Destaque, Geral, Sindifiscal

DIREÇÃO DO SINDIFISCAL NO BANCO DOS REUS

traiçao-françois (Cópia)Publicado em: 29 de dezembro de 2013.

Quem haveria de dizer.

Se se dissesse que no Sindifiscal ninguém trabalha em defesa da categoria, não estaríamos falando novidade alguma, desde que os fatos falam por si só.

Também se se dissesse que é um colegiado com estranha vocação para dar golpe em cima da categoria com objetivo único de se perpetuarem na direção do sindicato, qual novidade haveria nisso? Esse fato já de domínio público.

Ainda, se se dissesse que promovem falsas filiações para aumentar número de filiados com fito de colocar diretor à disposição, para ficar sem trabalhar, Seria novidade? Também não, pois o assunto está na Delegacia de Infrações Criminais em Palmas e clama por devida apuração e sendo for despachado terá de incriminar os autores ou o assunto irá para uma Ação Civil Pública em que será pedida a perícia documental, impunes não poderão ficar.

Porem, se mais uma vez disséssemos que mentem descaradamente, sem pejo ou pudor, e seu ofício maior é laborar para dividir a categoria, seria novidade? Mesmo assim, não seria novidade, pois todos já estão fartos de saberem disso.

Mas trabalhar CONTRA a categoria?

Não pode ser. Deve haver algum engano nisso. Afinal, não foram “eleitos” para defender a classe? Não pode ser verdade!

Infelizmente, é.

Vejam os FATOS, nobres colegas, e analisem, na condição de julgadores, vocês que são os outorgantes e titulares da representação:

No apagar das luzes do ano 2013, precisamente dia 28  de dezembro, eis que fomos surpreendidos, pela turma que se propôs “trabalhar dia-e-noite para a categoria” , dos fatos:

Ía-se votar o projeto de integração da aposentadoria dos Auditores Fiscais do Tocantins, trabalho consistente desenvolvido pelo Sindare com  apoio da Asfeto junto ao governo do Estado, na forma de Projeto de Lei, transformando a nomenclatura de “vencimento” para subsídio, ainda, a incorporação da Produtividade Fiscal ao subsídio. Tínhamos o numero suficiente de deputados, que em um enorme esforço de votação “urgente” para aprovar incontinenti o nosso projeto.

Relator o ilustre Dep. Marcelo Lélis, com apoio do Dep. Osires Damaso e da Deputada Josi Nunes.

Não poderia dar errado, poderia? Poderia e Infelizmente, deu.

Temos uma quadrilha dentro do Sindifiscal, que deveria estar de recesso, no entanto estavam trabalhando dia-e-noite para PREJUDICAR a categoria. Mas eles têm nomes? Tem. O nome deles, sem dúvida, um é o capo, Carlos Pereira Campos, o principal, quem fez o pedido para que pedissem vistas ao processo para que só votassem a matéria no ano que vem. Os outros dois, (presentes na ocasião) um é o Samuel Andrade  e o outro, irmãos metralha, o indizível Divaldo Andrade dos Santos, vulgo Barão, aquele, o mesmo das horas-extras. Temos informações detalhadas sobre o assunto.

E quem nos passou toda a informação da obstrução da votação? Um deputado cujo nome se quer declinar, para que não sofra desgaste (prematuro e antecipado) com um assunto tão sujo e nojento como esse, mas, provavelmente poderá depor em juízo, se se fizer necessário.

Portanto a votação (certa) ficou para a incerteza do amanha (se houver) no ano que vem, graças a mesquinharia, egoísmo e podridão de caráter, de quem a razão, repugna, em chamar de “colegas”.  Dois de nossos mais graves problemas, (já resolvidos) jogado na lata de lixo por politicalha de um grupo incompetente e irresponsável.

Têm-se desculpas para tal atitude? O que mais existe é desculpas (de toda sorte) e eles são PHD nisso. Mas nada justifica postergar  conquistas (realizada com total omissão do Sinfiscal que só faz festas, turismos e ofícios) por que não participaram delas, e aí, prejudicam conquistas da categoria em nome da vaidade pessoal. O pragmatismo, o real, o aqui e agora, a intransigência na defesa de nossos direitos deveria ser o ofício de todo representante sindical.  Se quisessem  agregar algo no projeto, então, que fosse no ano que vem, por que essas conquistas já estariam garantidas!

Agora,a vocês que são julgadores, pois são titulares, donos e outorgantes da representação, perguntamos; são culpados ou inocentes?

Por fim, nós que prometemos não mentir jamais, não o faremos. Aqui está toda a verdade.

Ninguém em nosso meio quer empregos, cargos, mandatos, não somos candidatos a nada, mas prezamos nosso emprego acima de tudo, pois não temos atividade paralela, nossa única e exclusiva atividade é o fisco. Denunciaremos toda e qualquer desonestidade que seja realizada em nome da categoria e que venha nos prejudicar. Somos movidos, exclusivamente, pelo instinto de defesa, inerente a qualquer animal. 

Parabenizamos o Sindare pela total abnegação com que se entregou pela aprovação desse projeto. Um dia tudo isso mudará.

Agora, caros colegas, levem esse “presente” de natal e ano novo para suas casas e festejem juntamente com os seus familiares!

Perguntar não ofende: Para que mesmo que serve esse tal de Sindifiscal?

Vejam na íntegra o relato do que ocorreu no link:

http://sindare.com.br/noticia/apesar-de-muito-esforco-aprovacao-do-subsidio-integral-fica-para-2014/1202

A diretoria.

3 Opiniões

  1. Parabéns,
    Colega Vitor,

    Isso poderia remediar a situação. Solução inteligente e bem pensada. Poderia ser, estendida, inclusive para as Associações Regionais e Estadual.
    Mas vamos pensar mais um pouco.
    Eles que são proprietários e donos inquestionáveis do sindicato, iriam regulamentar algo contra eles mesmos?
    Para isso, seria preciso tirá-los de lá. Concorda? Pois bem.
    Se eles saíssem de lá, estaria resolvido o impasse. Por piores que poderiam ser seus sucessores, creio, não chegaria um terço desses aí, nem que lavassem a cara com óleo de peroba de manhã.
    Falar nisso, nobre colega, você leu a proposta de Constituição de Capistrano de Abreu?
    Teria um único artigos: Art. 1º – Todo brasileiro deve ter vergonha na cara.
    § único – Revogam-se as disposições em contrário.

    Pois eu creio que não há poder legiferante, regulamento, instrução normativa, portaria, estatuto, capaz de inibir comportamento derivado das “qualidades” intrínsecas do caráter humano.
    Certamente essa ideia poderá nos servir, e muito, quando tivermos uma diretoria de verdade nos representando no sindicato. Isso, se essa diretoria passada não o tiver vendido para outros.
    A nossa única (e pobre esperança) é que poderá estar entrando alguns diretores nesse ano de 2014, que poderiam fazer a diferença.
    Sem querer fazer qualquer tipo de apologia, ou baixa política, e muito menos desfazer-me de qualquer outro novel diretor, o vice, Marcos Camargo tem demonstrado em seu passado ser uma pessoa digna. Vamos ver e assistir o seu desempenho como diretor sindical e torcer para que não nos decepcionemos totalmente com ele, que (infelizmente) poderá ser contaminado pelas influências maléfica em que seus antecessores são pródigos.
    Mas vamos ser otimistas, torcer para que o bem vença o mal, e que nós, todos da categoria tenhamos um ótimo 2014.
    Felicidades!

    Caio França.

  2. Vitor

    CLAUSULA DE BARREIRA SINDICAL

    Caros colegas, se sabemos quem são os inimigos da CATEGORIA, porque não modificarmos o meio em que eles vivem….. vamos alterar o ESTATUTO DO SINDICATO. A condição para se candidatar a qualquer cargo no SINDICATO e dentro dele deve ser a da ABSTINÊNCIA POLÍTICO PARTIDÁRIA. Fica o representante sindical proibido de participar de reunião com POLÍTICOS PROFISSIONAIS, exceto para tratar de matéria resolvida em ASSEMBLÉIA, legalmente convocada para tal mister… Havendo desrespeito às NORMAS DO SINDICATO, o representante será imediatamente afastado….PENSEM….

  3. Caros colegas,
    Estamos na verdade diante de um projeto politico e de interesses pessoais que foi acordado com a diretoria do Sindifiscal e apoiado por alguns companheiros (dentre eles, alguns que estão sendo enganados), qual seja eleger José Ronaldo Deputado Estadual, em seguida formar um trenzinho da alegria elegendo Carlos Campos e CIA. Ora, ai está a resposta da pergunta para que serve hoje esse Sindifiscal: única e exclusivamente para eleger José Ronaldo.
    Funciona mais ou menos assim:
    1 – Represar as demandas da categoria para serem debatidas e mobilizadas somente de 4 em 4 anos;
    2 – No ano de 2014, próximo dos acordos e alianças politicas, usa-se a categoria com movimentação da mesma deliberando em assembleia que precisamos ir a luta e se for o caso vamos fazer greve (porque as demandas são tantas que possivelmente aí a categoria já está esgotada e sem saída aceita a proposta);
    3 – Ao negociar correremos o grande risco de jogar tudo em candidatos e novamente perder, e quanto às demandas, estas serem mais uma vez prorrogadas. Se dermos sorte serão algumas delas parceladas a partir do próximo governo ( porque a justificativa é porque o pacote e muito grande e acumulado e somente pequena parte poderá ser atendido ).
    É indignante ver um sindicato postergar reivindicações que poderia ser conquistadas dia após dia, seria muito mais fácil, e dizer que vamos esperar o momento certo (4 em 4 anos) é um CRIME CONTRA A CATEGORIA E SEUS FAMILIARES.
    A esperada UNIÃO e enfim, atuarmos conjuntamente, está cada vez mais longe de acontecer porque querem ser os ÚNICOS. A arrogância, vaidade e prepotência tem sido seus maiores
    Trunfos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *