Tudo Muda o Tempo Todo

Tudo muda o tempo todo no mundo, já dizia a canção de Lulu Santos. Esta é a realidade do Universo. Nele a única constante que existe é a mudança. É assim com tudo. Incluindo os órgãos públicos de tributação. As decisões tomadas nestes órgãos devem levar em conta este fator. Por isto o que puder ser feito para facilitar a adequação às mudanças que ocorrem no meio externo, deve ser feito. Dar preferência ao uso de softwares livres é uma das formas que o Estado tem para estar sempre atualizado  com o seu tempo.

Quando o Estado opta por usar softwares proprietários ou contratar empresas para desenvolver seus sistemas, ele está desacelerando o fluxo das mudanças. Ainda que a construção de um novo sistema pareça uma mudança. Se esta mudança depende de uma licitação, ela irá se dar num ritmo muito lento. Pois as licitações são lentas e é assim que deve ser para proteger os recursos públicos. O ideal é que estas mudanças não necessitem de licitações. Se elas puderem ser feitas sem a necessidade dessas burocracias, melhor.

Por exemplo, financiamentos são contratados para atualizar os sistemas de informática. Um grande esforço é feito neste sentido com a contratação de várias empresas. Até que finalmente, os sistemas passam a atender os mínimos requisitos necessários para estar em dia com o que existe no mercado. Só que as mudanças param por ai durante um período de vários anos até que o sistema torne-se totalmente ultrapassado. Ai um novo financiamento é contratado e a história se repete.

 Existem dois desperdícios na espera por novos investimentos. O primeiro é a ausência de novos sistemas que aumentariam a arrecadação, e o segundo é o alto custo de contratar temporariamente profissionais de outros estados ou países para realizar, num curto espaço de tempo, a empreitada.  Por isto, o melhor é fazer das mudanças uma constante. Oferecer aos usuários ferramentas nas quais eles possam desenvolver novas rotinas. Exemplo de ferramentas assim são os sistemas de gerenciamento de conteúdo (CMS),  que dão ao usuário bastante liberdade para criar novas rotinas e assim permitir que a equipe de informática possa avançar para trabalhos mais complexos e produtivos.

Milhares de softwares livres e públicos estão disponíveis para o uso do fisco. Não há necessidade de consultoria, quando as soluções estão ao alcance de todos. Basta dar liberdade para os usuários usarem o que eles conhecem, e eles mesmos colaborarem com o desenvolvimento tecnológico que é o interesse de todos. Se outras soluções melhores já estão sendo usadas por outros órgãos públicos, basta copiar constantemente o que já existe. Não há necessidade de construir nada novo quando outros já fizeram este trabalho. A velocidade das transformações exige a escolha dos caminhos mais fáceis. A opção tecnológica mais ágil para um órgão público é a preferência pelo software livre. Atitude essencial para garantir a confiabilidade e a transparência em tudo o que é feito.

 Cláudio Loredo – AFRE

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *