração de documentos, improbidade administrativa, entre outros. Por que será que o Delegado titular dessa delegacia ainda não encaminhou esse inquérito? Não tem uma só vírgula nele que desqualifique ou conteste a acusação dos possíveis crimes cometidos. Toda a comprovação documental está no processo.
    A prova mais cabal que procedem malversação de verbas do sindicato restou provado em juízo. Ou não está? Com o dinheiro do sindicato promovem ações contra membros da categoria com o próprio dinheiro da contribuição sindical dele. Paradoxal e contraditório. Aliás, atitude totalmente contrária aos interesses da classe. Impropriedade e improbidade.
    Em nosso país é assim: o cara comete o crime e processa quem o denunciou! Triste povo, triste época!
    Litispendência, litigância de má-fé, abuso de poder e de autoridade.
    Estão praticando terrorismo pseudo-legalista e abusando da Justiça em tentar instrumentalizá-la para acobertar suas práticas nefandas. E o pior de tudo, às expensas dos cofres do sindicato, cujo recurso deveria ter objetivo mais justo e mais nobre….. Mas como já disse antes, pé de abacaxi não produz uvas! O que se vai esperar de pessoas como eles?
    Oito anos de bajulações, campanhas partidárias, festinhas, turismos e peleguismo:
    “Trabalhar dia e noite” só se for em benefício próprio ou contra a categoria!
    Não há mal que dure para sempre.
    Querem nos fazer calar a força! Acho que já sabem que não nos intimidarão. Ou será que não?
    Será que conhecem a música de Geraldo Vandré, Aroeira? Seria bom eles a ouvirem.
    Abraço
    a todos.
    Caio França.

  160. “ART. 8º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
    É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte:

    III – ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas; “
    Quando mim deparei com a opinião de um colega que não ver nada de mal em um Sindicato processar um membro da categoria tive a impressão que a lavagem cerebral é muita bem feita aqui no Estado do Tocantins.
    Como pode um Sindicato processar um membro da categoria?
    Vejam o que diz acima a norma constitucional em seu Art. 8º , inciso III: a um Sindicato é lhe dado a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria. Não precisa ser sindicalizado, já que todos somos obrigados a contribuir com o Imposto Sindicado, e por falar nisso não esqueçamos que vai ser no salário próximo, não se enganem, não será falta, será o desconto de 1/30 (um dia de serviço) em nossos salários.
    Voltando ao assunto da defesa, isto sim, o Sindicato tem que defender os membros da categoria e não processá-los. E quando existir conflito de interesses, (membros da Diretoria x filiados ou não-filiados), acredito que seja feito a parte do Sindicato. Tudo bem que o advogado Sindical, atuou em defesa de membros da Diretoria , no entanto, os acusados são membros da categoria , logo isto tudo é ilegal, pois um Sindicato tem que defender e não acusar.
    Se querem resolver esses conflitos que seja feito fora da Sindicato e não usar Contribuição Sindical para tanto, ou seja, os dois lados tem Direito a defesa e não acusação. Necessário seria que todos fossem defendidos pelo dinheiro do Sindicato, ou então, que se defendessem de forma particular e não com as verbas sindicais. No mínimo houve uso de suas autoridades na administração da receitas do sindicato em proveito próprio, pois o outro lado da moeda também tem o mesmo direito (defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou administrativas).
    Isto é minha opinião.
    PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA – AFRE III.

  161. Analisando o programa do Imposto de Renda 2014, percebi a seguinte observação:

    “Rendimentos Tributáveis de Pessoa Jurídica Recebidos Acumuladamente
    Atenção:
    Não devem ser declarados nesta ficha:
    1) os rendimentos recebidos acumuladamente que se refiram ao próprio ano-calendário do recebimento, independente da natureza do rendimento recebido;
    2) os rendimentos recebidos acumuladamente que NÃO decorram do trabalho ou de aposentadoria, pensão, transferência para a reserva remunerada ou reforma, pagos pela Previdência Social da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.
    Em ambas situações (itens 1 e 2), os rendimentos tributáveis recebidos acumuladamente estão sujeitos à tributação na fonte como antecipação e ao ajuste anual (não se aplica, neste caso, a tributação exclusiva na fonte, exceto se referente ao décimo terceiro salário) e devem ser declarados em ficha própria, de acordo com a natureza do rendimento recebido. ”

    Obs.: Isso diz que os valores recebidos de retroativos no ano calendário da Declaração do IR, a Receita Federal exige que os mesmo sejam colocados como Rendimentos Tributáveis, ou seja, no campo 3.01. Logo, recebemos alguns retroativos a partir do salário de Julho/2013 até Novembro/2013 referentes aos meses de Janeiro, Fevereiro e Março de 2013 e Dezembro/2012, mas para tanto é preciso que observemos os contra-cheques em questão na forma analítica.
    – Com isso vai acarretar que paguemos Imposto de Renda já que não foram recolhidos pela Fonte Pagadora, ou seja, para quem tem a receber alguma restituição, vai ter que arcar com esses valores para pagar o devido Imposto de Renda e não Recolhido pela SEFAZ-TOCANTINS.
    – Portanto, com a retificação feita pela Secad, ficam omissos, em meu Comprovante de Pagamento, apenas os valores recebidos com as rubricas 13º Salário Retroativo, Dif. Adicional de Férias – Retroativo, assim como a Previdência Social (IGEPREV) referente a rubrica Diferença de Fundo de Previdência – 13º.
    – Com isso, mais uma vez este malfadado Retroativo nos causa uma grande dor de cabeça, já estou na segunda Declaração Retificadora…

    PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA – AUDITOR FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS

  162. E quando acontece divergência entre nossa Declaração com as informações fornecidas pela Fonte Pagadora temos em nosso favor a denúncia espontânea que pode acarretar penalidades a quem comete tais erros, como descrito a seguir:

    “Ouvidoria recebe reclamações sobre o comprovante de rendimento
    DIRF
    “Caso não receba a comprovante de rendimento, você sabe onde e como reclamar?” essa foi a pergunta que ficou durante o mês de fevereiro no Portal da Ouvidoria. Dos que responderam a enquete 6% sabiam, mas nunca reclamaram; 7% já reclamaram; 7% não sabiam do prazo de entrega e 80 % não sabiam como reclamar.
    Segundo Instrução Normativa Receita Federal Brasil nº 1.215, de 15 de dezembro de 2011, o comprovante deverá ser fornecido até o último dia útil do mês de fevereiro do ano seguinte ao dos rendimentos.
    A mesma Instrução informa que a fonte pagadora que deixar de fornecer aos beneficiários, dentro do prazo fixado ou fornecer com inexatidão, o Comprovante de Rendimentos Pagos e de Imposto sobre a Renda Retido na Fonte, ficará sujeita ao pagamento de multa de R$ 41,43 por documento.
    Para reclamar é necessário registrar sua mensagem em nosso Sistema Ouvidor, fornecer o número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), nome da empresa e o motivo da demanda: a falta de entrega do Comprovante de Rendimento.”

    “Ouvidoria do Ministério da Fazenda
    SAS Quadra 6 Bloco O – Ed. Órgãos Centrais – 7° andar
    CEP 70070-917 – Brasília-DF – Tel.:08007021111 ”

    Isso é um absurdo o que acontece, todos os anos, na hora de fazermos nossas Declarações do IR.

  163. O Comprovante de Rendimento continua inconsistente, ou seja, continua descrito de forma errada nos campos:
    3. – RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS
    01 – Total dos Rendimentos (inclusive férias) – Esse valor tem que ser o valor total recebido a título de Vencimento + Produtividade no período de Dezembro/2012 até Novembro/2013 (Regime de Caixa).
    O Erro condiz com parte dos valores recebidos a título de Retroativo (Sujeito a Tributação Exclusiva) e colocados nesse campo como se fosse Sujeito a Tributação Normal.
    Como foi informado de forma errada, passaremos a receber menos Restituição e/ou pagaremos Imposto de Renda pela parte dos Retroativos.
    02 – Contribuição Previdenciária Oficial – neste campo deveria constar apenas os valores, recolhidos para o IGEPREV , incidentes sobre os Rendimentos Tributáveis ( Totais de Vencimentos + Produtividade) citados no campo 3 – 01 (FUNDO DE PREVIDÊNCIA NO CONTRA-CHEQUE).

    6. – RENDIMENTOS RECEBIDOS ACUMULADAMENTE ( Sujeito a Tributação Exclusiva) –
    01 . Total dos Rendimentos (inclusive férias e décimo terceiro salário) – neste campo tem que constar todos os recebimentos obtidos a título de RETROATIVO referentes ao período em questão. Eles colocaram valores a menor, desviados para o campo 3.01 informado acima.
    Como os valores são referentes a vários meses e sujeito a tributação exclusiva, no final de contas não pagamos Imposto de Renda sobre esses valores (Retroativo e outros Direitos recebidos em várias parcelas). Sobre os mesmos incide apenas Previdência Oficial recolhida de forma separada dos valores descritos no campo 3.02.
    02 . Dedução: Contribuição Previdenciária Oficial – aqui tem que ser informado todos os valores, recolhidos para o IGEPREV, incidentes sobre os Retroativos (inclusive férias e décimo salário). Foi também informado valores a menor .
    Obs.: Existem duas deduções a partir do Contra-Cheque de JUNHO/2013 ( Diferença de Fundo de Previdência e Diferença de Fundo de Previdência 13º salário). O valor a ser informado é o Total dessas DIFERENÇAS.

    Precisamos mais uma vez que seja feito uma nova Retificação do Comprovante para que ninguém fique no prejuízo. E, que no ano de 2015, possamos fazer uma Declaração do IR sem esses empecilhos por parte das pessoas responsáveis por essas informações.
    Auditor Fiscal não pode cair na malha fina, senão seria antiético com nossa profissão de Servidores da Fazenda Pública Estadual.
    PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA – Auditor Fiscal do Tocantins.

  164. Caros colegas,

    Pelo o que eu percebo estamos ha 03 anos nessa mesma situação de informações incorretas nos nossos comprovantes de rendimentos do imposto de renda, será que não é bom procuramos o Ministério Público Federal?

  165. caio frança

    Pelo que dizem nossos próprios colegas, os agentes do governo na Secad, responsáveis pela declaração de nosso imposto de renda estão no limite em que se decide: São burros, ou extremamente incompetentes, ou são picaretas a serviço de uma safadeza estatal? Qual vcs preferem? Não é possível que o Estado com todo o seu aparato de procuradores, promotores e agentes positivos na edição de leis, se preste a fazer um papel desse. Afinal, onde está o limite em que se diferencia a honestidade e a safadeza?

    Vamos fazer a nossa parte, denunciando tudo aquilo que não acorde com os interesses da população e dos servidores tocantinenses.

    Abs,

    Caio França.

  166. Kérito Thiago

    SILVERINHA, não caia no conto do vigário. Mesmo após a reedição do comprovante de rendimentos, ainda existem inconsistências. Pelo menos na minha há. Acho melhor apresentarmos nossa declaração anual no dia 30/04. Até lá quem sabe façam as correções necessárias.

  167. Antonio da Silva

    O comprovante de rendimentos já foi “REEDITADO” e está a disposição no site da secad…. mas…. será que as informações estão corretas? Na dúvida vou esperar mais um mês para fazer minha declaração! Quem sabe vão fazer novas correções! rssss

  168. Interessante.

    Já conseguimos deduzir que existe picaretagem na declaração de nossos valores de vencimentos? Aliás, onde mesmo que não está existindo Picaretagem? O Governo e seus agentes não deveriam ser padrões de honestidade? Sinceramente, tudo isso não causa extremo desgosto?
    Só nos resta mostrar nossa intensidade de inconformismo com tudo isso.
    Abs

    Caio França

  169. Robispierre Xavier

    Ano passado eu inventei de fazer minha declaração logo na primeira semana e me dei mal.
    Caí na malha fina e isso me causou enorme transtorno. Fui notificado e tive que fazer retificadora.
    Bonito, não é? Passar por esse constrangimento ridículo, em razão da ineficiência dos responsáveis corretas pelas informações no nosso comprovante de rendimentos.
    Se, o que tem causado esse transtorno, for realmente o que os senhores comentaram, o que mais podemos esperar dessa administração? É simplesmente inimaginável!!!
    Esse ano eu deduzi que a Secad iria, NO-VA-MEN-TE, publicar as informações com erros e estou no aguardo da retificação do comprovante de rendimentos para fazer minha declaração. Agora me digam: ONDE FOI PARAR A VERGONHA NA CARA DESSAS PESSOAS?

  170. Caro Isaque,
    Essas manobras administrativas voltadas para controle do fluxo financeiro do Estado com o intuito de melhorar o desempenho do volume de caixa fazendo malabarismos para efetuar pagamentos que não tenham verbas disponíveis, transferindo das rubricas de contas que possuem saldo e cobrindo as que não possuem, e assim sucessivamente, fazendo jogadas financeiras a longo prazo já fazem parte do” controle administrativo financeiro” do Estado.
    Com relação a retenção encima de retenção de nosso imposto de renda, informando valores contraditórios ano após ano, com o intuito de fazer caixa de verbas que pertencem aos direitos dos servidores públicos, como no nosso caso (auditores) em relação as restituições, devemos sim ficar atentos e formarmos linhas de frente forte para cobrar da SEFAZ e governo, em caráter emergencial, a solução desta questão.
    São muitas nossas necessidades, com isso, o pacote de demandas para mobilização está para estourar e não tomamos providencias no sentido de exigir que esse tipo de situação não mais aconteça porque hoje já estão retendo o imposto de renda, protelando as restituições, as progressões são pagas atrasadas e que até agora não foram pagos e nem sequer negociado o retroativo, adiamento da data-base, a postergação também de nossas promoções, incluindo aí direitos como as horas-extras, adicional noturno que já tem lei, mas não tem regulamentação, enfim se não tomarmos providencias vão começar a reter também nossos proventos. Por isso devemos sim mobilizar e convocar toda a categoria para juntos somarmos força para que mais este direito não seja negado e seja concedido na forma da lei.
    Finalizando, aproveito para informar a todos os filiados que a Asfeto irá tomar providencias neste sentido, logo após o feriado.
    Grande abraço,

  171. Isaque Cairo

    Caro Paulo José, nobre amigo.

    Convém lembrar que por força do art. 157 , I da CF/88 o produto do recolhimento do IRPJ de servidores e membros da administração pública estadual e do DF pertencerão exatamente a estes entes federados a título de repartição de receitas, ademais esta verba é extremamente volumosa em relação às receitas do Estado do Tocantins, principalmente..
    Todos sabemos o que acarreta a retificação da Declaração do IR, geralmente os declarantes que fazem jus a alguma restituição, via de regra vão parar no fim da fila.
    Assim as verbas por via de consequência , ficarão por mais tempo a disposição do Tesouro, além de fazer CAIXA podem ser aplicadas e ocasionarem ganhos financeiros, enquanto isso os pobres mortais ficam privados dos parcos recursos que receberão a título de retorno fiscal.
    Convém lembrar que estes erros recorrentes não aconteciam antes, mas que estão agora com uma frequência acima do normal.
    Seria efetivamente um mero erro ? Incompetência somente ? Ou mecanismo proposital de retenção de receitas ?
    Muita mágica pode ser feita nas finanças, fiquemos atentos, senão passaremos a ser condenados a constar sempre no último lote de restituições.

  172. Caros amigos Paulo Lima e Toninho,

    O que acontece é que alguns setores da SEFAZ tem como de costume não se preocupar com o que se passa com a vida dos auditores. Veja só, o nosso RH deveria preocupar com tudo isso, mas na verdade temos um departamento pessoal que precisava se envolver mais com questões assistenciais, sociais e de incentivos. O que vemos é uma área só preocupada com redução de custos. Temos colegas precisando de apoio psicológico e assistencial em diversas áreas de sua vida particular, e esses problemas tem sido evidentes porque são frequentes os casos em que nossos colegas auditores necessitam de apoio. Temos casos de colegas que sofreram agressões, sequestros, ameaças e diversas pressões psicológicas, tendo inclusive colega que não consegue mais trabalhar em postos fiscais devido a forte abalo psicológico que sofreu por motivo de ter sua vida colocada em alto risco devido a tiroteio no posto fiscal Levantado, em Taguatinga, e também o assalto em que colegas foram reféns em nosso principal e mais importante posto fiscal do Estado, Talismã. Esses problemas psicológicos afetam diretamente à saúde dos auditores, onde as condições de trabalho são muito precárias, e o que vejo é um completo abandono a esses profissionais tão importantes para o crescimento do Estado. Lembro que o Sindifiscal panfletário divulgou em janeiro de 2012, há exatos 3 anos, que a Sefaz havia comprometido com essa assistência e o que estamos assistindo é o caos cada vez maior.
    Grande abraço,

  173. Antonio da Silva

    Por conta das FALHAS, digamos assim, dos responsáveis pelas informações dos rendimentos do SECAD, recebi a restituição do IR no último lote ano passado. Foram DUAS retificações no mesmo ano. Esta falha está prejudicando muitas pessoas. Será que ninguém tomará providências a fim de corrigir ou afastar quem está causando estes problemas?

  174. COMPROVANTE DE RENDIMENTOS ANO CALENDÁRIO 2013:

    Mais uma vez como nos anos anteriores houve erros nas informações dos Comprovantes de Rendimentos referente ao ano Calendário 2013 pertencentes aos Auditores Fiscais. Como não bastasse essa trabalheira em receber os malfadados Retroativos, todas as vezes os mesmos nos causa transtornos quanto ao preenchimento das Declarações do Imposto de Renda. Vejam só o que foi informado em meu Comprovante:

    Correto: Os Rendimentos Tributáveis condiz com o somatório dos Vencimentos + Produtividade referentes aos meses DEZ/2012 ATÉ NOV/2013 (REGIME DE CAIXA).

    ERRO: Além desse somatório, eles adicionaram, também, alguns recebimentos recebidos como forma de Retroativo.

    Correto: O valor dos Rendimentos Isentos e Não Tributáveis refere-se ao total recebido como forma de Redaf durante o período de 2013.

    ERRO: Houve uma omissão no valor total, condizente ao período de 5 meses integrais (5 x R$ 2.700,00 = R$ 13.500,00), podemos cair na malha por essa omissão.

    Correto: O Valor do 13° Salário deveria ser o recebido em Contra-Cheque.

    ERRO: Todos os anos acontece a mesma coisa, eles declaram um valor diferente do que recebemos.

    Correto: O valor dos Rendimentos Recebidos Acumuladamente (sujeito a tributação exclusiva) tem que ser o Total dos Retroativos (inclusive férias e décimo terceiro salário recebidos da mesma forma (Retroativo)).

    ERRO: Foi DECLARADO um Valor Total a menor, ocasionando com isso, uma transferência de valores para Rendimentos Tributáveis. Logo o Valor de nossas Restituições será a menos (pagaremos Imposto de Renda sobre valores sujeitos a Tributação Exclusiva).

    ERRO: Houve um acréscimo nas informações referentes aos Plano de Saúde, adicionaram, também, os valores pagos para as Associações. O valor real não foi Declarado, e com isso, poderemos mais uma vez cair na malha, pois poderá haver um confronto com o declarado pela SECAD e o feito pelas Operadoras dos Planos.

    Então, fica aqui o seguinte questionamento:
    – A quem interessa para que nós (Auditores Fiscais) tenhamos problemas em nossas Declarações do Imposto de Renda? Já que o valor Retido e não Restituído, pertence a Fonte Pagadora (Estado do Tocantins) ; somos Servidores Públicos deste Estado. Os servidores que fornecem essas informações à Receita Federal deveriam ser responsabilizados por esses erros contidos em nossos Comprovantes de Rendimentos. Logo os mesmos nos causa transtornos junto à Receita Federal (podemos cair na malha-fina) e quando se faz uma correção dos Comprovantes podemos receber em atraso os nossos Direitos (Restituição do IR).
    PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA – AUDITOR FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS.

  175. claudio

    No dia 31.01.2014 foi publicado no diario oficial nossa progressão, que já é uma vergonha o percentual, e fica somente uma pergunta no ar, cadê meu retroativo da progressão de agosto de 2013 a dezembro de 2014, seria janeiro, estamos em fevereiro e já nesse sabado estaremos em março, tiveram reunião com o atual governador, e nada de tocar no assunto? Está chegando a hora de pagar(eu)receber(eles) a famigerada contribuição sindical anual e eu gostaria de pagar com o retroativo, seria possivel? Fico pensando será que os filiados se esqueceram ou não cobram a atuação nesse caso, ficou claro numa noticia no site que o retroativo seria negociado em janeiro, ou será que não é janeiro desse ano?

  176. Grande
    Severino:

    É bem verdade. É preciso contar muito. Sei que você, assim como eu, sempre fomos contra essa barbaridade de ter transformado o nosso pagamento de subsídio para vencimento. A desculpa esfarrapada nós todos sabemos qual era: para recebermos as horas extras, que sabemos, nada tem a ver com esse fato, além, de que, de qualquer maneira não conseguimos receber. Para se defender uma causa é imprescindível conhecer o assunto e você com propriedade, (não é a primeira vez que denuncia esse fato aqui) fundamenta suas posições com dados concretos. Parabens!

    Caio França.

  177. Severino costa

    severino gonçalves da costa junior
    publicado em janeiro 15, 2014 às 9:40 AM
    Juízes recebem subsídios, Promotores recebem subsídios, Procuradores recebem subsídios, Auditores da Receita Federal, Auditores dos tribunais de contas da união recebem subsídios, Auditores dos Tribunais de Contas do estados recebem subsídios. Boa parte dos auditores estaduais já recebem subsídios. Delegados que ainda não recebem lutam pra receber subsídios. A justiça em vários níveis já decidiu que “verbas de caráter temporário em virtude de acréscimo de responsabilidade, tais como as gratificações pelo exercício de cargos de chefia, direção e assessoramento ou designação para locais de difícil acesso e vantagens de caráter indenizatório ou compensatório como remuneração de plantões em sobreaviso, hora-extra etc também são devidas e devem ser pagas aos que recebem subsídios”. Então será que essa “turma” que recebe “subsídios” são tão burros e não sabem quais as vantagens e desvantagens do sistema subsídios? Ou será que eles deveriam obter umas aulas aqui no Tocantins pra entenderem as vantagens de receber vencimentos e “gratificações”. Tenha paciência! 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8…..10000001, 10000002, 10000003….

  178. claudio

    Dia 08/05, a partir das 08h
    O I Simpósio sobre Postos Fiscais abordará a “Importância dos Postos Fiscais na era da Nota Fiscal Eletrônica”. Esse tema se faz necessário, pois ao mesmo tempo em que alguns Estados fecham seus Postos Fiscais: Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio Grande do Norte, outros os reabrem a exemplo do Rio de Janeiro e agora recentemente no Estado de São Paulo. E ainda alguns fazem fortes investimentos nessa modalidade de fiscalização: Ceará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

    SINDIFISCO/SE: II Seminário sobre a LOAT e I Simpósio sobre Postos Fiscais
    Realizado em Maio de 2013

  179. claudio murilo

    Alguém sabe me dizer aonde foi parar o retroativo da progressão, dizia-se negociar em janeiro, e pelo que consta no meu calendário já estamos em fevereiro, subsidio aprovado seria no retorno dos deputados, já retornaram, cadê meus direitos, ou será que só temos deveres(pagar a contribuição sindical anual no valor aproximado de uns 600 reais) quero negociar para que recebam no meu retroativo, assim eles correm atrás ao invés de engatinhar como estão fazendo.

  180. Colega
    Ademir:

    Interessante que dentre as pretensões de alguns “gênios” ou “especialistas” em arrecadação está a genial ideia de se fazer escalas em Palmas, extinguir os Comandos Volantes, tornar os delegados regionais em delegados estaduais, (para transferi-los sem aviso), extinguir regionais deixando somente 3 ou 4 unidades, entre outros.
    Mas o que chama mesmo atenção é que inexiste qualquer proposta de melhoria, seja para nós afres III, seja para nossas condições de trabalho. Incrível! Oito anos de inatividade da entidade representativa quase acabou conosco. O que nos vem, inevitavelmente, a mente, é que estas proposta visam acabar com a nossa categoria.

    Extinguindo-se os postos e comandos quem iria emitir notas fiscais? Quem emitisse por motivo de sua segurança, depois da mercadoria entregue, simplesmente, cancelaria a nota. E aí, o auditor iria auditar o que? Somente conta bancária? Como tem orientado o CAT, na Justiça não se aceita presunção de sonegação! Qual argumento para rebater essa argumentação?
    Os bens e mercadorias que compramos quase sempre procedem dos Estados do Sul. Quando vendemos, também, o destino, quase sempre são os mesmos Estados do Sul. Será por que não temos uma programação exclusiva para essa situação? Os “gênios” não percebem isso?
    O que se precisa dizer, tantas vezes quanto necessário for, que somos(Afres III) somos tão necessário e imprescindíveis, quanto os auditores que procedem auditoria. Se não dermos valor a nossa atividade quem vai dar? Vejam: computador não fica acordado a noite, muito menos sobe em caminhão para averiguar mercadorias, não vigia diuturnamente nossas fronteiras em plantões intermináveis.
    Ao invés de nos valorizarmos, o que vemos é uma quantidade muito grande de colegas querendo ser auditores, levar processos para casa e se desonerar das dificultosas escalas.
    Então diga-se: se todos almejam mudar de vida, o serviço em postos e comando, não é muito mais penoso?
    E quem foi que disse que fiscal tem que ganhar menos que auditor, se ganhar mais seja o objetivo? Vamos criar (e receber) além do adicional noturno, insalubridade, periculosidade, diárias e tudo o mais que possamos ter direito, talvez possamos ganhar igual ou mais que nossos colegas IV.
    o Sindare é muito competente na defesa de seus representados, por qual motivos não somos, em relação aos nossos direitos?
    Estamos envelhecendo e morrendo na frente da batalha e ninguém dá um pio sequer.
    Gostaria muito que que formássemos um poderoso bloco e tomássemos conta de nosso destino, que foi largado mercê de sazonalidades políticas e interesses obscuros.
    Abs.

  181. Caro colega Ademir,

    É com muita satisfação que recebemos sua opinião em nosso site. Seja benvindo amigo!! Sua participação é muito importante para nós e toda a categoria.
    Precisamos unir forças no sentido de mostrar para SEFAZ e àqueles que querem desvalorizar o trabalho desenvolvido nos postos fiscais, e, em especial, nos comandos volantes, unidades extremamente necessárias ao combate à sonegação. Veja o exemplo do Estado do Rio de Janeiro, fechou postos fiscais e a sonegação aumentou e a receita caiu, nisso foram obrigados a reabri-los e aumentaram a arrecadação em 50 milhôes de reais.
    Essas apreensões são muito mais que um recado para todos.Comando volante trabalhando em horário comercial? Isso é uma PIADA!!
    Nosso Estado tem sua economia voltada para pecuária e além disso é consumidor importando de outros Estados praticamente tudo.
    Vamos fazer uma corrente e exigir que invistam mais e equipem melhor nossas unidades, vamos ser contra fechamento de postos fiscais e comandos volantes. Nosso lema será: DIGA NÃO À PRECARIZAÇÃO DAS UNIDADES FIXAS E MÓVEIS DE FISCALIZAÇÃO!!
    Agradeço penhoradamente sua participação!! Conte conosco nessa luta!!
    Grande abraço.

  182. ADEMIR OLIVEIRA SANTOS

    Em primeiro lugar parabéns aos colegas de Alvorada; esta é a resposta para aqueles que querem abrir as fronteiras para a sonegação, mesmo sabendo que a SEFAZ não está preparada para este fim. Estão querendo comparar o Tocantins com outros estados desenvolvidos. Obrigado colega Noleto por esta oportunidade.

  183. Caro amigo Nilson Jaime,

    É um prazer vê-lo por aqui, compareça sempre! Sua participação nos enriquece e deixa bastante orgulhosos.
    Não vou citar sua experiência profissional porque não caberá aqui e para isso teria que fazer uma matéria de capa para discriminá-la em toda extensão.
    Também concordo com você sobre o o momento delicado em que a expectativa é muito grande em torno da aprovação do subsidio.
    Grande abraço.

  184. Isaque Cairo

    Caro Cláudio
    Ditadura somente pode existir quando o POVO está alijado da possibilidade de escolher seus governantes, ainda assim ressalvando-se as Monarquias.
    Pior que a permanência de um partido político no poder ( devidamente apoiado pela maioria absoluta do povo brasileiro ) é a permanência de grupos políticos que representam os interesses feudais que até pouquíssimo tempo se revezavam nos des-governos da nação sempre mantendo o status quo.
    O que importa são os ventos da mudança, ainda que não sejam na velocidade da utopia.

  185. claudio

    A PERMANÊNCIA de um PARTIDO POLÍTICO no PODER propicia o
    estabelecimento de uma DITADURA. A ALTERNÂNCIA de PARTIDOS
    no PODER FORTALECE e CONSOLIDA a DEMOCRACIA
    e preserva a LIBERDADE da POPULAÇÃO.

    Recebi isso hoje pelo email, me fez lembrar que tem entidade em nosso meio que existe essa falta de alternância há varios anos.

  186. claudio murilo

    Infelizmente sabemos que tudo que envolve dinheiro não depende somente do secretario Marcelo Olimpio, ele pode ter boa vontade, porém o governador que assina tudo não concede nossos direitos, pressão nele.

  187. claudio murilo

    Vejamos como são as coisas:
    PROGRESSÃO – direito expresso em lei (agosto de 2013 faríamos jus)
    PROGRESSÃO(expresso no site da entidade-mor) – conquista
    ADICIONAL-NOTURNO – direito expresso em lei
    ADICIONAL-NOTURNO(entidade-mor) – não existente, não lembrada, não cobrada(só via oficio), não falada em assembleia.
    RETROATIVO DA PROGRESSÃO – direito expresso em lei
    RETROATIVO DA PROGRESSÃO(entidade-mor) – nem cogitado ainda
    CONQUISTA – algo que você não tinha e passou a ter(popularmente dizendo, nada de dicionário)
    CONQUISTA(entidade-mor) – todos nossos direitos recebidos fora do prazo legal

    Ficou bem claro no diário oficial, varias secretarias terão a progressão, não é somente o fisco, então nada de pressão funcionar, e tem mais a partir de maio nada mais poderá ser aprovado pra valer esse ano, alias a data-base está chegando, com certeza será fora do prazo legal.

  188. PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA

    Cozinhando o Galo!
    Analisando alguns ditados populares , percebi que muitos fazem parte de nossas vidas passadas , atuais e até futuras, vejam alguns exemplos:
    O que significa a expressão “Cozinhando o Galo”?
    A carne de Galo é difícil de cozinhar, levando um tempo maior para atingir o ponto ideal. Quando estamos enrolando em uma determinada situação, seja ela no trabalho para entregar uma tarefa, uma pendência a ser resolvida na vida pessoal usamos o termo “estou cozinhando o Galo”. Cozinhando o Galo – Enrolando
    “- Cozinhar o galo: Significa passar o tempo no
    trabalho enrolando, isto é, parar de trabalhar, mas fazer
    de conta, que está trabalhando.”
    Podemos dizer que estamos ganhando com essa progressão neste momento, mas, não esqueçamos que o malfadado Retroativo acabou no salário de dezembro próximo. Em suma: passaremos a receber menos em fevereiro de qualquer forma possível.
    “- Conversa mole pra boi dormir: É uma forma de
    criticar a conversa de alguém que esta enrolando o
    tempo com um assunto ou tema desinteressante, ou
    como diz outra frase: “Jogando conversa fora”.”
    As criticas da Asfeto podem ser sem razão para alguns do Fisco, contudo, todos os fatos ditos tem o intuito de se mostrar como alguns membros se tornaram eternos na Administração do Sindifiscal. Não venham nos dizer que é por interesse plenamente coletivo, tem algo escondido por debaixo desse Pirão.
    Acho que muitos estão a:
    “- Comprar gato por lebre: Também pode ser
    “Vender gato por lebre”, Esta frase expressa a
    esperteza de muitos comerciantes desonestos, que
    sempre estão querendo tirar vantagens.”

    Isto mesmo , muitos:
    “- Caiu como patinho: Quando alguém foi enganado
    por algum malandro ou espertinho, usa-se esta
    expressão.”

    Podem nos dizer:

    “- Cada macaco no seu galho: É muito interessante
    esta frase, pois define que ninguém deve se intrometer
    na vida do outro, ou nos afazeres dos outros. Numa
    sociedade cada um deve desempenhar o seu papel ou a
    sua função.”

    E quem realmente faz o seu papel?

    Acho que na última eleição , eles mandaram a oposição:

    “- Caçar sapo: É uma expressão muito usada por
    pessoas simples do interior, quando quer ficar livre de
    alguém que está importunando, manda esta pessoa,
    “caçar sapo”.”

    E qual o motivo deles de sentirem importunados, porque razão não quiseram disputar uma eleição limpa?

    Então, no caso da mudança das escalas muitos dos filiados à Asfeto ou não, tiveram a seguinte reação:

    “- Cobra que não anda não engole sapo: Explica-se
    que para conseguir os seus objetivos, as pessoas devem
    procurar, ter iniciativa, ir a luta.”

    Entretanto o Presidente do Sindicato foi:

    “- Cobra criada: Esta referência é dada a pessoa muito
    experiente e esperta, principalmente aquela acostumada
    no meio da malandragem.”

    Puxou para si o ônus da vitória, e como sempre, agora mais uma vez na questão do anuncio feito pela Secad quanto a Progressão:
    “Nas coisas boas Ele é o Superman, nas ruins somos todos Chapeuzinhos-Vermelhos, a procura de uma Caçador para nos defender do Lobo-Mau.

    Acredito mesmo que a anterior Diretoria do Sindicato juntamente com o atual Presidente é igual ao:

    “- Cão que ladra não morde: É a mesma comparação
    que se faz daquelas pessoas que falam muito e fazem
    barulho, mas na prática realiza muito pouco ou quase
    nada, é o mesmo que prometer e não cumprir.”

    Vejam só em alguns exemplos nas promessas feitas nas eleições do pleito passado. Procuremos saber o que realmente foi efetivado nessas promessas.

    Devemos agora de uma vez por todas acabar no Fisco Tocantinense com esse:

    “- Balaio de gatos: É uma maneira de comentar, o
    comportamento de um agrupamento de pessoas em atrito
    ou em conflito, quando fatalmente irá acabar em brigas.”

    Principalmente no que diz respeito ao Subsídio, como disse antes, isto é uma questão Ímpar. É bom para todos nós do Fisco.

    Então não fiquemos como a:

    “- Barata tonta não atravessa galinheiro: Significa
    que alguém que não tem experiência, preparo ou
    condições, não deve enfrentar ou competir com pessoas
    que estão com muito mais preparo.”

    Porque:

    “- À noite todos os gatos são pardos: Numa multidão
    não há como distinguir quem é quem. Até mesmo num
    ambiente, onde um inocente poderá pagar por aquilo que
    não fez, pois estava num lugar errado e na hora errada
    com um grupo errado.”

    Isto porque a pouco meses é chegado:

    “- A hora da onça beber água: É uma frase que
    expressa ou anuncia a chegada de um fato ou
    acontecimento muito importante ou decisivo, uma espécie
    de confronto entre duas agremiações ou uma disputa política.”
    Logo todos sabemos que:

    “- Casa que não tem pão, todos gritam e ninguém
    tem razão: Com certeza é uma referência, a uma família
    ou grupo de pessoas que não gostam de ir a luta, de
    trabalhar ou ter iniciativa para melhorar a vida.”

    Pois depois:

    “- Não adianta chorar o leite derramado: Diz se do
    prejuízo que alguém teve e que não se pode ou não tem
    como se recuperar.”

    Como também é certo que:

    “- Deus ajuda quem cedo madruga: Este é bem
    óbvio, uma das interpretações, refere as pessoas que
    trabalham, lutam desde cedo para realizar suas
    atividades e atingir seus objetivos. Significa também que
    uma pessoa para ter sucesso precisa sempre ir atrás,
    não perder tempo.”

    Avante Fisco Tocantinense!!!!!!!

    Paulo José Lima da Silva – Auditor Fiscal.

  189. Robispierre Xavier

    “Teatro da mudança de escala”:

    – Diretor e assessores: vamos mudar essa escala de 7,5 dias, pois esse povo é muito folgado. Passam 22 dias de folga? Todo mês uma férias! Está errado isso. Vamos confeccionar a portaria e mandar bala.

    Depois de divulgar a ideia ao Pinóquio e Cia, e para o secretário e superintendência, elaborou-se um estratagema para confundir a opinião da categoria: “o jogo da batata quente”, que passa de colo em colo. Só que não imaginaram que seria questionados. Ocorreu nas cabecinhas de vento deles (por pura soberba), que ninguém iria se manifestar ou protestar.
    Após todos enxergarem a tramoia e a batata esfriar, mudaram a tática: vamos formar uma comissão para avaliar as nuances técnicas e as de “interesse da administração”. A comissão vai ter que absorver as pancadas que vem de fora, se virem.

    Em meio a esse ardil, lá por trás das cortinas, corre por fora o Pinóquio, dando uma de “joãozinho-sem-braço”, o que acaba colocando a sua cara de madeira à mostra no exato momento em que a situação chega ao gargalo, para aparecer na foto e levantar a taça. Desse momento em diante, passa a integrar publicamente a reunião (juntamente com a comissão) para discutir a mudança da escala.
    Se a comissão votou 100% na manutenção da atual escala, o que fazer agora, se torciam e esperavam o contrário?

    – Diretoria e Cia, etc: temos que arrumar uma outra maneira de fazer valer essa portaria. (e o joãozinho-sem-braço continuava no bastidor, esperando o sinal para subir ao palco e levantar a taça, caso necessário).

    Quando surge a figura da Asfeto no contexto, com a visita do caio França ao secretário, todos levantam a orelha qual hienas ao farejarem uma carniça.

    – Os homens do mal: esperem… o que a Asfeto quer nesse meio? E o secretário já deu garantias à Asfeto de que a portaria será revogada???? Não podemos admitir isso. Fora Asfeto!

    Para saberem o final de todos os atos desse teatrinho, visitem a página do Sindifiscal e vejam com os próprios olhos, quem levanta a taça.
    Não sei se a palavra “nojo” define muito bem o que sinto. Vou pesquisar no dicionário o termo adequado e depois volto a comentar isso.

    E amanhã tem mais. Tem Assembleia Geral. Piada Pra Boi Dormir Parte 2.

  190. Disse muito bem Paulo José.
    Você entende das coisas. ” O teatro da mudança de escala”. Infelizmente, é só isso que faz esse simulacro de sindicato: teatro. Nós estamos com essa resposta desde ontem as 11h e não publicamos. Não estamos preocupados em sair na frente com notícias por um simples motivo: não precisamos e não tencionamos aparecer graciosamente, não temos candidato algum para promover. Assim, falamos o que sentimos e o que nos motiva.
    O braço do sindicato dentro da Sefaz criou essa crise artificial para desviar a atenção de nossas reivindicações urgentes. Alguém metido a técnico: boçal, venal, pernóstico, gabola, fanfarrão e pretensioso. E quem achará ruim essa palavras é ele mesmo, por antipático e arrogante. Que ele proteste, assim ficará mais fácil darmos o nome dele aqui. Diremos: É de você mesmo quem falamos! É muito fácil lidar com covardes, pois só agem na sombra da noite! .
    Alguns dentre nós já denunciaram essa tática sinistra: arrumam uma crise artificial para desviar atenção sempre que conseguimos nos direcionar. A burrice nós podemos perdoar, mas a malevolência, não. Não demorará muito, serão desmascarados. Que esses serviçais sem conteúdo algum se cuidem, não vamos sempre nos submeter a esse jogo asqueroso.
    Publicaremos material com provas em documentos sobre esse assunto em breve.
    Abs,

    Caio França.

  191. Agora que acabou o teatro da mudança de escala de serviço, passemos então a nos preocupar com a revogação da forma de pagamento de nosso salário.
    SUBSÍDIO é a palavra ímpar que interessa a todos nós do Fisco Tocantinense.
    A todos que pensam em se aposentar.
    A todos que ficarão na Ativa por bastante tempo.
    A todos sem distinção de Classe, Cor , Filiação e/ou Estado Civil.
    Cheguemos a um DENOMINADOR COMUM o mais breve possível, senão muitos ficarão a sofrer em seus Postos de Trabalho, sem ter ao menos a capacidade de se Aposentarem. Porque nos dias de hoje não vale a pena a Inatividade no Fisco Tocantinense. Não temos segurança jurídica nos termos legais atuais.
    Corramos!!!!!!!!!!!
    Vamos fazer um 2014 diferente dos anos anteriores.
    E não vamos esquecer que é Ano Eleitoral. Maio está próximo, já se passou a metade de janeiro.

  192. Provavelmente,
    É que precisavam verificar o projeto antes da votação, pois se não, os “monstros”, cruéis e desalmados Afres, IV poderiam dar um golpe descaracterizando a Carreira Única! Eles como verdadeiros heróis, paladinos, vigilantes e atentos “defensores” da categoria, que trabalham “dia-e-noite”, não poderiam permitir isso.
    O que penso, é que querem mudar uma vírgula de lugar (ou lutar para que não seja aprovada a lei) e depois tirar fotos arreganhando os dentes, colocando esse feito de outras pessoas, com se fora seus, em sua extensas lista de “conquistas para a categoria” como tem sido ação corriqueira deles.
    Aproveito aqui o espaço para parabenizar nosso associado de honra, o valoroso João Abadio, pelo denodo e boa vontade que se entregou pela aprovação desse projeto.

    Parabéns João! Tivéssemos mais pessoas com o seu quilate em nossa categoria nossa situação seria outra hoje!

    Abs,

    Caio França. ,

  193. Robispierre Xavier

    Uma perguntinha que não quer calar: qual será a versão que Sr. Carlos Campos e Cia darão em assembleia, acerca do famigerado episódio ocorrido na Assembleia Legislativa. Minha vontade era estar lá para ver o teatrinho de sempre.
    Atenção colegas!!!

  194. severino gonçalves da costa junior

    Juízes recebem subsídios, Promotores recebem subsídios, Procuradores recebem subsídios, Auditores da Receita Federal, Auditores dos tribunais de contas da união recebem subsídios, Auditores dos Tribunais de Contas do estados recebem subsídios. Boa parte dos auditores estaduais já recebem subsídios. Delegados que ainda não recebem lutam pra receber subsídios. A justiça em vários níveis já decidiu que “verbas de caráter temporário em virtude de acréscimo de responsabilidade, tais como as gratificações pelo exercício de cargos de chefia, direção e assessoramento ou designação para locais de difícil acesso e vantagens de caráter indenizatório ou compensatório como remuneração de plantões em sobreaviso, hora-extra etc também são devidas e devem ser pagas aos que recebem subsídios”. Então será que essa “turma” que recebe “subsídios” são tão burros e não sabem quais as vantagens e desvantagens do sistema subsídios? Ou será que eles deveriam obter umas aulas aqui no Tocantins pra entenderem as vantagens de receber vencimentos e “gratificações”. Tenha paciência! 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8…..10000001, 10000002, 10000003….

  195. claudio murilo

    O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sisepe), Cleiton Pinheiro, afirmou ao T1 Notícias na manhã desta sexta-feira, 10, que acionará o Tribunal de Justiça (TJ) para que o mandado de segurança que tramita no judiciário seja executado em decorrência do não pagamento – por parte do Governo do Estado – da parcela do retroativo dos 25% aos servidores estaduais. “Vamos fazer o possível para fazer isso ainda hoje, ou no máximo até segunda (13)”, declarou.

    De acordo com Pinheiro, que oficializou na última segunda-feira, 6, o Executivo sobre uma resposta sobre o pagamento que não foi feito, não houve nenhum posicionamento do Governo até então. “Nós vamos agora trabalhar junto ao mandado de segurança, porque houve uma quebra de acordo e descumprimento da Lei. Ele (o acordo) estabeleceu prazo até novembro de 2013 para o pagamento da última parcela e o Executivo já extrapolou esse limite”, afirmou.

    O presidente informou ainda que 116 servidores já reclamaram junto ao sindicato sobre a questão do não pagamento do retroativo de 25%. “Considerando que nós temos um grande numero de servidores que ficaram sem receber e ainda não questionaram este número pode ser ainda maior”, completou.

    Pinheiro destacou que o Sisepe entrou com a ação pedindo o mandado de segurança em 2008 e que no ano de 2009 um acordo foi feito com o governo para que até novembro de 2013 todos os valores dos retroativos fossem pagos aos servidores. “Esta é a última parcela a ser liberada”, ressaltou o presidente.

    Noticia veiculada no site robertatum, enquanto isso na batcaverna, nada de acionar o adicional-noturno, nada de decreto da progressão, se não for publicado o decreto mudando os auditores de letra não tem como pagar em janeiro, nada de hora-extra, nada de nada. “Avanço” só se comprar aquele desodorante mesmo.

  196. Antonio Fernandes Gomes

    Na primeira reunião para debater as alterações das escalas de serviço dos Auditores Fiscais do Estado do Tocantins, conforme a Portaria 1166, a comissão composta por quatro Delegados Regionais, Superintendente de Gestão Tributária, Diretor de Fiscalização e o Presidente do Sindifiscal, foram apresentadas ás justificativas dos representantes da SEFAZ para as padronizações e logicamente foram ouvidas as argumentações dos Gestores Regionais no sentido de manterem as normas atuais, eu particularmente apoio na íntegra a defesa dos colegas da Regional de Taguatinga feita pelo Presidente da ASFETO, nosso companheiro Caio França em Oficio feito direto ao Secretário da Fazenda, não só porque já trabalhei naquela Regional e tenho muitos amigos (a) por lá, mas também por conhecer as dificuldades de acesso a muitos Postos Fiscais que não tem sequer linha de ônibus, falta de estruturas em todos os aspectos, e sei também do comprometimento dos colegas com suas responsabilidades funcionais. Portanto a manutenção das Escala atuais as duas partes sairiam ganhando.

  197. claudio murilo

    Colocaram o cargo a disposição o Marcelo Olimpio e o Mascarenhas, e agora como ficará a progressão, tem que editar um decreto mudando todos de letra, ainda não vi esse decreto, será que mais uma vez seremos ludibriados pela entidade-mor que em nenhum momento esperava isso, pois deveriam ter cobrado o decreto, já era notório a reforma administrativa, só eles não sabiam .

  198. Muito bem colega Genival.
    Com sua argúcia e perspicácia mostrou que está antenado. Certamente, com sua inteligência, pode perceber, durante todo o ano que se passou as matérias que sempre defendemos. É difícil qualquer artigo nosso que não tenha citado a ADI e suas repercussões para nossa categoria.
    Poderíamos, sim, mais uma vez, ter feito profissão de fé, mas cá entre nós, precisaria repetir tudo o que sempre dissemos, no final do ano? Por inteligente que é, deve ter percebido que já algum tempo estamos em trabalho com o Sindare nesse sentido e, precisamente (ou também) por isso, deverá ser o motivo da declaração tão otimista daquela entidade quanto ao nosso futuro.

    O que acontece (e você deve perfeitamente saber disso) que nenhuma entidade fará nada sozinha referente a ADI, por isso batemos tanto pela unidade objetivada. Pelo recente episódio da mudança da nomenclatura de nosso recebimento creio que já esta informado da traição que fomos vítimas. É só falar o que pretendemos e a gangue do mal (e seus lacaios subservientes) corre na frente para prejudicar; Preferimos agir a falar.
    Pessoas com seu nível de esclarecimento, não faria mal algum, em telefonar, se a intenção era realmente, se informar. .
    Seja bem vindo a arena.
    Abs,
    Caio França

  199. Robispierre Xavier

    Genival, é público e sabido por todos que acompanham o desenrolar dos fatos, que o Sindifiscal está em estado de letargia profunda há uns oito anos. Poderíamos, de outro forma, chamar isso de “trairagem” para com a categoria, visto a missão que a entidade deve à sua classe.
    Se você “passar um pente fino” no histórico de lutas do Sindare, eles conseguem tudo que pleiteiam; suas ações judiciais andam e rendem frutos para eles; a assessoria jurídica do Sindare merece muito respeito, é fato! Desta forma, andando por essa linha, eu creio que teremos êxito na empreitada e a Asfeto está totalmente imbuída nesse propósito.
    Como o Wanderley falou: venha fazer parte desse momento como a todos que acreditam nessa ideia. Venha somar, opinar, ajudar a decidir, tomar decisões acertadas para o nosso futuro.
    Olhe bem a nossa situação em Taguatinga, meu caro. Olha como estamos trabalhando nessa regional. Perdemos a vaidade? Perdemos o amor próprio? Temos que abandonar essa cegueira e essa inércia e agir!!!
    Sobre a convergência de ideias e ações, é o que estamos querendo há muito tempo, mas o Sindifiscal semeia a discórdia. Para eles é muito mais interessante o racha em nosso meio, pois assim fica mais fácil perpetuar dentro da entidade.
    Por tudo isso, eu aposto as minhas fichas no Sindare e mais ainda na Asfeto. Só quem está perto pode falar o que estou expondo aqui.
    Venha conosco!

  200. Caro colega Genival,

    Que bom vê-lo por aqui pela primeira vez depois de 2 anos de criada a Asfeto.!!! Seja bem-vindo!!!
    A nossa associação tem feito um trabalho cotidiano nesse sentido SIM! É só dar uma navegada pelo site. Estamos organizando nossa pauta para 2014 e apresentaremos para SEFAZ e governo, que oportunamente solicito sua contribuição para a formatação da mesma (venha fazer parte dessa luta). Fazer um trabalho como esse não é como estalar os dedos como num toque de mágica, não existe receita pronta. Temos lutado bastante para a consolidação da conscientização de todos os auditores para que a categoria MOBILIZE e exija nossos direitos e reivindicações, com um sindicato atuante e que não trabalhe apenas de 4 em 4 anos. O Sindifiscal foi criado em 1995 ( ou seja 19 anos), Sindare (irá completar 20 anos), olhando por esse prisma a Asfeto tem feito muito e vem contribuindo de forma bastante efetiva com muita determinação e trabalho para o crescimento e amadurecimento da categoria, princípios esses que nortearão nosso futuro.
    Conquistamos a simpatia, o respeito e a credibilidade em nível Estado pelo trabalho que nossa entidade vem desenvolvendo. Conseguimos consolidá-la em uma associação combativa que não aceita a inercia e nem o imobilismo, que com coragem, força e deliberadamente muito trabalho tem sido reconhecida pelos colegas de todo o Estado, imprensa, Secretarias da Fazenda, Administração, governo, assembleia legislativa e demais segmentos da sociedade, tudo isso nos fornece mais incentivo e entusiasmo para continuar a luta, que na verdade só está começando.
    Sabemos que falta muito ainda a fazer, mas temos a humildade de dizer que foram apenas os primeiros degraus de uma longa escada.
    É desnecessário dizer que recebemos muitos e-mails de colegas filiados, não filiados, administrativos da Sefaz e de outras Secretarias parabenizando nosso trabalho, sem levar em consideração um numero imensurável de contatos telefônicos. Muitos desses contatos são de colegas e pessoas que pedem para não serem identificadas.
    Só para ilustrar tivemos, segundo o relatório do google, a satisfação de ultrapassar a casa dos 73.000 mil acessos em nosso site, e o que também nos deixou muito orgulhoso foi ouvir de diversas importantes pessoas como o Secretário da Fazenda, Marcelo Olympio, dizer que acessa nosso site todos os dias.
    Portanto, amigo Genival, reforço nossos agradecimentos pelo seu contato e esperamos que você venha nos ajudar a construir a categoria de nossos sonhos: “UNIDA E COMBATIVA”.
    Grande abraço,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *