OPINE AQUI

É livre o direito de Opinião, que não exprime necessariamente o ponto de vista da Asfeto,
sendo o emitente responsável pelo seu inteiro teor e conteúdo.
Antes de enviar veja as opiniões que já foram publicadas.

Role a página até o final e opine a vontade.
Participe! Sua opinião é importante para toda a categoria.

Clique aqui para ir direto ao formulário de envio de opinião

986 Opiniões

  1. Genival Alves Porto

    “Ações e lutas já avançadas e que o SINDARE tem convicção que alcançará no próximo ano de 2014:

    1) Solidificação da carreira fiscal, com ou sem julgamento da ADI 4214, sem prejuízo para qualquer Auditor Fiscaa, classe III ou classe IV. O SINDARE tem projetos que põem fim a toda essa tensão a que a categoria fiscal foi exposta desde o ajuizamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade.”

    Caros colegas são expressões do SINDARE !!!!
    Da ASFETO nada nesse sentido.

  2. Caio França de Oliveira

    A TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

    Vivemos em um mundo paranóico.
    A insegurança (em todas as áreas) fez criar um tipo especial de pessoa: aquela que vê maquinações perversas nas mais simples coisas do cotidiano – suspeita-se do vizinho, do colega, do amigo, e também as conspirações coletivas: “o governo está escondendo evidências sobre os discos-voadores da população”, “eles desenvolvem o vírus da gripe pois já tem o remédio no estoque”e por aí vai.
    É claro que para a teoria ser evidenciada como tal, há que ter algo que a possibilite espalhar. No nosso caso tupiniquim, existe a teoria (instrumentalizadora) de que os Auditores IV querem prejudicar nossa categoria. Não é uma teoria inocente, e sim objetivada (e eivada) na má-fé, de quem quer fazer carreira, falando mal de outros. Infelizmente, alguns inocente-úteis, a recitam sem saber do que falam.
    E por que não dão nome aos bois e fatos? Simplesmente por que são covardes e só agem na sombra e na escuridão da noite. Por que não dizem: o auditor IV, fulano de tal, fez isso aquilo? É assim que se faz. O dia que for citado um auditor IV (se for o caso) aqui, daremos até a data de nascimento dele se for necessário. É irracional e contraproducente, estigmatizar ou demonizar uma categoria toda, por ações de alguns de seus membros, também, se for o caso.
    Pois bem
    Quisera eu ter a segurança jurídica que o Sr. Cordeiro parece querer demonstrar ter, em uma época em que renomados e notáveis jurisconsultos, não acordam opinião, e nem mesmo, os Ministros do Supremo Tribunal Federal, a conseguem, em matéria controversa constitucional.
    No entanto parece desconhecer que alguns colegas nossos tentaram se aposentar e não conseguiram e por isso estão trabalhando doentes. É bem mais fácil saber disso do que como irá julgar o STF. Não é veraz? ? Então não faz sentido dizer que “não há qualquer obstáculo quanto a isso”, por que há sim, e isso já foi denunciado aqui por diversas vezes.
    Também soa estranho quando diz que as mudanças sejam analisadas pelo Sindifiscal? Seria!!? Na próxima festa de final de ano? Tenha pena de nossos sofridos colegas que todo o dia abrem sites em busca de novidades (qualquer notícia boa) na nossa categoria!
    Quando diz em “possível” em usurpação de função para derrubar a carreira única demonstra explicitamente que não sabe que na mesma proposta de mudança salarial para subsidio tinha a incorporação da produtividade. Então não tem informações básicas sobre o assunto? Como opinar assim?
    Na verdade o que se queria era a “autorização” do Sindifiscal para se aprovar a lei dando tempo para que tirassem fotos, colocasse a matéria nos jornais como trabalho seus, e saíssem todos sorridentes em ano eleitoral, apropriando-se do trabalho de outros como rotineiramente fazem. Alem de não trabalharem, é claro.
    Tem uma conspiração para derrubar a carreira única? Eis a teoria. Mas de quem, onde, como? Ou é “disse-se”, “ouviu-se”, “ouvi dizer”, “parece-se”, “pode ser”? Sujeitos ocultos ou indeterminados?
    No debate às claras, frente a frente, tudo poderia ser esclarecido. Se estivermos errados daremos mãos à palmatória, parafraseando Juscelino Kubistchek, não temos compromisso com o erro!
    Parece-nos (muito com) opinião encomendada e elaborada por outros. Já conhecemos bem essa tática de contra-inteligência. A disseminação de uma idéia fortuita para todos se ocuparem em discussões e debates, enquanto isso, tudo continua na mesma! Essa mesma tática perdura por quase dez anos!
    “Surpresa entrelinhas” significa má-fé, correto? Então supõe existir má-fé em uma lei que vai regulamentar toda a categoria e ninguém vai perceber, somente os extraordinários guardiões fiéis da categoria que trabalham “dia-e-noite” podem perceber?
    Grande! Muito sutil a insinuação. Somos todos burros, somente os iluminados do sindicato paralítico sabem das coisas. E a Asfeto? Também participaria dessa “entrelinhas”? Damos essa insinuação por audaciosa, se é que quis dizer isso.
    Papel do sindicato? Qual papel será a que refere, se não fez os outros quais, institucionalmente, seria obrigado?
    Sinto muito, sem querer ofender, suspeitamos que assumiu uma defesa (elaborado texto, pretensamente de boa-fé) que nem o próprio sindicato conseguiria veicular, pois não é muito fácil defender traição. Posicionamento heróico, o dele, reconhecemos, mas inútil. Que coloque toda essa coragem que tem a serviço da verdade e de nossa categoria, pois dia a mais, ou a menos, haveremos ver novo dia nascer.
    Na verdade matérias como essa não contribui. Tem fundo maldoso e capcioso e quer semear dúvidas e discórdias em nosso meio. Nada, além disso. Tragam-se fatos, nomes e situações que publicaremos aqui. A generalização não é inteligente.
    A palavra correta é “ação”. Não estamos dispostos a discutir o sexo dos anjos. Então pergunta-se: o que o sindicato fez para (ao menos)tentar levantar uma proposta de lei para discutirmos? Creio que todos sabem o que o sindicato tem feito. Ou melhor, não tem feito.
    E ainda aparecem pessoas tentando defender uma situação como essa. A questão é uma só: A diretoria do Sindifiscal nada faz, atrapalha quem tenta fazer, mesmo que tenha de trair a categoria, tentando puxar méritos para si, com o objetivo único de tentar promover colega na campanha político-partidária. Desvio de contexto na função. Nada mais. É uma pena.
    Dura veritas, sed veritas!
    (A verdade é dura, mas é a verdade!)

  3. Cordeiro Melo

    ADI 4214
    Prezados colegas,
    A maioria das pessoas não compreende a diferença da ADI 4214 para as demais que o STF já julgou com o mesmo tema: unificação de carreiras envolvendo cargos distintos.
    A diferença principal é esta: enquanto nas demais se exigia a nulidade da lei em virtude de conter artigos inconstitucionais, a presente exige somente a nulidade de artigo específico considerando constitucional todo o resto:
    Cuida-se de ação direta de inconstitucionalidade, com pedido de medida cautelar, proposta pelo Procurador-Geral da República, tendo por objeto a expressão “Agente de Fiscalização e Arrecadação – AFA”, constante do art. 37 da Lei nº 1.609, de 23 de setembro de 2005, do Estado do Tocantins, assim como o art. 38, I, desse diploma legislativo, que dispõe sobre “o Plano de Carreira, Cargo e Subsídios – PCCS do Auditor Fiscal da Receita Estadual – AFRE, da Secretaria da Fazenda do Estado do Tocantins”, verbis:
    “LEI N° 1.609, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005. Dispõe sobre o Plano de Carreira, Cargo e Subsídios – PCCS do Auditor Fiscal da Receita Estadual – AFRE, da Secretaria da Fazenda do Estado do Tocantins, e adota outras providências. (…) CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art. 37 – São extintos os cargos de Agente de Fiscalização e Arrecadação – AFA e o de Auditor de Rendas – ARE. Art. 38 – Os ocupantes dos cargos extintos na conformidade do artigo anterior, ainda que não efetivos ou estabilizados, são aproveitados na nova estrutura definida nesta Lei, e reenquadrados nas seguintes Classes e Padrão: I – Agente de Fiscalização e Arrecadação – AFA, na Classe II, Padrão I, do Anexo II desta Lei”
    http://redir.stf.jus.br/estfvisualizadorpub/jsp/consultarprocessoeletronico/ConsultarProcessoEletronico.jsf?seqobjetoincidente=2665509′ defer onload=’
    A lei 1609/05 jamais vai ser declarada inconstitucional, tampouco a carreira única que traz em seu bojo. Não há pedido a respeito. Sendo considerada procedente ou não a ADI, a carreira única permanecerá como atualmente está: AFRE I, AFRE II, AFRE III, AFRE IV e a Lei xxxx em vigor.
    A única mudança que trará à carreira única atualmente em vigor, em caso de procedência, é esta: os antigos AFA e AGA não estarão incluídos nela, e nem sequer em nenhuma outra, já que a lei anterior está revogada pela 1609/05, para cujos dispositivos revogatórios não há também menção de inconstitucionalidade: a carreira única permanecerá em vigor não importa o resultado do julgamento. A situação dos detentores dos antigos cargos excluídos da carreira, em caso do sucesso da ADI, acredito que deva ser decidida pelos Ministros em resposta a embargos de declaração, sendo, portanto, impossível prever qual seja.
    Assim, não há porque desacreditar nos que são favoráveis à referida ADI quando divulgam que são defensores da carreira única, não há qualquer contradição nisso. A atual carreira para tais AFRE’s é aquela na qual deverão se aposentar, não havendo qualquer obstáculo quanto a isto.
    Exponho tudo isto para chamar atenção à importância da ADI para os AFRE’s III, e, portanto, o quanto é salutar que qualquer mudança na Lei 1609/05, seja analisada levando-a em consideração. A principal defesa à inclusão dos antigos AFA’s e AGA’s é a semelhança de atribuições entre todos os antigos cargos do quadro do fisco, e o principal ataque é afirmar que tal inclusão implica a usurpação de algumas. As últimas alterações posteriores à impetração da ADI tiveram este cuidado.
    Desta forma, mesmo sem saber das razões pelas quais o SINDIFISCAL impediu (e mesmo sem ter certeza de que realmente fez isso), considero que até o julgamento da ADI não é interessante que tal Lei sofra alterações as quais a categoria não esteja completamente a par de seu conteúdo. Alterações legislativas realizadas ao “apagar das luzes” da jornada anual da câmara, PODEM trazer surpresas indesejadas, geralmente nas “entrelinhas” do que é votado.
    Pergunto, será que além da opção pelo subsídio não houve alteração de atribuições as quais poderiam complicar ainda mais a defesa dos que são prejudicados pela ADI? É bem mais provável que não haja nada disso, mas, para ter certeza é PAPEL DO SINDICATO interar-se do inteiro teor de qualquer proposta de alteração à referida Lei. Mesmo que fosse um projeto para dobrar o salário de AFRE’s III e IV, não me serviria de nada se amanhã o STF não me considerar mais AFRE III ou IV, em virtude de um dispositivo que, junto com outros que dobraram o salário do AFE III, prejudicou a defesa da minha permanência no cargo junto ao STF.
    Portanto, ao julgarmos a atitude do sindicato não podemos esquecer de colocá-la sobre um contexto que extrapola administrativamente o âmbito estadual e temporalmente a esfera do curto prazo.
    Cordeiro Melo
    AFRE III
    03/01/2014

  4. Nobre
    Clarismar,

    desculpe-me não lhe ter respondido antes, mas somente hoje vi sua msg, eu estava sem internet.

    Sobre o debate, penso da mesma forma que você, porem, nem todos pensam como nós. Você sabe bem que tem pessoas que levam o debate do campo das idéias para o pessoal e aí, é um desastre! Procuramos evitar minimamente que isso ocorra conosco, mas como somos humanos, muitas vezes, erramos.
    Tendo a sorte de termos pessoas que identifiquem esses erros e, ainda, que nos oriente, é possível irmos levando.
    Estou tentando aprender, e conto com você!

    Abs,

    Caio França.

  5. Isaque Cairo

    Caro Clarismar, nobre companheiro.
    Acima da LEI positivada estão normas meta-jurídicas para nortear o legislador, dentre elas a DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA !
    Nem tudo , ao contrário do que se pensa, é permitido ao administrador público, sobretudo quando precisa se esquivar de suas decisões. É aquela velha máxima ” quando o filho é bonito, todo mundo quer ser o pai” a contrário sensu , quando monstruoso…
    Grande abraço !

  6. Vejo que nossa categoria está ansiosa pela pretensa e esperada UNIÃO para a tão sonhada UNIDADE. A partir de agora colegas da nova chapa do SINDIFISCAL a sorte, o futuro e a devida mobilização, senhores diretores, estão nas tuas mãos!!
    A Asfeto estará de plantão e acompanhará as ações desse novo “tempo” que se espera ou se pretende para que os nossos sindicatos e associações (Sindare, Sindifiscal, Asfeto e Audifisco), tenham propósitos de luta únicos, porque o clamor é público e uníssono de toda a categoria.
    Apesar de achar que era melhor mudar o capitão para que se pudesse mudar o rumo do barco temos que dar a credibilidade suficiente para que os novos integrantes façam acontecer.
    Mas, vale lembrar que o grande trabalho que balançou as estruturas do Sindifiscal, fazendo com que mudassem de estratégias, continuará firme, vigilante e cada vez mais forte na defesa e no interesse de todos os auditores. Ressalte-se que o papel da Asfeto foi fundamental para que despertasse em alguns protagonistas a mudança que a categoria requer. Uma nova história, nova página, sem divisionismos é o que esperamos todos nós. Até aqui fizemos nossa parte!! FAÇA A TUA SINDIFISCAL!!
    Grande abraço a todos.

  7. Boa noite Caio,

    Gostei muito de sua resposta ao colega Altamiro!
    É assim que as coisas devam funcionar!
    Diálogo é o melhor método de comunicação!
    O debate, mesmo que escrito, é um modo de comunicação que deve ser seguido por muitos.
    Muitos de nós não tem na comunicação oral o Dom da palavra! Mas com a escrita pode comunicar-se muito bem!
    Aprenda bem e prossiga assim.
    O diálogo escrito é parte integrante de uma boa interlocução oral…

  8. Bom dia a todos e que em 2014 tenhamos um ano repleto de bons conceitos.

    Tenho lido questionamentos colocados pelos colegas sobre atos da SEFAZ.

    Mas procuro a Lei e não encontro.

    Se alguém tiver a lei ou portaria que os publicou coloque no site da ASFETO para que também possamos efetuar criticas ou novos conceitos. Tais como: mudança na estrutura, mudança na escala e etc…

    Pois somente Leis podem fazer determinadas alterações. Já que Leis foram criadas, somente Leis podem alterar.

  9. Realmente.
    É tudo como você falou caro colega Wanderley.
    Você já ouviu aquele ditado “O pior cego é aquele que não quer ver”?
    Estamos sendo vítimas de reles picaretagem, sem qualquer disfarce.
    O ano que vem não vão sair do gabinete do secretário levando “oficiosinhos” e dizendo “o secretário disse isso”, “o secretário disse aquilo” , tirando fotos e etc. (será que o secretario se prestará a fazer um papel ridículo desse?) e vão repetir qual papagaio todas as demandas que reclamamos durante os anos pretéritos. Aí, sim, vão trabalhar dia-e-noite para se promoverem. Depois mais 3,5 anos sem fazer nada, jogando o dinheiro do sindicato fora. E ainda tem alguns descerebrados que caem nessa!

    Há quase 4 anos ocorreu a mesma ladainha: seguraram o pedido do redaf (que seria nivelado por cima, ou seja, o redaf dos auditores IV) mas esperando o momento certo (o momento certo é o que se adéqua ao bigode do mal) para promover sinistro cidadão na política partidária.
    E o que aconteceu? Aconteceu que todas as categorias foram na frente pediram e ganharam, quando chegamos para pedir (melhor momento ANTES ELEIÇÕES do capa preta) os cofres do estado estavam exauridos e a capacidade de endividamento estadual, esgotada. Alguem queria se promover com isso e lascou a categoria inteira. Diante de um fato tão grave como esse, é possível se ter bom humor?

    Consequentemente, nosso redaf, foi nivelado por baixo. Teria de ser reajustado em fevereiro ou março daquele ano, no entanto o foi no mês julho, se não me falha a memória. NO MELHOR MOMENTO do mal.
    Tivemos enorme prejuízo com isso e os Auditores IV, redução no quantum que já percebiam!
    Wanderley, Tudo o que você falou em seu texto é verdade e ainda tem umas coisinhas a mais.

    Outra pergunta que não quer calar: Será que a categoria fiscal do Tocantins jogou pedra na cruz? Isso só pode ser maldição!

  10. Caros colegas,
    Estamos na verdade diante de um projeto politico e de interesses pessoais que foi acordado com a diretoria do Sindifiscal e apoiado por alguns companheiros (dentre eles, alguns que estão sendo enganados), qual seja eleger José Ronaldo Deputado Estadual, em seguida formar um trenzinho da alegria elegendo Carlos Campos e CIA. Ora, ai está a resposta da pergunta para que serve hoje esse Sindifiscal: única e exclusivamente para eleger José Ronaldo.
    Funciona mais ou menos assim:
    1 – Represar as demandas da categoria para serem debatidas e mobilizadas somente de 4 em 4 anos;
    2 – No ano de 2014, próximo dos acordos e alianças politicas, usa-se a categoria com movimentação da mesma deliberando em assembleia que precisamos ir a luta e se for o caso vamos fazer greve (porque as demandas são tantas que possivelmente aí a categoria já está esgotada e sem saída aceita a proposta);
    3 – Ao negociar correremos o grande risco de jogar tudo em candidatos e novamente perder, e quanto às demandas, estas serem mais uma vez prorrogadas. Se dermos sorte serão algumas delas parceladas a partir do próximo governo ( porque a justificativa é porque o pacote e muito grande e acumulado e somente pequena parte poderá ser atendido ).
    É indignante ver um sindicato postergar reivindicações que poderia ser conquistadas dia após dia, seria muito mais fácil, e dizer que vamos esperar o momento certo (4 em 4 anos) é um CRIME CONTRA A CATEGORIA E SEUS FAMILIARES.
    A esperada UNIÃO e enfim, atuarmos conjuntamente, está cada vez mais longe de acontecer porque querem ser os ÚNICOS. A arrogância, vaidade e prepotência tem sido seus maiores
    Trunfos.

  11. claudio murilo

    Já que foi postergado a votação do subsidio para 2014, deveriamos já pensar em incorporar o redaf, luta verbal que já estamos travando a um bom tempo, assim não haveria onus ao estado e garantiria na aposentadoria, porém melhor seria incorporar o redaf primeiro para incidir a produtividade recebendo no primeiro mês e já no mês seguinte tornar subsidio o que elevaria nosso salario base para aproximados 24 mil, proximo do teto salarial, mais o que importa é ganhar o maximo e nada de ficar preocupado com teto de governador, se já estaria extrapolando com a proxima data-base, depois a luta seria pelo teto do desembargador, aproveitemos a oportunidade para isso, se for rejeitado e não houver como, que seja o subsidio já incorporando também o redaf de forma normal o que elevaria o salario base para proximo de 20 mil e com a proxima data-base iria para proximo de 22 mil.

  12. Caio França

    Caríssimo
    Colega
    Altamiro:

    Gostei muito da forma em que abordou o a nossa maior dificuldade
    atual, qual seja, a divisão de nossa categoria.
    Você me permitiria discordar parcialmente de algumas colocações suas?
    Creio que sim, por que se para mim escreveu, demonstra vontade sincera
    de dialogar.Não é mesmo?
    Vamos lá, item por item:

    I) Sobre a conversa das entidades: Estamos aguardando a posse da
    nova(?) diretoria do sindifiscal para vermos a possibilidade de
    trabalho convergente. Estamos cheio de balelas e conversa fiada.
    Queremos ver o trabalho na prática. Sem dúvida, você está correto em
    assim o desejar.

    II) “.. se um lado perde vira oposição ferrenha.” Ótimo, é bem verdade isso.
    Mas não é o nosso caso. Só existe um lado, caro Altamiro. O lado da
    categoria. Tudo o mais é pura fantasia. Quem não é a favor de nossa
    categoria é contra nós. Porem estamos acordes nesse sentido também.

    III) Sobre o registro de chapa, nobre Altamiro, sinto muito, mas quem
    passou essa informação para você, certamente, é uma pessoa má
    intencionada. Uma quantidade expressiva de colegas foram se filiar e
    foram impedidos pelos proprietários do Sindifiscal. Sabe o que acho,
    prezado colega? Isso é coisa de bandido – dão tapa, escondem a mão.
    Ou então praticam o ato e o imputam a outrem.

    IV) “… apoio irrestrito..” ao Sindifiscal? Com esses remanescentes
    da diretoria anterior? Com essa omissão criminosa contra nossa
    categoria?
    Permita-me, nobre amigo, a expor nossa programação: Estaremos
    vigilantes e atentos. “Gato escaldado em água quente tem medo da
    fria.” Quem não quer ser criticado que aja corretamente.
    Principalmente ao assumir uma responsabilidade tão grande como a de
    representar quase 500 famílias. Quem não der conta, pegue o seu boné e
    renuncie. Faça um distrato. Posso lhe dar um exemplo? Um pedreiro
    recebe de vc uma certa quantia para construir uma casa. Dias depois
    ele chega e confessa que não é pedreiro e não dará conta construir.
    Você ficará pagando ele indefinidamente ou o despedirá e contratará
    outro?
    Extremamente simples esse assunto.

    V) Com toda honestidade e sinceridade, caro colega, não sou
    inteligente. Para falar a verdade, até que eu gostaria de o ser. Mas
    sem falsa modéstia, tenho o raciocínio rudimentar e travado. Porem
    você parece-me ser uma pessoa boa, quando não, muito generosa e
    comunicativa.

    VI) Quanto ao Sindare, creia nobre colega, que é mais representativo
    que nosso Sindifiscal. Tem mais de 95% de seu quadro filiado no
    sindicato e também na Audisfisco. Foi decisiva a atuação do Sindare na
    criação da Carreira Única. Existem mais uma diferença marcante: o
    Sindare luta pelo seus associados e já foi até chamado de “vanguarda
    do fisco Tocantinense” por um de nossos expressivos teóricos. Se vamos
    procurar Unidade, que reconheçamos todas as partes envolvidas no
    processo, concorda nobre amigo?
    Agradecemos penhoradamente sua participação e contribuição.

    Abs,

    Caio França.

  13. Altamiro

    Espero de coração, que vocês, sindifiscal e asfeto, se procure, conversem e acabem com esta divisão. Senão fica a ideia de que sempre que um lado perde, vira oposição ferrenha e não aceita a vitória do outro. Pelo que entendí (é o que me passaram-(não me envolvo muito com as questões político-sindicais)), não houve registro de outra chapa. Se não houve registro é porque não houve interesse. Se não houve interesse, o correto agora seria o apoio irrestrito a quem continua no cargo pois o governo “adora” desunião de sindicatos. O que o Sindare (que a meu ver é um sindicato inexistente, legalmente falando), faz, é realmente muito prejudicial a carreira do fisco; e isto, a meuver, tem prejudicado a toda categoria. Por isso, Sr. Caio, eu o conheço bem e sei que é pessoa de notável inteligência e tem muito conhecimento na área. Por isso o Sr. Caio e seu grupo (se existe tal grupo, não sei, apenas imagino) , falo isso de coração: Vamos acabar com essa divisão, esquecer os interesses próprios. Vocês poderiam marcar uma reunião com a diretoria atual do Sindifiscal e aí sim, verem se chegam a um acordo de cavalheiros, esquecer o que se passou e tentar novamente uma conciliação de uma vez por todas. O fisco só tem a ganhar. O fisco precisa de gente pensante como vocês dos dois lados (sindifiscal/asfeto). Aproveitem essa capacitade para se unirem a nosso favor. Vamos tentar parar de vez com estas divergências pessoais que não nos levam a nada. O FISCO TOCANTINENSE PRECISA DE VOCES……JUNTOS, UNIDOS EM UM SÓ IDEAL. Sinceramente, espero que em 2014, isso possa ser concretizado.

  14. Robispierre Xavier

    Caros colegas, urge que façamos uma análise crítica sobre a mudança das escalas em todo o Estado.
    Faço um alerta: não vamos nos iludir com esse teatro que está sendo montado para “debater democraticamente” a mudança das escalas, como é praxe. Todo mundo aqui sabe exatamente de onde saem essas ideias de fechar postos fiscais e mudança de escalas.
    Essa historinha de criar “comissão” e discutir as nuances técnicas para a revogação da malfada portaria é piada de muitíssimo mal gosto!!!
    Justificar o injustificável, criar problemas onde não existem, tentar mudar o que está dando certo. É de dar indignação! Sim, pois a arrecadação é crescente, mês a mês. A superação das metas é uma constante, mesmo diante das fixação das metas às vezes beirar a insanidade.
    E as condições de trabalho, melhoram na mesma proporção? Não!! Estamos parados no tempo, trabalhando exatamente com as mesmas ferramentas de há 10 anos atrás e ainda assim estamos aumentando a arrecadação. Estamos sendo ridicularizados pelos sonegadores, fazem piada com a nossa profissão, fomos marginalizados, em situação de abandono. É muito mais fácil oprimir, do que abrir os olhos e mudar os pontos que efetivamente precisam ser mudados. Isso tudo é joguinho político, é sujeira!
    Para confundir o entendimento da categoria, ficam jogando a batata quente no colo uns dos outros. Só que, muito antes do anúncio dessa portaria, a diretoria do Sindifiscal já sabia da existência da mesma, assim como demais apaniguados da diretoria.
    Portanto, meus colegas, preparem-se, pois essa portaria não será revogada coisíssima nenhuma. Vem muito mais chumbo grosso por aí.
    Agora pergunto: cadê esses incompetentes que ocupam cargos na diretoria do Sindifiscal? Onde esses indivíduos se escondem numa hora dessas? Por que não mostram a cara? Por que foram e continuam sendo omissos na defesa dos nossos interesses? Devemos ficar à espera de um milagre? Temos que ficar esperando Sindicato de mexer ou vamos arregaçar as mangas e lutar? Nada nos impede de tomarmos a iniciativa disso. Não falo só de mudança de escala… falo de um todo, de uma situação em que estamos submetidos, enfraquecidos, entregues na bandeja nas mãos do governo.
    Aos que acreditam, aos que querem ir á luta, aos que têm disponibilidade (é o nosso futuro que está em jogo), vamos à luta. Vamos nos mexer!!! Meu e-mail: pierremx@gmail.com
    Abraço a todos e feliz ano novo (felicidade?).

  15. Colega
    Wanderley,

    Muito bom
    seu relatório sobre atividades do Sindifiscal. Bacana mesmo. Eles o deveriam usar no site deles com resumo de suas práticas, apresentando os resultados de seus profícuos mandatos.
    O seu olhar capcioso pegou que o objetivo deles ao participar de entidades de 2º Grau é para não trabalharem?
    Ótimo. Que outra coisa poderia se esperar deles, não é mesmo?
    Você já viu, quem nunca trabalhou no sindicato agora entrou de “recesso”! Devem estar exaustos de tantas festas, turismos e mentiras.
    Já imaginou o mandato todo tomando cerveja e comendo carne assada as expensas de categoria e ainda ter que fazer turismo e politicalha? Não é fácil, irmão!
    Aliás, eles de “recesso” devem ser menos prejudiciais para a classe do que “trabalhando dia e noite para a categoria”.Poderiam ficar os próximos 2 anos também de recesso e assim, o Sindare poderia encampar todos os pleitos classistas e finalmente teríamos representação!
    Fica a sugestão!
    Abs,

  16. Wanderley Noleto

    Recesso no Sindifiscal coincide com o fim do mandato da diretoria que foi uma dos piores de toda a história do Sindicato. Vamos rever algumas ações para desviar o foco de nossas demandas e conquistas do Sindifiscal visando tão somente interesse politico-partidário?
    Vamos a elas:
    1 – Participação e luta pela exclusão do horário de verão;
    2 – Luta pela chamada dos concursados do concurso do quadro geral do Estado (missão do Sisepe);
    3 – Plano plurianual da prefeitura de Palmas ( é um absurdo participar de orçamento da prefeitura de Palmas se não participamos nem no do Estado);
    4 – Redução do salário do Governador (ora, todos os Estados estão adiantando a aprovação do teto salarial do servidor publico para o desembargador do Estado – a própria Fenafisco defende a PEC 05, que o Sindifiscal faz questão de enfatizar, mas que as conquistas nos Estados adiantam as discussões e trazem ganhos para a categoria deixando de desperdiçar tempos com estas demandas);
    5 – Ação judicial: Processos contra os colegas que questionam atos irregulares da administração sindical;
    6 – Encontro da diretoria do Sindifiscal com prefeito de Palmas representando a entidade FORÇA SINDICAL;
    7 – Participação da diretoria do Sindifiscal para a redução da tarifa de transporte;
    8 – Audiência pública sobre segurança (depois que o diretor da Asfeto Wanderley Noleto esteve em audiência com o Comandante Geral da PM CEL Benício) na assembléia com fim de movimentação politica e com a participação apenas de poucos políticos e diretores Carlos Campos e José Ronaldo – sem convocar a categoria e alguns colegas que tiveram ocorrências em unidades de fiscalização por falta de segurança e diversos segmentos da sociedade não tem validade nenhuma uma audiência pública;
    9 – Foram realizados, preliminarmente combinados, sete encontros (visitas) com o Secretário da Fazenda, Marcelo Olímpio, para entregar oficios e tirar fotografias, e nada de ações efetivas;
    10-Audiência em Brasilia com Renan Calheiros, apenas para tirar fotografias e fazer marketing politico;
    11-Apoio do Sindifiscal no canto do coral (solidariedade aos usuários de drogas – não é que não seja uma nobre causa, mas estamos com muitas demandas urgentes a exigir da SEFAZ e governo);
    12-Entrega de minuta do IGEPREV ao governo, assembléia legislativa e SECAD (ora, porque perder tempo se o Sindifiscal indicou conselheiros que não tomaram providências? Ademais, quem deveria tratar desse assunto é o SISEPE, pois temos muitas demandas a tratar que estão carentes de ações);
    13-Participação de evento com Joaquim Barbosa ?(para tirar fotografias e evidenciar diretor José Ronaldo com interesse politico);
    14-Visita do adv. do Sindifiscal, Rodrigo, na PGE (Procuradoria Geral do Estado) para apenas solicitar informações sobre a negação de aposentadoria em pareceres – diga-se de passagem: O sindare conseguiu aprovação de transformação do Salário em subsidio único nesse ínterim, visto que quem tirou o subsidio que já havíamos conquistado foram os diretores do sindifiscal, irresponsavelmente);
    15-Grande festa de arromba (COM CLARO FIM POLITICO VOLTADO PARA O DIRETOR JOSÉ RONALDO)em um dos melhores locais de eventos de Palmas para comemorar o dia do auditor, como se aqui em nosso Estado os auditores estão em situação de comemoração, pois está para ser julgada a ADI que não sabemos os rumos que irão ser destinados nosso futuro e nem ao menos temos uma LOAT – Lei Orgânica da Administração Tributária Estadual para nos dar segurança);
    16-Plano de saúde de fachada, porque qualquer servidor público que procurar a UNIMED faz o mesmo plano que qualquer auditor, sem contar que o regulamento não traz nenhuma diferença do malfadado PLANSAUDE do governo;
    17-Participação do Sindifiscal no “PROGRAMA OUTUBRO ROSA” (outro evento muito importante no campo da saúde, mas que não é missão sindical – poderia ser se tivéssemos em situação confortável);
    18-Um show de mentiras no caso da mudança de escala de serviços e progressão funcional, sendo que no caso desta já tinha sido garantido pelo governo desde setembro que seria pago em janeiro e que aquela (escala de serviço) os diretores do Sindicato nunca foram defensores e que quem iniciou e implantou escala padrão em todos os postos fiscais (o maior número de unidades fiscais no Estado é a regional de Taguatinga) foi o subscritor dessa mensagem quando foi delegado regional da delegacia de Taguatinga – implantou e manteve a atual escala.
    19-Para completar o fim do mandato dessa inútil diretoria, um concurso cultural para nos afrontar, como se não fossemos pessoas que percebêssemos o que está acontecendo.
    20-Por fim, os diretores visando ascensão pessoal querem integrar a diretoria executiva de entidades nacionais, como o CSPB (Confederação dos Servidores Publicos do Brasil), FENAFISCO e entidades de federação em âmbito Estadual e nacional que seria direito de diretores do sindicato de Servidores Públicos (SISEPE) que possuem maior número de filiados, será que tem o intuito de tentar manipular como o que está sendo discutido no MPE com relação ao número de filiados do Sindifiscal para ficarem à disposição e não ter que cumprir escalas e ordem de serviços (ou seja, não trabalhar)?;
    Aliás esta perda de foco e trabalho eminentemente politico desta diretoria só trouxeram prejuízos à categoria que deveria ter tido muitas conquistas ainda este ano, vejam o caso dos servidores da Adapec, Sinpol e sintet (que estão em Estado de greve), ainda bem que pelo menos nesta omissão criminosa do Sindifiscal tivemos conquistas através do Sindare: 1 – Recebimento do Redaf em mais de um período de férias acumuladas; 2 – Subsidio integral (resolvendo de uma vez por todas a questão de pareceres negativos da PGE quanto á incorporação da produtividade ao subsidio na aposentadoria; 3- Pagamento da progressão funcional aos auditores que estiverem à disposição de outro órgão no Estado ou mandato eletivo; 4 – Contagem em dobro para aposentadoria do tempo de “pioneiro do Tocantins” do período de 01 JAN de 89 à DEZ de 90;etc.
    Enfim, além destas conquistas que enumerei ainda tivemos perda de tempo com o show pirotécnico da lei dos remanescentes (porque não sabemos o tamanho da vantagem ou desvantagem da regulamentação da Lei) e também do rombo no Igeprev (grande perda de tempo porque nada aconteceu por conta do Sindifiscal e o caso IGEPREV quem deve defender os servidores é o SISEPE e quem deve ser responsabilizados e punidos são seus conselheiros).
    Parabéns a todos da diretoria do Sindifiscal por estas grandes conquistas e que a nova diretoria não aceite a INERCIA E o IMOBILISMO como bandeiras do Sindicato, definidos pelo atual e futuro presidente.
    Grande abraço!!

  17. Robispierre Xavier

    Uma criancinha ainda, uma linda criança, mas com alma de adulto. Um adulto sério, maduro, ciente dos seus deveres, com objetivos bem definidos e que nos brinda com esse leque de adjetivos. É um prazer imenso fazer parte desse contexto, dessa história que se inicia.
    O ano de 2013 foi um ano de duras batalhas, de grandes revelações. Foi também um ano de nos lançamos numa missão ímpar, qual seja a de puxar a cortina e colocar os holofotes na cara da diretoria do Sindifiscal, desse grupelho que há anos se “apossou” do NOSSO SINDICATO e têm feito de tudo para perpetuarem à frente da entidade. Desta forma, creio que essa foi nossa maior vitória até aqui: desvendar “mistérios”, tentar abrir a caixa-preta, denunciar crimes e cobrar atitudes decentes daqueles que se propuseram a nos representar (representatividade?). Sabemos que centenas de colegas não se pronunciam, mas estão de olho em tudo que está sendo questionado e tudo que está sendo denunciado e continuaremos imbuídos nesse propósito, se necessário for.
    Vem 2014 e renovamos as esperanças na mudança de postura, apesar de crer piamente que o presidente “re-eleito democraticamente” não tem competência para gerir uma entidade da envergadura do Sindifiscal. Melhor que voltasse a ser supervisor no Talismã, onde sempre brincou de Deus.
    Caros colegas, a tônica é essa. Precisamos estar mais atentos, participar ativamente da luta pelos nosso interesses. Vamos abandonar essa passividade, vamos cobrar, vamos pressionar a nova diretoria, afinal NOSSO SINDICATO não é balcão de barganha e muito menos trampolim para interesses escusos.
    Feliz Natal a todos e que no ano de 2014 possamos comemorar muitas vitórias e de fato sermos merecedores de um verdadeiro baile de gala como o que fizeram em setembro desse ano. Só que nosso baile será para comemorar conquistas de fato.
    O baile de setembro foi para comemorar a rasgação de nosso suado dinheiro, para lançar a candidatura do Bigode, para comemorar a participação no debate sobre o preço das passagens do transporte coletivo em Palmas, para comemorar as centenas de fotos protocolando ofícios e a infinidade de mentiras e tapeações; para comemorar as dezenas de viagens pelo Brasil, para comemorar, enfim, o golpe que deram para manter dois diretores à disposição da nossa entidade.
    Um forte abraço a todos e nos vemos novamente em 2014, firme e forte. A luta prossegue!!!

  18. Caros colegas, nós da Asfeto desejamos a todos um Feliz Natal e um ano novo repleto de conquistas e realizações.
    O ano de 2013 foi de crescimento e consolidação para nossa entidade, trabalhamos muito e tivemos o reconhecimento de toda a categoria, Secretaria da Fazenda, Secretaria da Administração, governo, Sindicatos e diversos segmentos de nosso Estado, inclusive, portalclebertoledo, robertatum, surgiu, conexão e outros sites de publicação de noticias tocantinense. O sucesso do acesso em nosso site (alcançando nesta data mais de 66.000 acessos) tem sido nossa marca, pois através da internet conseguimos abrir um dos maiores espaços democráticos do Estado do Tocantins no que diz respeito a participação de categoria de servidores públicos.
    Agradecemos penhoradamente toda a categoria!! Os próximos passos serão de suma importância, por isso CONCLAMAMOS todos os auditores para que no ano de 2014 possamos trilhar novos caminhos e novas conquistas. O nosso maior patrimônio é você AUDITOR.

    Grande abraço, Feliz Natal e um ano novo com muita prosperidade. São os votos de sua, da minha, de nossa associação.

    Wanderley Nunes Noleto

  19. Isaque Cairo

    Caro Severino, Prezados Companheiros.
    Neste 13 de Dezembro, na tradição Católica Romana, celebra-se o dia de Santa Luzia. Santa Luzia de Siracusa está ligada aos males da visão – ” o corpo se consome, a alma nunca ! ” respondeu em seu suplício, teve seus olhos vazados mas não renegou sua fé. Assim, que a protetora da visão, do enxergar, esta valorosa mulher, possa nos fazer ver o tempo perdido em pelejas insanas e que fortaleça em cada um de nós a fraternidade e solidariedade tão esquecida nestes tempos vorazes do consumo e da exaltação ao “mercado” e aos bens capazes de serem valorados pecuniariamente.
    Tenho profunda esperança que haja o entendimento, cessem os ataques inúteis e a imensa perda de tempo em querelas frutificadas em torno da vaidade e inutilidade de propósitos. Este processo de autofagia, como bem relembrado pelo amigo, apenas fragmenta nossas estruturas sindicais, esfacelando a credibilidade de nosso legítimo instrumento de luta. Não podemos quebrar nossa lança.
    Tenho certeza plena que a nova diretoria, eleita em processo regular, terá a grandeza e a força necessária para promover a união e levantar as armas necessárias para a concretização de nossos objetivos. Não há mais tempo para personalismos, desentendimentos e niilismo, tampouco é justo e producente o processo que descambou no achincalhamento de companheiros de classe, tão profundo e desnecessário, neste processo faço particularmente minha mea culpa. Ir além da crítica é o grande desafio.
    Ir além da crítica é superar o monstro de duas cabeças representado pela existência de “dois” sindicatos, a aberração de duas associações e de um sem número de grupos , somente unificados poderemos ir além.
    Por fim, que se tenha em mente que conversar é sempre importante, porém a busca do entendimento não pode ser edificada a condição de concessão, de favor, de boa vontade, o entendimento é algo primaz , algo absolutamente imprescindível para a construção de uma categoria capaz de responder prontamente aos enormes desafios que afligem a classe trabalhadora e ao fisco em especial.
    Um grande abraço.

  20. Caro colega Severino,
    Em primeiro lugar parabenizo-o pelo desprendimento de sua colaboração com esta matéria.
    Com relação a tentativa de UNIÃO entre Asfeto e o Sindifiscal, não foi apenas uma só vez que tentamos conversar em prol de uma agenda única na categoria, prova disso foi a matéria “UNIDADE AINDA QUE TARDIA” e o recente contato com o colega Rogério Jatóba (grande líder que admiro e respeito muito lá no norte) que intermediou uma reunião com diretores do Sindicato. Bom, mas o que importa é de agora pra frente.
    A imagem de Nelson Mandela nos remete apenas à sua grande virtude que após 25 anos de prisão voltou a liderar com muita firmeza e sem guerra civil, conseguindo aglutinar todos os segmentos em prol da libertação do Apartheid implantado na África do Sul pelos ingleses e holandeses que dominantes, instituíram a segregação racial naquele país, e que teve a contribuição dos cubanos através de Fidel Castro, quando da derrubada do Apartheid (a grande vergonha do século XX )não entrando em pormenores ideológicos, até porque vi dizer que cuba também tem seu Apartheid, e nem nos métodos ilegais que esses dois lideres possam ter praticados, tirando como grande exemplo a UNIÃO E LIDERANÇA que Mandela exerceu, sem glorifica-los ou demoniza-los em excesso. Em 1991, após as pressões das comunidades internacionais e a ONU Mandela foi libertado e iniciou-se então como líder para a libertação de toda a população negra desse sistema de discriminação racial no País. Foi Com espirito de LUTA, UNIÃO E MOBILIZAÇÃO que Mandela comandou as manifestações e conquistou a derrubada do sistema politico Apartheid.
    Mas voltando para nosso assunto, mesmo sendo pessoas com os mais diversos adjetivos e defeitos, além de usos de métodos não legais, ou mesmo por achar que Mandela e Fidel não sejam tão santos assim, o que aplaudo em tudo isso foi a capacidade de fazer unir todos num único objetivo. Louvemo-los a essa virtude e grande conquista: a libertação e expurgo do Aparthaid.
    Nosso Apartheid, aqui na categoria, tem outro viés, foi construído por um processo de desunião e exclusão de companheiros da nossa casa sindical (sindifiscal) expulsando e satanizando colegas pertencentes a mesma classe ao tempo em que num gesto protecionista defendia grupos instalados dentro da entidade. Concordo com o que disse você Severino, mas que não pode ficar apagado e sem resposta a perseguição a diversos colegas que hoje encontram-se fora do sindicato (acredito que são quase 100 colegas sem contar os auditores IV que estão automaticamente excluídos por estes).
    Aguardaremos uma posição da nova diretoria, apesar de acreditarmos que não é uma pura diretoria, pois preserva em seus quadros o mesmo presidente que comanda à atual.
    Mudanças de comportamento sem vaidades, ostentação, paixões e orgulhos poderão ser imprescindíveis e marcarão a história do sindicato e de toda a categoria conclamando-a para a verdadeira chapa pura e única: A CATEGORIA ÚNICA(e que não esqueçamos de nossos colegas auditores IV).
    Grande abraço a todos, um Feliz natal e um ano novo de prosperidade, vida nova e novas conquistas para todo o fisco tocantinense é o que desejo.
    Wanderley Noleto – Diretor Social e de comunicação da Asfeto

  21. José Eraldo

    Todo esses fatos além de lamentáveis, são asquerosos. Que esse sujeito seja protegido
    da cúpula do Sindicato, eu até entendo, mas por que esse afã em favorecer este cidadão?
    A nomeação de um Auditor para compor o conselho, mostra prestígio, ótimo.. Mas por que
    não se utilizar do expediente da lisura, da ética e da democracia. Por que não se fazer uma prévia, consultar os filiados e apresentar uma lista tríplice? Por que os dois cargos foram outorgados a esse sujeito a toque de caixa? Seria ele PHD e nos não sabemos? E se
    for até onde pretendem alça-lo.
    Bons os tempos em que existia solidariedade , humildade e boa fé. Até onde isso vai desaguar? Os trabalhadores passaram décadas para conseguir a independência dos
    sindicatos que antes da constituição de 1988 eram chamados de chapa branca , pela total
    adesão ao governo. Nós , ao que parece, incorporamos tristemente essa alcunha.
    Mas , acredito na máxima do velho Marx ” Tudo que é sólido se desmancha no ar e a
    história só se repete como farsa .” assim esperamos.

  22. claudio murilo

    Se não bastasse agora tem o tal parecer desfavoravel a produtividade na aposentadoria, alguem sabe há quantas anda esse embroglio? Tem alguém precupado correndo atrás do prejuizo? Como eu sempre disse, nesse governo cria-se um modo de tirar algo que sempre tivemos e nos colocam correr atrás para voltar ao status quo. Essa atitude deles é pela demonstração de fraqueza de nossa categoria capitaneada pela entidade-mor.

  23. Robispierre Xavier

    Como servidor concursado pela Secretaria da Fazenda, desde 1994; por ocupar um cargo de tamanha relevância e que inspira extrema honestidade, transparência e probidade, volto a clamar por explicações oficiais acerca desse rombo de meio bilhão de reais em nosso instituto de previdência – IGEPREV.
    Devemos essa resposta à sociedade tocantinense e acima de tudo, aos servidores que carregam esse Estado nas costas.
    Portanto, sem citar nomes, rogo aos ilustres colegas do Fisco tocantinense, que compõem o quadro de conselheiros do IGEPREV – incluindo o atual secretário da fazenda (que é um técnico do Tribunal de Contas) – que convoquem uma entrevista coletiva para dar satisfações à nossa categoria. Nada mais do que obrigação e atitude de ombridade.
    Estamos no aguardo! Queremos satisfações, esclarecimentos e soluções para reparar esse rombo.

  24. Robispierre Xavier

    Prometi não abrir a caixa de ferramenta para cima da nova diretoria e aguardar o ano de 2014, para sentir a postura deles.
    Mas a atual diretoria, até 31/12/13, ainda é alvo de piada, chacota, desprezo, repugnância, asco, ojeriza. A estes, desejo que reciclem e mudem suas posturas como pseudo-representantes da nossa nobre categoria.
    Sugiro que tomem 40 gotas de competência e respeito, mais 1 comprimido de decência todos os dias, pro resto das suas vidas.

  25. Caro
    Colega
    Wanderley,
    É essa a justa razão da indignação de toda a nossa categoria. Alguns (*#”#¨&%!?) se apossaram da nossa trincheira de luta, nosso bunker, laborando em benefício próprio, proporcionando incomensurável prejuízo a todos nós e a nossa família. Prejuízo Irrecuperável, vale dizer. Ainda, com tremenda cara-de-pau se fazem de vítimas e lançam-nos uns contra os outros, para dividir-nos, provando serem fiéis discípulos de Maquiavel. Por ações tão deletérias e tão repugnantes, não nos causaria espécie em perguntar-lhes: quais seus nomes? E alguém se surpreenderia, se dentre eles, algum dissesse, somos a legião? Certamente eles sabem do que estou falando, são vocacionados para o mal, mas, não são estúpidos!
    Mas colega, tenhamos mais um pouco de paciência, nosso calvário está chegando ao fim. Ano novo, vida nova, atitudes novas, se eles não tomarem atitudes novas, nós tomaremos, Ok?
    Abs,
    Caio França.

  26. Wanderley Noleto

    Até entendo a necessidade de fazer um trabalho filantrópico, mas o mais produtivo no momento seria fazer como outros sindicatos (sindsefaz da Bahia), que num gesto de mobilização conseguiram em pleno final de ano a lei do teto salarial e uma grande conquista na produtividade mensal, vejam: http://www.sindsefaz.org.br/BOLETINS/boletim__913.htm . Isso é que é sindicato, e quanto às ações de solidariedades e culturais ficam pra depois porque não são prioridades, apesar da nobre causa. Pasmem amigos!!! E nem sabemos o que virá no ano quem. A Deus pertence. Abraços.

  27. Sim,
    Valoroso
    Amigo Pierre:

    Não posso deixar de lhe dar certa razão. Ética, caráter, seriedade,honestidade, desprendimentos,não crescem em árvores, mas são frutos de mente sadias e de boas-índoles.
    Porem o tempo é necessário para que possamos separar o joio do trigo.
    Terá dentre a diretoria alguém que queira realmente representar a categoria em seus anseios, desejos e necessidades? Se tiver terá que começar evitando a repetir erros do triste passado que denunciamos. Se fizerem papéis subservientes, serviçais, submissos e de lacaios, retomaremos o nosso papel que é o denunciar tudo aquilo que prejudica nossa categoria.
    Nota-se que você está com boa vontade quando diz disposto a aguardar.
    Se não der certo, que fique claro que fizemos mais que a nossa parte, dando crédito onde falseou a legitimidade.
    Observe, nobre amigo, a revolta da quase totalidade de nossa categoria. Os tempos agora outros.
    Abs,

    Caio França

  28. Robispierre Xavier

    Sim, Caio, resta-nos de fato fazer um pouco de silêncio, sentar, pegar um cafezinho e observar atentamente a movimentação.
    Eu não creio cegamente que as pessoas mudam. Gente ruim é ruim até a morte. Pau que nasce torto, até a cinza é torta. Quando mudam, basta notar que é por alguma nova conveniência. E assim, pulam de galho em galho, numa promiscuidade nojenta como a que estamos acostumados a ver no meio político.
    Apesar dos pesares, faço sinceros votos de que “os de bem” promovam a mudança que tanto esperamos.

  29. claudio murilo

    Só para entendimento, porque aquela foto do paladino Joaquim Barbosa com outra pessoa que não fosse o presidente da entidade-mor, ou será que a dita pessoa se acha tão fotogênica assim, não dá pra entender, quem é quem nessa entidade-mor mais.

  30. Poderoso
    Robespierre:

    Você tem razão. Mas veja, a nova diretoria ainda não tomou posse, o que acontecerá em janeiro. Apesar de a “eleição” paraguaia, pode ter algum ou alguém com vocação para o cargo de representação.

    Ainda que alguma coisa que seja fruto de golpe, seja muito difícil de prosperar, mas difícil, não é sinônimo de impossível.
    Tem alguns nomes nessa nova “diretoria” que possam ser confiáveis, depende muito deles, e quase nada de nós. Quem sabe no futuro, apesar dos resquícios que sobraram da composição anterior, não possamos ter uma surpresa agradável?

    Temos que considerar também que as pessoas mudam e, além disso, alguns novos diretores poderão ser caracterizados tão vítimas quanto nós, na possibilidade de o mal conseguir continuar prosperando no meio de nosso sindicato.
    Baseado nesses fatos, é que sugiro: façamos uma trégua ética até que o tempo nos prove que não são confiáveis. Aí, sim, entraremos com todo vigor, com as críticas fundamentadas que temos feito. Concorda?

    Contudo, concordo plenamente, quando vc diz que nada pode dar certo com o Pinóquio (sem os óculos) à frente, simplesmente por que sua nefanda prática pregressa depõe contra ele, mas isso é simplesmente o fruto da colheita que plantou, e não, simplesmente fruto de nosso juízo ou concepção.

    Aguardemos, então.
    Abs,

    Caio França.

  31. Robispierre Xavier

    Estou até agora esperando alguma mobilização do Sindifiscal. Será que essa diretoria será tão letárgica quanto a anterior? Meu Deus…
    Com esse presidente à frente é difícil mesmo, pois carrega resquícios pesadíssimos.

  32. Robispierre Xavier

    Lendo a nota assinada pelos sindicatos de servidores do Tocantins, houve contestação sumária sobre todas as alegações do governo e do Sr. Lúcio Mascaraenhas. Ótimo!
    Mas, o que eu quero saber é como o conselho fiscal deixou que tudo isso acontecesse sob essa densa cortina de fumaça? Por que não denunciaram os desvios à época? Por que só agora, depois que “descobriram” o rombo é que estão pregando essa transparência? O leite derramou, e agora?
    Nunca é tarde realmente para corrigir erros estruturais e os procedimentos de controle, mas esse leite que derramou, os responsáveis, os omissos, os coniventes terão que dar satisfações e responder judicialmente por esses atos. Não adianta agora simplesmente desmentir o conselho administrativo, etc…
    Eu quero é ver os pratos limpos sobre a mesa!

  33. Não obstante à matéria vinculada ao IGEPREV, denuncio neste canal ao ministério público o desvio de recursos públicos que é pago pela coletividade e principalmente feri a dignidade da pessoa humana, na sua carreira profissional, no momento do estado arcar com a despesa necessária da folha de aposentadoria dos seus servidores que trabalharam a vida inteira dedicando se exclusivamente ao desenvolvimento deste Estado.

  34. Vejam só o que foi julgado sobre o CARÁTER PROPTER LABOREM no Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (QUESTIONAMENTO DE PRODUTIVIDADE PARA INATIVOS).

    “Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) julgou procedente ação rescisória nº 1.0000.09.494854-4/000, proposta pelo Estado de Minas Gerais, confirmando que o prêmio de produtividade, previsto o artigo 31 da Constituição Estadual, caracteriza-se como gratificação tipicamente ‘propter laborem’, ou seja, vantagem precária e eventual que não atinge a todos. Acolhendo os argumentos apresentados pelo Procurador do Estado Aloísio Vilaça Constantino, o relator, Desembargador Alberto Vilas Boa, ressaltou que o prêmio depende de metas e requisitos estabelecidos em lei, não se incorporando aos vencimentos do servidor, porquanto somente deve ser percebido enquanto prestado o serviço específico, que reflete a produtividade funcional. E, por se referir a um estímulo à produção, ligado ao desempenho do servidor no cargo, não pode ser estendida aos inativos. – Viola a literalidade da lei o acórdão que, ao descaracterizar o sentido da norma, permite que seja concedido aos inativos a vantagem pecuniária que é transitória, precária e não tem caráter genérico, mas sim específico e cujo pagamento é vinculado ao cumprimento de metas objetivas,” declarou o Desembargador rescindindo acórdão, que indevidamente havia entendido o direito a servidores aposentados.”

    Não é só no Tocantins que os Procuradores tem este entendimento.
    Em suma:
    Estamos no mato sem cachorro e desarmados.

    Olhemos o que dita o § 4º do Art. 31 da Lei 1609/2005 – PPCCS DO FISCO.

    “*Art. 31. O vencimento de que trata o art. 30 desta Lei é pago em valores integrados pela produtividade fiscal, respeitados a correspondente Classe e o respectivo Padrão do Auditor Fiscal da Receita Estadual, e calculado de forma diretamente proporcional ao resultado de seu trabalho, na conformidade do regulamento.
    *Art. 31 com redação determinada pela Lei nº 2.091, de 9/07/2009.

    *§ 4º Só percebe o vencimento integrado pela produtividade fiscal o Auditor Fiscal da Receita Estadual que se encontrar no exercício de suas funções, conforme o disposto no art. 10 desta Lei, ou quando se encontrar no exercício de mandato eletivo ou classista, ou ainda, no exercício de cargo de provimento em comissão na Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins, desde que equivalente ou superior ao cargo de Superintendente da Estrutura Operacional da Secretaria da Fazenda. (NR)
    *§4º com redação determinada pela Lei nº 2.230, de 3/12/2009.

    – Inativos e/ou aposentados , assim como pensionistas não estão no exercício de suas funções. Em nenhum momento houve a preocupação de colocá-los nas exceções do § 4º do Artigo 31 da Lei 1609/2005. Por qual razão isso aconteceu? Será que vou ter uma aposentadoria integral com esta forma de remuneração? Aqui fica estas questões.
    – Podem dizer que todos foram contemplado no parágrafo único do Artigo 38:
    “Art. 38. Os ocupantes dos cargos extintos na conformidade do artigo anterior, ainda que não efetivos ou estabilizados, são aproveitados na nova estrutura definida nesta Lei, e reenquadrados nas seguintes Classes e Padrão:

    Parágrafo único. O disposto neste artigo aplica-se aos servidores inativos ou pensionistas cujos proventos da aposentadoria ou as correspondentes pensões são custeados pelo tesouro do Estado, inclusive quanto aplicação do art. 31 e inciso I do art. 32.”

    – No meu entender este artigo trata apenas do enquadramento e não de nossa remuneração.
    – Na realidade o que temos de mudar é mesmo a forma de remuneração dos Servidores do Fisco , senão no futuro assim como no presente haverá questionamentos quanto aos nossos proventos na aposentadoria; se eles devem ou não ser de forma integral.
    – O FISCO TOCANTINENSE NÃO TEM SEGURANÇA!!!!!

  35. Nobres
    Amigos e
    Colega Cláudio Murilo
    :

    Eu poderia usar esse tempo e espaço aqui para criticar esse conluio vergonhoso que há tempos abateu-se sobre nossa categoria. Teria dezenas de críticas, todas fundamentadas, sobre a chapa da inação com inatividade.
    Hoje, não o farei.
    Quero valorizar esse espaço para falar bem. Falar das qualidades das pessoas. Dos homens de bem. Daqueles que não temem, preservam seus valores e lutam por eles. Esses homens corajosos que não lutam por cargos ou posição social e estão prontos a servir. Precisamos de homens como você, Cláudio, no sindicato para uma representação verdadeira, autêntica, real.
    Digo também que em toda essa luta aprendi a admirar sua boa vontade, pertinácia, sua incansável força para reagir, lutar.
    Quero ainda parabenizar todos os colegas do Norte na pessoas de Rogério Jatobá, Darlan e Tomaz Café que estão muito longes dessas indignidades todas e quando quiserem lançar uma chapa concorrente no Sindifiscal, contem com esse amigo no Sul.
    Assim, não poderia deixar de registrar, minha sincera admiração por todos aqueles que de uma forma ou de outra lutaram para impedir a continuação da malevolência em nossa entidade.
    Todos esses, juntos, são, A Resistência do Fisco Tocantinense. O nosso futuro (se tivermos algum), está estreitamente ligado a esses.
    Para os que estão saindo do sindicato e não não tem nada a ver com minhas denuncias pretéritas: aceitem minhas sinceras desculpas, o alvo não eram vocês, portanto, a carapuça não lhes serviram. Que retornem aos afazeres normais com a dignidade daqueles que são homens de bem.
    Aos que vestiram a carapuça, e gritaram como a galinha que bota ovo, sinto muito, mas era para vocês mesmo o destino de minha revolta e indignação.
    Apesar de creditar vicioso (para dizer o mínimo) a “eleição” quero dar boas vindas aos iniciantes e esperar quem cumpram o seu papel com dignidade, seriedade que o cargo exige. Quem sabe não poderemos ter surpresa agradável com a atuação e posição de algum novel diretor? Mesmo a flor de lótus, uma das mais belas dentre as flores, floresce na lama, no pântano. Então? É como diz o ditado: A esperança é a última que morre….
    Novos diretores – dentro do sindicato vão ter a oportunidade de ver ‘in loco” e pessoalmente tudo o que denunciamos. Mas vão devagar, se não, eles tiram vocês da entidade também.
    Mais uma vez: Ouçam o Cláudio Murilo – nas condições atuais somente Marcos Camargo pode pacificar, direcionar e unir nossa categoria. Pensem bastante sobre isso, pois é muito grande a possibilidade de que em um futuro próximo possam chorar o leite derramado.
    Gostaria de deixar uma última observação: Não usem o Texto Sagrado e o Nome de Deus como avalista dessas trapaças. Um dia poderão ser cobrados por isso!

    Abraço a todos.
    Caio França.

  36. Robispierre Xavier

    No ensejo, soube também que o membro indicado pelo Sindifiscal para compor o conselho junto ao Igeprev, é nosso Diretor, Alessandro Marques.
    Em nome da transparência e alicerçado pela boa fé inerente à missão de conselheiro junto ao Igeprev, seria de grande valia que o nobre colega pedisse espaço no site da entidade-mor, para expor seus esclarecimentos acerca de tudo que sabe, de tudo que votou, aprovou e desaprovou como conselheiro. Afinal estamos falando de um rombo na ordem R$ 500.000.000,00 (quinhentos milhões de reais) e que nos atinge fatalmente.
    A categoria está à espera de um pronunciamento formal, uma nota, nos moldes da que foi feita para esclarecer sobre o teatro da mudança das escalas.
    Estamos no aguardo!

  37. Robispierre Xavier

    Claudio Murilo, meu companheiro, pelo que ouvi em Palmas ontem, telefonaram para cada filiado convidando-os a comparecer às urnas. Uma tentativa de fazer marketing e tentar mostrar que mesmo com chapa única, iam ter votação expressiva. Creio que o tiro tenha saído pela culatra, mas de qualquer forma, estão “eleitos” pela vontade da “maioria”.
    De cá, fico a imaginar algumas barbaridades que alguns colegas certamente escreveram nas cédulas de votação, em protesto à essa farsa, essa sujeira fétida.
    Estive lendo o panfleto com as “propostas” dessa honrosa campanha e dei muita risada, a começar pelo fantoche sem óculos na foto de apresentação da chapa. Talvez tenha feito cirurgia e assim passe a enxergar o que nunca quis ver enquanto esteve sentado na cadeira da mamata.
    Por fim, não creio na sensatez que seria a de renunciar e deixar o Marcos Camargo assumir, isso não vai acontecer, pois por trás de tudo isso existem muita coisa, muito interesse, existe um “projeto” audacioso e por que não dizer “capcioso”. Há mais coisas entre o céu e a Terra, do que podemos enxergar.

  38. claudio murilo

    Não disseram quantos votantes compareceram as urnas, deve ter sido poucos senão fariam questão de divulgar, muitos dizem que o atual governo é um desgoverno, e na entidade-mor a atual gestão é uma indigestão, numa nota de agradecimento o mesmo disse ter havido inverdades sobre sua gestão, então apresente as verdades que ninguém consegue enxergar, cadê os avanços e melhorias, fiz um desafio e aguardo a comprovação, colegas aproveitem o plano de saúde e façam exames de vista, pois não estão enxergando o abismo próximo que estamos, mostre sua dedicação a categoria “renuncie” e deixe o marcos Henrique presidir, ele tem coragem e não precisa de governos “amigos” para buscar soluções para nossos problemas, nesses últimos dois anos estamos sem condições de trabalho e nada foi feito, sem segurança e agora temos um policiamento sazonal que não resolve o problema, cadê o adicional-noturno, hora-extra já virou piada, progressão em lei, nem assim eles tem coragem de cobrar alias exigir o cumprimento de lei, aumento redaf( mais de 4 anos no mesmo valor), subsidio, eu citei o que não foi feito, agora gostaria que eles citassem o que fizeram, seria um breve “nada”, recebendo salario a disposição, com tempo pra atuar e “nada”, vergonhoso e isso nos custará caro, pela inercia serão responsabilizados pelo que vier a acontecer de ruim a categoria, pela falta de atuação(essas são atribuições da entidade-mor), como dizem eles próprios”que Deus os ilumine”, gostaria de estar errado a respeito, mais não serei surpreendido, pois em dois anos nada fizeram, nesses próximos idem, renuncie já não entregue a categoria a um futuro sombrio, marcos Henrique presidente. Meus amigos Marcos Henrique, Saulo Barreira e Divaldo Andrade, não deixem que uma pessoa só afunde o barco que já está a deriva a há alguns anos.

  39. Robispierre Xavier

    Hoje estou de LUTO, em protesto à essa farsa dessas “eleições” sindicais, em protesto à essa tramoia toda.

  40. Isaque Cairo

    Em pleno feriado da República ( de quem ? ) a nação foi vitimada com mais um espetáculo midiático promovido pelo Feitor-Mor do Brasil, os efeitos conseguidos foi deixar exposto quão sensível é ele a opinião publicada da grande mídia, quando em verdade e precipuamente deveria ser sensível aos princípios mais básicos do Estado Democrático de Direito.
    Serve também como reflexão para aqueles que empunhando um chicote e brandindo alto contra o que discordam atiram contra tudo e contra todos e a tudo denigrem como se por intervenção divina, talvez, tivessem neles sintetizados toda inteligência, toda ética e toda verdade. Há tempo para tudo, para plantar e para colher, imagino que passou o tempo de plantar a discórdia, promover agressões baratas e é chegado o tempo de buscar a unidade sem primazia em benefício de todos.
    Transcrevo abaixo, manifesto assinado por grandes juristas a advogados brasileiros, denunciando o espetáculo midiático do Exmo. Presidente da Suprema Corte, em mais um triste exemplo de subserviência à Casa Grande que tanto sangue deve ter derramado de seus ancestrais, a menos que, como ele próprio, tenham também se destacado docilmente a tarefa de servir, segue manifesto subscrito por nomes como Dalmo Dallari e Celso Antônio Bandeira de Mello , entre outros;

    “A decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal de mandar prender os réus da Ação Penal 470 no dia da proclamação da República expõe claro açodamento e ilegalidade. Mais uma vez, prevaleceu o objetivo de fazer do julgamento o exemplo no combate à corrupção.

    Sem qualquer razão meramente defensável, organizou-se um desfile aéreo, custeado com dinheiro público e com forte apelo midiático, para levar todos os réus a Brasília. Não faz sentido transferir para o regime fechado, no presídio da Papuda, réus que deveriam iniciar o cumprimento das penas já no semiaberto em seus estados de origem. Só o desejo pelo espetáculo justifica.

    Tal medida, tomada monocraticamente pelo ministro relator Joaquim Barbosa, nos causa profunda preocupação e constitui mais um lamentável capítulo de exceção em um julgamento marcado por sérias violações de garantias constitucionais.

    A imprecisão e a fragilidade jurídica dos mandados expedidos em pleno feriado da República, sem definição do regime prisional a que cada réu teria direito, não condizem com a envergadura da Suprema Corte brasileira.

    A pressa de Joaquim Barbosa levou ainda a um inaceitável descompasso de informação entre a Vara de Execução Penal do Distrito Federal e a Polícia Federal, responsável pelo cumprimento dos mandados.

    O presidente do STF fez os pedidos de prisão, mas só expediu as cartas de sentença, que deveriam orientar o juiz responsável pelo cumprimento das penas, 48 horas depois que todos estavam presos. Um flagrante desrespeito à Lei de Execuções Penais que lança dúvidas sobre o preparo ou a boa fé de Joaquim Barbosa na condução do processo.

    Um erro inadmissível que compromete a imagem e reputação do Supremo Tribunal Federal e já provoca reações da sociedade e meio jurídico. O STF precisa reagir para não se tornar refém de seu presidente.

    A verdade inegável é que todos foram presos em regime fechado antes do “trânsito em julgado” para todos os crimes a que respondem perante o tribunal. Mesmo os réus que deveriam cumprir pena em regime semiaberto foram encarcerados, com plena restrição de liberdade, sem que o STF justifique a incoerência entre a decisão de fatiar o cumprimento das penas e a situação em que os réus hoje se encontram.

    Mais que uma violação de garantia, o caso do ex-presidente do PT José Genoino é dramático diante de seu grave estado de saúde. Traduz quanto o apelo por uma solução midiática pode se sobrepor ao bom senso da Justiça e ao respeito à integridade humana.

    Tais desdobramentos maculam qualquer propósito de fazer da execução penal do julgamento do mensalão o exemplo maior do combate à corrupção. Tornam também temerária a decisão majoritária dos ministros da Corte de fatiar o cumprimento das penas, mandando prender agora mesmo aqueles réus que ainda têm direito a embargos infringentes.

    Querem encerrar a AP 470 a todo custo, sacrificando o devido processo legal. O julgamento que começou negando aos réus o direito ao duplo grau de jurisdição conheceu neste feriado da República mais um capítulo sombrio.

    Sugerimos aos ministros da Suprema Corte, que na semana passada permitiram o fatiamento das prisões, que atentem para a gravidade dos fatos dos últimos dias. Não escrevemos em nome dos réus, mas de uma significativa parcela da sociedade que está perplexa com a exploração midiática das prisões e temem não só pelo destino dos réus, mas também pelo futuro do Estado Democrático de Direito no Brasil.”

    19 de Novembro de 2013

    Juristas e advogados

    – Celso Bandeira de Mello – jurista, professor emérito da PUC-SP
    – Dalmo de Abreu Dallari – jurista, professor emérito do USP
    – Pedro Serrano – advogado, membro da comissão de estudos constitucionais do CFOAB
    – Pierpaolo Bottini – advogado
    – Marco Aurélio de Carvalho – jurista, professor universitário e secretário do setorial jurídico do PT.

    – Antonio Fabrício – presidente da Associação Brasileira dos Advogados Trabalhistas e Diretor Financeiro da OAB/MG
    – Bruno Bugareli – advogado e presidente da comissão de estudos constitucionais da OAB-MG
    – Felipe Olegário – advogado e professor universitário
    – Gabriela Araújo – advogada
    – Gabriel Ciríaco Lira – advogado
    – Gabriel Ivo – advogado, professor universitário e procurador do Estado.
    – Jarbas Vasconcelos – presidente da OAB/PA
    – Luiz Guilherme Conci – jurista, professor universitário e presidente coordenação do Sistema Internacional de Proteção dos Direitos Humanos do CFOAB
    – Marcos Meira – advogado
    – Rafael Valim – advogado e professor universitário
    – Weida Zancaner- jurista e advogada

  41. Colega
    Claudio Murilo:

    Você tem lucidez e parece enxergar tudo com clareza.
    Em especial um linha sua de raciocínio chamou-me a atenção. Foi quando disse em uma matéria passada que seria um demonstração de comprometimento com a categoria se o atual presidente deixasse o cargo livre para o vice assumir a presidência.
    Raciocínio singelo, mas efetivo.
    O atual presidente não tem credibilidade nem para a suplência, pois certamente, contaminaria a diretoria toda. Creio sinceramente que deveria recolher-se à sua insignificância e desaparecer. Ou ir com seu chefe para um partido político. Em alguns partido político se encontra de tudo.
    Credibilidade não dá em árvore. É fruto de nossas ações pretéritas, coerência, sinceridade, razoabilidade e, principalmente da confiança que transmitimos. Não é o caso do presidente atual.
    Precisamos de sangue novo, esperança nova. Precisamos também, urgentemente, desligarmos desse passado negro e tenebroso que jogou nossa categoria em extrema dificuldade. Estamos sem qualquer tipo de conquista e ainda fomos ameaçados diversas vezes em retroagirmos. Nem ao menos uma pequena conquista.
    Nada de horas-extras. Nada de adicional-noturno. Nada de carreira-única. Nada de adicional de insalubridade. Nada de Redaf atualizado.
    É com a bandeira do NADA que se apresentam candidatos? A chapa do Nada? E o desconfiômetro, não tem?
    Que tal o troco, NADA de votos?
    Além dessa estória de mudança de escala e bom que a categoria saiba QUE JÁ SE PLANEJOU fazer todas as escalas em Palmas. Que tal?
    Quem pensa que não pode piorar é por que não tem imaginação!
    Amigo Cláudio: A vaca JÁ foi para o brejo, o que estamos tentando fazer, é não deixá-la morrer.
    E concordo plenamente com você: Ainda tem uma saida – Marcos Camargo pode conduzir nossa categoria para fora do atoleiro, se o quiser. Tem credibilidade para tanto. Basta tão somente que o queira, por que conta com a confiança da classe.
    Se essa chapa quiser mesmo defender e harmonizar a categoria, poderia começar bem, dando desde já, demonstração de desprendimento, coragem e lucidez, ao enfrentar logo de início, uma dificuldade real, com ações concretas e solucionadoras de conflitos.
    Falar nisso, tem muitos desavisado por aí que pensam que que “política” é a arte de criar conflitos.
    Amigos, o bom político é por excelência, resiliente, ou seja, expert no ofício e arte de conciliar interesses contrários, adversários, apaziguar ânimos e convergir forças em seu objetivo, conquista Isso é “política”. O resto é força, que aplicada de maneira errada, dá, também efeito contrário!
    Agora me digam, não tem algo errado com esse pessoal do sindicato?
    Abs,

  42. claudio murilo

    Aquelas reuniões que disseram ter com o secretario cobrando isso, aquilo e aquilo outro, ficará como esperávamos, não dará em nada, pois agora eles tem essa prioridade factoidiana das escalas para não mais cobrar avanços, bye bye progressão e adicional-noturno, bye bye redaf e subsidio e acho que não demorará para dar bye bye a toda nossa carreira pelo andar da carruagem, marcos Henrique presidente, ou bye bye carreira no fisco.

  43. claudio murilo

    Eu digo isso há vários anos(no chute o balde estava cheio), ao menos a uns 15 anos, sempre foi assim, inventam uma maneira de modificar algo que já temos, para que tenhamos que correr atrás para voltar ao status quo, evitando assim qualquer tipo de novas proposituras, novas reivindicações, avanços salariais, ou até mesmo deixar de cumprir os que temos de direito(progressão e adicional-noturno), e a entidade-mor corre atrás do governo e depois cantam vitória, quer dizer patinamos e não saímos do lugar, agora gostaria de saber até quando a categoria ficará cega a essas manobras, ficamos reféns de nós mesmos, pois quem deveria agir de maneira que teríamos avanços verdadeiros e não retroagir, nada faz, esperam até surgir factoides para dizer que estão defendendo a categoria, para não haver avanços no redaf eles aumentarão a meta para que venhamos a mendigar as metas condizentes esquecendo assim o aumento mais que necessário do redaf, quando a categoria disser basta a essas politicas atrasadas e tão previsíveis, teremos sim avanços de verdade e necessários para garantir nossa aposentadoria com solidez e dignidade, senão nosso futuro continuara tão negro como está hoje, marcos Henrique presidente, pra vaca não ir pro brejo nos próximos 2 anos.

  44. Certamente,
    nobre Pierre:

    Um teatrinho barato.
    Tudo indica não terem noção do ridículo.

  45. Robispierre Xavier

    O colega Alessandro, enquanto Diretor de Fiscalização, em sua nota de esclarecimento, entrou em total contradição com o Secretário.
    Se o Secretário apontou Superintendência e DFIS como co-partícipes da discussão da mudança das escalas e agora leio essa nota, fico a pensar: de onde realmente saiu essa ideia? Já estamos trabalhando em péssimas condições de trabalho, insalubridade, sem policiamento em condições de total insegurança. Equipamentos sucateados (com ressalva aos veículos que acabaram de chegar). Em pleno século 21, ainda tem posto fiscal que sequer tem máquina autenticadora, sem falar na falta de documentos controlados. Já vetaram até o fornecimento de água mineral.
    O que mais me deixa perplexo é que somos porta de entrada de receita e é público, todo mundo vê, que demais secretarias “deitam e rolam”, são bem aparelhadas em todos os aspectos. Por que a Sefaz é tratada dessa forma? “Casa de ferreiro e espeto de pau”?
    E, por fim, agora ainda surge essa ideia de fazer-nos viajar duas vezes ao posto fiscal? Olha… é inacreditável, mas é real. Não sei mais onde tudo isso vai parar…

  46. Robispierre Xavier

    Olha que coisa mais linda de se ler:

    “Isso mexe muito com a vida dos colegas. Não fomos ouvidos; fomos pegos de surpresa. Por que foi publicada essa portaria assim?”, questionou o presidente em exercício Samuel Andrade, que teve a cobrança reforçada pelo diretor administrativo José Ronaldo dos Santos: “Comprovadamente não está havendo prejuízo para a administração. Como se chegou a essa conclusão?”

    Mais adiante o esclarecimento:

    “Mostrando-se sensível aos questionamentos dos representantes do Sindifiscal, Olímpio disse que foi informado por técnicos da Secretaria, citando, inclusive, o Superintendente de Gestão Tributária e o Diretor de Fiscalização, que a mudança havia sido debatida com todos os envolvidos.”

    Conclusão: Ocorreu como realmente chegou aos meus ouvidos. O Sindicato sabia sim da portaria, ou pelo menos o fantoche sabia. Se o fantoche sabia, será mesmo que o presidente em exercício não sabia de nada? Teatrinho!!! Conta outra pra eu ouvir…

  47. Isaque Cairo

    Prezados Companheiros.
    O próximo dia 20 é dedicado às causas do povo negro deste País – Dia da Consciência Negra, pois bem ! Evidentemente algo de pequena monta fora proposto e implementado na última década, mas evidentemente mesmo este pouco é terrivelmente criticado por quem sempre se locupletou através do derramar do suor , sangue e lágrimas dos trabalhadores negros , pardos, índios e pobres de todos os matizes nesta nação.
    Segue belo artigo, publicado no site TIJOLACO sobre as cotas raciais e claro , sobre a hipocrisia de todos nós, ao final segue link com belíssimo e longo texto redigido pelo conhecidíssimo Juiz Federal Willian Douglas acerca do mesmo tema:
    A luta de um único homem pelos seus direitos é a própria luta de toda humanidade !

    Cota não é “caridade”, é política para dar oportunidades iguais

    13 de novembro de 2013 | 15:44
    Com a gente já havia antecipado, o estudo divulgado hoje pelo Dieese joga por terra a desculpa, aparentemente democrática, que a pequeníssima presença de negros nas profissões mais qualificadas – públicas e privadas – se deve ao fato de que as populações negras – na maioria pobres – não tem acesso à educação.

    Isso é verdade, mas não é toda a verdade.

    Vejam que é entre os trabalhadores com educação superior que é maior a diferença de remuneração entre negros e não-negros. E é assim, em geral, por uma diferença de hierarquia funcional, menos comum entre os trabalhadores de escolaridade mais baixa.

    Quanto mais bem remunerado o cargo, menos negros há neles.

    Na média, isso puxa para cima a diferença neste grupo: o salário médio dos negros é 59,9% do pago aos não negros, quando ambos os segmentos têm grau universitário.

    É por isso que -, apesar de algumas pessoas , mesmo bem intencionadas não perceberem, as cotas raciais na Universidade e no Serviço Público são, talvez durante duas ou três gerações, o único caminho para restabelecer uma igualdade de oportunidades que não virá simplesmente pela elevação do nível educacional ou, através deles apenas, levará séculos.

    As cotas são uma afirmação não apenas dos nossos irmãos negros, mas da nossa própria humanidade, da nossa capacidade de entender que a liberdade não é apenas aquilo que faz os homens “nascerem livres e iguais” em tese, mas terem igualdade de oportunidades na busca por seus sonhos, em seu trabalho e na vida social.

    Transcrevo, abaixo, o artigo do juiz de Direito, professor e escritor William Douglas, publicado pelo blog Pragmatismo Político e reproduzido pelo Diário do Centro do Mundo.

    Um homem de origem humilde que, apesar disso, não se escuda na sua trajetória de êxitos para achar que todos podem ter o mesmo que ele teve. Um homem que já foi contra as cotas mas que, por não ser indiferente, viu a sua necessidade.

    E sua justiça

    http://tijolaco.com.br/index.php/cota-nao-e-caridade-e-politica-para-dar-oportunidades-iguais/

  48. O BODE NO PRESÍDIO OU A MUDANÇA DE ESCALA

    “Diz-se que certa vez um diretor de presídio japonês foi comunicado pelos seus informantes que os presos intentavam fazer uma rebelião ou motim, reivindicando alimentação de melhor qualidade, mais visitas íntimas, mais banho de sol, etc, etc.
    O experiente senhor, com um pequeno sorriso no rosto, chamou seu subordinado e disse para que ele procurasse um bode velho e muito mal-cheiroso e o colocasse dentro da prisão.
    Assim foi feito, e a repercussão, imediata. Todos se revoltaram, pelo absurdo de além estar preso, ainda ter de suportar o mau cheiro do bode velho dia e noite. Verdadeiramente insuportável!
    O mau cheiro empesteava tudo. O refeitório. As celas. O pátio do banho de sol nada escapava. Então os líderes, dentre os presos, começaram a discutir o assunto. Assim não podia ficar. Teriam que tomar providências ou então a situação iria ficar dramática. Começaram a deliberar entre si. As discussões foram acaloradas e na data aprazada, a rebelião estourou com extremada ira dos participantes.
    Foram taxativos e inflexíveis: o bode não pode ficar! Discutiu-se. Tudo o mais poderia esperar, o bode, não! Esse teria que sair imediatamente.
    Após várias horas de negociação, o diretor do presídio cedeu: Tudo bem. O bode sai!
    E assim, continuou-se tudo, como era antes.”

    DIANTE DESSE TEXTO, MARQUE COM UM “X” A RESPOSTA CORRETA;

    A – ( )O bode, na nossa realidade, é a pretensa mudança de escala;
    B – ( )Factóide eleitoral sindical: Cria-se um problema, depois, faz-de-conta-que-resolve!
    C – ( )Balão-de-ensaio: se a categoria não gritar aproveitam para empurrar goela-abaixo um velho sonho acalentado por maus colegas que pretendem fazer nome às custas de sacrifício de outros.
    D – ( ) Todas estão corretas.
    Aceitam sugestão?
    Abs,

    Caio França.

  49. claudio murilo

    CARTA AOS AUDITORES – Numa interpretação do texto biblico de ……..(vou pular essa parte e ir ao que interessa)…………….percebemos o quanto as atitudes valem mais que palavras…………. palavras se jogadas ao vento de nada servem, atitudes sempre provocam alguma reação.(agora o lado comico) E é isso que temos feito ao longo desses dois anos á frente da entidade-mor(entidade-mor é palavra que eu uso). Temos agido. São inumeros os resultados que poderiamos(disse bem poderiamos mais não o fazem) citar para exemplificar os beneficios a categoria.(acabando a parte da carta aos auditores) – (Lançando o desafio) Porque não enumeram então essas atitudes e seus resultados, realmente falaram certinho “palavras se jogadas ao vento”(eles só usaram palavras nessa carta), papel aceita palavras, agora apresentar resultados esse sim necessita de comprovação, ou sou cego e não enxergo esses resultados? Alias tem muitos que não enxergam, e as propostas, se mal me recordo são bem semelhantes as de 2 anos atrás na eleição de 2011, para renovar com responsabilidade, não deveria ter ninguem dessa gestão que finda, mais tem na presidencia, porque não renovar de verdade e não somente no nome da chapa, Marcos Henrique pra presidente, fica lançado o desafio, apresentar os resultados obtidos, não vale dizer progressão e data-base recebidas fora da data em lei, alias essa ultima progressão que deveria ser implementada em agosto não se sabe nada a respeito, se estiver cego vou ao oftalmologista fazer exame, pois não consigo enxergar esses resultados, as condições de trabalho pioram a cada dia, me ajudem a enxergar então, esclareçam por favor. Se quiserem ajudar a categoria, renunciem, deixem o Marcos Henrique presidir, senão haja oftalmologista pra essa categoria.(Leiam a CARTA AOS AUDITORESS na propaganda eleitoral da chapa RENOVAÇÃO COM REPONSABILIDADE) e tirem suas conclusões.

  50. Caro
    Wanderley:

    Essas personagens que você procura devem estar ministrando palestras e seminários pelo Brasil afora, ensinando outros a darem golpe no sindicato. Principalmente, golpe de chapa única, desde que são especialistas nisso.
    Concurso Cultural no Sindifiscal? kkkkkkkkkk. Essa aí, é para rir mesmo!
    Disso, creio, não entenderem muito. É a velha história do faz-de-conta. E será que ainda tem bobo que vai nessa?
    Bom, tem pessoas de todo jeito!
    Por que será que não promovem um seminário (ou curso) no sindifiscal sobre ética, moralidade e honestidade?
    Faço minha inscrição antecipadamente. Como são especialistas em peças teatrais, farão um ótimo trabalho, não pelo conteúdo, mas principalmente pelo lado cômico e hilário de suas interpretações sobre esses temas.
    Tem claras vocações para representações teatrais, dramas, fingimento, faz-de-conta, enfim, são verdadeiros artistas!
    Assim, vocações para política partidária, para ministros da igreja, para teatro, e, infelizmente para nós, só não tem vocações para líderes sindicais,
    oh, sorte, a nossa!

  51. Concurso cultural do sindifiscal? Pelo amor de Deus!! Com tanta demandas a serem tratadas, e olhem, analisem, o ano que vem depois do recesso (tres meses: dez/jan/fev) em meados do mes de março estrearemos uma perda aproximada de 30% em nosso poder de compra, é mole ou teremos que suportar? Vamos trabalhar diretores ainda dá tempo de fazer alguma coisa meus amigos, não queiram fechar o mandato com chave de lata. Cadê o presidente atual e o futuro tá de férias?

  52. Caio França de Oliveira

    Muito bem,
    Colega
    Clarismar:
    Faltou lembrar que estamos em período “pré-golpe” alcunhado de “eleição” sindical. Nessa fase, assim como nas eleições anteriores, se passar uma mosca voando eles gritam. Ficam com uma coragem de camicases, pegam qualquer alvo e apontam o avião com determinação suicida.
    Leia novamente o “gibi” da carta de plano de trabalho para esse biênio que agora finda. Está datado 26.11.2011.Lá só falam em trabalho….Seria coincidências de datas? Estamos em novembro novamente. Parece que nesse mês (antes das eleições) ficam extremamente trabalhadores. Se você não tiver um,panfleto desse, peça ao sindifiscal que eles lhe mandam. Veja também o sorriso deles na capa. Devem estar sorrindo de quem iria acreditar naquilo. Esse é um assunto. Vamos ao outro
    O Sindifiscal indicou um conselheiro Igeprev.. Será que pediu alguma explicação para ele sobre esse escândalo das aplicações suspeitas? Sempre achei um pouco estranho essa briga louca para indicar conselheiros no Igeprev. Alguma coisa estranha, que não sabemos, deve haver nisso. Mas veja: se a direção do sindifiscal pediu explicação (a correção começa de casa, não é?) ele a deve ter dado e aí é somente publicar sua versão dos fatos. A nossa classe aguarda uma explicação. Ele é representante de uma categoria fiscal que por sua própria natureza funcional não deve e não pode ficar omisso em uma situações como essa, em grave suspeita de desvio de dinheiro público. Mesmo por que tem presumida sua inocência nesse fato, até prova ao contrário.
    Faltou também, nobre colega, expor, que essas personalidades (os conselheiros fiscais, modo geral, seja do Igeprev ou Sindifiscal), estão sujeitas a serem cobrados civil e penalmente por seus atos, por ação, omissão, conluio e até por formação de quadrilha, tendo numero de participantes suficiente para tanto.
    A coisa não é assim tão simples como parece.
    Podem estar sentados em um barril de pólvora, se alguém riscar um fósforo …
    Abs,

  53. Já que a chapa é única poderíamos evitar gastos desnecessários com mobilização financeira para as eleições. Não precisa dos colegas irem as urnas, tendo que viajar ou deslocar de onde estiverem para votar em uma chapa que já ganhou as eleições. Estão subestimando os colegas fazendo votar em quem não precisa de votos!! Abraço.

  54. Caro
    Colega Murilo,

    Se o pinóquio-mor tivesse alguma empatia ou sensibilidade para tanto (essa depende da inteligência) faria como fez o seu mentor: pegaria o seu boné e sairia caladinho, dizendo vou ali e volto já, e desapareceria para sempre. Tudo nessa gestão desastrada deu errado, e ainda tem muito a ser revelado… faça a idéia do que esta por vir! No entanto não espere muito dele por que não tem nada (nada mesmo) a oferecer. Só teria alguma serventia, a fazer papel mandando, como sempre foi do eu feitio. Hoje está tentando tapar buraco em que os mais espertos já se mandaram. Bom senso? Só sairá da sede do sindicato, se for expulso de lá, pego com as mãos e jogado fora.
    Se acontecer algo além do que prevejo, sinceramente, me surpreenderei.
    Abs,

  55. josimar

    Bom dia. Gostaria de parabenizar a todos os colegas pelas suas preocupaçôes E, mediante aos fatos e boatos que vem ocorrendo ultimamente, é de se analisar profundamente.
    Att,

    Josimar (Batomuchu)

  56. claudio murilo

    Tá na hora do candidato a presidente abrir mão e deixar o candidato a vice-presidente ser o cabeça de chapa, o Marcos seria a melhor opção pra estimular essa categoria que parece morta por falta de atitudes e objetivos de avanços para o quadro que estamos vendo já há alguns anos, lanço a campanha “renuncie já e deixe o vice comandar” caso haja amor a categoria como pregam por ai, do jeito que está não dá mais pra continuar, vejam o relato do colega Rodrigo Lacombe sobre sua aposentadoria, ele diz que tem parecer da PGE tirando a produtividade na aposentadoria, e ainda(os atuais) dizem ser contrarios a subsidio pois chegariamos ao teto, perderiamos o adicional noturno(esse então nunca recebemos mesmo e parece nunca receber) então vamos deixar quem tem vontade de escutar a categoria, discutir e implementar nossos desejos e necessidades, Marcos pra presidente.

  57. Antonio da Silva

    Já podemos ver uma luz no fim do túnel. O Sindifiscal começa a mudar as cabeças…. MARCOS para presidente do SINDIFISCAL. Tem meu apoio.

  58. Concordo plenamente com os colegas que defendem o nome do Marcos Camargo para o comando do Sindifiscal (presidente e não vice-presidente). Tenho lido aqui nesse espaço e falado com colegas de Alvorada e outras regionais, e há unanimidade em seu nome. Já que a chapa é única e estão falando em depurar o sindifiscal só está faltando trocar o presidente (porque senão nada adiantará), vamos mudar a cabeça dessa chapa. Esse sim (Marcos Camargo)é um colega que sempre trabalhou sem perseguir e defendendo os auditores, ele tem condições de salvar a categoria virando a página dessa malfadada história que vive hoje o nosso sindicato. Marcos sempre aglutinou e uniu os colegas, companheiro que aceita debates e sempre respeitou quando se tratava de decisão da maioria, é verdadeiramente um defensor classista e não aqueles que sempre perseguiu e depois se passaram de defensores. MARCOS CAMARGO PARA PRESIDENTE JÁ!! Abraços a todos.

  59. Isaque Cairo

    No Estado do Tocantins a vida do servidor, sobretudo dos infelizes Ex-Afas, é uma verdadeira via-dolorosa, esta questão específica do Aranha Lacombe ( que não é necessariamente ex-afa ) é de se colocar a cabeça para pensar, embora não seja esta uma das atividades muito comuns de nossa valorosa classe.
    Tudo se resolve com trabalho, transformar tudo em subsídio é o suficiente para apagar este foco de incêndio, atual e futuro.

  60. Robispierre Xavier

    Também opino pelo Marcos Camargo para a presidência do Sindifiscal, pois é um nome que atenderia as expectativas de A, B, C, E, F, G… etc, etc, etc.. Precisamos de sangue novo, ideias novas a atitudes que mudem completamente esse contexto em que estamos “atolados”.
    Marcos Camargo para presidente do Sindifiscal!!!

  61. severino costa

    Rodrigo, estou precisando falar com você. Não tenho o número do seu telefone. Envie o número para o e-mail severinocostajr@hotmail.com.
    Severino Costa

  62. Caro
    Rodrigo:

    Agradecemos sua comunicação que é uma prova cabal e indubitável do que vimos afirmando aqui. Colocamo-nos ao seu inteiro dispor naquilo que pudermos ser uteis, na resolução de tão grave impasse. Esse é o tipo de problema que se não conseguirmos resolver, todos os colegas, futuramente, terão de passar por ele, portanto, não é um problema somente seu, e sim, classista.
    Uma das piores coisas que pode acontecer com quem já trabalhou tanto, ao ponto de se aposentar, é a insegurança quanto ao futuro.
    Portanto, conte conosco.
    Abs,

    Caio França.

  63. Rodrigo Aranha Lacombe

    CORTE DA PRODUTIVIDADE NA APOSENTADORIA
    Informo que estou me aposentando e a Procuradoria Geral do Estado deu
    parecer para que os meus proventos da aposentadoria não incluam a
    produtividade. Não é só o meu caso. Há um AFRE III, de Araguaína, que
    também requereu a aposentadoria e tem um parecer da PGE no processo dele
    pelo corte da produtividade na pagamento da aposentadoria.
    O caso é grave para todos nós. Não só aqueles que vão se aposentar por
    idade, mas também os que podem se aposentar por doença ficarão sem
    produtividade nos proventos da aposentadoria, caso prevaleça o entendimento
    da PGE. A decisão final ainda não foi proferida.

    Rodrigo Aranha Lacombe – Auditor IV

  64. claudio murilo

    Bem colocado pelo Caio, o Marcos Camargo deveria ser o presidente, seria um aglutinador da categoria, oxigenaria nossos anseios e com certeza amenizaria toda essa incerteza que foi implantada nesses últimos anos.

  65. Alô
    Isaque,

    belo trabalho esse que você fez sobre a atualização do Redaf. Falar é fácil. Debruçar-se em cima de números, pesquisar índices e datas, dá realmente muito trabalho. Meus parabéns.
    Abs,

  66. Robispierre Xavier

    Andei visando alguns balancetes do Sindifiscal recentemente.
    Pergunto à atual diretoria e à que está por vir:

    – Os juros resultantes dessas aplicações sempre foram contabilizados e obedecendo todos critérios legais?
    – Os juros correspondem ao valor exato que deveria ser resgatado?
    – Qual (ou quais) as instituições financeiras que receberam essas aplicações durante os últimos 10 anos?
    – Tem ou teve algum diretor do Sindifiscal que é (ou já foi) membro da diretoria de alguma dessas instituições financeiras que receberam aplicações do nosso suado dinheiro?
    – Quanto se gasta com assessoria jurídica anualmente? (e não ganhamos sequer uma ação).
    – Quanto se gasta mensalmente com lanchinhos, bolos, suco Dell Vale, tortas, salgadinhos, leite, frutas, água mineral, etc?
    – E aquele parecer fajuto que foi arrecadado dinheiro e pago ao “advogado de renome” em Brasília, para amparar a defesa da ADI?
    – Justifica cada diretor ter um aparelho celular de última geração (com linha aberta)?
    – Afinal, por que compram tanto chopp e cerveja com nosso dinheiro?
    – Os senhores têm ideia do tanto de sono que perco para entregar meu dinheiro nas mãos dos senhores, para ser rasgado da maneira suja que fazem?
    – Outra coisa, os senhores acham mesmo que representam nossa categoria ou representam seus umbigos sujos?
    – Acham que todo mundo aplaude essa vaidade ridícula dos senhores?
    – Por último, antes de perguntar essa, sugiro que desliguem seus celulares, coloquem suas cabecinhas nos seus travesseiros e reflitam. Agora a pergunta: como os senhores imaginam que estarão suas vidas daqui a cinco ou dez anos, em todos os aspectos? Para subsidiar as suas respostas, digo que estão detonando com o futuro de mais de 500 famílias, que em média resulta em 2.000 (duas mil) vidas. Pensem nisso, se é que pensam!

  67. Caio França de Oliveira

    Caríssimo
    Colega
    Severino:

    Somos totalmente acordes no sentido que nunca deveríamos ter saído da forma de recebimento de nossos proventos como “subsídio” e jamais como salário ou remuneração.
    A desculpa para essa mudança é demasiadamente falha: diziam que era para recebermos as Horas-Extras e Adicional Noturno…. que nunca recebemos!
    O maior problema que nossa categoria enfrenta, realmente, não é a entidade-morta, é o de memória! Agora, quando enfrentamos problemas na aposentadoria, ninguém se lembra mais dessa estranha argumentação. A compreensão de uma grande parte da categoria que isso foi um acordo para agradar o executivo da época. Não sabemos se isso é verdade, mas devido as circunstancia em que foi feito, tem tudo para ser. O objetivo principal era eleger um deputado a qualquer custo, principalmente se os custos forem de outrem.
    Esse é mais um “desserviço” dessa patética “diretoria”. Por favor, enumere e faça uma pauta deles.
    Sobre as pessoas que riram quando você (e eu) falávamos em incorporação, creio que são mais que palhaços, uns de forma induzida, outros, por que são néscios mesmo.
    Um procurador do estado, na época, disse em uma roda de pessoas, sobre essa mudança na forma de pagamento; ” Vocês são loucos. Estão na contramão. Estão retroagindo. Não tem entidade no Brasil que faça isso.” Ouvimos e tivemos que ficar calado, pois o sindicato era o dono da razão, onisciente e onipresente, e dono de todo o conhecimento e poder do Universo. Quem falasse contra isso poderia até ser linchado.
    Apesar da matéria apresentar controvérsias, é bom que se diga, não concordamos um minuto sequer, com o parecer da Procuradoria que denegou o benefício da incorporação produtividade, simplesmente porque, ela compõe a base pagamento previdenciário, e iremos até o STF se necessário for, para que possamos garantir a justa incorporação dos benefícios que pagamos antecipadamente por ele.
    Abs, .

  68. Poderoso
    isaque:

    Concordo parcialmente com você. Precisamos urgentemente preterir as idiossincrasias e antipatias pessoais em favor da Unidade na Ação. Mas eu nunca vi boa vontade deles nesse sentido.Você viu alguma? Só vejo arrogância e pouco caso. Veja, em plena discussão da LOAT, do Redaf, Horas-extras, eles promovem festas, dizendo que não estão nem aí para críticas ou interesses da categoria. Você mesmo solicitou uma reunião para tratarmos do assunto? Qual resposta teve?
    Todos que lhe conhecem sabem de seu espírito democrático e ideológico e jamais diria palavras quais não crê.
    Em que pesem todos os esforços, é impossível misturar água com óleo. É extremamente necessário que também eles deem demonstração clara que precisamos convergir em nome dos interesses maiores da categoria.
    Uma chapa montada através de golpe com nomes escolhidos a dedo (se são de extrema confiança dos golpistas, o serão da categoria?) está muito aquém daquilo que desejaríamos, contudo, numa demonstração de boa vontade, não os criticaremos até vermos o que pretendem realmente. Estão indo para lá para representar verdadeiramente a classe ou tapar buraco?
    Aguardaremos.
    Gostaria de lembrar que também uma laranja podre estraga todas as demais de uma caixa. E nesse caso foi um erro grave não ter colocado o colega Marcos Camargo na presidência da entidade, por democrático e dado ao diálogo. É de se lamentar. Se já conseguiram mesmo dar o golpe, por que não fazer a coisa bem feita?
    Creio que é para se tentar evitar uma varredura nas conta do sindicato, o que iria deixar alguns sem dormir e outros, talvez, até respondendo na Vara Criminal.
    Dentro de poucos dias, possivelmente, essa dissensão tenha fim. Então marcharemos unidos em direção ao futuro.
    Saudações
    Classistas.

  69. Isaque Cairo

    Nobres Companheiros.
    Observo ainda com extrema preocupação a questão do REDAF, tanto quanto ao atraso que pode se manifestar em meses subsequentes também, pelo que se percebe das alegações do governo do estado, sempre com o pires na mão, não há dinheiro para nada, mesmo com o aumento da arrecadação e um maior aporte de recursos federais, conforme aponta estudo do DIEESE, quanto também ao valor extremamente defasado de R$ 2.700,00.
    Tenho um estudo completo a disposição de qualquer interessado. Ressalvo, entretanto, que a atitude beligerante entre integrantes de uma mesma categoria não será capaz de promover mudanças significativas no desalentador quadro de desmobilização em que nos encontramos.
    Precisamos de união , podemos aproveitar este novo momento com as eleições sindicais que se aproximam, com novos nomes , novos companheiros que deverão dar uma nova roupagem ,novo ânimo, novo gás a nossa estrutura sindical.
    Juntos precisamos deixar que novamente a “esperança possa vencer o medo” e seguirmos juntos, sem a pobreza de dissensões de cunho personalístico ou político-partidário-sindicais. Como exemplo o plano de carreira das categorias fiscais, aprovado neste GOVERNO tão defenestrado por parte da população como antidemocrático ou contrário aos interesses dos trabalhadores, mas que , como os anteriores é sim capaz de atender interesses justos e veementemente requeridos pelos devidos representantes de classe.
    Poderemos muito se estivermos juntos, precisamos superar a crítica e volver nossas atenções para nossos problemas reais.
    Grande abraço a todos e parabéns aos nossos nobres colegas que dispuseram seus nomes para a composição da nova diretoria sindical, que se faça realmente NOVA e aberta à participação democrática.

  70. claudio murilo

    Alguem sabe por onde anda o atual presidente da entidade-mor, não o vejo em foto nenhum, em reunião nenhuma, será que ele não é tão fotogênico quanto o ex-presidente atual diretor e sonhador legislativo.

  71. Nobre
    Pierre,

    Se for para fazer “bota fora” até eu irei!
    Se você for convidado chame-me por favor.
    Creio que os que saem vão se aglutinar e empobrecer algum partido político por aí ou talvez montar alguma igreja, que é o que mais dá dinheiro atualmente. Recebem dinheiro vivo e não pagam qualquer tipo de tributo, por serem consideradas de “utilidade pública”!
    Mas quanto à cesta básica creio que você pode esquecer pois não vota neles. Ou votaria? Talvez se fizer uma ‘mea culpa’ e se desculpar eles lhe deem um picolé, pois tem denunciados suas compras estranhas que mais parece um supermercado de víveres pela quantidade de suprimentos de cesta básica.
    Poderá também tomar Whisky doze anos e ganhar uns tapinhas nas costas e talvez até contar com garçom gravatinha borboleta.
    Afinal você merece pois a sua “contribuição sindical voluntária” é descontada religiosamente para que possam tripudiar regularmente sobre a categoria.
    Eu não me sentiria bem em um meio como aquele, mas confesso que até iria, simplesmente para assistir o bota fora!
    Como creio que você não será convidado, tomarei algumas cervejinhas em homenagem ao fato, e ela deverá ser deliciosa e gratificange, principalmente pelo fato, que será paga com o meu dinheiro, ganhado honestamente e com a consciência tranquila daqueles que não tem rabo a ser puxado!
    Faz ou não faz, toda a diferença?

  72. Robispierre Xavier

    REDAF está atrasadíssimo (hoje já são dia 31/10). Desde 2001, nunca se fixou uma data para pagamento. Isso tem que mudar. Deve-se fixar data para ser pago, isso tem que ser honrado, pois quando chega data de ir pra escala, temos que ir de qualquer jeito.
    Esse engôdo é pago do jeito que bem entendem, e o pior é que estamos refém dele (falo por mim). Quem não está nem aí pra REDAF, certamente está num padrão de vida muito além do meu.
    Alô caras sujas, preciso de uma cesta básica de presente esse ano, pois a coisa está feia lá em casa. Onde vai ser a distribuição? Preciso comparecer.
    Se for rolar um bota fora ao estilo dos que vocês gostam de fazer, me convidem também pra eu tirar a barriga da miséria. Comida e bebida é o que não falta quando é festa organizada por vocês, é uma fartura!
    Estou no aguardo.. sei que vocês sabem meu e-mail e meu telefone.

  73. Caio França de Oliveira

    Caríssimo
    Colega
    Rander:

    Sobre sua pergunta quantos estão discutindo a LOAT – Lei Orgânica da Administração Tributária informo-lhe que o Sindare e a Asfeto estão em plena formatação do projeto.
    Gostaria de participar?
    Entre em contato conosco.
    Aliás, convite estendido a todos os colegas que gostariam de participar. Não será um projeto de lei empurrado goela abaixo da categoria como tem sido a tradição em nossa categoria nos últimos anos, eivados de erros, que a categoria paga penosamente, por arrogância e autossuficiência de quem se crê iluminado e dono de todo o conhecimento e saber.
    Em breve teremos informações como estão a aposentadorias de nossos colegas.
    Tem colegas nossos que ficarão de cabelos em pé quando souberem da realidade.
    Abs,

  74. Pois é
    nobre amigo Pierre,
    Isso é puro desrespeito para com o cargo e a categoria. Para dizer a verdade isso é pura irresponsabilidade. Você acreditaria que esses malversadores de dinheiro público, ao invés de corrigirem esses atos criminosos com o dinheiro alheio, poderiam querer usar os recursos da entidade para processar quem os alertam desse desmando?
    Raciocínio transversal de quem procede com má-fé. Querem se impor na marra, forçar a barra, querendo fazer crer que têm razão, e os criminosos são quem os denunciam. Triste Brasil, em que se está imperando a desordem, a baderna e a confusão. Muito triste também é a omissão de quem deveria agir com todo o rigor com aqueles que transgridem a lei.
    Falar nisso, será que o Sindifiscal tem Conselho Fiscal? Pode-se violar a lei por ação ou por omissão. Será que estão cônscios disso?
    Será que dormem tranquilamente vendo o nosso suado dinheiro sendo jogado ralo abaixo?
    Tudo isso é suposições baseadas em sérias evidências, que se não provadas em contrário, ficam sendo verdadeiras, considerando a sabedoria popular, que tudo que parece demais, é.
    Na situação em que estamos, o cara vai roubado, vai na delegacia registrar o boletim de ocorrência, e fica lá preso, por ter a ousadia de ter ido dar a queixa.
    É isso!

  75. Robispierre Xavier

    O fim ano se aproxima. Lá vem a farra as centenas de cestas básicas compradas com nosso dinheiro, para serem distribuídas em tom de campanha política. Lá vem os churrascos, as dezenas de caixas de cervejas, presentinhos para os apaniguados, etc, etc, etc…
    Por falar em farra, um passarinho me disse que o “baile de gala” em comemoração ao Dia do Auditor, foi regado com 30 litros de wisky Old Par (12 anos), mais uns 40 litros de vinho italiano e mais uns 30 litros de água de côco, o que, segundo meus cálculos custou aproximadamente quase R$ 6.000,00. Bom demais, não é?

    Estava a pensar: quanto custou o cachê da banda contratada? E o Buffet completo com decoração? E o aluguel do espaço? E os brindes sorteados e presenteados? Quanto custou a presença da Fenafisco e demais ilustres? Uma festa claramente política, inclusive com a presença do presidente da Associação Tocantinense de Municípios. Pergunto: o que esse senhor tem a ver com nossa categoria?

    O ano de 2013 finda-se e alguns vão largar a têta do Sindifiscal e vão ter que voltar ao trabalho (vou demorar a crer nisso), outros levaram rasteira, outros correram léguas se escondendo dos convites para compor a chapa eleita por “unanimidade”.
    O ano de 2014 vem aí… campanha política com nosso dinheiro novamente? Pedido de doações que não serão declaradas ao TSE novamente? Compra de tambores de tinta e utensílios para pintura, com nosso dinheiro de novo? Contas telefônicas de campanha, pagas com nosso dinheiro outra vez? E a gula por gasolina? Bom… espero que não, afinal muito provavelmente o caixa está sólido para esse fim. Fiquei sabendo que o Sindifiscal têm dois carros: um Uno e um Tucson. Será que algum vai ficar à disposição da campanha eleitoral?
    Estamos de olhos bem abertos!!!

  76. claudio murilo

    Será que sobrou daqueles oculos que o marcelo distribuiu? Pois precisariamos de muitos para nossa categoria que está totalmente cega, alias oculos não resolveria teria que ser transplante de cornea, podemos fazer uma campanha para doação e ajudar nossos colegas necessitados a voltar a enxergar antes que seja tarde demais, pois ninguem enxerga mais as horas-extras, o adicional noturno, a melhoria no redaf, o subsidio, a progressão, alias redaf deveria ser mudado as regras de recebe-lo e o valor, pois corte em licença-medica é muito ruim, se utilizarem o subterfugio de não poder pagar pois trata-se de ressarcimento, mude o nome e sua finalidade, ultimamente nosso veiculo (chamado fisco) está com as marchas quebradas, só está engatando a ré, isso já a alguns anos, será que ficará mais 2 anos estragado? Temos um consolo, a promoção, alias consolo para uma pequena quantidade de colegas, pois a enfase deveria estar focada em avanços para toda a categoria e não somente a alguns, alias essa promoção também está no fim do tunel dificil de visualizar, o negocio é continuar as campanhas de visão, audição e fala, pois ninguem ouve e nem abre a boca para falar nada, em breve será lançada as danfes em braile, os relatorios em braile tudo em braile para nossos ceguinhos de plantão poderem trabalhar.

  77. Plano de saúde tem que ser tratado com seriedade. Saúde não é mercadoria!!
    Não podemos deixar para conhecer o verdadeiro plano de saúde na hora da necessidade. É nesse instante que poderemos ser surpreendidos por faltas de coberturas na assistência médico hospitalar e isso pode custar a própria vida. Por isso não se enganem consultem com detalhes o regulamento do plano a contratar. Operadoras como a unimed não estão diretamente preocupadas com atendimento e sim no pacote financeiro que o contrato pode render. Essa mesma empresa é a que administra o malfadado PLANSAÚDE que recentemente por não receber o repasse do governo por alguns meses suspendeu os atendimentos no grupo de Estados. Recebi ligações de diversos colegas do Maranhão, Tocantins e Estado de Goiás desesperados porque não conseguiram atendimentos (mesmo tendo sido debitados em seus contracheques os valores do plano). Também me recordo de colegas que precisaram de cirurgias e tiveram que recorrer até à justiça e outros que tiveram exames complementares negado pela junta médica do plano. As Pericias médicas dos planos, de um modo geral, são verdadeiros mercantilistas e sanguessugas fazendo cortes e negando assistência. Plano de saúde tem que ter seriedade, transparência, credibilidade, e prioritariamente, respeito com a dignidade humana, pois estamos falando de vidas. REFLITAM SOBRE ISSO!! E Saúde para todos os auditores!! Grande abraço.

  78. Robispierre Xavier

    Então os caras sujas entregaram um projeto de LOAT nas mãos do Secretário?
    Projeto elaborado por quem? Esse projeto foi deliberado com quem? Atende nossas expectativas? Qual o conteúdo desse projeto?
    Queria trazer à tona um comentário sobre o sentido da palavra MEDO. Eu tenho medo de diversas coisas: de ser assaltado, medo de cobra, medo de relâmpago, medo onça, medo de bandido, etc…
    Para os caras sujas, essa palavra não existe no dicionário deles. Ou seja, eles não têm medo da categoria; não têm medo de arruinar a vida de centenas de famílias; não têm medo de tripudiar e atropelar a própria categoria com seus projetos mesquinhos; não têm medo de rasgar nosso suado dinheiro com suas vaidades nojentas; não têm uma gota de medo do futuro que lhes aguarda…. enfim, esses sujeitos não têm medo de gente, de homens de bem.
    Mas gostaria, também, de relembrar a situação caótica que vivemos há uns 10 anos atrás, em que muitos colegas estavam à beira do abismo, devendo tudo e todos, marginalizados, pisoteados justamente pelo atual governo, ganhávamos uma merreca. Colegas (me incluo nisso) sem dinheiro para pagar escola dos filhos, prestação de carro, aluguel, alimentação, saúde, combustível, etc.
    O que está acontecendo nesse momento é bem parecido com isso: estão nos entregando na bandeja, nas mãos do governo. Estão vendendo nosso futuro (e de nossas famílias).
    Daqui há poucos anos veremos o impacto profundo dessa covardia.
    De cá, me coloco à inteira disposição para mobilizar, lutar, brigar, gritar… pois foi sempre assim que conseguimos atingir nossos objetivos aqui nesse Estado. Nunca conseguimos nada com tapinhas nas costas diante das câmeras. Eu estou pronto!!!

  79. Realmente.

    E eu que pensava que a peça teatral desses atores medíocres tratava-se de um dramalhão de 5ª categoria?
    Errei.
    Na verdade trata-se de uma comédia pastelão com protagonistas sem noção do ridículo.
    E o que dizer dos coadjuvantes e figurantes?
    Pobres ‘Sancho Panças’, quebrando suas lanças contra os moinhos da moralidade …

  80. Presidente do Sindifiscal sair de licença para participar das eleições? Isso só pode ser piada fazer mídia e chacota com a categoria, todos sabemos que não tem eleição a chapa única já ganhou a muito tempo, esse é um projeto de interesse pessoal e de um grupo que já estava traçado desde o dia que antes de ser candidato o atual presidente mudou para Palmas.

  81. Interessante esse projeto de LOAT apresentado ao secretário pelo Sindifiscal. Estive em um seminário em Palmas e assisti palestrantes como o Presidente do Sindicato do Estado de Pernambuco, Francelino das Chagas fazendo alertas sobre as armadilhas que podem surgir partindo do Governo Estadual sobre a Lei Orgânica, nessa mesma esteira vi a excelente explanação da mobilização do fisco do Pará para a aprovação da Loat (lei que está sendo exemplo para os fiscos de todo Brasil), apresentado pelo presidente do sindicato, Charles Alcantara. Precisa de ampla discussão com toda a categoria, visitando todas as Delegacias do Estado. Já está passando da hora de sair da fase de entregar ofícios para Secretário da Fazenda e partir para determinação de datas para implementação de nossas demandas. MOBILIZAÇÃO JÁ esta é a palavra de ordem!! Se a SEFAZ não cumprir vamos para operação padrão como estão fazendo os outros Estados. Colegas deem uma olhada no contracheque e comparem com dezembro de 2011 e veja a perda do poder de compra sem contar com a progressão que tá atrasada, Redaf desatualizado e pago com cortes (mesmo fazendo uma boa arrecadação sobre a meta), adicional noturno, etc. VAMOS MOBILIZAR!!!. Num tem nada acertado, pelo amor de Deus, vamos proteger nosso futuro e de nossas famílias. Abraços.

  82. Robispierre Xavier

    Em pleno século 21, assistimos a imoralidade e a opressão de uma política sindical rasteira, suja e que nos empurra para um lamaçal.O plano meticuloso e com tons de ditadura, foi urdido a toque de caixa, com nítida ideia de ofuscar e sepultar a oposição. Usaram o meu Sindicato e usaram meu dinheiro para me alvejar. Bateram a porta na minha cara, não me deixaram filiar, não posso fazer parte do quadro de filiados por que uma meia dúzia de indecentes/moleques, tripudiaram, julgaram que ali é a casa deles.Saibam que não me calarão! Continuarei denunciando as bandalheiras e maracutaias se estas continuarem ocorrendo.Gostaria de ter o imenso prazer de poder não votar nessa chapa, mas os ditadores tolhiram meus direitos.No ensejo, conclamo aos que encararam a corajosa missão de compor essa chapa-café-com-leite, a mudarem as regras. Não permitam que o fantoche continue fazendo e desfazendo ao seu bel prazer. Não admitam essa rasgação do nosso suado dinheiro. Segurem firme no leme desse barco resgatem a nossa história, nossos valores, nossa verdadeira bandeira.Enfim, urge aniquilarmos essa linha de “atuação” a qual estamos submetidos há muitos anos.Nos livrem de uma vez por todas dessa patifaria que transformaram NOSSO SINDICATO.
    Boa sorte!!

  83. claudio murilo

    Reiterando, os 3 nomes da suplencia são bastantes familiares, mais ainda não são da diretoria, os que citei são parte da diretoria.

  84. claudio murilo

    Nessa chapa unica destaco 3 nomes que me são muito familiares, aliás tenho a honra de chama-los de amigos, sem desmerecer ninguem, pois varios da chapa nem os conheço, agora os 3 nomes que vou citar conheço e tenho certeza da honestidade e apelo que os mesmos sejam atuantes, pois nossa carreira depende e muito da atuação de toda diretoria, não somente de 2 pessoas como sempre o foram e ultimamente sem nenhum resultado, meu grande amigo Marcos Henrique Camargo, meu Amigo Saulo Barreira e meu amigo Divaldo Andrade “barão”, assim os conclamo e tenho certeza que ao menos esses 3 não me decepcionarão.

  85. Minha humilde reverência aos irmãos do Norte, que atendendo nosso apelo, não patrocinaram e nem protagonizaram ações nessa farsa de chapa-única(?) contra a nossa categoria.
    Não por obra do acaso, a resistência de nossa categoria, em que reuniu-se incondicionalmente todos os colegas da classe, centrou-se em Araguaína e Tocantinópolis, na luta histórica pela manutenção de nossos cargos e reação contra as ameaças da qual éramos vítimas nos idos de 1994.
    Desprendidos e denodados, muitos daqueles colegas entregaram-se à luta, de corpo e alma, sem esperar qualquer tipo de reconhecimento. Por ironia do destino, nenhum desses heróis anônimos, pleitearam qualquer cargo representação sindical.
    Fica o nosso registro: a participação desses colegas, se mostram necessárias e imprescindíveis, desde o início de nossa carreira.
    Assim como no passado, a ação do Norte será decisiva, sobre o futuro e o destino de nossa categoria nos anos vindouros.

    Saudações classistas a todos,
    e com especial apreço,
    ao notável anfitrião Rogério Jatobá,
    e ao valoroso Darlan,
    conquistaram respeito e admiração, por democráticos e pelo amor a verdade.
    obs: Através dessas linhas não existe segundas intenções, ou qualquer tentativa medíocre de cooptação, porem um reconhecimento sincero pela forma que sempre fomos recebidos por esses.

    Caio França.

  86. severino costa jr

    Bem lembrado Antônio. Em janeiro estaremos com uma “renda” menor, e fará diferença. talvez alguém acorde.

  87. Antonio da Silva

    LEMBRETE!
    Dezembro é o último pagamento das diferenças que somam aproximadamente R$ 1.714,66 ao salário, o que fará uma grande diferença neste.

    O REDAF anda meio tímido, minguado. Sentiremos falta de não termos lutado por adicional noturno, horas extras, URV, progressão, atualização do REDAF ou incorporação e demais lutas por nossos Direitos. Por menor que seja a diferença, não há dúvidas de que fará falta!

  88. severino costa jr

    Leiam essa matéria. Na SEFAZ temos o mesmo problema e a solução não chegará enquanto usarmos o atual soft, que é um pacote fechado. O gerente da Informática continua defendendo a soft de empresa Uruguai. Não sei por qual motivo. Só sei de uma coisa. No dia que eu estiver com a caneta na mão, ele voa!

    http://forum.ubuntued.info/viewtopic.php?f=47&t=5912
    Após espionagem governo prevê maior adoção de software livre

    A descoberta da ações de espionagem contra o governo brasileiro fez reacender uma luz amarela para a fragilidade dos sistemas e bancos de dados federais. O assunto, entretanto, não é nenhuma novidade. Desde 2003, a Comunidade do Software Livre alertava aos gestores federais para essa fragilidade, a partir do processo de “captura e dependência” que o governo tinha em relação aos software proprietários, sendo a maioria fechados para eventuais auditorias.

    De lá para cá muita coisa mudou. Alguns setores do governo compreenderam a necessidade de dominar o processo de criação de novos sistemas, sem a necessidade de manter uma dependência da customização de plataformas compradas de empresas multinacionais. Mas outros continuaram a operar com soluções proprietárias, onde não é possível fazer auditorias. E pior: esses fornecedores não podem atestar 100%, se as informações contidas nesses software não estão sendo repassadas para terceiros.

    Diante dessa situação, o Comitê Técnico de Implementação do Software Livre (CISL) – formado por técnicos de diversos ministérios e órgãos vinculados, além de empresas estatais e bancos oficiais – está concluindo um documento contendo uma série de sugestões a serem encaminhadas à Secretaria de Logistica e Tecnologia da Informação (SLTI), para mudanças na Instrução Normativa nº 4, que rege as compras governamentais.
    Pelo menos duas recomendações dirão respeito à guarda dos dados do governo brasileiro e uma análise mais criteriosa dos termos de uso embutidos nos contratos de softwares proprietários, antes do processo de aquisição destas soluções.

    Deivi Kuhn, secretário-executivo do Comitê Técnico de Implementação de Software Livre do governo federal, concedeu uma entrevista exclusiva à CDTV do portal Convergência Digital, na qual ele aborda as propostas que estão sendo discutidas dentro do organismo, como forma de contribuição da Comunidade do Software Livre para o aumento da segurança dos sistemas e banco de dados federais.

  89. claudio murilo

    Tema no site da entidade-mor sobre o Tocantins – 25 Anos: ainda há desculpa para erros?
    Tema que proponho sobre a entidade-mor – 18 Anos: ainda há desculpas para não reivindicar?
    Ou o Tema sobre a entidade-mor atual gestão – 02 Anos: o que reivindicou?
    Dias atuais – Até hoje: Qual nosso avanço?
    Fica ai para reflexão para quem pensa no futuro.

  90. Grande
    Severino,

    Realmente, vc tem razão. Sem uma reforma do judiciário para valer, nada funcionaria. Então esse item seria numero 7. Aproveito para acrescentar um item: 8 – pagamento em moeda corrente para denuncia devidamente fundamentada sobre criminosos foragidos e crimes contra o Patrimônio Público. Iria faltar dinheiro no Tesouro para pagar tanta gente!
    Abs,

  91. claudio murilo

    VALE A PENA VER DE NOVO(OU LER DE NOVO)

    Os defensores publicos e os procuradores estão com um subsidio( subsidio é parcela unica, nada de metas a alcançar entre outros, eles recebem todo mês o mesmo valor) o subsidio deles hoje pelo que vi no portal da transparencia é de mais de 24 mil, conseguiram no governo de Gaguim que ficou apenas 1 ano e 3 meses, eles conseguiram mesmo com o Gaguim estando na frente nas pesquisas e dando como certa sua reeleição, traduzindo ele não fez nada pro Siqueira pagar, motivo categoria forte e ousada e merecedores de colher esses frutos, inclusive o defensor geral hoje foi colega do fisco antes, com toda certeza jamais teve ou terá arrependimento de trocar de carreira, parabens aos defensores e procuradores pelo exito que já tem mais de 2 anos concretizados, agora no FISCO temos uma colcha de retalhos no salario, vencimento, produtividade e redaf, não há garantia de recebimento integral, pois produtividade e redaf são variaveis a bel prazer do governo, o nosso governador “amigo” passou 6 anos no governo e só veio a alterar nosso salario como diz o ditado “na bacia das almas” já estava cassado e com recurso que sabia não ganhar, culpa dele? Não, culpa de quem não mobilizou a categoria para conseguir isso há mais tempo, por motivos que todos já sabemos, mais acredito que temos colegas que ainda dizem aquela celebre frase dos fracassados “melhor pingar que secar”, “demorou mais fez”, o pior é que de lá pra cá nada se fez para transformar em subsidio garantindo assim recebimento integral, nem foi cogitado tal mobilização, diferentes dos defensores e procuradores, somos uma categoria fraca, desmobilizada, sem objetivos, sem ações, funebre mesmo, às pessoas que dizem “demorou mais fez”, pensem nas contas que cada um tem a pagar e veja se os credores diriam isso “demorou mais pagou”, não, eles cortam agua, energia, faculdade dos filhos, não vendem remedios, não há atendimento medico e por ai vai, enquanto não tivermos objetivos, ações e colegas que pensem com austeridade ficaremos patinando sem sair do lugar, somos melhores que os defensores publicos e procuradores, claro que não, somos piores que eles, também não, somos iguais e primordiais como eles, então por que não buscar tramento salarial igual. ACORDEM colegas, antes que seja tarde.

  92. severino costa jr

    Eleições Justas?

    Algumas pessoas falam que o processo eleitoral é a melhor forma de proporcionar ao eleitor o embate de opiniões de forma a esclarecer as ideias, pensamentos e justificar a permanência ou não de um grupo dominante e de sua proposta de trabalho. Vemos que isso tudo constitui uma verdade quando todas as condições e variáveis estão em proporções equivalentes entre as várias tendências.
    No Brasil, essa igualdade, embora inexistente, é perseguida, pelo menos nas eleições para os cargos executivos, já que as eleições para o legislativo são, via de regra, um jogo de cartas marcadas, onde as coligações acabam proporcionando a eleição da maioria dos deputados e vereadores conhecidos e veteranos (ou seus filhos, cônjuges e netos) e de uma pequena minoria de “novatos”. Nesse jogo, os Zés e os Manés entram para angariar votos e recursos para os coronéis. Deixemos os Zés e Manés acreditarem que serão algum dia eleitos. Nas eleições para o executivo, em locais onde o 2º turno existe, são proporcionados tempos iguais nas propagandas do horário gratuito, mas os candidatos da situação sempre acabam com alguma vantagem sobre os opositores, desequilibrando ainda que de forma menos acentuada, o processo eleitoral. Por fim, ainda existe uma possibilidade de desequilíbrio gerada por uma mídia parcial e que, no Brasil, controla de forma concentrada, importantes meios de comunicação.
    O que falar quando tratamos das entidades sindicais e associações? Será que o tempo e os recursos para os candidatos e chapas são equivalentes? Não são! E explico: 1) Os candidatos que são a situação estão trabalhando para suas reeleições o tempo todo e possuem tempo para isso, já que alguns estão com o benefício da disposição para a representação classista, fato que os livram da necessidade de efetuarem suas atividades laborais comuns. 2) Por estarem trabalhando “24h” por sua entidade sindical, possuem a sua disposição sistemas inteiros como a telefonia, informática, páginas na internet, listas de endereços eletrônicos e as noticias pagas em jornais, bem como a oportunidade para efetuarem um jogo com convocações de assembleias extraordinárias e visitas regionais, situações que os oposicionistas não sonham 3) Como estão trabalhando “em nome” da categoria “24h”, possuem a facilidade do deslocamento, principalmente em regiões ou estados grandes, onde as visitas às regiões acabam sendo financiadas por todos, enquanto a “turma da oposição” tem que tirar do próprio bolso a gasolina, os pneus e os danos que seus veículos sofrem.
    Com o uso da máquina, a oportunidade de criar notícias e o tempo maior para se apresentarem que os representantes sindicais possuem, eu pergunto: Será o processo eleitoral sindical uma forma democrática de escolha? Parece evidente que não. Pelo menos no modelo tradicional. E o que fazer para melhorar isso? Duas questões são importantes para manter o interesse de novos grupos em participar e permitir um melhor equilíbrio. A primeira é adotar o conceito da diretoria colegiada. Num modelo em que os cargos principais são ocupados pelos eleitos e os cargos extraordinários ou secundários pelos membros da segunda chapa e da terceira chapa, se houver. Assim, presidente, 1º secretário, 1º tesoureiro, 1º diretor de assuntos jurídicos seriam, por exemplo, os membros da chapa vencedora. Já o vice-presidente, o 2º tesoureiro etc, seriam os membros da chapa que ficou em segundo lugar, os suplentes, os membros da terceira chapa. A segunda, e outra questão muito importante, trata-se da obediência ao estatuto da entidade. Vejam que alguns sindicatos possuem a figura do Conselho Sindical. Esse conselho é responsável pelo debate e proposta das linhas gerais e estratégicas que o sindicato deve seguir. Como o conselho é composto por membros de várias regiões e sua composição é mais aberta, com reuniões também abertas a todos os grupos, esse conselho ganha muita força e pluralidade, mas apesar de existirem em alguns estatutos, por algum motivo as executivas não criam e proporcionam condições para o perfeito funcionamento, e um dos motivos talvez seja o medo ou receio de trabalhar com um grupo maior, ou ciumeira de um ambiente em que o controle das ideias seria menos eficiente.

    Sindicatos com conselhos sindicais plurais tendem a ser mais fortes. Vejam que os conselhos sindicais não são ideias novas, na verdade, eles possuem origem nos conselhos administrativos das sociedades anônimas e similares. Os conselhos criam oportunidades para debates ricos e que acabam envolvendo mais participantes, diminuindo a possibilidade de erros e subsidiando a diretoria executiva com decisões colegiadas que dependendo do alcance, serão sempre submetidas as assembleias gerais, infelizmente, em muitos sindicatos, a diretoria executiva não permite que esses conselhos funcionem, ou não convocam eleições para delegados sindicais, ou não proporcionam condições mínimas para trabalho. Lembra-se que a falta de criação dos conselhos fere o estatuto, e também a lei, pois a CLT, na parte que trata da estrutura dos sindicatos cria tanto o conselho sindical, como o conselho fiscal. Outra questão, e de fundamental importância, é a criação do Conselho Jurídico, esse conselho pode ser formado por todos os membros da categoria que tenham formação na área e que tenham vontade de participar. O Conselho jurídico é o espaço ideal para o amplo debate das questões jurídicas que envolvem a entidade. Os memoriais e propostas de ações emitidas pelas assessorias jurídicas podem ser debatidas antes de ser colocadas em prática, por um grupo maior e assim, pode-se diminuir a possibilidade de erros. Essas são algumas propostas para uma entidade representar melhor seus membros. Elas não são o modelo acabado para resolver todos os problemas de representatividade de grandes grupos, como sindicatos mas melhoram alguns aspectos da representatividade e criam um modelo mais plural.

  93. Isaque Cairo

    Caro Severino.
    Transcrevo novamente as palavras do jornalista Fernando Brito , um dos editores do site tijolaco.com.br ( na verdade é tijolaço, mas para a internet só valem os caracteres da língua yanke ).
    “A balança da justiça e a da imprensa brasileira são bem semelhantes em uma coisa. Nenhuma das duas passaria num teste do INMETRO”.

  94. severino costa jr

    Caio, você esqueceu de mencionar uma reforma no judiciário, com, por exemplo, a criação do mandato para juízes superiores, com eleição direta e como candidatos todo e quaisquer juiz aprovado em concurso público. Fim da pena de aposentadoria compulsória e da vitaliciedade. Sem isso, vamos continuar espantados como a justiça consegue ser rápida para alguns, e especialmente morosa para outros.

  95. Caro
    Colega
    Paulo José,
    Sua matéria realmente nos deixa muito pensativo. Além do estresse inerente à nossa atividade (ninguém paga imposto com prazer) ainda temos os percalços da insegurança e incerteza futura. É horrível pensar que poderemos ter problema quando tivermos que aposentar.
    Também é muito triste saber o longo tempo que esse senhor vem praticando irregularidades financeiras em nosso país. Por qual motivo não o pegaram antes? Li que ele tem uma longa ficha de contravenções e operações suspeitas. Essa roubalheira toda nos leva os recursos da saúde, da educação …..
    Para se resolver isso só vejo uma saída: mudar a Constituição e o Código Penal;
    1 – Instituir a pena de morte para os crimes hediondos
    2 – Prisão perpétua para os crimes de desvio de recursos públicos
    3 – Fim da redução da pena por bom comportamento
    4 – Castração química de estupradores de crianças
    5 – Fim regime semi-aberto e
    6 – Justiça célere para que não se dê ideia de possível impunidade.
    Aí, talvez, quem sabe, poderia melhorar alguma coisa. O criminoso para ser inibido, tem que temer a punição. Alguém acredita em punição no Brasil?

  96. Uai, sô, memo assim, sem filiá?
    Será qui os homi deixa?

  97. Claudionor Pereira de Oliveira

    Opinião postada no dia 30 de setembro na matéria SINDIFISCAL – Eleições com chapa única?

    Monte uma chapa e concorra!

  98. Robispierre Xavier

    Um tempo ausente, mas estou de volta.
    Dando uma geral nas publicações e comentários que rolaram nos últimos 15 dias:
    Inconteste que estamos com mãos e pés amarrados, por essa postura covarde do NOSSO SINDICATO. Pra não dizer que é covardia, intitulo de conveniente a quem tem interesse no que está por vir: a campanha eleitoral de 2014, pois começam a se mover as cadeiras e as peças do tabuleiro.
    Todos de olhos bem abertos nas movimentações, nas mudanças de partidos, nas possíveis coligações, todos à espreita de uma teta para se agarrar. Uma das siglas mais movimentadas com possíveis saídas ou entradas é o PSB, partido este que faz parte da base política do Palácio Araguaia. O que isso tem a ver com nossa situação? O que isso influencia na postura do NOSSO SINDICATO? O que esse cenário político tem a ver com a inércia do Sindifiscal perante nossos direitos trabalhistas que estão sendo atropelados? Meus caros, tirem suas conclusões ou façam uma consulta à atual diretoria. Quem sabe os monarcas dirão: “esses questionamentos não procedem, pois são frutos da ira dos que perderam as últimas eleições no sindicato e nem vão conseguir candidatar nas atuais.”
    Gostaria, também, de comentar sobre o baile de gala para comemoração do dia do auditor, ocorrido no dia 20/09/2013. Rasgaram nosso suado dinheiro (depois eu publico a cifra aproximada que custou o evento), para reunir políticos e alguns colegas que partilham dessa indecência, para o massagear o ego deles. Fico a imaginar as cenas dos caras sujas em trajes de gala, andando de mesa em mesa, distribuindo sorrisos, afagos. Imagino a “sessão discurso” em tom de campanha política. Tudo isso com nosso dinheiro. Sim, uma verdadeira indecência, uma imoralidade, desrespeito, pouco caso, negligência e desprezo pela nossa verdadeira e atual situação trabalhista. Decidiram que iriam fazer a festa, não precisa consultar nada e ninguém, pois dinheiro em caixa está derramando pelas beiradas. “Quem quiser vim, venha. Quem não quiser, que se f……”.
    Será que somos um bando de loucos, errados e desesperados? Estamos inventando problemas? Está tudo ótimo? Será que nós queremos o mal para nossa categoria? Será que queremos mesmo destruir o NOSSO SINDICATO (como pregam esses indecentes)?
    O que queremos, de fato, é banir essa cambada lá de dentro. Queremos é fazer um limpa, desinfetar, tirar as mãos sujas desses sujeitos de cima dos nossos problemas e nossos direitos que estão sendo massacrados com sorrisos largos, tapinhas nas costas, mentiras, festanças, etc… Essa festa nos mostrou mais uma vez o tamanho da cara de pau desses sujeitos!
    É vida que segue. Mas temos a plena consciência de que, mais dias, menos dias, isso terá um fim épico. Não vamos parar, não vamos desistir, não vamos amolecer ou diminuir a resistência. A luta continua!

  99. QUEM DEVE ADMINISTRAR O IGEPREV?
    Muito já foi dito sobre a gestão no Igeprev nos períodos de 2005 para 2006, fatos investigados pelo Ministério Público. Agora nos deparamos com essa notícia feita pelo Blog do Jornalista Mino Pedrosa com referência ao então presidente do Igeprev e agora exonerado Rogério Villas Boas.
    O que será então que aconteceu para ele ter essas cortesias do doleiro Fayed?
    Como está a real situação financeira do nosso Instituto de Previdência?
    Será que poderei ficar tranqüilo em relação a minha futura aposentadoria?
    ”Mino Pedrosa
    O braço político do doleiro
    26/09/201309:52

    As operações Elementar e Miquéias da Polícia Federal alcançaram o estado do Tocantins. A empresa do doleiro Fayed recheou com pagamentos de cartão de crédito e deposito na conta bancária do presidente do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins (Igeprev), Rogério Villas Boas. A polícia Federal está atuando em duas frentes, primeiro são as “piabas”, agora, deve aparecer os tubarões que estavam em contato com o doleiro Fayed.
    Fayed, para os investigadores da PF é o comandante do esquema, contra ele segundo os agentes existem várias provas. As empresas envolvidas no escândalo atuavam sob o comando do doleiro. De acordo com o inquérito, o doleiro usou várias empresas e contas bancárias sem o conhecimento de pessoas, inclusive sua esposa, Marcia Regina Traboulse.
    O doleiro tem estreitas relações com a classe política e empresarial em todo Brasil, que vem desde as operações de cambio ocultas para a lei. “

    Precisamos rever então nossas prioridades. O que é mais importante progressão e/ou promoção? Todos tem o direito ou alguns vão se beneficiar dessas vantagens legais? Pelo que percebi a promoção é preferência número 1 da atual diretoria que se finda. Qual a razão da urgência?
    O Estado do Tocantins continuará perdendo receitas se por acaso o intuito dessas tão sonhadas promoções não forem conclusivas. Caso algum Afre III passe agora a ser chamado Afre IV (Auditor Pleno) qual a razão dele largar seu cargo de chefia e o mesmo procurar auditar as empresas não fiscalizadas ou em fase decadencial. Será mesmo que irão para o campo de batalha, senão , quem realmente tem o direito pleno nessas promoções, no meu entender , quem realmente há muito tempo realiza auditorias.
    Prefiro a trabalhar nos Postos de Fiscalização até que fechem a todos, algo improvável, a não ser que seja de interesse da Administração Pública eliminar um dos braços da Fiscalização Estadual.
    Muitos podem dizer que tudo isso não tem nexo.
    Então qual a razão de eu fiscalizar empresas e/ou contribuintes para que o Estado possa cumprir com seu Orçamento, se ao menos não posso planejar minha vida pessoal e funcional. Não sei se o que tenho direito real vai ser cumprido, como agora acontece no que tange a nossas PROGRESSÕES, ainda não pagas. Também não tenho segurança que no futuro , quando mim aposentar, terei 100% de contrapartida em relação às contribuições mensais de 11% em favor da Previdência Social.

    Em suma, no PRESENTE (incerteza), e no FUTURO (insegurança).
    Precisamos sim cumprir nossas Ordens de Serviço, contudo , também é necessário que nossos direitos sejam respeitados.

    Para meditar deixo aqui o que diz o item III do Art. 4º do Decreto 2796/2006(Produtividade Fiscal).
    “Art. 4o São atribuídos 1001 pontos ao AFRE que se encontrar:

    III – na execução de programas de auditoria fiscal em empresas classificadas no grupo de faturamento 06;”

    Acho justo ao AFRE IV, que realiza auditoria nas empresas do grupo 6, receba o salário integral, em razão das complexidades dos serviços realizados.

    “Eclesiastes 3
    12 Descobri que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive.
    13 Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho é um presente de Deus.”

  100. Rander Oliveira

    Gostaria de parabenizar os colegas diretores da ASFETO pelo belo trabalho desenvolvido a frente dessa entidade.
    Todos nós filiados ou não, sabemos das dificuldades enfrentadas e o grande valor do trabalho realizado por esses nobres colegas. Parabéns

  101. Isaque Cairo

    Interessante a “imparcialidade seletiva” da FOLHA, jornalão paulista de alcance nacional. Destaque garrafal para 2 motoboys miseráveis do Piauí que receberam R$ 300,oo para segurar bandeiras na última eleição.
    Notinha pequena quando se fala de desvio até aqui já apurado de 52 MILHÕES de reais no esquema do Gov. Paulista do metrô, mas aí se trata de gente de alto coturno.
    Fernando Brito diz : “A balança da justiça e a da imprensa brasileira são bem semelhantes em uma coisa. Nenhuma das duas passaria num teste do Inmetro”.

  102. Isaque Cairo

    Nobres Companheiros !
    Sabemos todos que um dos mais graves problemas da vida nacional está na maneira como se processam nossas eleições para cargos das três esferas do poder executivo.
    Uma coleta de assinaturas de iniciativa popular está em curso no País, nos moldes da iniciativa popular que criou a Lei da Ficha Limpa, este processo popular requer agora Eleições Limpas de modo a barrar , sobretudo , o poder econômico e a questão das doações de poderosos grupos financeiros que posteriormente como lobos famintos, cobram muito caro seu quinhão, dilacerando toda a sociedade.
    SE VOCÊ, nobre companheiro, compartilha da indignação do povo, acesse através do link abaixo , leia as propostas, veja as entidades que apoiam o movimento e se entende-lo justo, assine e junte-se a nós.
    Grande abraço !
    https://eleicoeslimpas.org.br/entenda

  103. Certamente,
    Colega
    Murilo!

    A entidade mor-ta não se preocupa com ninharias, assim como a progressão. Não se preocupa também com questões medianas assim como Redaf, adicional noturno, periculosidade….
    Só se preocupa com GRANDES QUESTÕES assim como reeleição da diretoria, eleger deputado, festas, mordomias, turismos, preço passagem ônibus Palmas …
    Não notou que pela proximidade do fim do mandato já estão saindo do casulo, ficando mais diligentes, eloquentes? Já estão até falando em segurança nos postos fiscais … final de mandato faz defunto sair da cova!
    Sobre apropriar-se de trabalho de outros, bem lembrado, essa é a maior especialidade deles. Grande sacada essa! Esperam outros trabalharem e publicam como se fossem eles os autores. Por isso mesmo já angariaram a antipatia da maioria das entidades tocantinenses que não podem nem ao menos ouvir falar deles. Abs.

  104. claudio murilo

    Pelo que li no site da entidade-mor, em reunião com o secretario a dona PROGRESSÃO não esteve presente e nem foi lembrada, como anda sumida ela, foi lembrada a dona PROMOÇÃO, agora porque lembrar da dona PROMOÇÃO se ela não beneficiará a todos, a dona PROGRESSÃO beneficiaria, qual a finalidade e objetivo de lembrar tanto da dona PROMOÇÃO, a algo meio nebuloso e com certeza trará raios e ventania, será que somente eu tenho saudades da dona PROGRESSÃO, ou será que ela não é lembrada pois como toda vez é dito “não vamos gastar cartucho com coisas pequenas”, será acham que a dona PROMOÇÃO é que é coisa grande, acha que a dona PROGRESSÃO só será lembrada quando os sindicatos fortes(SISEPE entre outros) forem lembrar da dona PROGRESSÃO deles, ai pega-se carona e lembram da dona PROGRESSÃO e depois cantam vitoria, nada como um dia após o outro, ou poderá levar anos, mais um dia se dará razão a quem hoje lembra da dona PROGRESSÃO, Sr. REDAF INCORPORADO, Sr. ADICIONAL NOTURNO, etc etc etc, ai o estrago estará feito, o prejuízo do retroativo estará sujeito a processo na justiça, e nosso futuro ameaçado, pois estamos há 3 anos sem avanços, quantos mais será necessário para que ACORDEM e caiam na real.

  105. Valoroso
    isaque,

    Realmente o ‘x’ da questão não é o que pagamos para ter. Isso é simples e justo. O problema maior é o que PAGAMOS PARA NÃO TER. O roubo no Brasil é endêmico desde época imemoriais. É um país onde se rouba tudo, da consciência à dignidade. Rouba-se a merenda escolar. Rouba-se as doações do Hospital do Câncer. Rouba-se o dinheiro da educação, da saúde, das estradas, da infra-estrutura, da comunicação, do saneamento … aliás, onde mesmo que não se rouba?
    Minha ficha caiu quando vi uma famosa igreja lavando dinheiro do tráfico …
    Nesse país rouba-se tanto que o ladrão é chamado de “esperto”. Diz-se: o fulano é esperto, e não se diz: ele é ladrão! É de bom tom chamar ladrão de “esperto”!
    Sem dúvida também, os trilhões arrecadados com impostos, seriam roubados!
    Seria tudo diferente se fosse compreendido que quem estabelece os impostos, são eles, os ladrões!
    Os impostos são gravados na água, luz, comunicação, transporte, alimentação, remédios… por que AINDA não podem taxar o oxigênio… o dia que puderem o pobre sifu!
    É sintomático não gravarem as grandes fortunas, os especulação imobiliária e a financeira …e por aí vai.
    E o pobre pensa que é obra do destino sua desventura!
    Abs,

  106. Isaque Cairo

    A “continha” da Globo e dos sonegadores daria para muitos “padrões Fifa”

    25 de setembro de 2013 | 10:18
    O Sindicato dos Procuradores da Fazenda Nacional anuncia que vai estacionar, hoje, diante do Congresso, um caminhão com um painel onde se poderá ver o “Sonegômetro”, um painel onde se mede o que perde o Brasil com a sonegação de impostos.

    O valor, hoje mais cedo, já passava, este ano, de R$ 304 bilhões. Como se vê, aquele um bilhão do processo “sumido” da Globo não está só, está e muito mal acompanhado.

    Zerar a sonegação de impostos é uma utopia – embora nisso, como em tudo na vida, devamos sempre perseguir as utopias – mas é possível ver o que uma redução neste ralo fiscal pode produzir para o país.

    A discussão, porém, é boa e essencial para o país, porque vai muito além do moralismo e tem a ver com a necessidade de financiar necessidades imensas com os recursos gerados por uma economia que precisa, para isso, crescer sem parar.

    Porque você sempre lê e ouve falar que a carga tributária do Brasil é uma das mais altas do mundo, mas isso não se reflete em serviços públicos de qualidade – padrão FIFA, para usar o mote das recentes manifestações.

    Vide matéria completa em:

    http://tijolaco.com.br/index.php/a-continha-da-globo-e-dos-sonegadores-daria-para-muitos-padroes-fifa/

  107. Wanderley Noleto

    Gostaria de saber se o sindifiscal vai publicar as fotos e os videos do glamour e luxo da comemoração do dia do auditor fiscal no ahadu eventos com traje social (nesse calor do tocantins chegando a 43º aos 22 º do clube). É tão bom ver a festa e sonhar com paraíso de Adão e Eva. Eva mordeu a isca (a maçã) e Adão entrou na onda. Para os bons entendedores pouquíssimas palavras bastam. Enquanto isso na sala da injustiça: o tempo passa, envelhecemos, aposentaremos e nada de conquistas. VAMOS ACORDAR!!! Como disse Murilo aqui no nosso espaço gente!! Tem muita coisa pra lutar e festa pra meia duzia vangloriar não é justo. Vem aí as eleições com chapa única e nada de cumprir as promessas da última campanha nesse mandato. Foram dois anos em vão e assim serão quatro anos de imobilismo. Vamos refletir!! Só isso que peço. Grande abraço.

  108. Grande
    Murilo,

    Dona Progressão foi realmente ao ultimo baile do dia do fiscal. Também se fizeram presentes, a Srª. Horas-Extras-perdidas que estava acompanhada do digníssimo esposo, Sr. Adicional-Noturno-que-nunca-vem e seus dois cunhados, o Sr. Redaf-Desatualizado e do Sr. Adicional-de-Periculosidade-Desprezado. Deram ainda o ar de suas graças, A Dª. Arbitrariedade, o Sr Golpe-sujo-contra-a-categoria acompanhados pelas predileta Srª Calúnia e Dª Mentira. Muito representativo o tal evento!
    Dentre os ilustres ausentes, A Srª Dona-Loat (excluida da festa) e o Governador Siqueira Campos – que apesar de todas as insistências para que se fizesse presente- não compareceu. A Srª Seriedade e o Sr. Compromisso também se recusaram a ir. Dizem que foi uma festa de arromba, com muita grana jogada para o ar, e aparato de primeiro mundo. Posso imaginar a origem desse dinheiro… Será que mais alguém sabe?
    Sabemos também que muitos colegas, escrupulosos e sérios, apesar de inauditas insistências, não quiseram participar desse escárnio e deboche contra a nossa categoria.
    Todas as nossas reverências a eles.

  109. claudio murilo

    Será que a dona PROGRESSÃO foi ao baile? Ela anda tão sumida, ninguém dá noticias dela, se encontrar alguém que foi a FESTANÇA vou perguntar, pois dona PROGRESSÃO só aparece de dois em dois anos, alias acostumava aparecer, pois dessa vez não apareceu ainda, e parece que não aparecerá tão cedo. Dona PROGRESSÃO se a senhora ler está favor dar noticias.

  110. severino costa

    Compartilhando texto do Cláudio.

    Críticas à Terceirização da TI
    Por Claudio Loredo – , 17 de setembro de 2013

    Antes de criticar a terceirização do setor de tecnologia da informação, é importante entender os motivos que levam a terceirização do setor de tecnologia da informação (TI) em órgãos públicos. Dentre estes motivos podemos citar: a redução de custos, busca por inovações tecnológicas, maior eficiência, liberar a administração pública para suas atividades fins, problema da rigidez dos cargas e salários na administração pública e a dificuldade de contratação de pessoal por concurso público.

    Entretanto, a terceirização da TI também representa riscos que acabam por agravar os problemas que levam a contratação de empresas privadas pela administração pública. Então o melhor é resolver estes problemas através de uma boa gestão pública.

    As pessoas são a parte mais importante da informática. Quem faz os programas são as pessoas e é nelas que devemos investir. Infelizmente, opta-se por investir em coisas e não em pessoas. Opta-se por contratar empresas de fora que vendem produtos fechados ao invés de optar por investir e capacitar nossos servidores. Mesmo quando a capacitação é feita, ela é feita para atender os interesses das empresas contratadas, onde nossos servidores são treinados só para usar os produtos destas empresas.

    Ao contratar uma empresa de Belo Horizonte para produzir os softwares a serem utilizados pela SEFAZ/TO. A secretaria ignora as centenas de profissionais de informática que existem no nosso estado, ignora também as quatro faculdades de Ciências da Computação que temos em nosso capital e que todo ano formam dezenas de profissionais muito bem capacitados. Fica então a pergunta: porque investir em Minas Gerais se podemos investir no progresso tecnológico do nosso Estado?

    Além de desperdiçarmos os profissionais de informática tocantineses, a contratação da empresa de Belo Horizonte irá anular o trabalho dos servidores da SEFAZ/TO lotados na Superintendência de Tecnologia da Informação. Não apenas os atuais, mas também os aprovados no último concurso público. Provavelmente eles continuarão sub utilizados usando ferramentas ultrapassadas e de pouca produtividade. Enquanto os profissionais da empresa utilizarão as melhores ferramentas e as mais novas tecnologias.

    A melhor solução é capacitar o nosso pessoal para usar as novas tecnologias. Atualmente, os servidores lotados na informática são obrigados a usar o Genexus, ferramenta de programação desenvolvida pela empresa ARTECH do Uruguai. Esta ferramenta é ultrapassada, extremamente limitada, produz programas pesados que causam muitos problemas de rede.

    Se ao invés de usar o Genexus como ferramenta de programação, usássemos tecnologias mais avançadas e que estão disponíveis gratuitamente na internet, com certeza a produtividade dos servidores do setor de informática seria muito maior do que é hoje. Isto, por si só, dispensaria a contratação de uma empresa de fora. Entretanto, existem outros fatores que podem aumentar a produtividade do setor de informática da SEFAZ/TO.

    É necessário entender que a TI é estratégica para qualquer organização. Dai a necessidade da área de TI possuir planejamento, governança com responsabilidades bem definidas, investimentos constantes em capacitação de pessoal e diversos controles internos para garantir segurança e economia.

    Fábrica de software é um nome pomposo que significa uma empresa ou setor que desenvolve bastante softwares devido a boas práticas de administração de TI e foco nas pessoas. Se a SEFAZ/TO adotar estas práticas administrativas, não haverá necessidade da contratação desta empresa

    Hoje a base de toda secretaria da fazenda é a informática. Uma vez que todo seu trabalho gira em torno de informações e processamento de dados. A informática está em todas as atividades da SEFAZ/TO. Se algo der errado com a informática, toda a secretaria será afetada. Por isto, ela deve estar sob a responsabilidade dos servidores da SEFAZ/TO e não sob os cuidados de terceiros. Devemos ter conhecimento para gerir o que é nosso e representa o nosso futuro.

    Mudanças de procedimentos no meio fiscal ocasionadas pelo avanço tecnológico não param de surgir. Tecnologias como a Nota Fiscal Eletrônica, o cadastro sincronizado e a assinatura digital entre muitas outras que existem e ainda irão surgir, exigem do nosso pessoal constante atualização. Se deixarmos para uma empresa de Belo Horizonte o trato com estas novas tecnologias, seremos desconhecedores delas e estaremos incapacitados para tomar quaisquer decisões no futuro.

    Ao deixar aos cuidados de terceiros um setor fundamental. A Secretaria da Fazenda perde sua autonomia e passa a depender totalmente desta empresa. Sempre que precisarmos de um programa, é a empresa que decidirá se que ou não fazer o programa. Sempre que precisarmos pagar pelo desenvolvimento de um software é a empresa que decidirá o quanto quer receber pelo serviço. Assim, a SEFAZ/TO irá perdendo gradativamente sua liberdade e capacitação interna. Dependeremos de outros para fazer o que podemos fazer.

    A Secretaria da Fazenda poderá deixar de produzir por diversos motivos. Poderão existir custos inesperados e adicionais devido a falta de gerenciamento dos contratos de terceirização e mudanças na legislação. Além disso, a empresa pode desistir de prestar serviços à SEFAZ/TO ou a SEFAZ/TO pode desistir de contratar serviços dessa empresa por vários motivos. Em ambos os casos haverá descontinuidade tecnológica o que acarretará mais custos inesperados.

    O desenvolvimento de software deve ser responsabilidade da Secretaria da Fazenda por causa do sigilo fiscal. É arriscado fornecer a terceiros dados confidenciais sobre nossos contribuintes e sobre os procedimentos internos da secretaria. Então, como garantir que os funcionários desta empresa não farão mal uso das informações que recebem?

    A Secretaria da Fazenda pode e deve produzir muito mais recursos tecnológicos, para isto basta:

    1) Uma melhor administração dos recursos de TI;

    2) Investimento na capacitação do quadro de TI;

    3) Investimento na capacitação dos usuários para que estes colaborem e ser responsabilizem pelo setor de TI;

    4) Uso de software livre para aproveitar o conhecimento que os novos servidores de TI aprovados no último concurso possuem, pois adquiriram na faculdade;

    5) Uso dos softwares públicos que são disponibilizados gratuitamente por outros entes da federação;

    6) Desenvolvimento de softwares em conjunto com outras secretarias da fazenda.

    A SEFAZ/TO têm gasto muito com software. Pagando licença de uso, manutenção e desenvolvimento para diversas empresas privadas. Ao fazer isto deixa de investir no que é mais importante numa organização: as pessoas, que ficam desmotivados ao ver que a organização para a qual trabalham não quer investir neles.

    Cláudio Loredo – AFRE III

  111. Tive a oportunidade de assistir essa grande discussão em prol da criação e da possibilidade de aprovação de uma Lei Orgânica para nosso fisco Estadual. O presidente do Sindifisco de Pernambuco, Francelino das Chagas, explanou com muito riqueza a experiência da Loat de seu Estado, orientando e dando dicas importantes para melhor condução. Nesse sentido o Presidente do Sindifisco do Pará, Charles Alcântara, apresentou a trajetória politica, mobilização da categoria e os principais caminhos que devemos trilhar para o sucesso da aprovação da Lei Orgânica. Também o Presidente do Sindifisco de Minas Gerais, Lindolfo de Castro foi muito enfático e deu um grande exemplo de luta do fisco Mineiro. O que muito me surpreendeu e deixou feliz foi o apoio público do Secretário da Fazenda, Marcelo Olimpio, representando o Governador Siqueira Campos, e do Procurador Geral do Estado, André Matos que reafirmou seu interesse em contribuir com seu apoio. Parabenizo a iniciativa de levantar debates e conduções de assuntos de extrema importância para a categoria do fisco Tocantinense, e que nesse momento histórico em que vive a classe fiscal do Tocantins a interação, o envolvimento e participação UNA E FORTALEÇA todos contra o IMOBILISMO, conscientizando-os da necessidade URGENTE DE MOBILIZAÇÃO!!! A Asfeto, que já defende a algum tempo a LOAT para o Fisco do Tocantins, estará atenta e participará ativamente de todos os desdobramentos dessa luta que com certeza trará, depois de aprovada a LOAT, segurança, independência, autonomia e garantias jurídicas necessárias ao bom desempenho de nossas atividades e do futuro do fisco Tocantinense.
    Grande abraço a todos!!

  112. Isaque Cairo,
    valoroso
    amigo,

    Estamos em paz. Não temos diferença de forma, conteúdo ou objetivo. Talvez tenhamos formas diferentes de expressar a mesma coisa. Desejo o melhor sucesso na empreitada que desempenha. Abs,

  113. Isaque Cairo

    Nobre Caio, inestimável amigo.
    Concordo plenamente com você, não podemos de maneira alguma assumir ou mesmo compactuar com erros que não são nossos ! E também considero surreal a história de nomes que não podem livremente se associar ao sindicato de classe, lembremos que nós ordinários proscritos também vertemos compulsoriamente recursos para a entidade a que estamos IMPEDIDOS de ingressar, mesmo contra disposição expressa de LEI.
    Mas creio que mesmo esta situação, como outras tantas, possam ser objeto de um conversa franca, direta e serena entre as partes, lembro ao amigo que em quase 20 anos de fisco uma guerra silenciosa entre AFRE III e AFRE IV vem sendo travada, impedindo avanços, minando conquistas e nos expondo a risco de retrocessos que conhecemos bem, imaginemos então a abertura de novo flanco, agora entre os próprios AFRE III, quando em média nos falta apenas 10 anos para a inatividade, acredita mesmo que num ambiente belicoso deste porte haverá avanços ? Com guerreiros incansáveis de ambos aos lados pelejando ? Amigo, não temos a eternidade a nosso favor, sejamos pragmáticos.
    Antes que defenda, reitero, não é a ASFETO nossa nobre associação que está em guerra ou a fez começar, esta apenas deu voz a quem discorda da gestão sindical como você bem frisou, mas também reitero que esta voz de maneira exógena não mudará ou formulará mudanças de posturas e métodos.
    Partidos, sindicatos, associações, clubes militares, clubes sociais, igrejas, agremiações carnavalescas, corporações financeiras, empresariais etc convivem com divergências intestinas, muitas destas excessivamente mais graves que as nossas e tal fato não extermina o diálogo, unica arma da democracia burguesa aceitável.
    Sigamos em frente e olhemos o futuro.
    Grande abraço !
    Não tenho dúvidas que a

  114. Nobre
    Isaque,

    Realmente, mobilizar não é fácil. Também não serve como justificativa para que se não o faça. Quem se propôs a cumprir tal desiderato tem por obrigação ao menos tentar, concorda?
    O problema que temos é o mesmo de todas as categorias profissionais: ser o discurso em nosso meio dissociado da prática. As entidades são meras exigências formais, objetos ou instrumentos, que por deturpação conceitual, alguns, pretendem, seja a causa-final.
    A Asfeto não causou qualquer dissensão ou divisão, simplesmente deu voz àqueles que não concordavam com estado de coisa vigente, a anteposição artificial de auditores III e IV com o fito de alguns se perpetuarem na entidade em busca de objetivos pessoais. Essa é a realidade.
    Quanto a convergência de objetivo classista há muito vimos tratando desse assunto. Desde que o objetivo seja verdadeiro, sem subterfúgio ou faz-de-conta, estaremos na linha de frente. Você mesmo, nobre amigo, teve seu nome restringido pelos príncipes do fisco, como informa em sua matéria anterior. Logo você, operador da articulação! Pode-se restringir impunemente nome de pessoas, quem participa, quem não participa, quem pode filiar ou quem não pode, transigir em um direito constitucional? Essa posição é instrumentalizadora de quem não quer convergência! Não está suficientemente claro?
    De nossa parte estamos prontos, como sempre estivemos, aliás. Sem fazer qualquer restrição, logicamente.
    Precisamos lembrar sempre que são três, as entidades envolvidas. Além da nossa e o Sindifiscal, há também o Sindare/Audifisco, portanto nossa convergência em uma agenda positiva, sem dúvida, há que ter a participação de todos os envolvidos.
    Como disse, não estamos dispostos a ficar repisando erros, mas, também, não podemos assumir erros que não são nossos, aos quais, sempre fomos contrários.
    Por outro lado, louvo o seu desprendimento e disposição, em tentar quebrar algumas lanças em favor de nossa unidade. Creio que a causa e nobre e só poderá dar bons frutos.
    Abs,

  115. Isaque Cairo

    Prezados Companheiros.
    Utilizei este espaço durante algum tempo para criticar o que considero má gestão de nossos interesses pelo nosso sindicato de classe, mas reconheço também a dificuldade imensa de mobilizar uma categoria heterogênea e dispersa como a nossa é a hercúlea tarefa dos companheiros que se propõem a nos representar. Não podemos ser pueris ao ponto de imaginar a verdade somente em um lado da moeda.
    Vimos todos neste meio tempo o surgimento da ASFETO, suprindo uma lacuna que nos deixava como a única UF sem uma associação estadual do Fisco, entidade combativa, motivada, séria e comprometida com os interesses coletivos.
    Neste meio tempo, também vimos surgir um muro capaz de segregar a categoria em duas classes distintas, situação peculiar, irracional e de grandes prejuízos a todos, que seria deixar de um lado partidários das causas da ASFETO e do outro partidários das causas do SINDIFISCAL. Suponho ter chegado o momento de quebramos este muro e desfazer antes que seja tarde mais uma cisão no seio de nossa classe. Já anacronicamente dividida em egos.
    Se em todos os estados da federação, sindicato e associação existem para melhor prestar assistência e apoio aos membros da categoria , por qual motivo seremos diferentes aqui no Tocantins ? É necessário entendimento, entendimento que não significa adesão ou submissão , mas que significa diálogo constante, sério, sereno e estratégico. Se há o interesse destas duas entidades em promover o melhor para o fisco e seus associados, não creio que seja razoável um ambiente belicoso e de confronto, mais interessante é fazer estas duas forças atuarem na mesma direção e sentido, talvez assim saiamos da inércia e deixemos de dar voltas ao redor do próprio eixo sem avançar em nada significativo.
    Termino este post com um apelo ao Diretor Presidente do Sindifiscal e ao Diretor Presidente da ASFETO, que em nome da razão e da civilidade possam estender as mãos ao diálogo e ao entendimento na formulação de uma agenda democrática e plural, capaz de assegurar a cada membro do fisco o livre acesso a qualquer destas entidades e que a pauta além de avançada possa levar em consideração a voz aflita das bases, seus anseios, seus medos, suas idéias e também suas críticas, tão naturais em aglomerações humanas.
    Lembremos que o que nos separa da barbárie é exatamente a nossa capacidade de dialogar e buscar soluções consensuais aos conflitos.
    Por fim, não esqueci as críticas anteriormente feitas, mas todos sabemos em que estamos pecando, logo, somente a busca de soluções coletivas pode nos levar ao avanço. Repisar falhas e erros publicamente revelou-se, na minha opinião, um instrumento de enfraquecimento continuado de nosso patrimônio classista.
    Por isso a necessidade de diálogo, para que democrática e civilizadamente possamos resolver os NOSSOS problemas, sem exposição excessiva de divergências que possam causar mais desunião e mais desencontros, para tanto necessário apenas mais democracia e mais transparência nas ações que nos interessam, juntos poderemos mais, separados e brigando internamente, seremos presa frágil e cada dia mais distante do FISCO que almejamos.
    Agradeço mais uma vez a este espaço democrático e plural, desejando sucesso e avanços as duas entidades.
    Grande abraço a todos.

  116. claudio murilo

    PROGRESSÃO – Me causa estranheza esse silêncio todo em torno desse direito, a entidade-mor muda(não divulga nada a respeito), os filiados a ela mudos(não cobram a defesa desse direito) pois seria em agosto e já estamos em setembro, será que teremos mais uma categoria surda-muda nesse estado e país, mais um prejuízo no nosso salario já defasado, por isso a categoria não acorda com os gritos, parece que ela é surda, lá vai mais um “ACORDA CATEGORIA”, ou será que terá que ser na língua dos sinais.

  117. claudio murilo

    Mais um direito não cumprido, a progressão que deveria ser paga na folha de agosto não saiu, mais um direito a ser negociado fora da data correta, alias nem sabemos quando será negociado, já temos tantos retroativos que parece que virou mania, e quem sabe quando será, pois a entidade-mor até agora nada divulgou a respeito, será que acordarão ainda esse ano para tal cobrança, ou mais uma vez só em janeiro, fevereiro, março,abril, maio,junho,julho,agosto,setembro,outubro, novembro ou dezembro de 2014,2015,2016,2017……. é de amargar, a categoria mais uma vez a ver navios, acorda categoria, as chuvas estão chegando e a vaca indo pro brejo.

  118. Caro
    Paulo José e
    Isaque Cairo,

    Gostaria de falar de poesia, dos elevados sentimentos que nos enriquecem a alma. De nosso país exuberante, de nossa bela natureza, de nosso povo feliz e sorridente. Quisera.
    Assim que me disponho a isso, sem tardança, me sobrevém a mente pensamentos sinistros, soturnos e lúgubres que me entorpecem alma, frente a realidade inafastável, cruel e pungente, defronte nossa dura realidade.
    A matéria exposta nesse link* http://revistaforum.com.br/blog/2013/08/dez-informacoes-sobre-a-saude-e-a-medicina-em-cuba/ poderá ajudar a muitas pessoas compreenderem a discussão sobre a medicina no Brasil, embasada em dados estatísticos, não são premissas ou elucubrações. São dados fáticos. Leiam, por favor, inclusive, os comentários.

    Eu acrescentaria ainda que, em minha forma de pensar, a medicina brasileira é intencionalmente equivocada em sua forma, conteúdo e método, vejamos:
    FORMA: É essencialmente baseada na indústria de laboratórios de análises. Médico algum ousa dar diagnóstico que não seja precedido por uma bateria de exames. Alguns, mesmo, sem qualquer correlação com as queixas do paciente. Basta ver que quando se vai ao consultório médico e começa-se a falar, esse já vai elaborando os pedidos de exames, sem nem ao menos olhar para o infeliz paciente. Relação distante, fria e impessoal em que o que menos importa é o sofrimento da vítima, ou como queiram, do paciente: sinônimo daquele que tem ‘paciência’. Faz sentido essa designação! Não falarei aqui das esperas desrespeitosas, abusivas e intermináveis em consultórios, (“ estava em uma cirurgia”, a desculpa mais usada), dos representantes medicamentos que entram em sua frente – seria abusar dos ‘pacientes’ que lêem essa linhas.
    Porém, não poderia deixar de se mencionar a inversão gravosa e inexplicável, da importância dada a especialização, sobrepondo-se à clínica-geral. Enquanto o especialista tende a clinicar somente em sua especialidade, o outro tem de entender minimamente TODAS as especialidades. Muito mais difícil e trabalhoso, portanto. Quase 90% de todos os problemas de saúde poderiam ser sanados através de um bom clínico-geral. Seria ótimo para os pacientes, bom para o Brasil e faria a medicina menos mercenária do que é. Mas a quem interessa isso? Aos barões da medicina, certamente não.

    CONTEÚDO: As ciências médicas, via de regra, são direcionadas pelos imensos trustes, cartéis e monopólios dos laboratórios das multinacionais da indústria química farmacêutica que financiam quase todas as pesquisa e só dão destaques naquelas em que podem patentear e vender medicamentos, a preços extorsivos, diga-se de passagem. Todas as outras providências, sabidamente salutares, como a prevenção, alimentação, exercícios, meditação, higiene, são relegadas ao ostracismo ou não tem realçadas à altura, suas importâncias. Se não se ganhar dinheiro que se danem os pacientes pacienciosos.

    Gostariam de algum exemplo?
    *A vitamina B3, a niacina ou niacinamida, tem uma ação relevante no controle da progressão da esquizofrenia. Alguém fala nisso? Ela é barato e não se pode patentear.
    *A vitamina D adquirida pela exposição solar é insubstituível e ela é catalisadora de mais de 180 reações química no organismo humano. Não se pode patentear o sol. Alguém faz propaganda disso?
    *A pimenta vermelha tem uma substancia chamada capsaicina que demonstrou ser mais efetiva na dissolução de coágulos sanguíneos que a substancia coumadin* patenteada nos EUA com esse propósito. Mas ninguém poderia patentear a pimenta!
    Poder-se-ia dizer muito mais, mas isso não é o objetivo ou intuito dessa mensagem.
    Creio que noções básicas de saúde deviam fazer parte da grade curricular de ensino, do primário ao 2º grau. Providências simples assim, fariam nosso país economizar milhões em assistência médica e ainda evitariam muito sofrimento.
    MÉTODO: O relacionamento médico-paciente ressente-se da falta de interação entre aquele e esse devido a cultura colonialista secular de nosso povo. Nossa primeira casta superior sem duvida foi os próceres da igreja. Posteriormente os militares. Após o golpe militar os juízes foram guindados a condição de deuses inatacáveis. A verve popular, com sua ironia de sempre, elaborou uma piada espirituosa que diz “ O juiz acha que é Deus, o desembargador tem certeza”. A classe política está a igualá-la, em prepotência e infalibilidade. O que é justo de se observar, é que todas essas castas, plenipotenciárias, (até os deuses terrestres), tem de se curvar ante aos Zeus das medicinas. Aos seus pés se curvam os padres, ministros e sacerdotes da igreja, os generais de exército, os ministros do supremo tribunal, a presidente da república, (creio que até os diretores de sindicatos) todos eles humanos, portanto, passíveis de contraírem doenças.
    Por qual motivo se diz “casta superior” da sociedade brasileira?
    Pela reserva de mercado, pelo corporativismo e principalmente pela herança do ofício, pois somente os abastados médicos brasileiros conseguiriam formar seus filhos em medicina pelo seu dispendioso (e intencional) custo. Assim a herança passa de pai para filho e o feudo herdado é uma legião de infelizes vítimas de um sistema de saúde desumano, caótico e perverso.
    Em nossa categoria temos alguns profissionais da saúde. Não sabendo quanto são, e nem ao menos quem são ao todo, deixo meus reconhecimentos a eles, na forma de saudação a excelente Ceres Dantas, dileta colega de labor. Esses sim, poderiam opinar com mais propriedade e conhecimento sobre o assunto do que este que aqui escreve.
    Abraço a
    Todos!

  119. Isaque Cairo

    7 de setembro e a lição de solidariedade e altivez não vem da estupidez dos idiotas que queimaram o pavilhão nacional, jovens brancos cuja inutilidade de suas vidas cabe na fatura de um cartão de crédito. Incrível ainda é a chamada constante da maior rede televisiva nacional (?) mostrando meia dúzia de baderneiros a enfrentar o corpo policial, talvez com a intenção de destruir definitivamente patrimônios nacionais do porte do Itamaraty.
    A altivez vem da solidariedade de negros e negras cubanas, que sob o escárnio e a virulência dos “médicos” brasileiros a muito esqueceram o que é respeito a vida.
    “Porque gente que não se emociona com o sofrimento e a carência de seus semelhantes, gente que se formou, muitas vezes, em escolas de medicina pagas com o imposto que brasileiros miseráveis recolheram sobre sua farinha, seu feijão, sua rala ração, gente que já viu seus concidadãos madrugando em filas, no sereno, para obter um simples atendimento, gente assim não é civilizada, não importa quão bem tratadas sejam suas unhas, penteados seus cabelos e reluzentes seus carros.” Vide post completo em…
    http://tijolaco.com.br/index.php/corem-diante-desta-negra-doutores-ela-tem-o-que-os-senhores-perderam/
    Um grande abraço a todos.

  120. Isaque Cairo

    100 anos do nascimento do Diamante Negro – Leônidas, num tempo em que a vida era mais simples, assim como o futebol, sem o milhões de hoje, onde a medida que enriquece os figurões engravatados e atletas mercenários, empobrece a pratica esportiva afastando , inclusive, o povo das modernosas arenas da FIFA.
    Bons tempos devorados pela voracidade financeira ! Tempos em que o futebol era esporte e não negócios e negociatas.

  121. PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA

    “PRA NÃO DIZEREM QUE FALEI DAS FLORES”, DEIXO UM POEMA PARA TERMOS UM MOMENTO DE DESCONTRAÇÃO:

    ATENÇÃO, DETETIVE

    SE VOCÊ FOR DETETIVE,
    DESCUBRA POR MIM
    QUE LADRÃO ROUBOU O COFRE
    DO BANCO DO JARDIM
    E QUE PADRE DISSE AMÉM
    PARA O AMENDOIM.

    SE VOCÊ FOR DETETIVE,
    FAÇA UM BOM TRABALHO:
    ME ENCONTRE O DENTISTA
    QUE ARRANCOU O DENTE DE ALHO
    E A VASSOURA SABIDA
    QUE DEIXOU A LOUCA VARRIDA.

    SE VOCÊ FOR DETETIVE,
    UM ÚLTIMO LEMBRETE:
    ONDE FOI QUE ESCONDERAM
    AS MANGAS DO COLETE
    E QUEM MATOU OS PIOLHOS
    DA CABEÇA DO ALFINETE?

    José Paulo Paes,
    Poemas para brincar.
    São Paulo: Ática, 1990

  122. PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA

    A Arte da Guerra ou Maquiavel?

    Subjugar os inimigos sem combate digno é uma vergonha. Sobrepor sobre os outros com desmandos e truculência é digna de pessoas que não sabe dirigir qualquer coisa que seja.
    O Brasil está ficando especialista em praticar a arte da guerra. Todos querem vencer, no entanto, estão utilizando a tática de vencer ou convencer sem ao menos ter a capacidade de combater ao opositor, caso seja empecilho a seus interesses.
    Usam até seu dinheiro para processá-los.
    Vejam só o que acontece com o STF, virou uma bancada de combate ao sistema de governo federal atual. Fazem coisas para inglês ver. Digo isso, porque a mesma pessoa que é relator do MENSALÃO DOS TUCANOS em Minas Gerais foi quem julgou o Dito MENSALÃO DO LULA. Julgaram irregular a forma de se aprovar uma lei, mas não cancelaram a devida LEI. Lei esta que continua cobrando previdência social de quem já se aposentou. Onde estar a dignidade de se julgar o mesmo fato antes de julgar o fato anterior. O dos Tucanos aconteceu antes. E eu não sei o motivo porque foi feito. Mas o do Governo Lula, deveriam mesmo é cancelar a cobrança dos aposentados.
    Agora vejam só a hipocrisia neste ato de convocar uma Comissão Eleitoral para o Sindicato. Deveriam mesmo convocar todos para a posse, diante da re-eleição da atual Diretoria, já que vão comemorar anteriormente em face do Dia do Auditor. Já sabem quem vai ganhar, senão porque o motivo de travar as filiações de alguns filiados opositores a mesma.
    O Tocantins é um lugar ideal para se praticar a Arte da Guerra e/ou o Maquiavelismo. Se eu ganhar vou governar de formar arbitrária e truculenta, não ouvindo aos opositores ou os que se sentem enganados pela atual gestão; ou vou usar de todas os artifícios para ficar perpétuo no PODER. Preciso combater os “MAUS” sem o bom combate, não preciso fazer nada, os outros, meus apaniguados irão se ocuparem para que tudo isto seja feito.
    Muitos já passaram pela Diretoria do Sindifiscal, entretanto um ou dois, continuam a se perpertuar na Gerência do mesmo, motivo para se fazer alguma coisa em favor da classe existem, e é de monte. Então porque não aproveitar dessa autorização da maioria para efetivar as metas que trazem benefício a todos da classe. Se isso não é feito, então qual o interesse de se manter no comando da instituição?
    Ninguém quer acabar com o SINDIFISCAL, precisamos acabar com mundo de faz de conta. Precisamos vir o que de fato traz o bem comum.
    Antes de falar em promoções de alguns AFRE’S III: precisamos cumprir com as progressões com Direito Adquirido, precisamos ganhar o adicional noturno, precisamos ganhar o adicional por insalubridade. Em tempo fico intrigado com o que foi feito da Ação das Horas-Extras; por que não ganhamos algum tostão com esta Ação. Por que o REDAF voltou a ser uma manobra, não ganhamos mais o valor total todos os meses, continuo trabalhando e mim esforçando para que a meta seja feita.
    Agora sim cheguei a conclusão: QUEM NÃO QUER SE ESFORÇAR , VAI GOVERNAR E/OU DIRIGIR UMA INSTITUIÇÃO, VIVENDO A CUSTA DO GOVERNO QUANTO AO SALÁRIO; E DOS CONTRIBUINTES DA MESMA QUANTO AO ADICIONAL DE FÉRIAS E A AJUDA DE CUSTO. Então por que mesmo o custeamento com celulares (08 foram comprados na última campanha), com gasolina (abastecem carros que não é da instituição). Se não é ilegal, no mínimo é imoral.
    Não precisamos VOTAR, pois já sabemos quem vai GANHAR!!!
    Não sei quem vai PERDER!!!

  123. Robispierre Xavier

    Há tempos eu assimilei a ideia que se esses sujeitos de caras sujas, não são dignos de respeito, visto que tripudiam de tudo e de todos. Os que não falam a sua língua, que não assinam embaixo das ações e atos inescrupulosos praticados por eles, são “persona non grata” em NOSSO SINDICATO.
    Ao ler sobre a resposta da diretoria malogra, dada ao colega do norte sobre nossa filiação, está bem claro a má intenção deles. Quer dizer que o Sindifiscal, de fato de transformou no quintal da casa desses indivíduos? Imoralidade, sujeira, trairagem, safadeza. Eu não vou desistir! Me aguardem…

  124. Isaque Cairo

    Prezados Companheiros.
    A mídia conservadora realmente não tem jeito, após bombardear o Gov. Federal com a inflação do “tomate”, perdida a guerra , realinhou suas baterias contra o Mais Médicos, programa que visa colocar médicos para atender a população onde os semi-deuses brasileiros recusam-se a mourejar, pois bem sabe-se, que a saúde no Brasil é um bem econômico gerido por enormes corporações financeiras, tão interessadas na saúde do povo quanto os donos de empreiteiras preocupam-se com a economia de recursos públicas nas obras que tocam.
    Lembro que com o apoio esfuziante da míope classe média, não sem o apoio da classe médica, com uma decisão irracional e eleitoreira suprimiu-se a CPMF , negando anualmente uma verba de cerca de 40 bilhões de reais ao já combalido sistema público de saúde.
    A quem possa interessar, deixo abaixo o link para uma esclarecedora entrevista concedida por uma médica cubana, desfaz mitos e aclara o que a nossa obscura mídia grande rejeita e esconde através dos argumentos contrários ao avanço popular de seu exército de “especialistas” que pouco falam contudo dos 400 anos de história de desmandos, traições e pilhagem do patrimônio nacional e de seu povo que antecederam a última década.
    Inicia a entrevista com uma frase emblemática que demonstra o quão distante nossa vibrante economia de mercado está “avançada” em relação a “ilha cárcere ( ? )”…..”NÃO HÁ DENGUE EM CUBA”.
    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=22582

  125. Isaque Cairo

    Amigo Caio.
    A verdade sempre deve ser extraída depois de pesados na balança dos fatos as partes envolvidas, sempre. Vide este interessante caso publicado pelo cartamaior.com.br.
    ” FARSA: ‘DISSERAM QUE EU TINHA QUE DAR O LUGAR A UM CUBANO’
    A denúncia da médica Junice Maria Moreira, estampada na 1ª página da ‘Folha’, desta 6ª feira, é só primeiro fruto da colheita algo sôfrega, com a qual a mídia conservadora busca ansiosamente reverter o jogo do ‘Mais Médicos’. O programa, combatido com a beligerância habitual dedicada a tudo que afronte a irrelevância incremental do liberalismo, caiu na simpatia da população. É forçoso desmonta-lo. E a isso se oferecia o grito anti-cubano da doutora Junice. O fruto suculento vendido pela ‘Folha’ no café da manhã não resistiu a alguns cliques de rastreamento digital. Era mais uma baga podre do jornalismo que já ofereceu simulacros equivalentes em outros momentos. Basta acessar o serviço CNESNet da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde. Foi o que fez o professor universitário André Borges Lopes. Associado ao nome da doutora Junice surgem quatro vínculos empregatícios ativos, dois deles de 40 horas no Programa de Saúde da Família e mais dois de 24 horas cada como médico clínico (tela anexa). Total de 128 horas semanais (improváveis 18 horas e meia por dia, de segunda a segunda). Com um detalhe: os vínculos públicos são com prefeituras de três cidades diferentes (Murici, Queimadas e Jiquiriçá no interior baiano) distantes 357 km entre si, 4h40 de viagem segundo o Google Maps. Pergunta: por que o diligente jornalismo da casa Frias não providenciou essa investigação mínima, antes de disparar a exclamativa manchete desta 6ª feira? (Leia a apuração do professor André Borges nesta pág)”
    Pra quem quiser conferir :http://www.cartamaior.com.br/templates/index.cfm
    Sabe Caio, me pergunto agora se a Folha não vai me processar, mas creio que não, pois até a mediocridade possui limites que esbarram em princípios mínimos de ética e decência.

  126. Rander Oliveira

    Nobres colegas.
    Aproveitando a semana do auditor e o espaço cedido pela Asfeto, realmente é importante fazermos uma analise sobres os nossos caminhos.
    É tempo para refletirmos sobres nossos interesses e ideais, dentre eles acredito que um dos mais importantes (além da questão salarial) seja a nossa qualificação profissional. Tenho encontrado vários colegas da regional de Taguatinga e de outras regionais, deste muitos me perguntam sobre os cursos realizados pela SEFAZ em especifico o de auditoria fiscal, a maioria está interessada em participar destes cursos, e temos notado a escassez destes, ou quando existentes a não disponibilização de vagas suficientes , não sei se por falta de interesse da diretoria de fiscalização ou por outro motivo que venha impossibilitar tais cursos. A evolução fiscal tributária é constante e a reciclarem dos agentes se faz necessária, obrigatória! Indiferente se trabalhamos em postos fiscais, pareceres, auditorias ou gerencias. Atualização é um meio de sobrevivência.

  127. Caro
    Isaque,

    Os médicos brasileiros, salvo honrosas exceções, vivem as expensas de cartéis e monopólios, que fazem nosso povo sangrar até morrer. O que menos importa é a saúde dos pacientes, que de índole pacífica e mansa, tudo aceita, sem reclamar. Nosso “doutores”, quase sempre, em uma bolha de privilégios, só se interessam em montar consultórios de especialização para se locupletarem às custas da miséria social. A especialização é o câncer da medicina, diga-se de passagem. Quem entende de olhos não entende de cérebro, de ossos não entende de ouvido e por aí vai. Começa a peregrinação do infeliz pacientes, via crucis, em consultórios e laboratórios, a uma por falta de conhecimento do médico, e a duas, para enriquecimento dos próceres da medicina, em um odioso e cruel modelo de extorsão dos vitimados pelas doenças.
    Digno de nota é que alguns se recusam terminantemente em atender à plebe em hospitais e postos de saúde em contrapartida à sociedade que os formaram. Quem duvidar disso é só olhar o noticiário nosso de cada dia em que se escancara que uma parcela significativa desses profissionais batem o ponto mas não permanecem no trabalho, principalmente se esse for público. Isso significa sofrimento e morte daqueles que necessitam de atendimento medico. A importação de médicos de Cuba é um pequeno, mas importantíssimo e considerável passo, diante da magnitude dessa questão. Alguém terá de cumprir essa tarefa, e pelo que parece, os médicos brasileiros não estão dispostos. Muito há que se fazer nesse campo ainda.

    É claro que existem médicos inatacáveis, verdadeiros abnegados e sacerdotes a serviço dos necessitados, mas repita-se, trata-se de honrosas e destacáveis exceções!
    E o que se falar da impunidade quando se trata de “erro médico”?
    Pessoas são inutilizadas, deformadas e mortas sem que qualquer punição significativa àqueles que as cometeram. Nesses casos, suas combativas corporações de classe saem em campo, em imediata em defesa do profissional em questão, e quase sempre, tudo cai no esquecimento. É muito raro que um médico seja punido verdadeiramente pelo seu erro. Talvez seja o país de maior impunidade no mundo em se tratando de erro médico.
    Sempre fui ferrenho adversário do Partido dos Trabalhadores, por fazer dos sindicatos, correia de transmissão partidária, processo que na minha visão é absolutamente incompatível com os interesses maiores da classe operária, seja quem for o seu patrão. No entanto, sei reconhecer um governo corajoso, que não mede esforço em atender às necessidades populares, e a Presidente (vejam só, presidente e não presidenta, como querem alguns) Dilma conquistou toda a minha admiração, antes pelo enfrentamento com latifundiários a respeito meio- ambiente , e agora, muito mais, em relação à saúde dos brasileiros. Longa vida à presidente Dilma!
    Para se fazer justiça ao nosso Estado e ao nosso Governo, que atacamos quando erra, precisamos também manifestar quando acerta, e por isso, parabéns ao Governador Siqueira Campos por ter sido pioneiro nessa iniciativa, e, principalmente, pela visão futurista em relação a assistência médica brasileira!
    “Entonces, que vengan los cubanos! Por que o que importa é a saúde!”
    Jornal da Cidade: Porto Alegre – RS (16/05/2013)

  128. Isaque Cairo

    Prezados Companheiros.
    Vide no link abaixo, interessante reportagem sobre a contratação de médicos cubanos pelo Gov. Federal. Lembro inclusive que de maneira corajosa o Gov. do Estado do Tocantins já havia lançado mão deste expediente de modo a atender sua carente população nas cidades que semi-deuses brasileiros recusam-se a exercer suas funções. Confira abaixo em;
    http://www.conversaafiada.com.br/pig/2013/08/29/globo-censura-reporter-que-elogia-medicina-de-cuba/

  129. Boa ideia,

    Severino e Pierre!

    Mas será que não constrangeríamos os lordes e os bacanas porventura lá presentes?
    Os príncipes do fisco tem muito o que comemorar: o imobilismo constrangedor, não tem que ir para os postos decadentes, não tem cumprir metas, não tem que viajar, gastam o dinheiro da categoria como desejam, ……, e só tem que dar em troca alguns tapinhas nas costas em subalternos ávidos em os sucederem, umas cervejinhas com carne assada, mais mentiras, trapaças, enganações e …… tudo bem! A relação custo/benefício para eles é enorme. Não é atoa que se aferram com unhas e dentes ao cargo e elegem como inimigo de morte quem pensa diferente. Até os apaniguados e puxa-sacos de hoje, se um dia mudarem de opinião sobre a permanência deles, se verão jogados imediatamente no fogo do inferno.
    Não seria mais fácil descerem do pedestal, e na planície, fazer o que prometeram em suas campanhas? Cumprir suas promessas? A vocação para a arbitrariedade é tão grande que não percebem que não se faz política empurrando as pessoas, distribuindo pancadas e verberando contra tudo e todos. Nem política partidária e tampouco a sindical. A política é a arte de conciliar interesses contrários! Essa é a mais importante evidência da incompetência desse pessoal. Eles pensam que são generais de exercito, e nós, pobre súditos, temos somente que pagar sem reclamar!
    Se eleito qualquer um desse, que pensa dessa forma, seria um presente de grego da categoria fiscal ao povo tocantinense, que não merece e não seríamos perdoados por isso.

  130. Isaque Cairo

    Caro Robespierre, o incorruptível !

    Belíssima idéia, de minha parte acredito que seria mais útil a pobre e sofrida população de nosso Estado do Tocantins , gastarmos esta fabulosa cifra para bancar a distribuição de cestas básicas em qualquer bairro pobre dos arredores da capital.
    Poderíamos também promover um ciclo de palestras nas principais escolas públicas e universidades acerca da importância do trabalho anônimo do agente do fisco em prol do desenvolvimento do Estado e da justiça social.
    Além de entregar ao Governo do Estado um documento com as principais reivindicações da categoria.
    Se houvesse baile, que fosse público e aberto ao povo, nossos verdadeiros patrões.

  131. Severino Costa

    Seria muito interessante, aproveitarmos o baile para uma grande manifestação. Quem sabe chamar a imprensa para a festa. Levarmos cartazes e fotos de como estão os postos fiscais e mostrarmos aos jornalistas as aberrações e contradições – como o caso das filiações. Além do mais, se a festa é bancada com nosso dinheiro – imposto sindical, temos sim o direito de participarmos, embora não nos tenham convidado pra essa festa pobre que os homens montaram pra mim convencer…

  132. Robispierre Xavier

    Eu não tenho nada a comemorar!
    Seria diferente se tivesse recebendo adicional noturno, se tivesse recebendo adicional de insalubridade, se esse Redaf não estivesse defasado, se fosse pago em data definida ou, ainda, se fosse incorporado ao meu salário. E as minhas horas extras?
    Teria muito a comemorar se tivesse condições de trabalho dignas e ferramentas de trabalho eficientes. Mais ainda a comemorar, se eu tivesse um sindicato atuante e que me representasse com fidelidade perante os meus direitos, mas nem consigo me filiar, pois meu requerimento (mesmo assinado e com firma reconhecida em cartório) tem passar pelo crivo da tirania e pela postura indecente dessa diretoria malogra. Uma verdadeira palhaçada, deboche, uma agressão imoral ao meu direito líquido e certo, que é o de livre filiação e/ou desfiliação. Esses caras brincam de serem Deus a todo instante e acham que isso vai perpetuar? Meus caros, tudo tem limite e quando a casa cai, o baque é pesado.
    Sobre as desfiliações, sei de pelo menos quatro pessoas que solicitaram desfiliação no final do ano passado e foi rejeitado até mesmo a recepção dos requerimentos, ou seja, não querem nem receber os pedidos e quando recebem, levam ao crivo do imperador e do fantoche. Estão forçando essa situação para dar suporte às alegações que deram ao MPE, que existe sim, um número de filiados para manter o imperador à disposição do sindicato. E, mesmo com essa forçação de barra, não há quantidade de filiados suficientes para manutenção da disposição do imperador. Gente morto não assina ficha de filiação. Esposa de colega falecido também não tem legitimidade para tal. “Declaração de filiação” sem nome, sem matrícula, com data retroativa e sem firma reconhecida em cartório (exigência que eles mesmos criaram nas suas cabecinhas), também não vale. Quem vê com os próprios olhos a papelada que apresentaram à Secad, percebe claramente o tamanho da audácia e irresponsabilidade desses sujeitos. Não querem saber de trabalhar de verdade. Na cabecinhas deles, acham que nunca mais voltarão ao balcão de um posto fiscal, para perder sono e bater carimbo.
    Tomei asco da cara desses indivíduos sem moral. Mas não vou desistir, não vou sossegar enquanto não vê-los perder essa mamata a qual estão agarrados com unhas, dentes e mãos, e, ainda, responder por cada ato de arbitrariedade, omissão ou improbidade.
    Por fim, eu decidi que quero ir a esse “baile de gala”, olhar para cara deles, assistir aos afagos, tapinhas nas costas e os sorrisos largos. Mas acho que vão vetar minha participação dessa grandiosa festa, pois quero ir vestido de mendigo, um verdadeiro mulambo, com placa pendurada no pescoço “SOU VÍTIMA DA IRRESPONSABILIDADE DA DIRETORIA DO SINDIFISCAL”, para mostrar aos presentes que a nossa realidade não é glamour, não é festa, não é de comemoração, não é rasgar dinheiro dos filiados para promover baile com ares de campanha política. Convoco aos partícipes dessa ideia. Será que nos deixam entrar?

  133. Isaque Cairo

    Nobres Companheiros.
    Seria muito bom que pudéssemos utilizar este espaço somente para falar do fisco, mas infelizmente ou FELIZMENTE não vivemos desconectados de um país chamado Brasil, da qual relembro, o Tocantins é parte indissociável.
    Proponho aos colegas, sobretudo aqueles que ainda ecoam desvairados cantilena pestilenta e pegajosa de saudades de um Brasil que acabou, aquele Brasil onde um determinada “presidente” tachou aposentados de vagabundos, estando ele próprio também na inatividade.
    Confiram, se obviamente puderem o link abaixo e vejam que os corvos as vezes se vestem de branco.
    http://tijolaco.com.br/index.php/bomba-apartamento-liga-fhc-a-banqueiro-do-propinoduto/

  134. Robispierre Xavier

    Será que vão mexer na caixa preta mesmo? Quero ver! O que me impressiona é a sonolência do MPE, que só agora enxerga que existe algo errado com todo o sistema de arrecadação estadual? Antes tarde do que nunca. E se fizerem um pente fino, vai aparecer cada coisa cabulosa. A sociedade precisa saber disso, pois desta forma darão definitivamente nomes aos bois.

  135. Isaque Cairo

    “O TIRO QUE ECOA HÁ 59 ANOS
    Há 59 anos, naquele 24 de agosto de 1954, Getúlio Vargas cometeu o suicídio político mais inteligente da história. Consternado com a notícia que ecoava pelas rádios, o povo carioca perseguiu e escorraçou porta-vozes da oposição virulenta ao Presidente. A experiência da tragédia abalou o cimento da resignação cotidiana e a multidão elegeu seu alvo: cercou e depredou a sede da rádio Globo que saiu do ar. A escolha do desespero tinha alicerces na razão. O cacho de forças silenciadas na vitória esmagadora de Vargas em 1950 preservara intacta a sua sonoridade junto à opinião pública. À medida em que a incontinência dos decibéis superava o comedimento das formalidades e contaminava todo aparato conservador, o duelo tornava-se a cada dia mais desproporcional. Uma agenda latejante de suspeição,desafios e desrespeito ostensivo era apregoada diuturnamente. A pressão atingiria seu auge naqueles dias finais de agosto. Cinquenta e nove anos depois do tiro que sacudiu o país e impôs o recuo do golpismo, o volume asfixiante do coro conservador ainda pode ser ouvido e aquilatado. Entre um agosto e outro, algumas peças do paiol midiático permanecem. Outras se juntaram à tradição. Os personagens se renovam, mas o método se repete. O jogral da condenação sumária sentencia a mesma intolerância em cada linha, título, nota, coluna, fotomontagens, capas, escaladas televisivas e radiofônicas. Troquem-se as letras que compõem o nome Vargas por ‘mensalão’. Ou Lula. Ou Dirceu. Ou Cuba…O preconceito beligerante que cerca um, equipara-se ao que esmagou o outro. O rastro comum remete à matriz udenista da suspeição e da condenação sumárias; das togas avessas às provas; e das sentenças indiferentes aos autos. O conjunto forma um fio de continuidade que atravessa a régua do tempo e conecta a luta progressista de 54 a do Brasil de 2013. Hoje, mais uma vez, o país enfrenta uma transição de ciclo histórico. Ela opõe, de um lado, a esperança no passo seguinte de um desenvolvimento calcado na emancipação social de sua gente. E de outro, as forças e interesses que consideram intolerável sincronizar esse passo com o anseio por equidade e justiça, mas, sobretudo, por uma efetiva redistribuição do poder. (Leia também ‘A guerra das expectativas’. AQUI)
    Carta Maior; Sábado, 24/08/2013″
    Vide cartamaior.com.br

  136. Rander Oliveira

    Parabéns a Asfeto pelo espaço dedicado aos colegas e o empenho neste fato, mais uma vez requerendo através de ofícios a comando da polícia militar local e estadual o empenho em prestar segurança as nossas unidades fiscais e em especial a esta unidade (posto fiscal Levantado) que tem sido utilizada como rota de fuga de criminosos de grande periculosidade.

  137. Wanderley Nunes Noleto

    Fico impressionado com o imobilismo dos diretores do sindifiscal, é estarrecedor saber que para faze-los movimentar de alguma forma precisa ser cutucado. Engraçado é que nunca visitaram regionais e agora surpreendentemente visitam primeiramente a regional de Taguatinga e depois Alvorada num momento que exige mobilização e ação de verdade fazem convite para festa (SERÁ QUE JÁ É CAMPANHA ANTECIPADA?). Meu Deus!!! para comemorar o que? vamos comemorar o imobilismo, a falta de ação, a inercia e a movimentação panfletaria devido as movimentações de outras entidades?. Vamos comemorar o valor do transporte coletivo de Palmas, o horário de verão, a chamada dos concursados, e etc. mas não vamos lutar por nossas demandas como fazem nossos colegas vizinhos de sindicatos?, Bahia, Goiás e o Pará (nossa!! a pouco tempo era uma carreira totalmente desestruturada e agora tem até lei orgânica de exemplo para o Brasil – Parabéns fisco paraense!) , Acho que estou no fisco errado porque não dá pra entender tamanho descompromisso com a categoria. O mandato dessa diretoria está no fim e não presta contas das promessas de campanha. Com a palavra o sindifiscal.

  138. Isaque Cairo

    Prezados Companheiros.
    Fico solidário com o sofrimento dos colegas que estavam no PF Levantado, onde muito trabalhei. O Nelson Jr e o Zé, nosso auxiliar das mais superlativas qualidades.
    Lamentável ocorrência, sem dúvida. Por fatos como este nossos reprensentantes deveriam estar lutando encarniçadamente por :
    Adicional de Periculosidade;
    Porte de Armas;
    Aposentadoria Especial;
    Forte Esquema de Segurança em nossas Unidades Fiscais;
    Lei Orgânica do Fisco, instrumento capaz de por fim as querelas inúteis e selar a paz no seio da categoria.
    Mas evidentemente isto dá um trabalho enorme e expõe quem luta por estas bandeiras em excesso com o risco óbvio de desgaste, mas é o que é justo e na luta pela justiça não há lugar para fracos, medrosos e venais.
    Infelizmente na mesma semana que ocorre este fato tenebroso os nossos representantes completamente alheados a situação desesperadora em que mourejamos diuturnamente divulgam a promoção de um baile de gala.
    Como a nobreza francesa do ano fatídico de 1889 imaginam-se faustosamente galgados a um poder divino e atemporal sem perceber as ruinas do castelo de areia em que se escondem.
    Ainda há tempo , contudo !

  139. Elisangela

    A respeito do assalto em Taguatinga:

    Sentimento de tamanha indignação. Considerando que nossos nobres representantes sindicais se encontravam no momento do ocorrido, presenciando todo fato!
    Regressaram aos seus ninhos, mantendo se completamente intactos, alheios, sem publicar nenhuma nota a respeito do assunto ou tomar devidas providências, visto que, poderiam falar com propriedade! Contudo, havia algo mais relevante que a incolumidade da pessoa humana… Um sarau!
    Insignificância da vida!
    Pimenta nos olhos dos outros é refresco!

  140. A respeito do assalto em Taguatinga:

    Sentimento de tamanha indignação. Considerando que nossos nobres representantes sindicais se encontravam no momento do ocorrido, presenciando todo fato!
    Regressaram aos seus ninhos, mantendo se completamente intactos, alheios, sem publicar nenhuma nota a respeito do assunto ou tomar devidas providências, visto que, poderiam falar com propriedade! Contudo, havia algo mais relevante que a incolumidade da pessoa humana… Um sarau!
    Insignificância da vida!
    Pimenta nos olhos dos outros é refresco!

  141. Isaque Cairo

    Baile de gala ? Deveria ser um baile de máscaras, não ?
    Caboclos querende ser e parecer ingleses. A plebe rude deveria rebelar-se e ir ao baile vestidos de andrajos, expondo suas mazelas e fazendo ver os desmandos a que está submetida e subjugada.
    Entidade – Mor ?
    Entidade – Mor TA.
    Levantai famélicos da terra, antes que as gargantas estejam cortadas !

  142. Severino Costa

    Segundo uma grande autoridade, ligada aos condes falou, “Os cara sabem o faz, vocês racrama, recrama, mas eles vão entrar na justiciaah!!! nois vai ganhar muito din din com esse negócio da horas-extra”

  143. Armando

    Uma noite de glamour. Eles usam black-tie.
    Bigode e Laranja vestidos em belos smokings sendo cortejados pelo bispo de metal, barões da indecência e todos os pretensos integrantes do futuro gabinete na ALE tocantinense.Para a plebe rude, acostumada a embriagar-se nos “churrasquins” das vielas nas cidades imprósperas do cerrado, uma boa oportunidade para se sentir gente, afinal o calculismo dos organizadores do “baile” é tão impudico que ataca crucialmente as carências dos pobres seguidores.Tem gente que vai viver um dia de cinderela no castelo dos sonhos. Bigode, no maior cinismo, percorrerá mesa por mesa distribuindo afagos e elogios desmedidos. Mas o objetivo maior será alcançado:fazê-los dançar, como se tem feito até hoje. O triste é saber que meu suado dinheiro está bancando tanta safadeza.

  144. claudio murilo

    Eles estão dando o recado com essa de baile:
    -Vocês estão é dançando cambada, quer dizer pão e circo. Se continuar assim vamos todos dançar não no sentido literal.

  145. A VIDA É UMA FESTA II

    “Tudo como dantes, no quartel-general de Abrantes” Ditado povo português por volta 1808 em relação à guerra contra a França.

    Sim. Vamos festejar! Afinal temos tudo para comemorar. Estamos recebendo o adicional noturno que já tem lei e regulamento. Recebemos as horas extras. Temos a nossa Lei Orgânica do Fisco. O nosso Redaf aumentou recentemente. Temos excelente condições de trabalho. Uma “diretoria” sindical “representativa” e atenta às nossas necessidades. Não temos qualquer ADI para que se aumente nossas incertezas futuras. Afinal, por que não aproveitar? Não somos nós mesmos que pagamos! Que venham as cervejas, vinhos, carnes assadas, os tapinhas nas costas, lisonjas … e juntos poderemos sorrir da cara daqueles que nos custeiam todos. A vida é, ou não é, uma festa?

  146. Robispierre Xavier

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk… eu não sei mesmo aonde vamos parar com essa diretoria malogra do NOSSO SINDICATO. Agora mais uma: promoção de um baile para comemorar o dia do auditor (com exigência de traje de gala), na Ahadu Eventos, em Palmas. Meus caros, esse local é um dos mais caros aluguéis para eventos da capital e é onde se realiza todos os anos o Baile do Rubi (dos advogados). Vamos ficar de olho no quanto vai ser rasgado em dinheiro nessa palhaçada para promover a vaidade dos caras sujas: aluguel do espaço, buffet completo, ornamentação, etc… estamos num período de vacas gordas (com dinheiro do Sindicato é fácil) e eu não estou sabendo disso.

  147. Robispierre Xavier

    O delegado de Taguatinga, nobre colega Arnaldo Pessoa, tempos atrás comentou aqui sobre a incapacidade do senhor Zé Ronaldo para a política ou quaisquer cargos dessa natureza e expôs as razões para sua conclusão. Agora, ocorrido o fato na regional de Taguatinga, onde o Posto Fiscal Levantado foi metralhado por bandidos, sequer o assunto foi abordado no site do Sindifiscal, e nem esta Entidade procurou o comando da Sefaz para pressionar (coisa que não fazem há muitos anos). Conclusão: vejo que realmente aquele sujeito demonstra mais uma vez não ter capacidade alguma, com seu rancor arqueroso e rasteiro, sem falar da anuência do “fantoche”. É assim que esse senhores pensam e agem, está aí para todos verem. Eles estão preocupados com Plano Plurianual para Palmas, preocupados com preço da passagem de transporte coletivo em Palmas, preocupados em estar na mídia e aparecer em fotos ao lado de políticos, preocupados com o horário de verão e nos últimos meses, é nítida a tentativa de aproximação do meio político tocantinense, para começar a articular algo muito interessante para o seu umbigo. Eu vejo isso. Quem enxergar algo diferente disso, me corrija.

  148. Severino Costa

    Enquanto em outros estados os representantes estão preocupados com a lei orgânica do fisco, aqui, os nossos representantes estão preocupados com o orçamento municipal. Será que não temos problemas de mais pra nos preocuparmos, ou existem outros motivos pra tamanha preocupação? Dois anos do nada pro nada.

  149. Robispierre Xavier

    Eis aí mais um resultado da negligência descabida do governo estadual, no que tange à segurança nos postos fiscais. Eu já cumpri dezenas de escalas no Posto Fiscal Levantado, que se encontra em situação precária, no que diz respeito às condições de trabalho em geral. Há muitos meses não há policiamento ali e sequer trabalhamos em dupla. Trabalha-se sozinho e com a companhia de um auxiliar de serviços gerais, mais nada. Essa madrugada foi metralhado por bandidos em fuga de um assalto ao Banco do Brasil de Taguatinga -TO, que fica a 5km dali. As fotos não deixam mentir: foi um massacre! Estão esperando algum colega morrer para tomarem providências? Particularmente não pretendo ser um desses. Não quero, depois, homenagem com meu nome em nenhum posto fiscal.
    O Gov. do Estado do Tocantins tem que responder severamente por atos como esse! Chega de tapar sol com a peneira, chega de tanta coisa errada. Estamos de saco cheio!!!

  150. Robispierre Xavier

    Bom, está bem claro que o fisco de todo o Brasil está se mobilizando, seja por melhoria salarial, seja pela elaboração de suas Leis Orgânicas. A entidade mor faz vistas grossas, e eu acho que deve ser por que essa ideia surgiu aqui em nosso meio, no meio dos oposicionistas. Não vão comprar essa sugestão, por pura vaidade e provavelmente por acreditarem que só o que sai das cabecinhas deles é o que tem importância e dá status. Lei Orgânica aqui no Tocantins vai ter que ser na força bruta, brigando contra nosso próprio Sindicato. Incrível isso, não é?

  151. caros
    Colegas,

    Analisando-se todas as queixas que assoberbam o opine aqui, chega-se fácil à conclusão, que todas elas, sem exceção de ao menos uma, derivam do vácuo crônico de representação qual somos vítimas. O desvirtuamento do objetivo fim da casa sindical é causa e o motivo pela nossa atual via crucis. Faço, tbm minha, a pergunta do colega Paulo José: por qual motivo ainda subsiste a malfadada ADI, se poderíamos, há muito tempo, ter votado um substitutivo de lei, tirando consequentemente, o objeto dessa ação? Com o “governo amigo” não poderíamos? Se a ninguém interessasse essa situação, simplesmente, ela não existiria. A quem interessa que perdure esse estado de coisa? A eterna espada de Dâmocles sobre nossas cabeças. Esse propósito serve a quem? O egocentrismo, a vaidade, a venalidade, rixas antigas, valores enferrujados, estão levando o fisco tocantinense ao caos. Falta, explicitamente, espírito de classe e corpo. Por que a voz da agenda positiva, priorização dos pleitos coletivos, não encontra ressonância em nosso meio? Simplesmente por que, os interesses individuais, estão sempre em primazia do coletivo. Somente a Lei Orgânica poderá nos salvar. Mas, se até mesmo essa, os senhores “donos do fisco”, se recusarem a trabalhar por ela? Pelo que estamos assistindo isso não será impossível. Aí, será a balbúrdia completa, o caos definitivo. a babel. Mais fundada razão temos em unir propósitos, abrir discussão e levantar bandeira daquilo que queremos, Abs,

  152. Robispierre Xavier

    Enquanto isso, na sala de justiça, os super-heróis caras sujas estão preocupadíssimos com o plano plurianual da capital, Palmas. Olho as fotos e vejo essa vaidade suja na cara desses sujeitos sem vergonha. Nos traindo, enganando os bobos e os que adoram ser cegos (a mim não), mentindo, fingindo, ocultando, omitindo e corroendo NOSSO SINDICATO. Um dia isso basta e está próximo!

  153. NOVO PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA:
    “Em tempo de GUERRA , qualquer faísca acende uma bomba”.
    A quem interessa esta nota feita no sitio da CONEXÃOTOCANTINS no dia 19 de agosto do corrrente ano sobre o novo Procurador geral da República indicado pela Presidência da República. É de se estranhar o porquê da citação de Ele (Rodrigo Janot) ser o autor da representação que deu origem à ADI 4214, que pede Inconstitucionalidade na Lei do PCCR do FISCO. Onde há fumaça , poderemos vir , no futuro, o fogo; não sei se o SINDIFISCAL será capaz de apagá-lo, pois não só dependemos da boa vontade da atual e da futura Diretoria , e tão somente de uma iluminação divina, em fazer com que os Ministros do STF tenham compaixão destas pobres criaturas advindas de todas as partes destes país, e que ontem e hoje ajudam a desenvolver o tão sonhado Estado do Tocantins.
    Também gostaria de saber o motivo pelo qual ainda existe esta malfadada ADI 4214, será que não teríamos uma saída com uma nova Lei, com a LEI ORGÂNICA DO FISCO TOCANTINENSE; a não ser que seja mais viável ficarmos sempre gastando com o Setor Jurídico do Sindicato, digo gastando, porque todos contribuimos com o SINDIFISCAL, de uma uma forma ou de duas formas.

  154. Robispierre Xavier

    Vou ao cerne da questão, meus companheiros. Alguém poderia traçar uma perspectiva de como estaria nossa situação, se desde 1998 ainda estivéssemos sob a sola do sapato do atual governador? Naquela época a categoria era marginalizada escancaradamente, armadilhas, arbitrariedades, perseguições urdidas por trás dos holofotes (lembram do Sr.Rodrigo Lacombe, a turminha de militares e mais alguns “delegados” que comandaram a Sefaz por anos?). O governador socava a mão na mesa e aos berros dizia que não reconhecia Sindifiscal e nenhum outro sindicato, e que aumento salarial só quando ELE achasse conveniente. Brincar de Deus deve ser gostoso, para quem não tem medo da justiça Divina e não teme a justiça dos homens. Tudo que conseguimos até 06 anos atrás, foi com muita briga, muita terra arada (como citou Isaque), muito corte na carne, muito suor e nesse aspecto não há espaço para essa postura da atual diretoria do NOSSO SINDICATO. Àquela época, mesmo com um governo “amigo”, tivemos que mostrar a sola da chuteira e penso que nenhum trabalhador em nenhum estado consegue nada de bom grado. Subscrevo as palavras do nobre colega Cláudio Murilo e faço um adendo: quando menos esperarmos, estaremos debaixo da sola do sapato deles novamente. Vamos acordar!!!

  155. claudio murilo

    Caro Isaque na verdade essa pratica e do PSDB, mais me dirigi ao siquerido pois nos atinge, e não é de hoje que ele faz assim, ele “ainda” não retirou nenhuma conquista, mais se mostrarmos fraqueza, ele poderá ao menos tentar, já foi tentado o teto salarial, as data-bases fora da época correta, a progressão que tenho certeza que não sairá na data correta, ele não é mineiro, mais come pelas beiradas, devargazinho vai destilando o veneno em cima do servidor, principalmente os que ganham mais, que somos nós, e não tem a opinião publica a nosso favor, somos tidos como marajás, porém ninguém sabe o que é fiscalizar, arrecadar e passar noites de plantão, ele não retira, porém não ampliamos também, mais não é culpa dele, e de quem se finge de morto, mudo, e morto e mudo ninguém sabe o que quer, acho que tem surdo nesse meio também, pois por mais que gritemos “acorda categoria” parece que poucos ouvem, só uma mudança na eleição sindical agora poderá trazer algum beneficio a médio prazo, caso contrario será mais um “gigante adormecido”.

  156. Isaque Cairo

    Claudio Murilo.
    Perfeito em sua explanação, mas esta prática não foi exatamente criada pelo Gov. do Estado do Tocantins, esta prática canalha de retirar direitos da classe trabalhadora e sobretudo quase criminalizar o servidor público efetivo em nosso país foi inaugurado pelo ex-presidente , Mr. Fhc.
    Muito solícito com os ditames da banca financeira e algoz implacável dos trabalhadores brasileiros, como herança legou ao país o desalento e anomia típica de sua era perdida, além do desmantelamento de parte significativa de nossa estrutura estatal, num processo de entrega de patrimônio público a preços módicos quando não eivados de fraude fartamente documentadas pela imprensa à época.
    Sem querer fazer defesa do atual Gov. Estadual , lembro que nenhuma conquista dos servidores foi subtraída e algumas reivindicações foram inclusive implementadas, entretanto, para colher algum fruto é necessário arar arduamente a terra, coisa que nossos “representantes” jamais fizeram ao longo deste mandato.
    Quanto as mudanças na estrutura da SEFAZ, necessário perguntar onde estavam os “diligentes representantes sindicais” que mais uma vez foram atropelados pelo bonde das mudanças .

  157. claudio murilo

    O que sempre acontece no governo siquerido é o seguinte, ele quer tirar alguma coisa que já temos, seja meta de redaf, teto do governador com salario de 24 mil, cargos na administração da sefaz, qualquer coisa que se possa mexer, ai temos que correr atrás para manter o que já em tese tínhamos, ele acaba voltando atrás e fica como vitória, quer dizer avanços nada, só energia gasta para manter o que já tínhamos, desde os primeiros governos dele foi assim, ele tira e espera a chiadeira e depois “negocia” a volta, fica parecendo uma “vitória”, isso é igual jogo de xadrez, quem mexe a pedra mais rápido coloca o outro em xeque-mate, e nesse caso nós auditores sempre fomos os últimos a mexerem as peças, sempre estamos em xeque-mate com todos os governos, gostaria de saber até quando ficaremos só pra nos defender, atacar jamais, já diz o ditado “a melhor defesa é o ataque” mais nossa entidade-mor não quer enxergar isso, façam uma pequena reflexão e chegarão a essa conclusão, nunca fomos audazes, nunca tomamos a frente e atacamos, sempre esperando feito cão esperando o dono dar-lhe comida, as vezes dá um latido pra dizer “estou aqui”, no nosso caso é mais um grunhido que ninguém ouve, precisamos ainda passar por muitas coisas ruins para nossa categoria acordar, e essas coisas ruins estão se aproximando, quero ver se teremos força pra reagir no fundo do poço, meio difícil, está parecendo a fabula da formiga e da cigarra, uma trabalhando para os dias ruins, armazenando comida para quando a chuva chegar, a neve chegar, o tempo ficar nada propicio a procurar meios de sobrevivência, já a cigarra ficava só cantando, curtindo a vida, nada de trabalho, achando que na vida não há revezes, quando ocorreu a mudança de tempo, ela quase morreu de fome, se não fosse a formiga a alimenta-la e dar-lhe pousada a mesma sucumbiria, ficou a lição para ela, trabalhar quando for preciso e curtir quando houver paz, tranquilidade e nenhuma ameaça a frente, acorde categoria somos a cigarra e não haverá formiga para nós acalentar, tá na hora da mudança, ou acordamos agora ou dormiremos para sempre num futuro nada promissor.

  158. DIAGNÓSTICO PRECISO

    Caro Severino,

    O diagnóstico que vc apresentou tem precisão cirúrgica, e contempla a principal causa da luta intestina, fratricida e desagregadora, qual estamos envolvidos.
    Como na ciência social, repugna toda a graciosidade, nas ações perpetradas, haverá de ter sempre, motivo e razão. E essa, nesse caso, salta aos olhos por evidente, de obviedade solícita:
    Para esconder a incompetência representativa, aquele que vc denomina SENHOR EX, com seu séquito de cúmplices, bajuladores e aduladores, realizaram a maior CRUZADA já vista contra membros de uma mesma categoria. A quantidade de calúnias, mentiras, falsidades e aleivosias, contra os auditores IV aproxima-se das raias do absurdo. É assombroso que, com tudo isso, tenham conseguido manter a calma e o rumo sereno de seus pleitos. Esse estado de coisa perpetuou-se por anos, quiçá, por uma década inteira. “Joga pedra na Geni”.
    Não se estamos aqui para fazer proselitismo ou defesa de quem quer que seja – entre os auditores IV tem pessoas boníssimas, assim como aqueles de moral e procedimento roto. O mesmo se dá entre nós, auditores III, desde que somos, nada mais, nada menos, que a representação física de nosso estrato social, ou seja, produtos do meio. O que não se pode, é a generalização graciosa, inconseqüente e irresponsável, em tachar ou alcunhar determinado grupo ou pessoas, por ações de um de seus membros.
    Ainda que não queiramos, temos de reconhecer que os auditores IV tem conjunto e uniformidade na ação, uma liderança atenta e ciosa de seus deveres para com os representados, que cumpre o seu papel. Tudo o que não temos e gostaríamos de ter.
    Agora, caríssimo colega, “comer a vovozinha …” essa foi demais! Confesso que sou admirador numero um de seus laivos irônicos. Abs, Caio França.

  159. Isaque Cairo

    Ressalve-se ainda a idéia infeliz de encerrar os trabalhos em algumas sedes regionais com a fusão de delegacias quando sequer conseguimos atender com presteza os contribuintes com as unidades administrativas que possuímos, como fazer melhor com o fechamento de sedes ?
    Convido lembrar que a atividade precípua da administração pública é oferecer serviços públicos de qualidade à população. O problema da SEFAZ é mais profundo que a simples e absurda extinção de funções privativas de auditores, pois a carreira e as atividades parecem estar sob constante experimentos em tubos de ensaio.
    Outra questão importante é a ASFETO privilegiar o sujeito coletivo em detrimento de personalismos e aventuras político-eleitoreiras, pois somente no coletivo existe a solução para nossas demandas, como bem frisou o Caio França.
    In fine , grande Severino, nobre amigo dos plantões nos longínquos sertões de Taguatinga ou no vibrante BIco do Papagaio, penso da mesma forma que você , somente num sindicato onde haja espaço para todos haverá lugar para nós, os não-filiados e os IV também, pois considero abjeto e degradante ser subjugado por ideias tão toscas e estar a serviço de uma estrutura totalmente esfacelada e sem propósitos claros e coletivos como a que está hoje a “capitanear” ( ? ) o sindicato.
    A desfaçatez chegou ao ápice da parábola com os processos movidos contra a pessoa de companheiros de classe que recusam-se a curvar a cerviz ao desmando e ao desprezo como são tratadas nossas demandas por estes senhores, infelizmente !

  160. Caros colegas, vamos participar mobilizando na defesa das funções de confiança privativas aos auditores do quadro do fisco. A medida provisória nr. 12 extingue cargos na estrutura da Sefaz e representa um retrocesso e desmantelamento operacional da fiscalização e arrecadação, trazendo prejuízos nas rotinas e ações fiscais no âmbito das delegacias. O remanejamento e readequação de auditores para melhorar a arrecadação é necessária, mas fragilizar a estrutura das delegacias só contribui com queda de receita. Temos sim que defender nossas funções e postos de trabalho, porque se somos os responsáveis pela receita, não somos responsáveis pelos desmandos e não cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal por desmando políticos ou incompetência de qualquer natureza. É notório o sucateamento de postos fiscais e unidades de fiscalização. Para aumentar a receita o governo precisa, em caráter emergencial, investir em Tecnologia, treinamentos, viaturas e condições de trabalho. Fechar unidades, postos de trabalho e extinguir cargos(necessários ao trabalho de fiscalização e arrecadação) é no mínimo incoerente para não dizer outra coisa. Grande abraço.

  161. claudio murilo

    Realmente não se toma medida nenhuma para melhorar a condição da estrutura e de trabalho aos auditores do fisco, em consequência a arrecadação “deveria” estar estagnada, porém ela continua crescendo, imagina se o governo tomasse as medidas corretas então, acho que isso eles não enxergam ou não querem enxergar, diminuir cargos dentro da sefaz é inconsequentemente absurdo, mudar nomenclatura, isso tudo e balela, nada de eficaz será tirado dessa manobra para parecer que as medidas corretas foram tomadas, é hora de mobilização, isso caso todos os sindicatos fossem atuantes, pois afeta a toda a estrutura do executivo, mais aparentemente os sindicatos não ouviram ainda as medidas, não leram a respeito, ou ficam fingindo de morto, sei lá, pois até agora nenhum se pronunciou a respeito, a entidade-mor esteve com o secretario, deveria já ter tratado disso, mais o que realmente obteria resultado e todos mobilizassem, pois o governo já não sabe mais o que fazer pra atrapalhar os servidores, parece que todo o mal do estado são os servidores efetivos, se chover e alagar, é culpa do servidor efetivo, se tiver terremoto, é culpa do servidor efetivo, se tiver seca, é culpa do servidor efetivo, só não será culpa do servidor quando as coisas acontecem de bom, ai passa a ser da administração o bônus da coisa, precisamos dar um basta nisso, servidor é trabalhador e imprescindível para o estado, se nós não funcionaria nada, então tá na hora de cobrarmos respeito e melhoria de condições de trabalho e salario, até quando seremos saco de pancada de governos, o siquerido esse sim sabemos detestar servidor publico, isso era notório, mais quando ele tinha todo poder nas mãos, isso hoje é utopia, ele não detem mais essa hegemonia, e DUDU quer ser candidato, então tá na hora de acertar e fazer o correto, mais eles não farão por conta própria precisarão de um empurrão, esse empurrão deve ser da categoria ou das categorias, entidade-mor acorde e haja, senão como dizem por ai “pode pôr terra”, significa já morreu, acorde categoria, srs filiados cobrem isso.

  162. Severino Costa

    Meu grande amigo Isaque. Sempre fico feliz com os seus comentários e com sua técnica. No entanto, eu também sai da Entidade. E só voltarei quando ocorrer a unificação, ou seja, um só sindicato para representar TODOS, ou se verificarmos o surgimento de novos pensadores naquela entidade. O atual modelo é o modelo da divisão, da discórdia. Vejam que o grande mérito da administração do SENHOR EX foi a divisão da categoria. Primeiro, criou-se a CRUZADA contra os elementos da outra entidade – Os IV, que na visão do nosso SENHOR EX são capazes de todos tipos de atrocidades, desde comer vovozinhas até questionar juridicamente a legalidade de uma lei – você já imaginou? Os elementos são capazes de questionar a legalidade de uma lei!!! Existe coisa mais repugnante ou asquerosa do que um indivíduo ou entidade que é capaz de questionar uma lei? – Deus nos livre de seres tão cruéis…. Depois criou-se a imagem dos derrotados, dos oposicionistas de plantão. A divisão cresceu, e com a prática do tudo em nome do SENHOR, cresceu a ponto de estarmos divididos em, no mínimo, três grupos. Os IV, os filiados, e os não filiados. Outros colegas entendem que já somos quatro grupos. Os IV, Os amigos do SENHOR, os filiados inconformados e os não filiados. No entanto, alguns outros colegas entendem que somos cinco grupos. Os IV, os adoradores do SENHOR, os filiados inconformados, os não filiados e os que não querem saber mais de nada. Sabe o que é pior companheiro? É que se o grupo dos que “não querem saber mais de nada” continuar crescendo mais do que os filiados inconformados e dos que não são filiados, nesta proporção, algum dia, teremos apenas o grupos dos adoradores do SENHOR EX. E a entidade terá se transformado definitivamente numa seita.

  163. Isaque Cairo

    Diminuir a estrutura da SEFAZ com a extinção de cargos e medidas de “contenção” de “gastos” é no mínimo temerário.
    Já trabalhamos com uma estrutura enxuta ao extremo e qualquer redução adicional sem dúvida alguma ocasionará perda nos recursos que são fundamentais para o Estado sair da crise em que se encontra, note inclusive que a arrecadação encontra-se num crescente e ainda assim não consegue suprir os gastos que “magicamente” estão descompensados.
    A SEFAZ e seus servidores precisam de apoio e investimentos para a execução de seu mister políticas anti-cíclicas de reduções sem fim somente acentuarão o atraso e o sucateamento em que se encontram nossas unidades. Que as autoridades desta Secretaria e do Gov. do Estado busquem compreender o caráter estratégico de nossa função para o desenvolvimento do Estado e benefício de sua população, sem sacar mão de instrumentos batidos e ineficazes para o controle das contas públicas, complicando ainda mais o cenário já deteriorado em que somos obrigados a exercer nossas espinhosas funções.
    Que a razão prevaleça !

  164. Isaque Cairo

    Amigo Severino!
    Esta questão está nas mãos de nossos ilustres colegas, eles ( já que são os filiados ao sindicato que deveria nos pertencer ) deverão escolher em breve entre continuar sem nada, inclusive com o futuro envolto nas mais espessas sombras das incertezas ou marchar para o futuro mudando o quadro desalentador instalado por esta “equipe” que comanda nosso sindicato.
    Afinal parvoíce tem limites e espero que essa nossa valorosa turma escolha o futuro livrando-se do atraso. Vemos neste espaço que quase todo o fisco estadual está mobilizado em torno de alguma grande questão, mas aqui, nenhuma mobilização que reflita os interesses coletivos, somente ações mesquinhas por pedaços dos ossos do banquete.
    Necessário também que pessoas valorosas e capazes como o amigo possam encabeçar uma chapa capaz de derrotar tanta incompetência.
    Grande abraço.

  165. Severino Costa

    Depois de quase dois anos parados, os nobres se preparam pra tentar conseguir mais dois anos pra continuar fazendo o que sabem fazer melhor. Nada. E a vida continua.

  166. Severino Costa

    Vejam a nossa situação. Sem plano de saúde, sem redaf na aposentadoria, sem segurança na remuneração, sem certeza no futuro, sem união, sem vitória no judiciário, sem horas extras, sem adicional noturno, sem situação, sem oposição, sem aumento, sem perspectivas, sem melhorias, sem luz no fim do poço, sem fim no poço, sem sindicalização, sem mobilidade, sem mobilização, sem discurso, sem presidente, sem sindicato, sem unificação, sem avanço, sem rumo, sem continuação. Sem fortalecimento, sem as desculpas, que culpa? a culpa sempre as mesmas… são os outros, sem coração. Sem rede, sem net, sem segurança, sem chefe, sem método, sem supervisão, sem relógio, sem hora, sem salvação. Sem certeza alguma. Essa é a nossa condição.

  167. claudio murilo

    A entidade-mor esteve com o secretario para tratar da promoção, é de interesses deles, pois o de interesse da categoria vai além disso, tem o adicional-noturno, a progressão que deveria ser agora em agosto e nada foi pronunciado ainda, as metas de arrecadação altas, a incorporação do redaf em breve, ou aumento no valor do redaf, isso ficou fora do assunto, pois no que foi divulgado no site da entidade-mor não foi tratado sobre essas reinvindicações, e como ficará então, entre os colegas da nossa regional, essas reinvindicações são principais, promoção não é tida como prioridade alguma, ninguém nem lembra desse direito, alias são tantos direitos, por que priorizar esse que não trará benefícios a todos os auditores III, pois somente alguns serão promovidos, abram os olhos colegas filiados, devem exigir o que trará beneficio a todos, acorda categoria fiscal.

  168. Isaque Cairo

    JUSTIÇA FEDERAL ISENTA JUÍZES DE DESCONTO DO IRPF INCIDENTE SOBRE ADICIONAL DE FÉRIAS !
    A decisão proferida no último dia 13 de junho na 17ª Vara Federal considera o adicional de férias parcela de caráter indenizatório e portanto isenta de tributação, ressalte-se que a folha de pagamentos a partir do mês de agosto já respeita a decisão . A ação fora proposta pela AJUFE – Associação dos Juízes Federais do Brasil e a decisão está embasada nos entendimento dos tribunais superiores, Primeira Seção do STJ e Segunda Turma do STF.
    Ademais os efeitos da decisão também condenaram a União a restituir os valores subtraídos indevidamente acrescidos de correção monetária e juros moratórios respeitada a prescrição quinquenal, contudo.
    Assim seria interessante que nossos diligentes representantes sindicais se movimentassem no sentido de buscar garantir aos AFRE este direito, pois seria uma forma mais ética de gastar dinheiro com ações judiciais que pudessem trazer algum ganho efetivo para toda categoria em oposição a malsinada ação de horas-extras que até o momento apenas serviu de alavanca eleitoral grosseira.

  169. Robispierre Xavier

    Risível, para não dizer UMA VERDADEIRA BABAQUICE, a postura dos caras sujas!!!

    Leiam a “nota de repúdio” dos caras sujas: http://ww1.sindifiscal.org.br/noticias/2013/08/06/nota-publica-de-repudio/

    Agora leiam o que diz o Sindare sobre os fatos: http://sindare.com.br/noticia/conforme-o-sindare-avisara-os-riscos-eram-minimos/1128

    De um lado a panfletagem, a infantilidade e a mentira plantada. Do outro a convicção plena, embasada numa por uma assessoria jurídica atuante e que já rendeu muitos frutos para os AFRE IV. Viram o abismo que os separa?
    Existe uma linha tênue entre a sensatez e a imoralidade.

  170. Robispierre Xavie

    O que são sindicatos pelegos? Eis a melhor definição: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090918114625AAWv7ox

  171. É uma brincadeira dizer ser representante e convocar mobilização na assembléia por um teto salarial que já deveríamos ter cogitado e exigido a muito tempo(ISSO NÃO É MOBILIZAÇÃO É PANFLETAGEM). Essa diretoria realmente desmerece a luta de todos os auditores que no passado contou com uma história diferente e teve um sindicato forte e combativo, que agora é muito fraco e comandado por dirigentes que no passado perseguiu auditores no posto fiscal Talismã, monitorando e perseguindo colegas com criação de controles excessivos que não existia na legislação em nem um lugar do Brasil, como processos capas brancas para interpelações por rotinas operacionais banais e desnecessárias, inclusive corte de ponto pra quem chegava um pouco fora do horário, por motivo de atraso na viagem de ônibus. É premente lutar por demandas abandonadas, como adicional noturno, incorporação do redaf, auxilio insalubridade, entre tantos outros assuntos.
    vamos à luta!!
    Grande abraço.

  172. Caríssimo colega
    “processado”
    Pierre:

    Sobre sua opinião do dia 30-07, ainda, sobre um certo processo, que teoricamente, tenha sido arquivado na surdina em 2005, talvez seja essa a razão e o motivo de estarmos na situação classista que estamos hoje. Seria muito interessante se o Éverton Naves se dispusesse a falar toda a verdade que sabe sobre isso. Não é mesmo?
    Homens não rastejam, não andam de joelhos. Homens de verdade morrem em pé.
    Vejo, com orgulho, que você é dessa extirpe.
    Lamento por quem venda sua dignidade, seu amor próprio, sua consciência, ética e moral por migalhas. Lamento principalmente pelos traidores, que deles, só restarão a vileza de suas estórias.

    Abs,

  173. claudio murilo

    Tá no site da entidade-mor melhorias no setor de informática, isso é bom, mais não é atribuição de quem deve defender as conquistas da categoria, primeiramente salario(orçamento familiar) só depois condições de trabalho e melhoria de infraestrutura, revisão da meta de julho 2013, adicional-noturno, progressão de agosto 2013 são os principais, senhores.

  174. Isaque Cairo

    Amigo Paulo Piauí.
    Saudações tricolores !

  175. claudio murilo

    Retrospectiva do redaf em 2013, pois parece que de agora em diante as metas serão insuperáveis, vejamos o que foi arrecadado em 2012 que serve para estipular as metas do ano seguinte:(desprezando as centenas e centavos)
    arrecadado em janeiro de 2012 – 128.633.000,00 fevereiro de 2012 – 104.170.000,00 março de 2012 – 112.274.000,00
    abril de 2012 – 117.427.000,00 maio de 2012 – 115.368.000,00 junho de 2012 – 126.365.000,00 julho de 2012 – 124.070.000,00
    Metas de janeiro de 2013 – 132.084.000,00 fevereiro de 2013 – 106.662.000,00 março de 2013 -110.384.000,00 abril 2013 – 110.937.000,00 maio de 2013 – 117.436.000,00 junho de 2013 – 128.000.000,00 julho de 2013 – 133.396.000,00
    ficamos com redaf mínimo em janeiro, março e julho de 2013, as metas estão muito distorcidas, deveriam seguir a regra do arrecadado mais um índice que não me recordo nesse momento, abril, maio e junho houve sobra de arrecadação perante a meta, meta de julho faltou menos de 500 mil para fechar, deveria ser pedido uma revisão dessa meta, parece que o índice que foi aplicado foi superior ao estipulado em decreto, a entidade-mor deveria exigir essa revisão, já que não há avanços mesmo, teriam que ao menos não perder o que temos, e não esqueçamos a progressão de agosto como ficará.

  176. CONCURSO PARA AUDITOR E FISCAL DO ESTADO DO PARÁ.
    A prova vai ser realizada pela UEPA, os interessados devem providenciar as inscrições até 29 de agosto, as provas vão ser realizadas nos dias 28 e 29 de setembro próximo.

  177. Robispierre Xavier

    Tive acesso a um tal de “Boletim Informativo” do NOSSO SINDICATO, com tiragem de 2.000 exemplares (temos esse tanto de filiados?), uma verdadeira palhaçada. Orcei esse material em uma gráfica e deve ter custado algo em torno de R$ 2.500,00. Com o devido respeito à vitória dos remanescentes, que por anos penaram com o desprezo e descaso do governo em não integrá-los ao Igeprev, dois fatos me chamaram a atenção no boletim: como já era previsto por todos, os caras sujas iriam querer assumir a paternidade una desse feito. Só que não.

    Todos sabemos que não foi bem assim! Mandaram fazer 2.00 exemplares para fazer campanha porta a porta, pois os boletins são enviados para o endereço dos filiados e outras pessoas.

    Na última página do malfadado boletim, montaram um cronograma histórico da “luta através dos anos”, colocando-os como “os pais da criança”, de 1989 com a criação do Ipetins até 2013 com a aprovação de MP que garante o retorno ao Igeprev. Faltou colocarem o ano de 2014, onde o Igeprev irá a falência, por causa do rombo que tem e poderá nos colocar em situação delicadíssima. Eu culpo as entidades classistas, pelegas como o Sindifiscal, por o Igeprev estar com esse rombo imensurável.

  178. Robispierre Xavier

    Nobre colega Isaque, o NOSSO SINDICATO desvirtuou-se, perdeu a essência, jogaram no lixo toda a nossa história de luta. Pisotearam nossa honra, cuspiram na nossa cara e ignoraram cada gota de suor derramado para conseguirmos o que foi conseguido até 06 anos atrás. E o pior, se rogam de únicos “soldados” em todas as batalhas travadas no passado. São pelo menos 10 anos de atraso, provocado por essa postura pelêga, covarde e eivada de interesses escusos. Carregados de soberba, se acham a última bolacha do pacote. Pobres coitados, mesquinhos… Na cabecinha deles, só eles lutaram, só eles foram alvo da caneta. Para esses caras sujas, a história do Fisco tocantinense se resume a eles. Belo exemplo que são hein!
    Se julgam um outdoor da moralidade e da honestidade, mas estão muito aquém disso. Tenho conversado com muitos colegas e a maioria esmagadora deles me dizem que estão só assistindo os fatos, e que o silêncio deles não quer dizer conivência com o que essa trupe está aprontando há anos dentro do sindicato. Me falam em uníssono: “Pierre, estamos de olho, estamos acompanhando o desenrolar dos acontecimentos, todo dia entramos no mural da Asfeto e do Sindicato, para termos informações. Estamos aguardando a hora de virem pedir voto, estamos sentadinhos aqui, só esperando o tapinha nas costas.”
    É isso, ao ouvir isso, me conforta um pouco, por entender que existem pessoas esclarecidas, que mesmo não vindo aqui postar suas indignações, estão lá fora, de olho no lance e sabem sabem exatamente de tudo que está acontecendo.
    Meu fraterno abraço a esses colegas, que certamente são peças importantes para mudarmos o rumo das coisas.
    Apesar dos caras sujas terem conseguido vetar arbitrariamente a filiação de quase 20 pessoas (medo da oposição sadia), continuaremos a luta, levando ao conhecimento de todos, tudo que essa diretoria faz. Vale lembrar que alguns colegas solicitaram desfiliação no final do passado e também foram rejeitadas as desfiliações e continuam a descontar a contribuição no salário destes. Que nome se dá a isso? Isso é decência? Isso é moralidade? Isso é respeito pela categoria? E o dinheiro que o Zé do Bigode recebeu para sua campanha em 2010, como doação de alguns colegas e não declarou ao TRE? E os tambores de tinta e diversos materiais que foram comprados com dinheiro do sindicato, para pintar muros pelo estado? Quem custeou o aluguel do comitê desse senhor? Quem custeou as ligações telefônicas dele durante a sua campanha? E o combustível dos carros durante a campanha, quem pagou? E o processo que foi arquivado na surdina em 2005, onde esse senhor era sindicando quando foi delegado em Colinas?
    Bom… é melhor parar por aqui. Acho que acabei de dar motivo para mais alguns processos por calúnia, difamação e injúria, não é mesmo????

  179. Isaque Cairo

    Observamos que o fisco em todo o Brasil está mobilizado, todos lutando por algo que consideram importante. Então por qual motivo o fisco tocantinense não se mobiliza ?
    Conquistamos tudo o que queríamos ? Nada há para lutar ?
    Chegamos ao Olimpo e estamos num patamar muito acima do fisco de outras unidades federadas ? Ou chegamos a um ponto já muito longe para nossas “humildes” expectativas ?
    Pagaram a ação de horas-extras ?
    Adicional noturno ?
    Resolveram as questões afetas às condições de trabalho ?
    Lei Orgânica ?
    Afinal o que está ocorrendo de verdade com o fisco deste estado federado ?

  180. Nobre Isaque:

    Concordo com tudo o que disse. Tenho pensamento que a função de arrecadar é altamente social, desde que é através de recursos originários da arrecadação de impostos e outros, é que se implementam os benefícios quais reclamam a população. Energia, estradas, educação, saúde, segurança, nada disso seria possível sem que haja recursos disponíveis. Somos, todos nós, os agentes de arrecadação e fiscalização, em nível municipal, estadual e federal é que fazemos isso possível. Se não houvesse agentes de fiscalização ninguém pagaria impostos.
    Porém, vejo um hiato nisso tudo. Fiscalizamos as empresas e fazemos bem o nosso papel. Quando o dinheiro chega no tesouro deixamos de saber o seu destino. Como serão aplicados esses recursos? Esse é o grande problema do Brasil, e quiçá, do mundo.
    Seria muito interessante que pudéssemos usar nossa capacidade de organização e conhecimento de causa para contribuir com os órgãos de controle e contenção dos recursos públicos. Se em cada esfera administração pública (município para os agentes de fiscalização municipal, estadual para os fiscais e auditores estaduais e federal para os auditores federais) , através de um site, expor para a população como está sendo gasto o dinheiro público em tempo real. Uma trajetória de serviços, da arrecadação a sua aplicação. Sei que isso é um sonho, talvez, ainda muito distante de nossa realidade, mas importa saber, que a liberdade e democracia em que vivemos hoje, foram sonhadas por visionários em um passado distante e colocadas em prática por homens intimoratos de nosso tempo.
    Em frente então.

  181. Isaque Cairo

    PAÍS GASTA COM JUROS 13 VEZES O CUSTO DO PROGRAMA ‘MAIS MÉDICOS’
    Em tese, a política fiscal seria o espaço da solidariedade no capitalismo. Caberia a ela transferir recursos dos mais ricos para os fundos públicos, destinados a contemplar os mais pobres e o bem comum. Sem carga tributária adequada não se constrói uma Nação. Não apenas isso. A composição da receita é decisiva na incidência regressiva ou redistributiva que ela provoca. O sistema brasileiro é um caso pedagógico da regressividade. Mais de 60% da arrecadação está embutida nos preços dos bens de consumo. Não importa a renda do consumidor: ganhe um ou 100 salários mínimos por mês, pagará o mesmo imposto por litro de leite. O tributo sobre o patrimônio, em contrapartida, não chega a 3,5% da arrecadação. Pior: bancos pagam menos que o conjunto dos assalariados, cuja paciência chegou ao limite com a qualidade do que obtém em troca. O que se arrecada, tampouco se destina automaticamente a reduzir abismos sociais. Da receita anual, cerca de 5% do PIB destinam-se aos juros da dívida pública. Equivale a quatro vezes mais o que supostamente custaria a implantação da tarifa zero no transporte coletivo das grandes cidades brasileiras. Mais de dez vezes o custo do Bolsa Família. Treze vezes o que o programa ‘Mais Médicos’ deve investir até 2014 em obras em 16 mil Unidades Básicas de Saúde; em equipamentos para 5 mil unidades já existentes; na reforma de 818 hospitais; equipando outros 2,5 mil e em melhorias nas instalações de 877 Unidades de Atendimento. (LEIA MAIS AQUI)
    http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=1288

  182. QUAL O REAL TETO SALARIAL NO ESTADO DO TOCANTINS?

    CONSTITUIÇÃO FEDERAL

    Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
    (“Caput” do artigo com redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

    XI – a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de
    qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo


    XV – o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I; (Inciso com redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

    § 12. Para os fins do disposto no inciso XI do caput deste artigo, fica facultado aos Estados e ao Distrito Federal fixar, em seu âmbito, mediante emenda às respectivas Constituições e Lei Orgânica, como limite único, o subsídio mensal dos Desembargadores do respectivo Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, não se aplicando o disposto neste parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais e Distritais e dos Vereadores.
    (Parágrafo acrescido pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)

    CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DO TOCANTINS

    Art. 9º A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes do Estado e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
    * Caput do art. 9º com redação determinada pela Emenda Constitucional nº 07, de 15/12/1998.

    XI – a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes do Estado e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos, e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal;
    * Inciso XI com redação determinada pela Emenda Constitucional nº 07, de 15/12/1998.
    XII – os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo;

    * XV – o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo, e no art. 11, § 4º, desta Constituição, e nos arts. 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I, da Constituição Federal;
    * Inciso XV com redação determinada pela Emenda Constitucional nº 07, de 15/12/1998.

    Art. 11. O Estado e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores designados pelos respectivos Poderes.
    * Art. 11 com redação determinada pela Emenda Constitucional nº 07, de 15/12/1998.

    * § 4º. O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio, fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação,adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, ao disposto no art. 9º, X e XI, desta Constituição.
    * § 4º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 07, de 15/12/1998.

    * § 5º. Lei do Estado e dos Municípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso, ao disposto no art. 9º, XI, desta Constituição. * § 5º acrescentado pela Emenda Constitucional nº 07, de 15/12/1998.

    Observando os incisos XV tanto da CF como da CE Tocantins, ambos rezam que os subsídios e vencimentos são irredutíveis.

    Analisando o § 12º da CF , a mesma faculta aos Estados e Municipios legislar (dizer) qual o TETO REAL dos Servidores Públicos por intermédio de uma Emenda Constitucional Estadual, como de uma Lei Orgânica.

    No Art. 9º , inciso XI da CE Tocantins, reza que não podemos ganhar mais que o Ministro do Supremo.

    No Art. 11º, § 4º fala sobre a Lei Estadual legislando sobre os Vencimentos dos Membros que Administram e Deputados do Estado.

    Contudo aparece o § 5º rezando sobre a relação entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos.

    Logo precisamos além da Carreira Única , antes de tudo , é mesmo do benefício autorizado pelo § 12º da Constituição Federal, PRECISAMOS COM A MAIOR URGÊNCIA DA LEI ORGÂNICA, senão ficaremos a ver navios , como aconteceu no outro mandato do atual Governador, sei que nossos salários são irredutíveis, entretanto, perderemos , com certeza as FUTURAS DATAS BASES, como também nossas progressões ficarão paradas, até que o Governo Estadual possa honrá-las.
    Conclusão: A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL, NÃO SERVE PARA O FISCAL (AFRES).

    Dizem que isso foi proposto ao anterior Governador Carlos Gaguim , contudo, houve boicote por parte de um certo Assessor (Advogado de um Sindicato opositor – SINDARE) junto a Casa Civil. Ou seja, o Fazendeiro mim autoriza a matar e comer um de seus GADOS, logo vem o VAQUEIRO se queixar com o GERENTE para não cumprir a vontade do DONO; com isso : EU FICO A VER NAVIOS NESTE INSTANTE , caso não tenhamos a BOA VONTADE do atual DONO DA FAZENDA. Tudo isto é estranho!

    “Eu prefiro ser , esta metamorfose ambulante, do que ter a velha opinião formada sobre tudo”
    PAULO JOSE AFRE III, MAT. 692476-0.

  183. Antonio da Silva

    Arnaldo, Parabéns pela postagem abaixo! Você descreveu com poucas palavras a real situação do nosso sindicato!

  184. Isaque Cairo

    Amigo Arnaldo.
    Considerações perfeitas ! Ir ao judiciário calar vozes discordantes lembra a covardia da ditadura militar. O caminho ideal seria a prova inequívoca do erro de quem critica e não a mordaça.

  185. Isaque Cairo

    Em continuação ao post anterior, ainda hoje e sobretudo no seio de nossa valorosa categoria, reunir-se um grupo e tentar enfrentar a opressão a que são submetidos por uns poucos que julgam-se iluminados e exigir a prestação das contas daquilo que se contribui pecuniariamente de forma voluntária ou compulsória é atentado a dignidade de alguém ! É quase um sacrilégio, pois que tais condutas, comuns e até incentivadas em comunidades onde a luz da civilidade já alcançou, aqui no seio de nossa categoria é confundida com atos de vandalismo e covardia, tisnado com as cores da calúnia e da abjeta vendeta de destruir o sindicato de classe.
    Em síntese , aqui não se pode questionar o poder do príncipe, talvez por conta dele ser nosso bastião de defesa em relação aos lobos malvados do outro lado.
    Nobres companheiros, pensamos de forma diferente! Acreditamos que questionar o poder daqueles que de forma VOLUNTÁRIA se ofereceram para defender direitos coletivos é a forma como avançamos na discussão dos nossos graves problemas que a cortina de fumaça deixará expostos tão logo se dissipe.
    Particularmente ,volto a afirmar, reitero todas as críticas referentes ao imobilismo a que é submetida a categoria, pois ao longo dos anos os poucos avanços remuneratórios conquistados com a luta de todos pode virar pó se não unirmos forças, esquecendo conflitos do passado distante e recente.
    Reitero também que as mazelas expostas referem-se a atividade sindical dos diretores tão duramente criticados, mas que em momento algum fazem alusão a vida privada e particular de cada um deles, ate mesmo por se tratar de companheiros de carreira a quem devemos por ética e profissionalismo conviver com urbanidade. Que possíveis e eventuais erros que se prove terem resvalado na ilegalidade, sejam apurados nas instâncias competentes, mas que se respeite o direito de crítica, de questionar sempre o que se considera despropositado para uma entidade que ao invés de segregar companheiros deveria agrega-los a todos, permitir as vozes discordantes o espaço do debate e vir a público debater e defender seus pontos de vista, não tentar coagir e ameaçar com ações que podem vir a se tornar uma verdadeira Túnica de Nesso para quem as propõe.
    Prefiro a guerra das idéias , pois qualquer baixa no seio de nossa valorosa classe pode nos causar graves prejuízos. Vamos ao debate, façamos o Encontro Estadual do Fisco e encontremos todos juntos um caminho único, sem vencidos nem vencedores.
    Grande abraço a todos!

  186. Isaque Cairo

    Em 1789 os homens da Assembléia Nacional da França Revolucionária, aprovaram a Declaração Dos Direitos do Homem e do Cidadão, portanto a mais de 200 anos. Interessante notar que nestes artigos infra transcritos, ainda existe em pelo século da comunicação desrespeito aos seus princípios, sobretudo no direito de resistir a opressão e o direito a prestação de contas daquilo que contribui voluntariamente ou compulsoriamente.
    Qualquer relação com os fatos obscuros ocorridos no seio de nossa sociedade como um todo e em nossa categoria em particular, pode encontrar remédio poderoso neste documento tão antigo e tão atual ao mesmo tempo. Vide excerto infra e tire suas próprias conclusões.

    Art.1.º Os homens nascem e são livres e iguais em direitos. As destinações sociais só podem fundamentar-se na utilidade comum.
    Art. 2.º A finalidade de toda associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do homem. Esses direitos são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão.
    Art. 4.º A liberdade consiste em poder fazer tudo que não prejudique o próximo: assim, o exercício dos direitos naturais de cada homem não tem por limites senão aqueles que asseguram aos outros membros da sociedade o gozo dos mesmos direitos. Estes limites apenas podem ser determinados pela lei.
    Art. 6.º A lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de concorrer, pessoalmente ou através de mandatários, para a sua formação. Ela deve ser a mesma para todos, seja para proteger, seja para punir. Todos os cidadãos são iguais a seus olhos e igualmente admissíveis a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a sua capacidade e sem outra distinção que não seja a das suas virtudes e dos seus talentos.
    Art. 10.º Ninguém pode ser molestado por suas opiniões , incluindo opiniões religiosas, desde que sua manifestação não perturbe a ordem pública estabelecida pela lei.
    Art. 11.º A livre comunicação das ideias e das opiniões é um dos mais preciosos direitos do homem; todo cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente, respondendo, todavia, pelos abusos desta liberdade nos termos previstos na lei.
    Art. 14.º Todos os cidadãos têm direito de verificar, por si ou pelos seus representantes, da necessidade da contribuição pública, de consenti-la livremente, de observar o seu emprego e de lhe fixar a repartição, a colecta, a cobrança e a duração.
    Art. 15.º A sociedade tem o direito de pedir contas a todo agente público pela sua administração.
    Art. 16.º A sociedade em que não esteja assegurada a garantia dos direitos nem estabelecida a separação dos poderes não tem Constituição.

  187. Robispierre Xavier

    Arnaldo, meu prezado, confesso que recebi com certa naturalidade a notícia sobre os processos, por ter uma noção do que são capazes de fazer para perpetuarem na direção do NOSSO SINDICATO.
    Todos os nomes dos que propuseram as ações, estão anotados na caderneta. Esses sujeitos, dissimulados, totalmente despidos de moral, despudorados e imbecis, não fazem a mínima ideia do que acabaram de fazer. Juridicamente isso chama-se LITIGÂNCIA DE MÁ FÉ. Enfim, abriram as portas para um confronto mais duro, mais sério, mais incisivo. Vão ter que enfrentar as duras penas que lhe serão imputadas, quando abrirmos a caixa de ferramentas.
    A paz verdadeira não se alcança com a ausência de conflitos, mas com a presença ferrenha da justiça. Estamos pronotos pra guerra!

  188. Arnaldo Pessoa

    Caros colegas, tenho absoluta certeza que o Zé Ronaldo não está preparado para ser político e principalmente nos representar na assembléia legislativa, onde já se viu entrar com ação contra colegas, por causa de críticas a administração do Sindifiscal, isso é absurdo. O que ele tem que fazer é provar que eles estão errados. Posso falar com propriedade, pois já fui Vice-Prefeito, Vereador e candidato a Prefeito, tenho experiência de sobra e sei que para ser político e se eleito for é preciso saber receber as críticas dos eleitores em geral.Outro fato inaceitável é a não filiação de colegas que se afastaram do Sindicato, afinal estamos em uma Democracia ou Ditadura, ou é medo da concorrência, visto que estamos próximos de outra eleição para a presidência do Sindifiscal. A verdade é que há muito tempo nosso Sindicato não está mais lutando pelo interesse da classe, como em outros Estados, e sim apenas pensando em interesses particulares da Diretoria. Um abraço a todos, Arnaldo Pessoa.

  189. Armando

    Eles engoliram as nossas íscas!!!. Saí de escala no dia 16/07/2013. Arrecadei bastante, fiz a minha parte e voltei para casa com a mais nobre das sensações humanas: Ganhei o meu “limpo e sagrado”. Fui informado de que NEFASTO, LARANJA e a CAMARILHA DE SEGUIDORES IDIOTAS me processaram. Gostaria de saber por quê?. Afinal, todos os anos, parte de meu salário banca suas safadezas. Espero que venham de quilos os “processos”. Se não, vai perder a graça e se tornar em demanda elementar e facilmente rechaçável. Agora me deram a louvável chance de abrir a minha BLACK BOX. Te segura NEFASTO!!!

  190. Isaque Cairo

    Prezados Companheiros.
    Volto a ressaltar a necessidade de assumirmos definitivamente a defesa da elaboração da Lei Orgânica do Fisco do Estado do Tocantins, como forma de avançarmos de verdade em direção ao futuro, deixando sepultadas as amarras que nos prendem ao passado, sobretudo em relação a ADI que questiona a lei estadual 1609/2005.
    Sem essa ADI muita cortina de fumaça se dissipará e a sociedade em primeira mão, o Estado e o Fisco sairão fortalecidos, esta proposta vai além e muito de medidas paliativas e sepulta o terrorismo com que é tangida a categoria ou parte dela a ter um comportamento de rebanho, enfileirando-se contra entidades e pessoas de forma amesquinhada e irracional.
    Não podemos continuar colhendo os frutos dos equívocos do passado, sem semearmos o futuro que em breve terá passado para nossa valorosa turma de 1994. Avançar é preciso.

  191. Robispierre Xavier

    Após longos dias de ausência e descanso, estou de volta, baterias recarregadas, de pé, firme e sempre pronto pra guerra!!!
    Notícias interessantes, excelentes considerações dos nobres colegas que por aqui nos brindam com seus faros afiadíssimos.
    O clima está bom, assim que eu gosto. Na condição de “excluído”, digo que não me intimido, não me calo, não me rendo, não puxo saco, não sou capacho, não sou babaca, não sou ladrão, não sou bandido, não aperto mão de cabra safado que está em cima de um pé de alface e se julga o “demolidor”. Aviso a estes: a queda será dura! Vão vagar no abismo do ostracismo e do desprezo, onde é o lugar certo para pessoas dessa estirpe. Lugar de cabra-de-pêia é na cadeia!
    A verdade é uma só e ela virá à tona dolorosa e incisiva, como uma navalha na carne.
    Vamos que vamos! Meu nome é PRONTO.

  192. MUDANÇA NO DECRETO DO REDAF

    Alguém poderia me dizer o que significa essa mudança no decreto do REDAF?
    Quem ficou sabendo dessa mudança?
    Onde é que estamos, em que mundo vivemos?
    Até quando ficaremos a trabalhar sem saber o que realmente vai acontecer com nossos rendimentos?

    “Redação Anterior: (2) Decreto nº 2.797 de 27.06.06
    TABELA II – METAS INDIVIDUAIS DE ARRECADAÇÃO
    CALCULO DOS PONTOS – FISCALIZAÇÃO DE TRÂNSITO DE MERCADORIAS”

    “Art. 7º Os pontos constantes do conta corrente, previstos no artigo anterior, são utilizados para deduções referentes:

    §2o O valor do REDAF, a ser pago no mês em que o Agente do Fisco não tiver valores a receber, é calculado com base na média aritmética simples dos pontos obtidos, no ano anterior, em relação aos meses efetivamente trabalhados. (Redação dada pelo Decreto n° 4.836, de 17/06/13). Efeitos a partir de 1o de agosto de 2013.

    Redação Anterior: (3) Decreto n° 3.045, de 28/05/07
    § 2º O saldo acumulado do conta corrente, após as deduções, é convertido em REDAF, na forma da Tabela III do Anexo I a este Decreto, o qual deve ser pago no ano subsequente, preferencialmente no mês em que o Agente do Fisco não tiver valores a receber. (Redação dada pelo Decreto n° 3.045, de 28/05/07, produzindo efeitos a partir de 01/04/07)


    Art. 9º O Agente do Fisco deixa de receber o REDAF se: (Redação dada pelo Decreto n° 3.045, de 28/05/07) Efeitos a partir de 1º de abril de 2007

    Parágrafo Único. O Agente do Fisco também deixa de receber o REDAF se a arrecadação for inferior a 95% meta global fixada, exceto no hipótese prevista no § 2º do Artigo 7º deste Decreto. (Redação dada pelo Decreto nº 3.045, de 28/05/07) Efeitos a partir de 1º de abril de 2007”

    I – No site da SEFAZ a Tabela II do Anexo II (para quem trabalha com mercadorias em trânsito) se encontra revogado , sem ao menos existir a divulgação de uma nova tabela;
    II – O REDAF de férias (CHEIO) que é pago de acordo com o § 2º, do Art. 7º, do Decreto 2797/2006 foi alterado. O que era certo receber com o acúmulo da Conta Corrente, agora vai ser calculado de acordo com a média do ano anterior. Pergunto: O que vai acontecer quando não for atingido a Meta Global tanto nos meses do ano anterior como também no mês em que ficarmos de férias? Essa redação não está bem clara (direta).
    III – O que era para ser alterado na realidade nem de perto pensaram: como por exemplo: INCORPORAÇÃO DO MESMO NO VENCIMENTO, ALTERAÇÃO DO VALOR PAGO QUE ESTÁ DE LONGE DEFASADO, até mesmo a hipótese de recebermos proporcionalmente (30%) ao salário, como se recebe outras áreas; que tem esta forma de escravismo funcional no que tange ao pagamento de Ajudo de Custo e não Vencimento Real, que serve como direito para Aposentadoria.
    Em tempo acharam um novo modo de se pagar o Advogado do Sindicato, já que o mesmo nos proporciona nenhum ganho nas causas existentes em favor da coletividade. Para ser feito a Justiça sem hipocrisia, deveriam primeiro aceitar as filiações de todos, e logo após o estudo de toda papelada existentes dos gastos absurdos, aí sim, teríamos a certeza com quem está A VERDADE. É certo que denúncias sem provas é questionável, no entanto, o indício de erros ou omissões por parte de uma Diretoria pode ser levado a um estudo sério, desde que todos fiquem sabendo o que realmente foi feito, e para tanto como reza o Estatuto: os requerentes tem que serem filiados, e aonde está as liberações das filiações? Ainda mais que os pretendentes a filiados já contribuem com 1 (UM) dia de serviço para com o Sindicato em questão.
    E POR FIM, INCORPORAÇÃO DO REDAF JÁ!

  193. Caro amigo
    Isaque:

    Você abordou o eixo, o centro, o “x”da questão. Os Auditores IV têm representação. Uma representação atenta.
    O que nos temos? Nós temos uma “diretoria” Pinóquio (ou paraguaia), que desmoralizada por suas próprias atitudes, não consegue ao menos representar as necessidades básicas, prementes e inadiáveis da categoria.
    Com sua inteligência característica e capciosa você conseguiu vislumbrar o verdadeiro motivo da manutenção dessa ADI pelo Sindifiscal: ela serve de instrumento, é um mote, para aterrorizar membros da categoria que não tem compreensão correta do rito processual jurídico e das alternativas existentes para se findar essa divergência plantada artificialmente em nosso meio. (cuidado com o bicho-papão! Somos todos criancinhas). Será que gostariam de saber que qualquer diretoria que assumisse o nosso sindicato acabaria imediatamente com esse subterfúgio inverídico, falso e mentiroso?
    Com esse argumento paupérrimo vem fundamentando suas permanências indefinidamente à frente do sindicato.
    Quisera eu que uma luz iluminasse a cabeça de alguns de nossos colegas para que percebam a triste e infame jogada que qual estamos sendo vítimas e o que existe por trás de tudo isso.
    – Defendo concurso para início carreira fiscal;
    – Defendo um encontro estadual de nossa categoria para unificarmos nossas convergências;
    – Sou pelo final da dinastia incrustada indefinidamente no nosso sindicato através de casuísmos, golpes, fraudes e mentiras;
    – Sou por uma categoria verdadeiramente unida.

    Obs.: Sindicato em “ação” é uma piada espirituosa, reconheço! Eu pensava que o “Ação” deles seria o aumentativo de “aço”.

    Abs,

  194. Isaque Cairo

    O SINDARE é a vanguarda do FISCO !
    Em recente visita às regionais do norte um colega questionou que o SINDARE seria a grande pedra no caminho do FISCO, este era o seu entendimento, sobretudo em função da ADI em tramitação.
    Não entendia , entretanto, acerca da possibilidade de falecimento da ação constitucional por perda de objeto em caso da elaboração, aprovação e vigência de uma nova estrutura legal para o FISCO, podendo , inclusive, ser uma Lei Orgânica ou mesmo uma Lei Ordinária, em síntese a revogação da lei 1609/2005 com a adoção de uma nova Lei que reorganizasse o fisco estadual seria a solução para os entraves vividos pela categoria atualmente.
    Esta realidade foi exposta diversas vezes por inúmeros colegas e por mim mesmo ao sindicato da categoria ( o sindicato em ação ) mas jamais analisado com seriedade por eles, mesmo quando o Governo era amigo, parceiro e outras coisas do gênero. Motivos ? É necessário a existência do fantasma da ADI para a manutenção do status quo ainda que isso cause prejuízo ao fisco, aos colegas em particular e ao povo tocantinense. Cheguei a ouvir na mesma viagem ao norte que em função da ADI um dirigente do sindicato em ação seria imprescindível pois que já conhece os caminhos necessários ao bom julgamento da ação. Tolice ? Talvez não, mas com certeza fruto de uma poderosa máquina de propaganda.
    Lembremos que vultos muito mais poderosos da República pereceram no STF, imaginemos então que poder teria um obscuro dirigente sindical do Tocantins, estado pequeno e pobre da Federação diante dos plenipotenciários Ministros do STF.
    E por qual motivo o SINDARE é a vanguarda do FISCO ?
    Por causa das bandeiras corajosas que defende publicamente enquanto o verdadeiro sindicato do fisco está perdido e preso a interesses pouco nobres e evidentemente desconectados dos interesses classistas.
    Provas ? Vide o link infra:
    http://www.portalct.com.br/estado/2013/07/12/55415-auditores-fiscais-preveem-perda-de-meio-bilhao-em-arrecadacao-no-tocantins-neste-ano-por-falta-de-in
    Enquanto isso , seu sindicato está preocupado com o custo da tarifa de ônibus em Palmas ?
    Pergunto mais uma vez, você prefere a Linha de Passe ou o Bem (?) Amigos ?

  195. Isaque Cairo

    Nobre Paulo Piauí !
    Perfeita sua analogia, aqui também temos a Linha de Passe ( que bem poderia ser Linha Direta ) e o Bem-Amigos ( Cosa Nostra ) pena que a categoria ainda não tenha percebido, mas através de ações brilhantes como a do nobre colega , talvez eles comecem a enxergar que estão sendo tratados como trouxas.
    Um fato importante também afeto ao campo desportivo vem da Bahia, um diretor presidente do maior clube desportivo do Norte/Nordeste do Brasil, único incontestável campeão brasileiro de fora do sul-sudeste, foi afastado por fraude na última eleição, quando afastaram opositores com artifícios inescrupulosos e eivados ao que parece de crimes. O interventor já ressaltou que realizará uma devassa nos contratos e gastos realizados pela diretoria que se perpetuava no poder a mais de uma década, embora o clube tenha amargado quase uma década também na segunda e deficitária divisão do futebol brasileiro.
    Há indícios de crimes de lavagem de dinheiro, evasão fiscal e formação de quadrilha. Viva o judiciário baiano que fez soprar os ventos da mudança e da decência, decapitando um tiranete que imaginava ser dele o que pertence a mais de seis milhões de torcedores espalhados pelo Brasil.
    Não é inexplicável que o dito diretor ( da agremiação desportiva, ressalve-se ) tentou de todos os meios uma reeleição a Câmara Federal, perdeu fragorosamente e em consequencia a investigação a que estará sujeito não mais gozará de foro privilegiado.
    Coincidências da vida ? Não. É o desiderato de todos aqueles que imaginam enganar eternamente as mesmas vitimas, a VERDADE sempre vem a tona e o ostracismo a que são renegados nem sempre é o mero exílio.
    E você ? Prefere o Bem-Amigos ou o Linha de Passe ?

  196. Amigo
    Isaque

    No mês de abril próximo passado escrevi uma matéria que queria postar naquele mês, porem, as demandas urgentíssimas não me possibilitaram. Pretendo postá-la por esses dias se me for possível. O assunto seria esse mesmo abordado por você: as mentiras e objetivos torpes daqueles que as cometem. A representação do mal.

    Abs,

  197. PAULO JOSÉ LIMA DA SILVA

    Alguém de vocês já ouviram falar nos DOIS PROGRAMAS DE FUTEBOL que são transmitidos todas as segundas-feiras pela ESPN (LINHE DE PASSE) e pelo SPORTV (BEM-AMIGOS).
    O primeiro é pautado num jornalismo de críticas duras aos descasos e/ou omissões feitos por aqueles que praticam , bem como os que se beneficiam do mundo do esporte, caso exemplar quando se trata na destruição do MARACANÃ , nos defeitos de construção do ENGENHÃO, nas corrupções existentes no meio das FEDERAÇÕES, CONFEDERAÇÕES e DIRETORIAS DOS CLUBES DE FUTEBOL e de outros esportes. Críticas bem fundamentadas com estudos e pesquisas feitas junto ao campo abordado, com jornalistas sérios, e que não se deixam levar por aperto de mão ou sorrisos falsos.
    O segundo fica condicionado a um jornalismo de um faz-de-conta, tudo é bonito, tudo é uma maravilha, todos aqueles que lhe interessam ou lhe trazem uns presentinhos são tratados com bastante delicadeza. Não estão interessados com as falhas existentes no meio esportivo, não buscam melhorar a vida dos esportistas, somente se interessam por quem está por cima da carne seca (de bem com a vida). Os empresários , os políticos, juntamente com todos aqueles que administram são tratados como amigos de muitas datas (o nome é BEM-AMIGOS). No entanto , quando um de seus membros são contrários ou dizem a verdade sobre os maiorais apresentadores, eles são sumariamente afastados, fato claro como aconteceu com RENATO MAURÍCIO PRADO quando falou uma verdade do CHEFÃO.
    Vocês podem achar que isso não tem nada a ver com que estamos vivendo no mundo do FISCO TOCANTINENSE, mas não é verdade. Temos de um lado a ASFETO e do outro o SINDIFISCAL, qualquer relação com esses programas de esportes é uma mera coincidência.
    Dizem que: Quem não concordam ou falam mal de uma atual diretoria, os mesmos tem que provar o que é dito, e como provar se ao menos não se consegue filiar ou terem em mãos toda a papelada comprobatória dos ocorridos.
    Antes que dizem que não tem nenhum fundamento do que estou dizendo, pergunto a todos:
    – Quem de vocês gastam 3% do que ganham com um contador?
    – Quem gasta 40% com advogados para lhe proporcionar nenhum ganho?
    – Quem gasta 5% com uma festa de aniversário?
    – Quem gasta R$ 50.000,00 na construção de um muro?
    – Quem se deixa levar com estes gastos absurdos?
    Não sou a favor do VOTO NULO, sou a favor de uma NOVA DIRETORIA, sou a favor de uma consulta com todos (filiados ou não) com as seguintes perguntas: Vocês estão satisfeitos com a atual administração do SINDIFISCAL? Todos seus anseios estão sendo cumpridos? Tudo o que foi pautado na última eleição é prioridade, estão sendo feitos?
    Sindicato em ação não são só palavras, e sim conquistas em favor de toda a categoria!

  198. Isaque Cairo

    Amigo Caio !
    É a eterna luta da verdade contra a mentira a guerra a ser travada. Fico com as palavras de Denis Diderot para que nos sirva de alerta acerca do que nos reserva o futuro:
    “Engolimos de um sorvo a mentira que nos adula e bebemos de gota a gota a verdade que nos amarga”. Em síntese, a mentira move o mundo dos tolos, dos que necessitam de bajulação para viver.
    Sigamos em frente !

  199. Antonio Silva

    Alguem sabe dizer qual a vantagem para nós do fisco da redução da passagem de coletivo de Palmas?!?!
    E o horário de verão?!?!
    Caaaaallllllmaaaaaa…….. perguntar não ofende!!!!

  200. Isaque Cairo

    Caro Wanderley !
    Faço coro a sua súplica por decência pois o tempo já passa a contar contra nossa valorosa turma de 1994 e o imobilismo destes caciques sem tribos nos carrega celeremente para o servilismo e o beija mão que se acostumaram para bajular autoridades capazes de garantir-lhes os ossos do banquete. Em contrapartida entregam uma categoria desmobilizada, desmotivada e sem horizontes definidos.
    Resta, contudo, o voto no pleito que se aproxima. Decidirão os rumos da mudança ou entregarão de vez o pescoço àqueles que estão com a corda na mão e o cinismo na face.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *