Destaque, Geral

É O FIM DO DESMONTE DO FISCO ESTADUAL?

FOTO-VISITA-NOVO-SUPERENTENDENTE-2É muito cedo para se dizer isso! No entanto, esse assunto é intrigante.

Muito mais que uma questão técnica estadual ou regional (metodologia fiscal), como querem alguns, essa, é uma discussão nacional, já resolvida em alguns estados que priorizaram a fiscalização de tributos estaduais de forma homogênea, ou seja, integrativa com a fiscalização fronteiriça e de Mercadorias em Transito, interno ou não.

Importante ressaltar que Estados como Ceará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás  tiveram expressivos aumentos na arrecadação quando priorizaram investimentos  nas unidades fiscais de transito (postos fiscais e comandos volantes), enquanto o fisco do Tocantins na contramão, fechou postos, sucateou e desprivilegiou o  controle do transito de mercadorias.

O trânsito de mercadorias tem relevância e importância no resultado da receita tanto quanto a auditoria, sendo que uma completa a outra.

Não é objetivo dessa matéria,  nesse momento,  tratar de cansativos quesitos técnicos, mas sobretudo, fazer avaliação na metodologia de trabalho, onde pensa-se,  está o Nó Górdio, a dificuldade expressa, em implementar uma eficaz e definitiva qualidade no trabalho no esforço em arrecadar.

A substituição de um Superintendente, no caso,   não é uma mera ou simples substituição de pessoas, mas sim, opção por filosofia de trabalho, metodologia de aplicação dos recursos humanos,  técnicos e físicos,  em que o fisco cumpra sua função institucional  de prover recursos financeiros para as mais diversas áreas assistenciais e de infraestrutura do governo.

A partir de meados de 2004 Iniciou-se em nosso estado um incompreensível desaparelhamento e  sucateamento do fisco, mormente, da Fiscalização de Mercadoria em Transito, levando quase todo o aparelho, a uma flagrante imobilidade, estrangulamento. Desde condições físicas de trabalhos, instrumental técnico, comunicação,  internet e outros,  levando nossas unidades quase a inanição. Postos fechados, sucateados, fronteiras desguarnecidas, baixa percepção de risco por parte de maus contribuintes( grande parte  são bons contribuintes) e o Estado  abdicando de seu poder polo  ativo.

Pois bem.

Assume agora, Marco Antonio da Silva Menezes, que a Asfeto cumprindo missão institucional, representada pelos diretores Wanderley Noleto e Caio França,  foram desejar lhe sucesso, pela árdua tarefa que assumiu. Sua ideias, fomos por ele informado, são semelhantes às de nossa instituição. Esse senhor é conhecedor do longo trabalho que a nossa entidade desenvolveu  sobre o trafego de mercadorias e algumas de suas ideias, ficamos sabendo, é de origem coletânea nossa.

Ora, diante desses fatos alvissareiros, parabenizamos o governador Marcelo Miranda, por tão feliz escolha, mudança de filosofia, mudança de paradigma, mudança de objetivo e de metodologia de trabalho!

É a presença do Estado se fazendo sentir, onde possa melhorar, e na Receita Estadual, não é um passo pequeno!

9 Opiniões

  1. Antônio Geraldo

    Conheço Marcos desde o concurso de 94,mais precisamente na delegacia de Porto Nacional, ocasião que Diógenes era delegado fiscal da referida delegacia.Lá já era tratado por Marcão Baiano. A respeito dele, tenho a dizer que ,diante do que presenciei , tenho certeza que ele se esforçará pra ser um excelente superintendente , com qualidades para tal. A pessoa dele une caráter, responsabilidade, coleguismo e competência.
    Tomara que ele consiga trazer bons frutos para o estado,bons frutos para a categoria.
    Boa sorte e que Deus lhe ilumine.

  2. Jeruza Nascimento Almeida

    É com grande satisfação que parabenizo o colega e conterrâneo Marco Antonio Menezes pelo seu novo cargo de Superintendente de Gestão Tributária na Sefaz – TO e lhe desejo boa sorte:
    Sua competência, já demonstradas em ocasiões anteriores, contribuirá, com certeza, para melhoria dos trabalhos e aumento da arrecadação.
    Grande abraço,

  3. Dilson Humberto de Santana

    É com imensa satisfação e esperança que dias melhores com certeza hão de vir, com o advento da nova gestão na Sefaz, que recebo o colega Auditor Fiscal Marco Antonio da Silva Menezes, o qual ainda não tive a honra de conhecer pessoalmente, mas que até hoje só ouvi elogios acerca de sua capacidade técnica, competência, companheirismo e comprometimento com o trabalho. É notório que o fisco tocantinense carece de melhorias, sobretudo no que tange à fiscalização de trânsito, que andou esquecida pelas administrações passadas. Como ex-supervisor do Posto Fiscal Talismã por 03 anos e tendo ali trabalhado no balcão por mais de 10 anos, tenho autoridade para falar o quão é importante a atuação da fiscalização de trânsito, que é ferramenta importantíssima para obstar a sonegação de tributos e ainda, para subsidiar o não menos importante trabalho de auditoria de empresas. No citado Posto Fiscal e demais de nosso Estado, a despeito da falta de estrutura e deficiências, muito já tem sido feito pelos colegas auditores com o fito de se elevar a arrecadação, no entanto muito mais poderá ser realizado com o apoio e condições de trabalho, que sem sombra de dúvidas serão implementados pelo novo Superintendente. Com essa certeza e total confiança no trabalho que será desenvolvido, que cumprimento o novo Gestor e desde já desejo grande sucesso e sorte nessa difícil empreitada.

  4. caubi

    E com grande satisfação e alegria,que recebemos o AUDITOR MARCO MENEZES,para o relevante cargo de confiança SUPERINTENDENTE DE GESTÃO TRIBUTARIA,o qual tive a honra e privilegio de trabalhar com ele, a frente da DRR DE PORTO NACIONAL.Sabemos da sua capacidade técnica e habilidade de GESTOR,tenho certeza e confiança no seu trabalho,conte comigo e com os colegas AUDITORES para juntos fazermos,o melhor para o nosso TOCANTINS. Te desejo todo sucesso nesta nova jornada. Abraço.CAUBI.

  5. Robispierre Xavier

    É com enorme otimismo que recebo a notícia da posse do novo Superintendente de Gestão Tributária, nobre colega, Marco Menezes.
    Esperamos que as páginas dessa gestão pífia, centralizadora, desrespeitosa, autoritária, arrogante, tendenciosa a nível sindical e de baixíssimo nível técnico, sejam não só viradas, mas rasgadas da nossa triste história.
    Eu sempre disse que aqui fora existem dezenas de colegas aptos e muito mais aptos a assumirem cargos de alto escalão na Sefaz. O que prevaleceu sempre foi acalentar, massagear o ego de um monte de puxa-sacos da diretoria sindical, com carguinhos. Sem medo de errar: tem gente que não sabe fazer uma letra “o” com um fundo de um copo e estava lá, soberbamente plantado pelo interesse da política sindical. Nos últimos 15 anos, a política sindical destruiu tudo, em nome da manutenção do poder, com foco num projeto audacioso, malogro, rasteiro e que entendo estar sendo interrompido, com a graça de Deus. É o início do fim. Não há mal que dure para sempre!
    Saudações, Marco Menezes (Marcão)! Deus há de abençoar o seu trabalho. A Sefaz-TO é muito maior que os nosso interesses. Nós, os guerreiros dos postos fiscais, continuamos a nossa missão e contando com o vosso apoio. Abraço!

  6. Já em 2002, através da Affira – Associação dos Funcionários do Fisco de Alvorada, o mesmo grupamento de pessoas que viria criar a Asfeto, laborava pauta de reivindicação para melhoria e otimização do trabalho realizado nessa Regional e no Posto Fiscal de Talismã. Na época, mais de 90% dos pleitos apresentados foram atendidos, pelo Saudoso Dorival Roriz Guedes. Temos todos esses documentos guardados.
    Dessa época para a presente data, em um processo inexorável de deterioração da política classista sindical, a categoria fiscal foi abandonada pela Entidade que deveria representar seus interesses perante aos órgãos constituídos, pois estava imiscuída na política partidária, laborando, tão só e somente, em interesses pessoais de grupos integrantes da diretoria sindical, represando, negligenciando e postergando todos pleitos de suas obrigações perante a categoria, em odiosa e criminosa irresponsabilidade para com o cargo assumido de quando suas posses em função Representativa da classe.
    No afã de protegerem seus objetivos pessoais e políticos, pelos longos anos seguintes, desaparelharam tecnicamente o fisco, chancelando em cargos importantes para a arrecadação estadual àqueles que lhes davam cobertura em seus planos de poder sindical, relegando para segundo ou terceiro plano, o critério “competência”, em desenvolver as tarefas institucionais da Casa.
    Desse modo, desfalcando tecnicamente a Secretaria da Fazenda e a aparelhando, quase que exclusivamente, em objetivo escuso, trampolim para galgarem degraus no Executivo Estadual ou na política partidária (chegaram a lançar candidato) fariam distorcer e obscurecer a verdadeira missão dessa respeitável Secretaria.
    No entanto, espera-se agora, na pessoa do novel superintendente Marco Menezes, uma Nova Era, forma de gestão estribada na capacidade e na competência daqueles comprometidos com funções inerentes ao oficio em arrecadar.
    Perdoem-me o trocadilho, mas desejo que no tempo da Sefaz-TO possa ser estabelecido um Marco, antes e depois de sua gestão!
    A Asfeto, como sempre, fará a sua parte!

  7. Marcos Maciel

    É com grande alegria e satisfação que vejo a mudança de titularidade na superintendência da sefaz. Primeiro porque já era mais que necessário essa oxigenação (a SEFAZ perpassa pela inércia), pois é a “nascente” de decisões na gestão fazendária, o segundo porquê, é uma mudança para melhor, sem dúvida.
    O colega Marco Antônio Menezes, já o conheço de muito tempo, inclusive já trabalhamos juntos na oportunidade em que ocupou o cargo de delegado em Porto Nacional, posso afirmar que trata-se de um exímio profissional, com excelente nível técnico e, sobretudo, um grande companheiro.
    Esta mudança na superintendência não significa apenas a troca de um nome, mas a inovação na forma de gerir a coisa pública; com planejamento, com responsabilidade na execução e com foco nos resultados gerando boas expectativas nas nossas vidas enquanto profissionais. Acredito que alguns “gargalos” (que considero de fácil solução, mas que faltava vontade na gestão anterior) que se arrastavam ao longo de anos serão solucionados num razoável espaço de tempo.
    Desejo sorte ao companheiro Marco Menezes e a toda sua equipe, aproveitando o ensejo para dizer-lhe que estamos dispostos a colaborar no que for necessário para RECOLOCAR a SEFAZ nos trilhos do desenvolvimento e na excelência de seu funcionamento com o objetivo de atender as necessidades do Estado e da sociedade tocantinense. AVANTE SEFAZ !!!

  8. Manoel Alves

    Parabéns À ASFETO por estar apresentando o colega Marcos Antônio como o novo Superintendente de Gestão Tributária. Embora não o conheça muito bem, apenas de nome. Mas é sabido que por onde passou em administrações anteriores, fez uma gestão tranquila. Toda gestão seja pública ou privada deixa sempre um legado, as vezes bom e as vezes ruim, isso é fato. Daqui pra frente, ele é o Superintendente, então espera-se que desempenhe uma gestão que favoreça as duas vertentes que temos na Sefaz; que é Auditoria Fiscal e a Fiscalização de Trânsito. É claro que a última deve ser reestruturada facilitando assim o trabalho dos Auditores.

  9. Carlos Freire

    Obrigado Asfeto, cumprindo missão institucional, nos apresentar o novo Superintendente, para que possa nos trazer ótimas ideias principalmente no âmbito de Mercadorias em Trânsito.

    Busquei informações, e constatei que por onde este cidadão passou, executou boas obras, regional de Araguaína , Porto nacional…

    Parabéns Governador !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *