Destaque, Geral

NOTA DE ESCLARECIMENTO

nota-de-esclarecimentoComo é de amplo conhecimento, esta Associação apresentou, em 2015, uma proposta de melhorias para serem implementadas na Secretaria da Fazenda, visando otimização na fiscalização e arrecadação. Estas ferramentas trariam inovação, inteligência fiscal e modernização a serem executadas pelos Auditores Fiscais da Receita Estadual.

O trabalho apresentado foi amplamente divulgado no site da ASFETO, podendo ser livremente acessado por qualquer interessado, tratando-se de conteúdo público e à disposição de todos, sobretudo Auditores Fiscais.

A  utilização  desse trabalho por determinadas  pessoas da categoria de modo a não o creditar a quem de fato o produziu, é estranha e inaceitável!  Mas o pior que isso tem sido em um momento de ataque e tentativa de enganação, sua exposição tenha sido de forma maldosa e intencional, com objetivo claro de criar discórdia e dissensão no meio da classe fiscal tocantinense.

Não reputamos honesto  atribuir alguma correlação do trabalho realizado pela Asfeto com o recente projeto de reestruturação da Secretaria da Fazenda de autoria da Superintendência de Administração Tributária, pois as medidas apresentadas visam apenas a melhoria da atividade arrecadatória e não se coadunam com qualquer outro projeto de reforma que estabeleça, dentre outros, a centralização da lotação dos Auditores Fiscais em Palmas/TO ou fechamento das Delegacias da Receita Estadual, ou quaisquer outras que atentem contra seus filiados e a presteza da arrecadação.

Esclareça-se definitivamente e de uma vez por todas que as medidas elencadas a Associação não só se manifestou  contrária, como tem se pautada pelo fortalecimento do quadro e da carreira fiscal e não, a sua destruição, como parecem desejar alguns.

 Nunca nos batemos para criar uma casta superior no quadro, na execução dos trabalhos ou privilégios pessoais, como alguns parecem ansiar, desesperadamente.

Em um quadro de aproximadamente 400 profissionais, poderemos ter quase  uma centenas de auditores preparados para exercer as tarefas especificas de auditagem, bastando para isso, serem convocados, só não o sendo, por manipulação grosseira daqueles que intencionadamente, fazem reserva maliciosa da função, para tentar parecer, os salvadores da pátria.

Diga-se de passagem, que o mais sensato seria ministrar cursos especialização e treinamentos técnicos (atualização, na verdade) a diversos e competentes colegas em atividade do que bater-se por concurso em época de contenção gasto e redução pessoal em toda a esfera governamental, em luta por inexistente “poder” sindical em prejuízo quase toda uma categoria com 4 centenas de profissionais e com mais de 24 anos de bons serviços prestados ao estado e a receita estadual.   A realidade nua e crua!

A versão somente de um lado não representa per si, a verdade. Apresenta-se aqui, a versão da indiscutível maioria do fisco estadual. Que seja considerada também.

A boa convivência, o congraçamento, o entendimento, a conciliação, concordância, harmonia e concórdia, haverão de ser preservados, mas não a qualquer custo, a qualquer preço, pois a verdade não pode ser espezinhada, calcada e pisoteada, em benefício de qualquer grupo, por mais especial que presuma ser! A urbanidade e coleguismo prevalecerão, ainda que atacados diuturnamente, por mais de uma década, por quem se compraz em propagar a dissensão e discórdia em nosso meio.  O sombrio gênio do Mal!

A Lei Estadual n.º 1.609, de 23 de setembro de 2005, investiu legalmente nosso quadro de Auditores Fiscais na carreira única, pelo que representam amplíssima maioria dos membros da classe atualmente, não havendo razão que fundamente a afirmação de legitimidade autoproclamada por aquele ínfimo grupo – Auditores de Rendas – por meio do seu diminuto sindicato, menos de 10% da categoria, enquanto pretendem afastar a representatividade dos demais Auditores Fiscais. A instrumentalização através da loquacidade,  verborragia e publicidade, não tem o condão de suprimir ou eliminar  a realidade! A prepotência, arrogância e a mentira, não encontrará ressonância em nosso meio.

A ASFETO buscará incansavelmente, como sempre fez,  a participação em projetos que visem o desenvolvimento da atividade fiscal no seio do Estado do Tocantins, desde que harmonizáveis com o crescimento profissional de seu substrato humano e da Secretaria da Fazenda, não admitindo em nenhuma hipótese a inapropriada utilização de seu nome, ao passo que adverte que tomará medidas cabíveis em cada caso requer.

18 Opiniões

  1. Sérgio Rocha Lima

    Como o sindare anda comunicativo nestes dias! Certamente o fato de estarem devolvendo uns 8 mil reais por mês deve ter alguma coisa nisto. Essa entidade semi-fantasmagórica que ainda teima em dizer que está viva, sempre pegou carona nas ações da asfeto ou do sindifiscal e agora vem com este sofisma de defensora da união entre as classes desde anos longíquos,kkkk.
    Com certeza que quando a asfeto ou o sindifiscal ganhar a ação para a devolução do dinheiro indevidamente retido, irão voltar suas baterias contra os ex-AGAs e ex-AFAs. Não nos iludamos….o que esse povo quer é carona e garapa! Lembro-me da fábula da tartaruga e do escorpião que talvez sirva para boa parte dos ex-AUREs dessa semi-fantamasgórica entidade(sindare). ” Certo dia em uma terra bem distante houve uma grande enchente, criou-se uma ilha que pelo aumentar da torrente das águas, logo iria cobri-la. Nesta ilha, só restavam um escorpião e uma tartaruga. A tartaruga, que sabe nadar, logo se apressou para sair da ilha. O escorpião desesperado, implorou para a tartaruga…..por favor, dona tartaruga, me deixe montar em cima de vc e escapar, por favor, pediu chorando. A tartaruga respondeu….mas,vc é um escorpião e pode me ferroar! O escorpião retrucou….dona tartaruga, se eu fizer isto eu morrerei afogado! A tartaruga pensou e se quedou convencida….ok, ‘seu’ escorpião podes subir. O escorpião subiu nas costas de dona tartaruga e começaram a travessia. No meio da travessia, o escorpião mirou uma parte mole da tartaruga e enfiou o ferrão, aí a tartaruga já morrendo envenenada perguntou….pq vc fez isso escorpião, agora morreremos nós dois! O escorpião respondeu….desculpe-me dona tartaruga, mas, eu sou um escorpião”!
    Não nos iludamos, colegas ex-AFAs e ex-AGAs, quem está convencido em ser ‘escorpião’ agirá como o próprio!

  2. Sérgio Rocha Lima

    Cômica se não fosse trágica a nota do sindare. Quem lê tal nota e não acompanhou por anos sua omissão, seu dissídio, acha que tal entidade(?) seria digna do nobel da paz.
    Deixem-me relembrar….na época quando existia AFA, AGA e AURE, a arrogância, falta de humildade e atitude de subserviência ao comandante-mor Siqueira Campos, faziam que alguns representantes da outrora classe chamada AURE, juntamente com um ou outro supervisor ‘traíra’ da nossa classe (AFA), se dispusessem a transformar as vidas dos colegas AFAs e AGAs em um martírio. Eu mesmo fui vítima dessa implacável e sorrateira perseguição, quando recebi uma interpelação me questionando porque eu não coloquei o número da inscrição do contribuinte, sendo o contribuinte pessoa física. Lembro-me da truculência a que fomos submetidos no exercício do direito à greve, pela polícia, a mando do Siqueira Campos.
    Não satisfeito com isso, Siqueira Campos montou uma equipe para tentar descobrir falhas em nosso concurso à fim de colocar-nos no olho da rua. Finalmente o massacre físico de nos colocar para trabalhar por 15 dias(o dobro de horas permitidas pela lei)!
    Alguns ex-aures(com letra minúscula mesmo) quererem ‘pagar’ de bonzinhos é de uma perfídia e chacota enorme. Quem não os conhece….que ‘compre’ vcs, como diz o ditado popular.
    Resta saber a mando de quem, aquela mulher entrou com uma ADIN para reverter a decisão de nos colocar todos(ex-AGAs e ex-AFAs) como auditores. Alguém faz idéia?

  3. Financeiramente franciscana, a Asfeto possui um rico capital: seu quadro social! A vanguarda do fisco em argumentação direta com a diretoria colegiada faz toda a diferença! Com presteza, nossa ação tem-se rotineiramente se caracterizada por atempada, firme, direta, sem temor ou tergiversação, mesmo ainda, sem agressões inúteis, desnecessárias, em que nada contribuiriam com resoluções de nossos infindos problemas classistas.
    Evidentemente, não se pode agradar a todos, como disse J. Kennedy, seria a fórmula do fracasso! No entanto, a crítica sensata e bem-intencionada faz parte do processo, pelo que agradecemos penhoradamente a todos missivistas que nesse espaço de debate no site se expõem, ao tempo que incentivamos a todos os demais que participem desse fórum, que é nosso, democrático e combativo. Temos ainda página de frente para quem quiser escrever matérias e exercitar sua capacidade argumentativa, assinando-a, naturalmente, para efeito de méritos de autoria.
    Como seres humanos poderíamos cometer erros sim, não seria anormal, mas nunca se erra quando se procura mesmo com honestidade, representar o que deseja a categoria que credenciou a representação – erro fatal, crasso e grosseiro, de muitos que assumem representação de categoria e fazem somente, o que lhes interessam pessoalmente.
    Estamos ainda, no meio da luta, e só ganharemos a guerra, quando todos se aposentarem com dignidade, portanto nada de vanglórias, celebrações e ufanismos, desnecessários e antecipados.
    Afiemos as armas e preparemo-nos atentos, unidos e zelosos pelo futuro, que já bate em nossa porta!

  4. Isaque Cairo

    Caros ,

    Verdade exposta, máscara no chão !!!

    Mas há algumas questões que a “igreja” que se intitula sindare não explica.

    Em que a centralização da administração tributária nas mãos papais auxiliará o Estado e suas finanças ? Em que auxiliará seus servidores ? Em que auxiliará os contribuintes ? Em que auxiliará o POVO do Tocantins, aquele que sofre com a falta crônica de recursos em todas as áreas sensíveis ??

    Qual o estudo ? Qual o impacto ? Qual a finalidade ?? Ou é puro DESVIO de finalidade mesmo ??

    Quem responderá por terem induzido a erro o secretário de Estado da Fazenda ??

    São questões importantes que o presidente fake , da entidade fake precisa responder ao fisco, ao governo e à sociedade.

  5. Daniel Pereira da Silva

    Parabéns a ASFETO e a seus dirigentes e filiados pela defesa intransigente dos seus filiados e categoria de AFREs como um todo… No entanto vale ressaltar que os dirigentes sindicais, tanto de um como do outro sindicato, estão há muitos anos somente atrás de governos, secretários e políticos e se beneficiando pessoalmente e na busca incessante de prejudicar a maioria da classe, mui especialmente aqueles que esses tais dirigentes sindicais consideram sub-classe, como: remanescentes do Estado de Goiás, aqueles que não concluíram um curso superior, aposentados, pensionistas, etc… e, se esquecendo esses tais doctores da lei, que TODOS NÓS fazemos parte da mesma CARREIRA, querendo “ELES” ou não, visto que à epoca de realização do concurso não houve separação distintamente de carreiras, mas todos fazemos parte dos quadros do FISCO da Secretaria da Fazenda do Tocantins!

  6. Marcos Maciel

    Mais uma vez a asfeto como fiel da balança do fisco tocantinense, sempre correspondendo às nossas expectativas. Tem sempre alguém tentando tirar proveito da situação para diminuir o prestígio e dignidade da nossa instituição. A Asfeto nasceu para ser independente e livre de amarras de qualquer natureza que não sejam de proteção e defesa de seus filiados. Parabéns ASFETO por mais uma ação despojada de vaidade e deslumbre. #soumaisasfeto

  7. Robispierre Xavier

    É inquestionável que a ASFETO é um divisor de águas, nesse contexto, ao longo das desavenças entre grupelhos tão tradicionais dentro da Sefaz. A nossa história é ridiculamente pontuada por brigas internas, disputa por setores extremamente estratégicos dentro da secretaria, briga por poder, uma sanha incontrolável de estar por cima e atropelar os seus pares.
    Tivemos oportunidade de ter auditor de carreira como secretário, e o que colhemos? Prejuízos, nada mais.
    Tivemos oportunidade de ter um auditor “AFRE III”, como superintendente da receita e o que colhemos? Os fatos estão aí.
    É triste, depois de transcorridos 25 anos ainda ter que conviver com uma baderna dessa. É inadmissível. Estão tentando prejudicar, atropelar, coagir, assediar moralmente 500 famílias. Qual o propósito disso?
    E o pior, malandros travestidos em pele de mocinhos, apontando o dedo para a ASFETO, tentando arranhar, macular, denegrir, menosprezar o trabalho da nossa Associação.
    Se os senhores e senhoras tiverem tempo, leiam todas as matérias que aqui já foram publicadas. A nossa linha de atuação e defesa dos interesses maiores da categoria, é INTRANSIGÍVEL e INALIENÁVEL.
    Portanto, registro a minha indignação, como membro da diretoria e como associado.
    Como diz lá no nordeste “respeita as caras!!”.

  8. Antônio Geraldo

    A ASFETO mais uma vez deixou bem claro as suas intenções .A democracia começa internamente,e bem sei que foi isto que ocorreu nesta honrada entidade,que luta pelos seus representados ,fazendo as vezes um esforço para exercer um papel e tarefas que não eram para serem feitas por ela,mas devido a ineficácia do sistema responsável,brigas e intrigas,tem de agir,e age com força,com ímpeto e competência . Parabéns pela nota que esclarece a todos o verdadeiro papel e participação da entidade :defesa dos filiados ,e até mesmo da categoria,que é atingida por resultados diretos e indiretos,materiais ou não,de sua ação firme e constante. Vigilante,novamente .

  9. Carlos Freire

    Esclarecimento verdadeiro é digno de aplausos!
    Eu convido a todos neste momento, Postinhos, Talismã, volantes, grupos a aplaudir uma entidade que sempre lutou por todos nos de peito aberto, coração voluntarioso e uma determinação misturada com idealismo de vencer e que não cobrou nada a ninguém, em troca a satisfação de fazer o bem a categoria!!!

  10. Romero Callou de Alencar

    A Asfeto é o marco divisor entre os que querem engrandecer e unir a categoria e os que almejam tão somente desunir e enxovalhar os auditores fiscais do estado.

  11. Romero Callou de Alencar

    A asfeto é o marco divisor entre os que querem engrandecer e unir a categoria e os que somente se dão ao prazer de desunir e enxovalhar o quadro de auditores do estado!

  12. Entendo o delicado momento que o quadro do fisco do Tocantins vive. Parabenizo a manifestacao de esclarecimento da sua diretoria na pessoa do seu presidente que muito bem a representa.
    Entendo tambem que o momento é muito delicado e temos que almejar minimo de unidade possível entre as três entidades representativas da categoria: ASFETO, SINDARE/AUDIFISCO E SINDIFISCAL e quem sabe, a ASFETO poderia servir de mediadora entre os dois outros entes.
    Entendo até um certo ponto a posição do Sindare em se opor radicalmente ao Sindifiscal haja vista a matéria divulgada por eles em seu site.

  13. Arnaldo Pessoa

    Parabéns a diretoria da Asfeto, por mais uma vez sair em defesa dos auditores, falando sempre a verdade e lutando sempre por melhores condições de trabalho para todos.

  14. Altamiro.

    Não sou filiado da Asfeto mas admiro o trabalho como sindicato que voces vem apresentando. E espero que nessas intransigências do Sindare (o que é isto? Um grupo religioso?), vocês permaneçam firmes na categoria nos defendendo. Pra mim, JC é um maluco, gente da pior especie , indigno de qualquer respeito por parte de nossa categoria, juntamente com alguns (nem todos) nada mais…não merece o nosso respeito.

  15. Claudio murilo

    Falar até papagaio fala, quero ver provar que a asfeto agiu de má fé em algum momento, a asfeto na verdade é o contra peso da categoria, se não puder ajudar, atrapalhar jamais, diferente dos outrens.

  16. Maria Alves de Paula

    Não à perseguição!!!

  17. Maria Alves de Paula

    Olá nobres colegas! Quero registrar a minha indignação diante das mudanças anunciadas pela nossa secretaria. Mudanças essas que só tem a nós prejudicar sem sequer reconhecer o nosso trabalho ao longo desses quase 25 anos de serviços prestados , na maioria das vezes sem a mínima condição de trabalho e segurança, mas firmes no propósito de vermos o nosso Estado crescer e crescermos junto com ele. Estamos desmotivados e insatisfeitos com tamanha falta de reconhecimento e humanidade. Amamos este Estado e estamos juntos sempre! Ajude-nos a ajudar o nosso Estado! Queremos trabalhar!!! Só isso!!!

  18. Héber

    Muito bom. Parabéns a Asfeto por falar a verdade nua e crua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *